sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Carlos Pereira e a gratidão que a seleção deve aos clubes

Em entrevista à RR, o presidente do Marítimo, entre outros assuntos, disse:
(...) os meios financeiros estão escassos, ao contrário da Federação, que tem um produto que não compra e vende a alto preço com aquilo que é dos clubes. (...) Mas quem beneficia da grande fatia daquilo que é a seleção portuguesa de futebol, que é feita com os ativos dos clubes (...)
Começa por fazer alguma confusão que um presidente de um clube que há décadas tem o alto patrocínio dos dinheiros públicos através do governo regional da Madeira, possa estar a tentar pedinchar mais dinheiro de instituições do Estado. Adiante, que não é disso que este post se trata.

O senhor até pode ter alguma razão em teoria, mas se atendermos que o grosso das receitas da FPF com a participação das seleções vem das fases finais das competições em seniores, não me parece que o Marítimo tivesse direito a um grande encaixe monetário. Espero que Carlos Pereira não queira que a FPF comece a mandar mais dinheiro para os clubes espanhóis, ingleses e turcos, que é onde estão os principais jogadores da seleção. Aliás, com a saída de Moutinho para o Mónaco e a provável saída de Rui Patrício para o estrangeiro, brevemente teremos um 11 onde não haverá nenhum jogador de clubes portugueses.

Mesmo assim, a verdade é que o Marítimo, tendo uma formação bastante acima da média suportada por uma equipa B que ficou em 16º lugar na II liga no ano passado, poderia reclamar um contributo importante ao nível da evolução do jogador nacional, e consequentemente parte das receitas da FPF. Ou não?

Numa análise estatística simples, organizando a utilização de jogadores do Marítimo na I liga em 2012/13 por nacionalidade, chegamos ao seguinte resultado:



Ou seja, na época passada, apenas pouco mais que 1/3 do tempo de jogo foi preenchido com jogadores portugueses. E o mais assustador é que o Marítimo ainda deve ser dos melhores. Se fizermos esta análise para o que foi o Benfica dos últimos anos, ou para o que será o Porto de 2013/14, o panorama será certamente tenebroso.

Tivemos nas últimas semanas alguns sinais de que o futebol jovem em Portugal parece estar a querer inverter a tendência dos últimos 15 anos, com as presenças de destaque no Mundial Sub-20 e no Europeu Sub-19. Será que os nossos clubes estão mentalizados para transformar estas promessas em valores seguros do futuro do nosso futebol?

Se não estiverem, mais vale acabarem com intervenções deste tipo.

Sem comentários :

Enviar um comentário