quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Paineleiros: Prolongamento

Em posts anteriores fiz a avaliação dos paineleiros do Trio de Ataque e de O Dia Seguinte. Se no Trio de Ataque temos pessoas que se podem sentar ao nosso lado na bancada e com quem poderíamos conversar sobre futebol de forma civilizada, em O Dia Seguinte temos a representação das elites, de pessoas mais habituadas à conversa de camarote, de charuto em riste, com acesso a inside information fora do alcance do comum dos adeptos.

Seguindo a analogia das conversas de bancada e de camarote, passemos agora para a conversa de taberna. Falemos então do programa Prolongamento, da TVI24.

Começo por recordar os parâmetros de avaliação, que vai de 1 a 5:

Fala de forma entusiasmada e apaixonada do seu clube


Independência dos dirigentes do clube, no passado e no presente, diz aquilo que pensa quando as coisas correm mal, sem seguir a cartilha de qualquer facção do clube

Manda veneno aos adversários de forma oportuna e implacável

Tem memória, recorda factos que os adversários gostariam que fossem esquecidos

Mantém uma postura que dignifica o clube que representa

Nota final



Eduardo Barroso / Prolongamento (TVI24)

Enquanto adepto, é impossível não se simpatizar com Eduardo Barroso. É uma pessoa que quando fala do seu clube é totalmente transparente. Nota-se o deleite e a lágrima ao canto do olho quando fala das coisas boas que acontecem ao Sporting, e é evidente o desgosto e o quanto está a sofrer nos momentos maus. Admite não perceber nada de táticas e modelos de jogo, preferindo não entrar por análises puramente racionais. Eduardo Barroso prefere deixar-se guiar pela emoção, aumentando o nível de decibéis à medida que se entusiasma, tendo atingido o auge neste momento de televisão inesquecível. Teve um período muito negro enquanto acumulou o cargo de Presidente da MAG do Sporting e o biscate de paineleiro, tornando-se num fator de desestabilização do clube -- os sportinguistas nunca aceitaram a distinção entre EB paineleiro e EB presidente que este invocava quando estava no programa. Apesar de já não pertencer aos órgãos sociais do Sporting, o conflito que teve com a direção anterior e o facto de ter sido candidato pela lista de Bruno de Carvalho nas eleições anteriores, faz com que se possam ter justas reservas sobre o seu nível de independência.



Manuel Serrão / Prolongamento (TVI24)

Um verdadeiro homem do Norte, Manuel Serrão não tem papas na língua. Diz o que lhe vem à cabeça, doa a quem doer, inclusivamente quando a faca está apontada ao seu próprio clube. Quando Manuel Serrão fala, esqueçam discursos preparados e argumentos de cartilha: todos os raciocínios deste paineleiro são fabricados exclusivamente pela sua cabeça, normalmente 50 milissegundos antes de lhe saírem pela boca. Em momentos de maior entusiasmo e polémica, nomeadamente quando em debate com Eduardo Barroso, pode obrigar os telespetadores a reduzirem o volume da televisão. Isso não significa que Manuel Serrão demonstre uma paixão fora do normal pelo seu clube: fala de forma entusiasmada de tudo, seja do Porto, seja de uma boa francesinha ou do estado do trânsito na VCI.



Fernando Seara / Prolongamento (TVI24)

Entalado entre duas pessoas que falam de forma muito entusiasmada, Fernando Seara é o elemento mais sereno, apesar de frequentemente de ter que levantar a voz para se conseguir fazer ouvir. Homem com história no dirigismo associativo e federativo e na política camarária, não renega amizades discutíveis que o colocam em causa perante os adeptos do Benfica. O melhor exemplo disso é um famoso jantar que teve com Pinto da Costa, Joaquim Oliveira e Miguel Relvas, dias depois do Benfica ter perdido por 3-2 em casa no jogo decisivo com o Porto, com o famoso golo em fora-de-jogo de Maicon. Se qualquer benfiquista tivesse acesso a um cinturão de explosivos e vontade para o usar, dificilmente deixaria passar essa oportunidade de acabar com 3 figuras tão amadas. Seara seria um dano colateral que não deixaria grandes saudades aos adeptos do seu clube.



Até ao momento estes paineleiros são os que têm piores avaliações. É no entanto necessário observar que os responsáveis pelo programa pretendem que os paineleiros se comportem da forma que sabemos. Sousa Martins raramente faz o mínimo esforço para tornar o programa audível para o seu público.

Para terminar esta série de posts, falta falar sobre o programa Grandes Adeptos, da Antena 1. Na minha opinião, estou a deixar o melhor para o fim.



Sem comentários :

Enviar um comentário