quinta-feira, 26 de setembro de 2013

O Triunfo dos Pintos

"O Triunfo dos Porcos" é um livro muito conhecido de George Orwell. A história fala de uma quinta onde os animais fazem uma revolução, liderada por porcos, para expulsar os humanos que os dominam. A ideia é criar uma sociedade em que todos os animais são iguais, mas progressivamente os porcos acabam por se tornar um grupo privilegiado que acaba por ser mais tirano do que os humanos eram antes da revolução. Este livro foi publicado em 1945 e era uma sátira bem óbvia ao comunismo de Estaline e à impossibilidade de formar sociedades sem classes privilegiadas.

O futebol português também teve a sua revolução, mas não foi liderada por porcos. Foi liderada por Pintos.

Após um jejum de quase 20 anos, o Porto ganhou dois campeonatos no final da década de 70. Depois ficou outros 5 anos sem ganhar, e em 1984 (outra referência a Orwell?) tudo mudou. Começou aí a revolução dos Pintos.

Liderados por Pinto da Costa, o FC Porto tinha outras figuras (oficiais ou trabalhando na sombra) que conseguiram expulsar definitivamente os pérfidos lisboetas da condução da quinta do futebol. Botando um ovo aqui e um ovo ali, os pintos passaram a dominar os palcos que maior influência tinham sobre as questões de arbitragem e de disciplina, tornando-se ainda mais totalitários do que os inimigos que entretanto subjugaram.

Começámos então a ficar familiarizados com outros Pintos que controlavam todos os recantos da quinta:
  • Adriano Pinto, presidente da AF Porto desde 1979 até à data da sua morte, em 2007
  • Sardoeira Pinto, presidente da AG do FC Porto desde 1982 e presidente da AF Porto entre 1971 e 1979, que pode ser muito boa pessoa mas parece o Vito Corleone a falar
  • Lourenço Pinto, atual presidente da AF Porto e membro do Conselho Superior do FC Porto, mas que ficou mais conhecido pela sua presidência do Conselho de Arbitragem nas décadas de 80 e 90, associado ao famoso caso de suborno ao árbitro Francisco Silva, e advogado de Pinto da Costa no Apito Dourado
  • Pinto de Sousa, presidente do conselho de arbitragem apanhado em inúmeras escutas do Apito Dourado
  • Álvaro Pinto, vice-presidente do FC Porto desde 1982
  • Ilídio Pinto, vice-presidente com o pelouro do hóquei em patins do FC Porto desde 1982
  • João Pinto, eterno capitão do FC Porto, autor de frases como "Prognósticos só no final do jogo" e "O meu coração só tem uma cor: azul e branco"
O FC Porto deve muito a estes Pintos. Os pintos reproduziram-se, dando origem a muitos filhos bastardos que, não sendo Pintos de nome, continuam a ajudar os Pintos a manter os outros animais da quinta na ordem. Nesta quinta não há Lobo que meta o dente, nem Carvalho que lhes faça sombra.


Sem comentários :

Enviar um comentário