quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Cinco pontos a reter do discurso de Rui Santos

Comentários de Rui Santos à 10ª jornada no último domingo


Pontos a reter do comentário:
  • é preciso olhar para toda a época do Porto
  • o Porto começa a mostrar sinais preocupantes de alguma decadência a partir da 5ª jornada
  • "E na verdade, quer nas apresentações europeias, quer na Taça de Portugal, quer também no campeonato nacional o Porto acaba de perder 4 pontos nos últimos 2 jogos!"

Comentários de Rui Santos à 8ª jornada, umas semanas antes


Pontos a reter do comentário:
  • o Porto tem uma defesa super-adulta
  • com os 5 pontos de avanço que o Porto tem à 8ª jornada, pode-se dizer que está encontrado o campeão nacional porque o Porto não vai abrandar

Tecnicamente, Rui Santos não está errado -- o Porto ainda não perdeu 5 pontos para os rivais. Mas é curioso ver como o comentador consegue fazer discursos completamente contraditórios, sempre com um ar de quem está totalmente convicto daquilo que diz. 

Não sou uma pessoa muito dada a experiências radicais, mas confesso que gostava de poder ler pensamentos por uns dias só para seguir o raciocínio de Rui Santos enquanto está a preparar o que vai dizer no programa seguinte.

4 comentários :

  1. Um clássico na comunicação social portuguesa. Infelizmente poucos o denunciam nem que fosse para os próprios verem o ridículo em que se expõem...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Whiplash, é um clássico do surrealismo. É o nº 2, logo a seguir ao Dali.

      Esta semana veio com a teoria que o Porto vai tentar roubar o Leonardo Jardim ao Sporting e que o André Villas-Boas pode vir a ser um candidato a presidente do Porto.

      Criticou também o Bruno de Carvalho pelo episódio da bandeira por andar a mandar sound bites para conquistar os adeptos do Sporting (foi esta expressão que o RS usou - sound bites)

      Ele pode ter a sua razão ao criticar o presidente (também acho que a declaração da bandeira era perfeitamente dispensável), mas ver o Rui Santos acusar alguém de mandar sound bites é o cúmulo do descaramento.

      Eliminar
  2. O problema disto tudo é que as pessoas consomem este tipo de coisas, dando tempo de antena a quem não merece. O Rui Santos é um palhacinho desde que me lembro e raramente concordei com ele. É daquela estirpe da nova burguesia que gosta de ser polémica, gosta de marcar a diferença e gosta de se fazer entendido...e vai daí e a malta come.

    Somos muito pouco exigentes com tudo e damos azo a que estes merdas apareçam e façam disto vida.

    "Ninguém sabe que coisa quer, ninguém conhece que alma tem" - O Nevoeiro

    Quanto ao BdC...sim, era dispensável mas voltamos ao mesmo. As pessoas gostam de arranjar polémica onde não a há, gostam de apontar o dedo e procurar podres...sinceramente, num almoço de um núcleo em ambiente de convívio em que, inclusive, a CS já tinha abandonado, não vale a pena estar com tanto alarido. "Ai, ui, os símbolos nacionais"...digo muitas vezes, orgulhamo-nos tanto do nosso país em matéria de merda...! Muitos daqueles que apontam o dedo foram aqueles que disseram as dívidas de 17M€ do LFV ao estado não tinham nada a ver com o benfica...

    Parafraseando Fernando Pessoa:

    "Ninguém sabe que coisa quer/ Ninguém conhece que alma tem/.../Tudo é incerto e derradeiro/ Tudo é difuso, nada é inteiro/ Ó Portugal, hoje és nevoeiro!"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Whiplash, concordo que na questão da bandeira se está a fazer uma tempestade num copo de água. Preferia que o presidente não o tivesse dito, mas em função do contexto em que foi dito é algo que não tem a importância que lhe estão a querer dar. Ninguém de bom senso pode acreditar que foi um ataque à bandeira.

      É mais uma novela de má qualidade colocada em prime time para canalizar os ódios das pessoas, como foi o episódio da imitação feita pelo Blatter ou a indignação perante os anúncios da Pepsi.

      Espero que fique a lição para o futuro: nos dias de hoje ninguém pode assumir que o que é dito fica apenas dentro das paredes onde se faz o discurso.

      Eliminar