domingo, 10 de novembro de 2013

Sobre a arbitragem de Duarte Gomes

É indiscutível, Duarte Gomes prejudicou escandalosamente o Benfica no derby. Calma, estou a referir-me à época de 2001/02. O Benfica ganhava por 2-0 aos 85', quando Jardel se atira sozinho para o chão, numa falta muito mal simulada. Duarte Gomes marca penalty, o Sporting reduz para 2-1 e ainda conseguiria empatar o jogo. 

Esse jogo de há 13 anos deve ter deixado danos psicológicos irreversíveis em Duarte Gomes, pois desde então o árbitro parece sentir constantemente a necessidade de compensar o Benfica pelo erro cometido. Desde que começou a arbitrar os grandes, em 2000/01, Duarte Gomes esteve em apenas duas derrotas do Benfica: 2-1 em Alvalade (em que expulsou Rui Jorge aos 36') e na Luz contra o Porto (1-2), na sequência da qual o Porto, mesmo tendo ganho, fez uma célebre conferência de imprensa a apontar 15 erros de arbitragem.

Ao mesmo tempo, Duarte Gomes parece ter formado um batalhão de anti-corpos contra o Sporting que o fazem passar por figuras ridículas como esta que fez há um mês em Alvalade.


Pavlov poderia fazer um estudo sobre reflexos condicionados usando o Sporting e Duarte Gomes como cobaias.

É caso para dizer que quando Duarte Gomes foi nomeado para o jogo de ontem,  pode-se ter juntado a fome à vontade de comer.

O Benfica-Sporting de ontem foi um grande espectáculo e qualquer uma das equipas poderia ter saído vitoriosa. É legítimo que se diga que o Sporting perdeu pelos erros que cometeu: no 1-0 a barreira saltou sem necessidade, no 2-1 e 3-1 não houve marcação a Cardozo, e no 4-3 há um frango de Rui Paticio. Rojo faz uma falta desnecessária e vê o 2º amarelo. O Sporting cometeu efetivamente muitos erros e foi penalizado por isso.

No entanto, o adversário também cometeu erros e, ao contrário do Sporting, não foi penalizado por todos eles. Os erros do Benfica não se limitaram a deficiências na abordagem às bolas paradas defensivas. O pontapé que Luisão dá em Montero e a mão de André Almeida são erros individuais dos jogadores que deviam ter sido penalizados mas que passaram impunes.

É moda hoje em dia os comentadores sobrevalorizarem os aspetos táticos e ignorarem os erros dos árbitros. Querer passar uma esponja por este tipo de decisões incorretas dizendo que o erro do árbitro faz parte do futebol será sempre uma análise incompleta no caso de Duarte Gomes. Não se podem continuar a ignorar erros destes num árbitro que mostra constantemente uma tendência para beneficiar vermelhos e penalizar verdes.

Analisando os lances de ontem isoladamente, até é legítimo admitir que o árbitro não tenha visto por questões de posicionamento. Infelizmente, como vêm na linha das tendências demonstradas por Duarte Gomes ao longo dos anos, também é perfeitamente legítimo que os sportinguistas coloquem em causa se terá sido apenas uma questão de posicionamento, e se não terá havido algo mais a influenciar a decisão do árbitro. Que, neste caso, podem ter acabado por valer o afastamento definitivo de uma competição.

Portanto, na minha opinião, para além de corrigir o que há a ser corrigido do ponto de vista coletivo e individual, o Sporting pode e deve queixar-se do árbitro. É que a incompetência seletiva de Duarte Gomes há muito que ultrapassou todos os limites de tolerância razoáveis.

Sem comentários :

Enviar um comentário