segunda-feira, 4 de novembro de 2013

TSF (Telefonia Sem Firmeza?)

Há dois anos, o Sporting foi alvo de um boicote de árbitros, tudo porque não gostaram de umas declarações (não oficiais) supostamente de Godinho Lopes, que terá acusado os árbitros de incompetência. Não voltariam a arbitrar jogos do Sporting até que recebessem um pedido de desculpas público.

Entretanto houve declarações bastante mais polémicas de outros responsáveis de outros clubes, como aqui ou aqui, que colocavam em causa não apenas a competência, mas também a honestidade dos árbitros. O que é que esta classe fez perante tais acusações? Meteram o rabinho entre as pernas e não fizeram absolutamente nada.

Agora estamos a viver uma nova situação de tratamentos diferenciados, desta vez por parte da classe dos jornalistas. No final do Belenenses - Porto, jornalistas da RR e da TSF relataram em direto e na primeira pessoa terem sido vítimas de agressões por parte do diretor de comunicação do Porto, Rui Cerqueira. No entanto, estranhamente, não existiram quaisquer outras referências posteriores ao caso por parte dos referidos órgãos de comunicação social. Nem sindicato dos jornalistas, nem RR, nem TSF. Nenhuma crítica ou condenação institucional ao sucedido.

A verdade é que no passado, quando os jornalistas se sentiram colocados em causa, assistimos a reações corporativas muito mais enérgicas por acontecimentos bem mais triviais. Mas, como é evidente, o alvo das críticas da comunicação social era o suspeito do costume.


Voltando às agressões de Rui Cerqueira aos jornalistas, apenas consegui encontrar uma referência ao assunto no blog "Jogo Jogado", de Mário Fernando, que é o diretor de desporto da TSF. Mário Fernando foi interpelado na caixa de comentários sobre a ausência de reação da TSF aos acontecimentos, e foi esta a resposta:


Ou seja, parece que a TSF se descarta de qualquer tipo de apoio a um seu funcionário que foi agredido ao serviço da própria rádio. Inacreditável. 

Se da equipa de desporto da RR já esperava algo deste tipo, confesso que me sinto profundamente desapontado por ver isto acontecer na TSF, mesmo sabendo que pertence à Controlinveste de Joaquim Oliveira. É que para mim a TSF sempre foi a grande referência da informação radiofónica em Portugal.

Por uma boa notícia vão até ao fim da rua, vão até ao fim do mundo. Desde que isso não incomode os patrões de Rui Cerqueira.

7 comentários :

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. RP, peço desculpa, eliminei sem querer o seu comentário. Estou a tentar ver como o consigo recuperar.

      Em relação ao que escreveu, isto na minha opinião não só reflete-se pessimamente no Mário Fernando, mas também no Paulo Baldaia, que é o diretor da TSF. É inadmissível que todos os níveis da hierarquia não apoiem inequivocamente o seu jornalista.

      Eliminar
  2. É uma vergonha. O mário fernando (escrevo propositadamente com letra pequena) é um cobarde. Todos sabemos quem manda na tsf.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. RP, felizmente foi possível recuperar o seu comentário. Mais uma vez peço desculpa pelo meu erro. Um abraço.

      Eliminar
  3. O jornalista da TSF não foi agredido, nem sequer esteve envolvido na cena, que se passou exclusivamente entre o director de comunicação do FCP e o jornalista da Rádio Renascença. O da TSF viu e contou em directo o que se passava. É conveniente saber do que se está a falar antes de fazer acusações.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo, escrevi este texto em função do que ouvi na altura. Não ouvi o relato dos acontecimentos em direto, visto que estava em Alvalade a ver o Sporting - Marítimo, pelo que me baseei no que li e ouvi mais à noite.

      Se me enganei relativamente à TSF, de facto ficarei a dever-lhes um pedido de desculpas. No entanto, não tenho forma de o saber de certeza porque nem RR, nem TSF, nem Liga de Clubes, nem Sindicato dos Jornalistas disseram uma palavra que fosse sobre o sucedido. E isso também não me parece normal, atendendo à rapidez com que estas entidades normalmente se revoltam perante outros acontecimentos semelhantes (como demonstrei neste post).

      A única reação posterior a isto foi a do jornalista da RR, numa mensagem críptica via o blog de Eugénio Queiroz.

      Numa altura em que qualquer notícia com o mínimo de relevância se torna viral, é muito estranho a quase total ausência de reações. Dá toda a sensação que foi um caso que alguém fez por abafar.

      Cumprimentos.

      Eliminar
  4. O Paulo Sérgio é outro...o Tadeia então nem falar. Enfim...

    ResponderEliminar