segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Falta-nos um bocadinho assim, à Danoninho

A Taça da Liga é de facto uma competição menor. Seria impossível para mim ver um Sporting - Porto para o campeonato ou Taça de Portugal com o nível de descontração com que vivi o jogo de hoje. No entanto, ambas as equipas levaram o jogo bastante a sério, cada um com o seu objetivo, e acabou por ser uma partida muito interessante.

De um lado um Sporting que assumiu sempre as despesas do jogo. Foi a única equipa que procurou ganhar e apresentou um jogo muito concentrado e fluído. Enormes exibições de Cédric, William e Adrien, bem secundados por Dier, Rojo e Jefferson. Durante a primeira parte gostei muito do entendimento de Martins, Wilson e Cédric na ala direita, proporcionando-nos excelentes momentos de futebol. 

Na segunda parte entrou Carrillo, que confirmou a subida de forma que vem revelando nas últimas semanas, e teve um jogo absolutamente avassalador que deixa água na boca para o que poderá vir aí nas próximas partidas. Foi pena Vítor não ter aproveitado duas excelentes ocasiões de golo que teriam colocado justiça no resultado.

Foto: Record

Apesar de ter gostado do jogo do Sporting, há um facto que é incontornável: é o quarto jogo que realizámos contra Benfica ou Porto, e voltámos a não conseguir ganhar, o que demonstra que ainda nos falta alguma coisa para podermos vencê-los no confronto direto. Foi pena, porque uma vitória poderia dar-nos um acréscimo de confiança importante e colocar mais pressão sobre os nossos rivais.

Ao contrário do que tem feito nos anos anteriores, o Porto não poupou muitos titulares, deixando de fora apenas Helton, Lucho e Jackson (com os últimos dois a entrarem durante a segunda parte). No entanto, não me parece que estejam a dar mais importância à Taça da Liga este ano. Simplesmente não queriam ser derrotados pelo Sporting. Não queriam acima de tudo que alcançássemos o bocadinho que nos falta, à Danoninho. Tão pouco se deram ao trabalho em tentar marcar um golo, que nem Danilo nem Alex Sandro subiram no terreno para causarem os desequilíbrios que os caracterizam.

A arbitragem de Olegário Benquerença pareceu-me boa. Excetuando um fora-de-jogo que me pareceu mal tirado a Wilson (e que não tendo sido assinalado daria origem a uma falta que provocaria com a expulsão de um jogador do Porto) e um amarelo que faltou mostrar a Danilo após uma enorme sucessão de faltas na primeira parte, já fico satisfeito por não ver a pouca vergonha da dualidade de critérios dos últimos mestres do apito que nos têm calhado em sorte, como Duarte Gomes, Bruno Esteves, Jorge Sousa e Manuel Mota.

Uma última palavra para três jogadores adversários. 

Ghilas jogou pouco, mas é natural atendendo à falta de oportunidades que lhe têm dado. Não me dá particular gozo que as coisas lhe estejam a correr mal. Não terá sido por falta de vontade dele que não veio para o Sporting. Agora que sabemos quanto o Porto pagou por metade do seu passe, é evidente que não houve nega ao Sporting, houve nega do Sporting. 

Fernando foi desafiado por José Manuel Ribeiro do jornal O Jogo para demonstrar dentro de campo a superioridade em relação a William Carvalho. Hei-de escrever sobre o artigo que o diretor de O Jogo fez sobre o assunto. O que é facto é que Fernando a construir foi uma nulidade, mostrando um excesso de voluntarismo e falta de clarividência que me incomodaria ver na seleção -- o que não quer dizer que seja contra a sua convocatória. É certo que Fernando vale mais do que isto, mas hoje William ganhou-lhe a toda a linha, quer defensivamente quer ofensivamente.

Carlos Eduardo apanhou uma equipa a sério pela frente pela primeira vez. O novo Deco (que de Deco só parece ter a nacionalidade, o número da camisola e bater bem livres e cantos) jogou muito pouco e ameaça tornar-se o sexto flop portista do ano, depois de Licá, Quintero, Josué, Herrera e Reyes. O jogador não tem culpa da chuva de elogios prematuros que recebeu após jogar contra adversários fracos como Rio Ave e Olhanense, mas a realidade é que os portistas (e os comentadores) parecem-se cada vez mais com os benfiquistas ao endeusarem jogadores sem que os tenham visto a jogar contra adversários de nível médio ou alto. Até pode ser bom jogador, mas compararem-no a Deco ao fim de dois jogos completos é uma idiotice.

2 comentários :

  1. Sr. Mestre, gostava que o Ghilas tivesse vindo para o Sporting e ele agora se calhar também preferia ter vindo uma vez que no Porto não joga. Gosto particularmente de um ponta-lança com as suas características. Mas tudo bem, nada de loucuras, os pés bem assentes no chão. Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida, caro anónimo. Também gosto do Ghilas como jogador. O problema dele não tem a ver com falta de qualidade, mas por estar tapado pelo Jackson, que é um jogador fabuloso. O que é discutível é o dinheiro que o Porto pagou por metade do seu passe ao Moreirense, mas isso são outras contas. Obrigado pelo comentário e um abraço.

      Eliminar