segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Farsa do Juíz da Beira, por Gil Vicente

Um compromisso inadiável impediu-me de ver o Gil Vicente - Sporting em direto. Deixei o jogo a gravar. Enquanto o jogo decorria, desliguei o rádio do carro, não olhei para o telemóvel, não atendi telefonemas (inadvertidamente deixei o telemóvel em silêncio, o que me ajudou nessa tarefa) e depois de chegar a casa não liguei a televisão. Desliguei-me do mundo, de forma a que conseguisse ver o jogo sem saber nada. Para poder sofrer como se fosse em direto. Eu sei que é patético, mas sempre fui assim. Num jogo em que o Sporting poderia isolar-se no comando do campeonato, ainda mais se justificava que o voltasse a fazer. E assim pude começar a assistir ao jogo, com o som quase no mínimo, às 22h30, na mais perfeita ignorância.

Mas não deu para sofrer muito. Para vibrar, sim, mas baixinho, para não acordar ninguém. O Sporting voltou a ser a equipa competente que nos tem habituado. Sem deslumbrar (com um campo e um adversário que dificilmente deixarão que qualquer equipa deslumbre), mas com muita concentração, espírito de luta e, claro, com um punhado de jogadores que sabem jogar à bola e que juntos valem mais do que a soma das partes.

Foto: Record
Mais uma vez, o Sporting resolveu o jogo aproveitando erros dos adversários. Mas já o escrevi antes, o Sporting joga de forma a provocar esses erros, e por isso ganha com tanto mérito quanto teria se tivesse resolvido o jogo em qualquer jogada de laboratório.

Grande jogo de André Martins (que só falhou na finalização, mas é muito bom sinal que tenha aparecido tantas vezes perto da baliza) e Montero (é incrível como a classe que revela a finalizar seja tão grande quanto a sua capacidade de jogar de costas para a baliza), bem secundados por Jefferson, Maurício, William Carvalho e Adrien. Rui Patrício foi chamado poucas vezes, mas voltou a ser decisivo. Mas na realidade ninguém jogou mal, e isso começa a ser uma constante. Os jogadores sabem o que têm a fazer em campo, e na ausência de inspiração tem sempre a oferecer transpiração.

Uma palavra sobre o adversário: Jorge Sousa não é da Beira, mas protagonizou uma farsa digna de Gil Vicente. 

Jorge Sousa teve um critério disciplinar incrível. Antes de Pek's ver o cartão vermelho, o Gil Vicente já devia ter dois jogadores expulsos (um acertou com os pitons na canela de Adrien e outro deu uma bofetada na cara de André Martins). O árbitro assinalou as duas faltas, mas só puxou do amarelo no segundo. Pek's, antes dos 10 minutos de jogo já tinha feito uma carga duríssima por trás sobre Montero e nem um amarelo. Vilela dá um pontapé em Jefferson quando este protegia a bola pela linha final, e nada. César Peixoto berra na cara de Capel e nada. Em oposição, destaca-se a facilidade com que amarelou os jogadores do Sporting (Cédric e Jefferson mereceram, Adrien e Rojo não). Aliás, o Sporting acabou com mais amarelos do que o Gil. Inacreditável. 

Uma palavra sobre o Gil Vicente: demonstrou pouco mais que uma equipa de caceteiros cujo único objetivo na vida é não sofrer golos e aproveitar uma ou outra saída para o contra-ataque. Triste um futebol como o nosso que vê uma equipa destas a lutar pelo 4º lugar.

Uma palavra para os sportinguistas presentes no estádio: fantásticos. O apoio que a equipa sente com estas manifestações de fé, certamente que os empurra para acrescentarem aquela ponta extra de empenho que ajuda a fazer a diferença. E se em Alvalade isso é um dado adquirido, nos estádios adversários não é tão fácil, pelo que fica o agradecimento humilde deste sportinguista a todos os que acompanham o nosso clube pelo país fora.

Uma palavra sobre Leonardo Jardim: classe. A dirigir a equipa, a postura, a falar, tudo. É enorme. Superou todas as expetativas que tinha (que eram moderadas) quando foi contratado. Hoje, na flash interview, mais uma vez esteve em grande. Peço desculpa pela qualidade do som (está muito baixo), mas vale a pena ver o vídeo que coloco de seguida.


6 comentários :

  1. Estou de acordo com a tua análise. Este jogo, não tendo sido brilhante, foi um jogo de candidato ao título, num campo difícil em más condições, e a equipa respondeu à altura. Gostei da atitude, excepção aos últimos minutos onde facilitaram um pouco talvez por descompressão. Excelente jogo do André Martins, Montero novamente a decidir e um muito bom jogo do William e do Jefferson. Agora é termos muito cuidado nos próximos 2 jogos em casa, não podemos baixar a concentração, é nestes jogos que aparecem as surpresas.SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. RP, concordo perfeitamente, precisamos de concentração máxima contra Belenenses e Nacional. As conversas que já se ouvem de que vamos passar o Natal na frente são prematuras. A equipa terá que suar bastante para conseguir que isso venha a ser uma realidade. Um abraço.

      Eliminar
  2. Eu até tenho medo de dizer alguma coisa não dá dar azar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francis, eu não sou supersticioso, mas nestas coisas também prefiro não arriscar... :)

      Eliminar
  3. Tb eu estranhei o critério do bermelho tripeiro . Largo e com avisos em relação aos capões ,e com unhas rentes em relação aos leões! Dá para afirmar que trazia a encomenda para nos fazer encolher.Pelo menos lá que tentou,tentou! Do nosso lado não se admite é que a jogar com mais um,não se consiga trocar a bola com critério.Dei por mim a dizer:mas eles é que têem mais um jogador,ou quê?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nos últimos minutos a equipa parece ter entrado em descompressão. Os dois amarelos e aquela oportunidade do Gil foram um reflexo disso. Verdade seja dita que eu também já estava em descompressão, e não me incomodei muito com o assunto na altura. Mas vendo agora mais a frio podíamos ter acabado o jogo aflitos se aquela bola que foi ao poste tivesse entrado. Espero que o Leonardo lhes tenha dado na cabeça no balneário. Se facilitarmos muitas vezes ainda poderemos sentir alguns amargos de boca.

      Eliminar