terça-feira, 17 de dezembro de 2013

João Rodrigues pode levar as taças para casa

No programa "Quinta da Bola" da passada quinta-feira, a liderança isolada do Sporting foi o tema principal em análise.

Para além dos residentes Vítor Serpa e José Manuel Delgado, foram também convidados Fernando Seara e João Rodrigues (antigo presidente FPF, benfiquista doente, apanhado nas escutas do apito dourado a negociar árbitros em nome de Luís Filipe Vieira).

Ah, e convidaram também Marçal Grilo, sportinguista. Deve ter sido para dar alguma diversidade que contrastasse com a vermelhidão predominante.

Foi, apesar de tudo, um programa agradável de seguir. Marçal Grilo mostrou ser uma pessoa bastante bem informada, e com nervo para mandar umas ferroadas ao clube dos restantes participantes do programa. Fernando Seara, sendo uma pessoa capaz de reconhecer as virtudes dos outros e os defeitos próprios, teve também uma participação interessante.

Mas João Rodrigues é um sujeito execrável. Dá arrepios só de pensar que um fanático destes já foi presidente da FPF. Deve ser uma espécie de pai espiritual de Nuno Lobo, que é a grande esperança dos benfiquistas para os cargos de topo da FPF ou da Liga.

Voltando ao programa, numa altura em que se falava do peso que a academia do Sporting tem no onze titular, a conversa teve que inevitavelmente ir parar à academia do Benfica e, claro, para Bernardo Silva. Curiosamente, agora que Ivan Cavaleiro começou a jogar com alguma regularidade na equipa principal, a comunicação social deixou de falar tanto nele e prefere apontar os holofotes noutra direção.

E eis como João Rodrigues deu a sua opinião sobre o atual panorama das formações de Sporting e Benfica.

Reconheço que o Sporting teve um trabalho de base antecipadamente em relação a qualquer outra equipa portuguesa, designadamente ao meu clube, que passou por um vendaval (...) E o grande favor que eu devo ao atual presidente do Benfica, é que ele teve a coragem para reestruturar este clube, e a primeira coisa que fez foi fazer no Seixal um centro de estágios para jovens. E desde aí os resultados estão à vista. Sabe quem foi o campeão nacional o ano passado, de juvenis e de juniores?

Veio também com a conversa que a maioria dos jogadores nas seleções jovens é do Benfica, o que é manifestamente falso. 

Este discurso de equiparar a formação do Benfica à formação do Sporting (à semelhança do que Eládio Paramés fez há umas semanas) é absurdo. E lançar a cartada dos títulos ganhos nas camadas jovens é uma falsa questão que foi competentemente desmascarada por Aurélio Pereira quando falava sobre Cristiano Ronaldo na Quinta da Bola há umas semanas atrás.

Pessoas como João Rodrigues e Eládio Paramés não parecem querer perceber que a formação de um jogador não termina aos 18 anos. É necessário abrir algum espaço na equipa principal para que os melhores tenham acesso à intensidade competitiva que os poderá desenvolver para um patamar de qualidade superior.

E essa não é a política do Benfica, que contratou este ano Funes Mori, Fejsa, Siqueira, Pizzi, Fariña, Cortez, Sílvio, Lisandro Lopez, Rojas, um 2º Matic, dois Markovics, Sulejmani, Mitrovic e Djuricic, e ainda mais alguns estrangeiros para a equipa B. Certamente que nessa altura o departamento de futebol do Benfica já teria conhecimento da qualidade de jovens como Bernardo Silva, Ivan Cavaleiro ou João Cancelo.

Felizmente que Ivan Cavaleiro começou a ter as suas oportunidades, e progressivamente vai ganhando importância na equipa. Mesmo assim, parece ter sido algo imposto a Jesus, pois não há lógica que explique a forma como Ivan foi lançado pela primeira vez num jogo a doer -- ao intervalo no jogo em casa com o Olympiakos, quando a equipa perdia, numa noite de tempestade em que o relvado alagado impedia que se jogasse à bola. Se isto não é falta de bom senso, não sei o que será.

É indiscutível que há muita qualidade no Seixal à espera de oportunidades para mostrar o que vale. O problema é que no Benfica essas oportunidades raramente aparecem, a não ser que o jovem tenha custado uns milhões e vindo diretamente do estrangeiro. Para esses não há falta de oportunidades.

Não há clube em Portugal que seja pior que o Benfica na etapa final do desenvolvimento dos jogadores das suas camadas jovens. E enquanto for assim, não vale a pena entrarem em comparações absurdas sobre qual a melhor escola de futebolistas no nosso país.

7 comentários :

  1. Na verdade não há clube em Portugal que seja pior que o Benfica, ponto final, para qualquer leão. Nem lhes devíamos dar o gosto de discutir sobre formação nas últimas 3 décadas, onde "produziram" 1 jogador. O SLB é um clube que mantém o mesmo treinador há 5 épocas e muito bem, não fosse JJ o maior bluff técnico em Portugal. A meio da 5ª época ainda estão à espera que a equipa evolua????? Até podiam falar de lesões que também lhes estão a ser fatais mas a verdade é que JJ e segundo aquilo em que acredita, basicamente no desequilíbrio e em muita correria que não permite sequer pensar muitas vezes, nunca na vida vai conseguir ter uma equipa equilibrada. Pior, foi campeão logo na 1ª época, onde surpreendeu sempre a jogar em transições, com super jogadores como Ramirez e de lá para cá ainda só conseguiu fazer pior. Na defesa e quase com os mesmos jogadores, outra grande vantagem que custa muitos milhões todas as épocas, continua a sofrer quase 30 golos por época. Depois de perder o último campeonato nos últimos minutos e quando os rivais mudaram quase tudo, a mesma equipa apareceria sempre muito mais forte esta época se houvesse realmente um modelo de jogo que permitisse evoluir. E o que é que fez o SLB e JJ para ajudarem os adversários? Toca outra vez de ir ao mercado para baralhar tudo outra vez. A meio da época voltam a não ter sequer um onze base ou um modelo de jogo e com os jogadores fartos de JJ, que só serve para desmentir que a estabilidade é uma das maiores vantagens no futebol. As equipas do treinador que inventa tempos de jogo não chegam a conseguir descansar com bola, depois de 5 épocas. É obra insistir em tanta intranquilidade. É o SLB.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo, é curioso que fale na instabilidade do Benfica, porque é sobre isso de que se tratará o post desta tarde. Mas a minha opinião é um pouco diferente da sua. Acho que o Jorge Jesus, com todos os defeitos que tem, tinha uma ideia eficaz para limpar as competições internas. Só não funcionou no ano passado porque se desgastaram em muitas frentes, enquanto que o Porto foi eliminado cedo da LC.

      O problema é a ambição europeia. Para o benfiquista não basta o sucesso nacional, têm que se afirmar como uns dos melhores da Europa -- e isso acaba por deitar tudo a perder.

      Para mim, Jesus foi desaproveitado no Benfica. A primeira época foi brilhante, mas na 2ª e na 3ª deram-lhe demasiada rédea solta. Houvesse uma estrutura forte, e o Benfica poderia ter conseguido a hegemonia do futebol português nos últimos 4 anos. Agora é tarde demais, Jesus de facto já não tem condições para continuar no Benfica, mas na minha opinião não é o principal culpado. A estrutura devia ter imposto limite à ação do treinador, deixar de usar o clube como um entreposto de jogadores, e estabelecer objetivos realistas. Os adeptos deviam ter percebido a total responsabilidade da estrutura no desfecho da época passada. Em vez disso muitos preferiram aplaudir o Cardozo depois da triste cena do final da taça.

      Obrigado pelo comentário e um abraço.

      Eliminar
    2. Correção: só vou publicar o post sobre a instabilidade à volta de Jesus na próxima sexta-feira.

      Eliminar
    3. Sem dúvida, uma estrutura que só serve para gastar dinheiro, mais de 400 Milhões de passivo numa dúzia de anos. E não estamos a falar do Sporting que muda mais de direcção que muitos clubes de treinador, sempre a mesma no Benfica e é a que gasta mais em Portugal e a única a quem tem que se exigir os títulos todos. Não na Champions como é óbvio mas gasta mais do que suficiente para não ficar dependente do desgaste na Europa, como também acontece todas as épocas. Volto a dizer que o Benfica foi a única estrutura que gastou para manter tudo este ano e a meio da época ainda está pior que no ano passado.

      No meu 1º comentário circunscrevi-me mais ao treinador porque também está lá há muitos anos. Foi campeão na 1ª época porque tinha alguns super jogadores que entendiam mais os famosos tempos do jogo que JJ, tacticamente foram sempre desequilibrados, a excelência de alguns jogadores é que disfarçaram muita coisa. De lá para cá compraram uma série de interiores para jogar nas faixas e extremos para jogar ao meio. E ainda agora uma série de miúdos, a maior prova de que até a formação só serve para gastar dinheiro no Seixal, que com uma estrutura a sério precisavam de pelo menos uma época para entrar na equipa. Ver Fergusson quando o Manchester era quem mais gastava e mais ganhava em Inglaterra. JJ é a antítese perfeita.

      Eu não sou fundamentalista de nada, ainda acredito mais na formação quando não abundam recursos para irmos ao mercado como pelos vistos na Luz, para além de tudo do cube que se passa aos jovens durante o processo. O Benfica, com o mesmo treinador, comprou e não vendeu, só tinha que levar muitos pts de avanço nesta altura e volta a não ter uma equipa, quando a ideia de gastar para manter tudo é quase já nem precisarem de treinar ou só fisicamente, no campo já deviam jogar sempre de olhos fechados. Ao invés andam a integrar miúdos recém chegados e agora já nem o GR presta? No Benfica do Vieira não se aproveita nem se salva nada nem ninguém. E um treinador quase a acabar a carreira que ainda não percebeu para que é que serve o meio campo que se dedique mas é ao atletismo e às corridas. Ao fim de 5 épocas tinha que estar a vender para rentabilizar o investimento e ter pelo menos dois jogadores para cada posição para parar de sofrer sempre que há lesões e não tem nada.

      Eliminar
    4. Anónimo, de facto é impossível compreender a política de contratações do Benfica. Gastaram milhões para reforçar setores que já eram fortes (Markovic, Funes Mori, Djuricic, Funes Mori, Fariña). Para a defesa e meio-campo defensivo, onde as opções eram em menor número, pouparam: Cortez e Sílvio vieram emprestados, Steven Vitória a custo zero, e depois Siqueira também emprestado.

      Dá a sensação que só gastam dinheiro a sério em jogadores de ataque, por serem os que se poderão valorizar mais.

      E se já era intenção de Vieira não vender ninguém para apostar no melhor plantel dos últimos 30 anos para apostar no sonho da final da Liga dos Campeões, percebe-se ainda menos.

      Também me parece que depois dos flops Weldon e do Roberto, que o Jesus passou a ter pouca influência nas contratações.

      A política desportiva do Benfica é um caos, e o Vieira é de facto o principal responsável.

      Eliminar
  2. O grande Steven Vitória que deixou de ir à Europa com o Estoril e está aqui está lutar para não descer para a III. Ainda é preciso mais alguma coisa para decretar o estado de calamidade pública em que se tornou o SLB? Mas ca ganda formação há na equipa B sr. João Rodrigues.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, o Steven deve estar bem arrependido. Curiosamente, na semana passada o Benfica B jogou contra o Sporting B com Mitrovic, Steven Vitória, Gianni Rodríguez, Markovic, Lolo, Roja, Urreta e Funes Mori. Em 14 jogadores utilizados, 8 não são da formação. Destes 8, 7 foram contratados este ano. Alguém percebe isto?

      Obrigado pelo comentário e um abraço.

      Eliminar