sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Sporting - Benfica: fim da linha?

Sporting e Benfica jogam amanhã em condições que poucos acreditariam há duas semanas atrás.

O Sporting, com um plantel formado essencialmente por jovens da formação e contratações de baixo custo, venceu de forma convincente os dois primeiro jogos do campeonato. O que mais impressiona nem são tanto as vitórias em si, mas a forma como a equipa se apresentou em campo: solidária, confiante e eficaz.

Por outro lado, o Benfica, a equipa muitas vezes chamada de rolo compressor, parece transportar os traumas das derrotas do final de época seguinte. Cardozo e Melgarejo à parte, é exatamente a mesma equipa que maravilhou os adeptos no campeonato (onde teve apenas uma derrota) e na Liga Europa, jogando de peito feito contra um adversário teoricamente mais forte e caindo apenas nos descontos. As duas primeiras jornadas mostraram uma equipa insegura e perdulária que parece se querer desligar do treinador.

Isto mostra o quanto as questões psicológicas (e no caso do Sporting o treinador) têm peso na produção dos jogadores e, consequentemente, da equipa. O Sporting joga com 6 jogadores titulares que participaram ativamente na pior época de sempre do clube. O Benfica joga com 9 titulares que participaram ativamente naquela que esteve perto de ser uma das melhores épocas de sempre do clube.

O problema das questões psicológicas é que não são fáceis de ultrapassar, sendo mais fácil entrar numa espiral de descrença que parece que amarra os jogadores dentro de campo. Para sair dela não basta um jogo. Não acredito que depois de virarem o resultado com o Gil Vicente os jogadores do Benfica já tenham recuperado totalmente a saúde psicológica. Essa recuperação é muito gradual. O Sporting, no ano passado, também ganhou alguns jogos nos últimos minutos, e não foi por isso que na jornada seguinte as coisas melhoraram. 

Esta descrença é provavelmente o motivo que levou Jesus a lançar a carta Cardozo. É uma jogada de desespero para tentar semear medo no adversário e levantar o espírito dos seus jogadores e adeptos. O problema é que, para Jesus, enquando líder de balneário, é uma situação lose-lose. Se Cardozo entra e resolve o jogo, deixa de ter argumentos para afastar um jogador que o desautorizou em frente de todo o país. Se Cardozo entra e não rende, é mais um argumento que dá a quem pensa que já não tem condições de ser treinador do Benfica. Isto mostra que Jesus, ao convocar Cardozo, deve estar convencido que uma derrota amanhã será o fim da linha para si.

Quanto ao Sporting, o cenário é menos dramático. Leonardo Jardim já conseguiu conquistar os adeptos, mesmo tendo um perfil muito mais discreto do que Jesus. Tendo em consideração os valores individuais dos jogadores e o potencial coletivo de Sporting e Benfica, é evidente que há mais probabilidades de o Benfica ganhar. Depende da saúde psicológica que os jogadores benfiquistas demonstrarão ou não no jogo de amanhã. Mas, no caso de derrota do Sporting, isso não será o fim da linha para ninguém. Basta que os sportinguistas não se esqueçam das expetativas que tinham há um mês atrás.

Sporting candidato ao título é algo que só existe nas fantasias dos seus sócios e adeptos, e nas palavras dos adversários para tentar pressionar uma equipa jovem e que está junta há pouco tempo. Racionalmente, os sportinguistas sabem que existe um percurso longo até poderem defrontar de igual para igual adversários com orçamentos muito superiores e estruturas com muito mais influência em todo o edifício organizativo do futebol português. Independentemente do resultado de amanhã, para o Sporting, o comboio ainda vai no início da viagem.

Boa sorte, Bruma...

... vais precisar.

Compras e vendas de jogadores estrangeiros do Galatasaray nas últimas 5 épocas:


De vez em quando um clube turco consegue vender jogadores para campeonatos mais mediáticos por valores interessantes. O problema para Bruma é que esses jogadores são turcos. Quanto aos jogadores estrangeiros vendidos nestes últimos 5 anos, não se pode dizer que tenham saído valorizados em relação a quando chegaram. Bem pelo contrário.

Olhemos para 3 das contratações mais caras do Galatasaray neste período:
  • Keita foi comprado ao Lyon por €11M; um ano mais tarde foi para as arábias onde acabou por se reformar
  • Elano foi comprado ao Manchester City por €10M; um ano mais tarde foi para o Brasil por €2.9M
  • Misimovic, depois de uma temporada fantástica no Wolfsburgo, onde foi campeão, foi comprado por €7M; uns meses mais tarde acabou por ser despachado para a Rússia por €4.5M; neste momento anda pela China
Mesmo sendo um clube com muita visibilidade devido às boas prestações europeias, o Galatasaray (e o futebol turco em geral) é um destino mais apropriado para fim de carreira do que para quem se está a tentar impor. Já vários jogadores turcos foram vendidos para o futebol europeu, nomeadamente o alemão, mas estamos a falar de jovens que se valorizaram no seu país de origem.

Bruma vai sozinho para um país desconhecido, com uma cultura muito diferente, onde se fala uma língua que não conhece. A seu favor terá a possibilidade de jogar com Drogba e Sneijder, o que lhe pode dar mais visibilidade.

Provavelmente é isto que Baldé e Bebiano querem. Daqui a um ano sai e lá receberão uma comissão pela transferência seguinte, mesmo que a transferência seja por valores mais baixos que esta. Boa sorte para a tua carreira Bruma, vais precisar.

Muito bom sinal, parte 2


Setor 26:
Dia 26 às 16h

Dia 28 às 18h45

Dia 30 às 14h45

Setor 32:
Dia 26 às 16h

Dia 28 às 18h45

Dia 30 às 14h45

Jornalismo de trampa #1

Há dois dias vi esta notícia no site do jornal O Jogo.






Na referida notícia diziam também que "Após semanas de negociações, o clube grego conseguiu finalmente persuadir a administração da sociedade anónima verde e branca a abrir mão do defesa/médio ex-Bayern de Munique".

A qualidade que o jornalismo desportivo português já me habituou levou-me a desconfiar. Em primeiro lugar, porque não acreditava que o Sporting ficasse a pagar 66% do salário, e depois porque a sociedade anónima verde e branca não precisaria de grandes argumentos para ser persuadida a abrir mão do jogador.

Fiz bem em desconfiar.


Diz que é monumental...

... a obra que Joana Vasconcelos vai fazer para o museu do Porto.

A artista celebrizou-se com obras como "Marilyn", um par de sapatos gigante feito com panelas, ou o lustre de tampões que foi proibido de ser exposto no Palácio de Versailles.

Para o caso de ainda não estar decidida como será a obra para o museu dos azuis e brancos, aqui ficam algumas sugestões:

  • Um dragão gigante suspenso feito com cheques de 500 contos e bilhetes de avião para o Brasil
  • O busto de Pinto da Costa feito com kits de teste de gravidez usados pelas suas companheiras antes de o terem conhecido
  • Uma evocação ao calcanhar de Madjer feita com pequenos tubos de ensaio com um líquido amarelinho
  • A boina de Pedroto feita com caneleiras de adversários partidas por André, Paulinho Santos e Bruno Alves

Sketch da escultura "Pinto da Costa, o dragão", rejeitada pelos responsáveis do museu



quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Always look on the bright side of life #2

Instruções: pôr o vídeo abaixo a andar e ler o que está a seguir.

 

Porto B - Penafiel, jogado na segunda-feira passada.

Grande expetativa para ver o Porto B, líder da liga de honra. Com transmissão em direto pelo Porto Canal e cobertura ao vivo do site O Jogo.

O Porto B, para O Jogo, será sempre uma equipa de 1ª liga.

Porto B decidiu alinha com 7 jogadores da equipa principal: Fucile, Reyes, Herrera, Tiago Rodrigues, Carlos Eduardo, Kelvin e Ricardo. Contra esta constelação de estrelas, o Penafiel atreve-se a entrar em campo com 11 portugueses. Nem sequer um brasileiro com nome de craque para disfarçar.

Onze inicial de luxo, assistência de luxo na bancada

Recorrendo à cobertura em direto de O Jogo, vamos seguir, ao acaso, uma das contratações da equipa principal neste defeso. Olha, pode ser o Ricardo.

Primeira referência ao jogador Ricardo
Segunda referência ao jogador Ricardo
Terceira e última referência ao jogador Ricardo

Resultado final: 0-0.

Capa de 1ª página do jornal O Jogo no dia seguinte, a apresentar uma cobertura de 4 páginas (as páginas 2 a 5 são em teoria as de maior destaque da edição) sobre o referido desafio:




Paineleiros: Prolongamento

Em posts anteriores fiz a avaliação dos paineleiros do Trio de Ataque e de O Dia Seguinte. Se no Trio de Ataque temos pessoas que se podem sentar ao nosso lado na bancada e com quem poderíamos conversar sobre futebol de forma civilizada, em O Dia Seguinte temos a representação das elites, de pessoas mais habituadas à conversa de camarote, de charuto em riste, com acesso a inside information fora do alcance do comum dos adeptos.

Seguindo a analogia das conversas de bancada e de camarote, passemos agora para a conversa de taberna. Falemos então do programa Prolongamento, da TVI24.

Começo por recordar os parâmetros de avaliação, que vai de 1 a 5:

Fala de forma entusiasmada e apaixonada do seu clube


Independência dos dirigentes do clube, no passado e no presente, diz aquilo que pensa quando as coisas correm mal, sem seguir a cartilha de qualquer facção do clube

Manda veneno aos adversários de forma oportuna e implacável

Tem memória, recorda factos que os adversários gostariam que fossem esquecidos

Mantém uma postura que dignifica o clube que representa

Nota final



Eduardo Barroso / Prolongamento (TVI24)

Enquanto adepto, é impossível não se simpatizar com Eduardo Barroso. É uma pessoa que quando fala do seu clube é totalmente transparente. Nota-se o deleite e a lágrima ao canto do olho quando fala das coisas boas que acontecem ao Sporting, e é evidente o desgosto e o quanto está a sofrer nos momentos maus. Admite não perceber nada de táticas e modelos de jogo, preferindo não entrar por análises puramente racionais. Eduardo Barroso prefere deixar-se guiar pela emoção, aumentando o nível de decibéis à medida que se entusiasma, tendo atingido o auge neste momento de televisão inesquecível. Teve um período muito negro enquanto acumulou o cargo de Presidente da MAG do Sporting e o biscate de paineleiro, tornando-se num fator de desestabilização do clube -- os sportinguistas nunca aceitaram a distinção entre EB paineleiro e EB presidente que este invocava quando estava no programa. Apesar de já não pertencer aos órgãos sociais do Sporting, o conflito que teve com a direção anterior e o facto de ter sido candidato pela lista de Bruno de Carvalho nas eleições anteriores, faz com que se possam ter justas reservas sobre o seu nível de independência.



Manuel Serrão / Prolongamento (TVI24)

Um verdadeiro homem do Norte, Manuel Serrão não tem papas na língua. Diz o que lhe vem à cabeça, doa a quem doer, inclusivamente quando a faca está apontada ao seu próprio clube. Quando Manuel Serrão fala, esqueçam discursos preparados e argumentos de cartilha: todos os raciocínios deste paineleiro são fabricados exclusivamente pela sua cabeça, normalmente 50 milissegundos antes de lhe saírem pela boca. Em momentos de maior entusiasmo e polémica, nomeadamente quando em debate com Eduardo Barroso, pode obrigar os telespetadores a reduzirem o volume da televisão. Isso não significa que Manuel Serrão demonstre uma paixão fora do normal pelo seu clube: fala de forma entusiasmada de tudo, seja do Porto, seja de uma boa francesinha ou do estado do trânsito na VCI.



Fernando Seara / Prolongamento (TVI24)

Entalado entre duas pessoas que falam de forma muito entusiasmada, Fernando Seara é o elemento mais sereno, apesar de frequentemente de ter que levantar a voz para se conseguir fazer ouvir. Homem com história no dirigismo associativo e federativo e na política camarária, não renega amizades discutíveis que o colocam em causa perante os adeptos do Benfica. O melhor exemplo disso é um famoso jantar que teve com Pinto da Costa, Joaquim Oliveira e Miguel Relvas, dias depois do Benfica ter perdido por 3-2 em casa no jogo decisivo com o Porto, com o famoso golo em fora-de-jogo de Maicon. Se qualquer benfiquista tivesse acesso a um cinturão de explosivos e vontade para o usar, dificilmente deixaria passar essa oportunidade de acabar com 3 figuras tão amadas. Seara seria um dano colateral que não deixaria grandes saudades aos adeptos do seu clube.



Até ao momento estes paineleiros são os que têm piores avaliações. É no entanto necessário observar que os responsáveis pelo programa pretendem que os paineleiros se comportem da forma que sabemos. Sousa Martins raramente faz o mínimo esforço para tornar o programa audível para o seu público.

Para terminar esta série de posts, falta falar sobre o programa Grandes Adeptos, da Antena 1. Na minha opinião, estou a deixar o melhor para o fim.



quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Muito bom sinal

Evolução da venda dos bilhetes no site do Sporting para o jogo com o Benfica.

Setor 26, dia 26 às 16h

Setor 26, dia 28 às 18h45

Setor 32, dia 26 às 16h

Setor 26, dia 28 às 18h45

Poker com fichas de 5 milhões

A correria no fecho dos mercados

Os clubes portugueses têm que vender todos os anos. Sem as receitas das vendas de passes de jogadores, os clubes não conseguem cobrir os custos de estrutura, salários e aquisições de passes. A estratégia seguida nos últimos anos tem sido esperar pelos últimos dias de mercado. Em 3 ou 4 dias decide-se o lucro ou prejuízo das SAD's ao longo de toda a época, em vez de se aproveitarem os 3 meses que passaram com as competições paradas.

Do ponto de vista de planeamento de um plantel, adiar as transferências para os últimos dias de mercado é um absurdo para quem compra e para quem vende. Com campeonatos já em andamento, os clubes potencialmente vendedores são obrigados a comprar antecipadamente jogadores para precaver possíveis saídas, levando à formação de plantéis sobredimensionados e em muitos casos desequilibrados. Por outro lado, os clubes compradores estão a integrar jogadores que não fizeram a pré-época com o clube, e que vão ter certamente um período de adaptação que os impedirá de dar o melhor contributo possível numa parte considerável das competições em que vão participar.

Do ponto de vista económico, não é mais que um jogo de poker. Quem compra está à espera do desespero de quem vende, quem vende está à espera do desespero de quem compra, de forma a conseguir o melhor negócio possível. Quem fizer melhor bluff sai vencedor.



Porto descansado

Este ano o Porto teve a sorte grande. Houve um milionário russo que se chegou à frente e levou dois jogadores por €70M ainda antes da pré-época se iniciar. No ano passado as coisas correram muito pior -- venderam Álvaro Pereira a uma semana do fecho do mercado por €10M (muito abaixo de ofertas que receberam no ano anterior) e depois venderam Hulk já em Setembro, por um valor muito inferior ao esperado, que até levou à rábula dos €65M que alegaram receber contra os €40M que os russos disseram que pagaram. Num ano em que gastaram €10M em aquisições, mesmo encaixando €50M, o Porto apresentou um prejuízo de €6M no final do 3º trimestre da época desportiva 2012/13. Pinto da Costa bluffou (nada de piadas fáceis com os desarranjos intestinais do senhor, por favor) e perdeu em grande.

Este ano o Porto já encaixou €70M, que devem ser suficientes para cobrir os €24M em aquisições de jogadores. Ou seja, o Porto já não deve ser obrigado a vender, a não ser que alguém bata uma cláusula de rescisão -- o que é muito pouco provável.

Benfica sobressaltado

O Benfica não tem esta segurança. Em 2012/13 o clube adquiriu passes no valor de €26M, e esperou pelos últimos dias de mercado para vender Javi Garcia e Witsel, por uns fantásticos €60M. Desportivamente foi um risco enorme, mas a época que Matic e Enzo fizeram acabou por fazer esquecer os seus antecessores. Mais tarde, no mercado de Janeiro, o Benfica ainda vendeu Bruno César por €5.5M. No total, as compras foram de €26M, vendas de €65.5M. No final do 3º trimestre o Benfica apresentou resultados positivos de €7.3M.

Este ano, o Benfica já gastou €25M em aquisições, e recebeu €4.5M em vendas. Num exercício simplista que exclui comissões de agentes, percentagens de receitas para fundos e outras alterações na estrutura de custos e receitas do clube em relação ao ano anterior, podemos dizer que faltam €43M de vendas para o Benfica apontar para um equilíbrio de contas este ano. E já só faltam 3 dias para o mercado fechar.

Os jogadores mais falados para sair têm sido Garay (que dará no máximo €10M, já que a cláusula de rescisão é de €20M e metade do passe é do Real Madrid), Matic (que Luís Filipe Vieira disse que não vende por menos de €50M), Sálvio, Gaitan e Enzo Perez. Como é evidente, nem todos terão que ser vendidos, mas a verdade é que de todos estes jogadores só Gaitan poderá ser substituído à altura.

Na entrevista da semana passada, LFV apontou para este ano como sendo o último em que o clube vai precisar de vender jogadores para ser rentável. Dificilmente alguém poderá acreditar neste discurso, juntando-se a mais um enorme conjunto de promessas feitas ao longo de 10 anos de presidência que nunca foram cumpridas. LFV vai ter que vender, e bem, este ano. A capacidade negocial (dependente do desespero de clubes compradores) vai determinar se vai precisar de vender 2 ou 3 jogadores (ou só 1 se conseguir vender Matic pela cláusula de rescisão). O que neste momento joga contra o Benfica é que o mercado está parado. Se Bale for vendido, e se o Tottenham (do homem da cadeira de sonho) comprar na Europa, pode ser que o mercado se agite. Caso contrário, sobra o mercado russo. O Anzhi já está a acabar com as loucuras em que se meteu. Resta saber se os outros clubes do petróleo e do gás ainda querem servir de mecenas à outra ponta da Europa.

A juntar à decisão de alto risco / alta recompensa ao transmitir os jogos na Benfica TV, Vieira não parece preocupado em repetir a dose no que toca às vendas de jogadores. Pode dar certo, mas não sei se será aquilo que se poderá chamar de boa gestão.

Sporting de outra realidade

O Sporting neste momento só joga com fichas de €1M. O orçamento está a ser reduzido de forma brutal e se conseguir ver-se livre dos contratos milionários de Labyad, Onyewu, Pranjic, Bojinov e Bouhlarouz até pode ser que não precise de vender mais. A vender, apenas Rui Patrício não poderá ser substituído à altura. O outro nome que se tem falado é Capel, que neste momento não é titular.

Balanço das arbitragens: 2ª jornada

Antes de começar, fica aqui o link para o post em que explico os motivos e a forma como organizei este balanço.

Académica 0-4 Sporting (Artur Soares Dias)
41' - Golo de Rojo para o 0-2 - decisão errada, pois há fora-de-jogo de Montero; é uma jogada em que a bola a bate em vários jogadores: Wilson Eduardo remata, a bola tabela em Rojo e depois em Montero; no momento em que a bola bate em Rojo, Montero está em fora-de-jogo e acaba por ter influência na jogada pois a bola bate-lhe na perna imediatamente a seguir; a bola ressalta novamente para Rojo que remata para golo
52' - Penalty de Marcelo Goiano sobre Jefferson - decisão correta, o jogador da Académica coloca o braço esquerdo sobre o ombro de Jefferson e acerta com o pé esquerdo na perna do adversário
52' - Segundo amarelo para Marcelo Goiano - decisão correta, no lance do penalty está a cortar uma jogada de perigo; o primeiro amarelo, mostrado aos 40' também foi bem mostrado
58' - Penalty de Manoel por mão na bola - decisão correta, o jogador da Académica leva o braço esquerdo levantado (está a ocupar espaço que o corpo não cobre) no momento em que a bola lhe bate
=: O lance do 2-0 nasce de um erro do fiscal de linha, mas o Sporting já vencia e dominava por completo o jogo, pelo que a probabilidade de a Académica virar o resultado era ínfima; na minha opinião acaba por não ter influência na vitória do Sporting

Benfica 2-1 Gil Vicente (Paulo Baptista)
9' - Rodrigo fica isolado, mas é assinalado fora-de-jogo - decisão correta, as pernas estão em linha mas Rodrigo está inclinado para a frente, estando efetivamente fora-de-jogo
29' - Golo anulado a Lima - decisão correta, mas pelos motivos errados; Lima estava em fora-de-jogo mas o que foi marcado foi toque com o braço na bola, que na realidade não existiu
80' - Lima cai na área embrulhado com um defesa do Gil Vicente - decisão correta, se há alguma falta teria que ser marcada falta atacante
=: Decisões de arbitragem nos lances críticos não tiveram influência no resultado final

Porto 3-0 Marítimo (Jorge Ferreira)
44' - Josué cai na área após contacto do defesa do Marítimo - decisão correta, Josué sente o contacto e deixa-se cair, vendo o cartão amarelo
50' - Otamendi é derrubado e é marcado penalty - decisão errada, a falta é fora da área
=: Decisões de arbitragem nos lances críticos acabaram por não ter influência no resultado final; o lance do penalty existe com o resultado já em 2-0, o Marítimo nunca pareceu capaz de contrariar o domínio do Porto

Nota: no programa "O Dia Seguinte" discutiu-se se o defesa do Sporting Maurício e se o médio do Benfica Enzo Perez deveriam ter visto amarelo ou vermelho. Nenhum me parece um caso claro de cartão vermelho, pelo que não os coloquei nos lances analisados, já que em ambos o cartão amarelo se aceitaria. Nenhum dos lances me parece intencional (apesar de nenhum dos dois ter visto sequer isso). Vou procurar manter este critério, ou seja, só vou incluir situações disciplinares de faltas que não cortam jogadas de perigo iminente se me parecerem claramente merecedoras de cartão vermelho.




terça-feira, 27 de agosto de 2013

Rui Gomes da Silva, o leitor de mentes

Rui Gomes da Silva explica a Rui Oliveira e Costa e a Guilherme Aguiar o motivo dos gestos de Luisão após a reviravolta no resultado contra o Gil Vicente.



Podem ver o programa completo aqui.

Rui Gomes da Silva, o leitor de mentes, mostra novamente que é o paineleiro mais bem informado da nossa praça, acedendo mais uma vez a divulgar inside information que não está ao alcance do comum sócio e adepto.

Rui Gomes da Silva a descansar no seu camarote no intervalo do Benfica - Gil Vicente

Aguenta os cavalos! #2: Maurício

Maurício, todos sabemos que não estiveste cá no ano passado a testemunhar a desgraça que foi o futebol do Sporting e a diferença abismal para quem andou a lutar pelo título. E também é indiscutível que o Sporting está muito melhor do que no ano passado. Mas daí a começares a dizer coisas destas...


Keep calm and carry on!

Aguenta os cavalos! #1: Quintero

O rapaz até pode vir a ser um craque, este post não é para lhe tirar valor nem negar o potencial que tem mas, fazendo o papel do advogado do diabo Alexandre Pais, não haverá aqui algum exagero para quem jogou menos que 70 minutos em 3 jogos? E cujo melhor jogo dos três foi contra uma equipa reduzida a 10?

Fonte: zerozero.pt

Ricardo Calleri, empresário de Quintero

"Ainda nem viram dez por cento." (link)
"Em três jogos já valorizou." Os adeptos embalam-no da bancada e Quintero retribui em campo. (link)

Pinto da Costa, presidente do Porto

"Quintero vai ser muito importante." (link)

Carlos Machado, colunista do jornal O Jogo

"Quintero assinou uma obra de arte em Setúbal e os portistas já acreditam que, afinal, podem deixar de chorar por James Rodríguez" (link)

Não identificado, jornal O Jogo, após o Setúbal - Porto

"Sem largura de banda mas com gigas de talento (...) e no banco ficou um artista [Quintero] que promete ser figura no campeonato." (link)

Miguel Sousa Tavares, Miguel Sousa Tavares

"Vi, então, dez minutos e quatro intervenções de Quintero. (...) Aquele miúdo de 1,69 metros é um génio deste jogo (...)" (link)

E, para terminar, a mais recente e categórica opinião até ao momento.




segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Oblak e a Guerra dos Dez Dias

A 25 de Junho de 1991 a Eslovénia declarou-se, unilateralmente, como um país independente. A Jugoslávia de Milosevic não aceitou a independência e decidiu-se pelo uso da força, invadindo a Eslovénia a 27 de Junho. O exército jugoslavo, muito mais poderoso, contava com uma vitória rápida mas a organização e o moral das tropas eslovenas resistiu acima de todas as expetativas, conseguindo o apoio da comunidade internacional. A 4 de Julho é declarado um cessar foto por ambas as partes. A Jugoslávia acabou por decidir retirar-se da Eslovénia de forma a preparar a iminente guerra com a Croácia. Morreram nesta guerra 65 pessoas.



Do governo jugoslavo dessa altura todos nos lembramos de Slobodan Milosevic. Mas haviam outros protagonistas, como Markovic, primeiro-ministro da Jugoslávia e Mitrovic, vice-primeiro-ministro.

Imaginem-se no lugar do esloveno Oblak. Estão de férias em Junho. Dizem-vos que a 1 de Julho, precisamente 22 anos após a guerra ter tido lugar, têm que se apresentar no Seixal onde estarão também Markovic, Mitrovic e a restante "armada sérvia" ("armada sérvia" é uma expressão de Rui Santos, não minha). Eu também desapareceria para lugar incerto...

127 / 21 / 14

127 - número de minutos que durou o programa Trio de Ataque do dia 25/08/2013

21 - número de minutos que sobraram no final do programa para se falar do Sporting no referido programa, numa semana em que se conheceu a decisão do caso Bruma e após a segunda goleada no campeonato; estes 21 minutos incluem uma entrevista de 7 minutos ao jogador Bruma

14 - número de minutos que sobraram para os 3 paineleiros falarem do Sporting

Pelos vistos, é muito bom sinal para os sportinguistas que se fale pouco do seu clube no referido programa. 

Pelos vistos, os temas que correm bem ao clube não são suficientemente interessantes para quem decide o alinhamento do referido programa.

A entrevista de Luís Filipe Vieira

Só hoje consegui ver a entrevista de Luís Filipe Vieira à Benfica TV, aqui fica a minha opinião sobre alguns dos tópicos abordados.

Positivo
  • Relativamente aos traumas do final de época, dizendo que é altura de olhar para a frente.
  • Estabelecimento de objetivos realistas para esta época: vitórias no campeonato e taça, passar fase de grupos da liga dos campeões.
  • Não quis falar de arbitragens relativamente ao início de época do Benfica.

Negativo
  • "Nunca ninguém me pode avaliar por ser campeão ou não ser campeão" -- essa é nova.
  • Agora afinal a vitória de 3 campeonatos são para se conseguir num prazo de 5 anos, e não no mandato para que foi eleito.
  • Diz que nas vitórias nunca aparece -- não é verdade, nessas alturas ninguém o cala.
  • A história do processo disciplinar de Cardozo, desresponsabilizando a estrutura no tratamento do caso desde o princípio e empurrando a resolução do problema para Jorge Jesus.
  • A promessa de que na próxima época os adeptos vão ver muitos mais jogadores portugueses a chegar ao plantel principal -- só acredita quem quiser, nomeadamente depois de todos os elogios que fez aos jogadores que andam a encontrar na Sérvia.
  • Diz que o negócio Fariña é simultaneamente um excelente negócio económico e desportivo para o Benfica -- economicamente até acredito, mas desportivamente? Mandando-o para o Dubai?
  • Os esclarecimentos sobre Roberto encaixam no que foi saindo cá para fora ao longo do tempo, mas para mim não são verdade -- continuo a não acreditar que alguém oferecesse €8.6M com intenção de pagar, e não acho que os dirigentes do Benfica sejam ingénuos a esse ponto.
  • "Para o ano de certeza que [Pizzi] fará parte do plantel" -- não deveria ser o treinador a definir isso?

Não sei bem como classificar
  • As insinuações que fez sobre José Veiga, teria sido bom que as concretizasse .
  • Sobre o papel de Rui Costa no Benfica -- a explicação foi boa, mas não me convence totalmente porque pessoas com esse nível de responsabilidade acabam inevitavelmente por ter uma exposição pública que Rui Costa não tem tido.
  • "É o último ano que [o Benfica] vai precisar de vender jogadores" -- foi enigmático, poderá ser uma boa notícia mas sem qualquer detalhe, mais parece ser wishful thinking.
  • "O Dubai é uma região de grande interesse para o Benfica" -- em que medida? Investidores para o clube? Futuras digressões na pré-época? Escolas de formação? Não explicou.
  • "[As receitas da Benfica TV] com os 150.000 assinantes já passa os €22M" -- era bom que explicasse como fez essas contas.

Já agora, em relação à entrevista de Hélder Conduto, os temas quentes foram abordados e pegou bem nas respostas para lançar outras perguntas pertinentes. Em alguns momentos até procurou forçar esclarecimentos mais incómodos para o presidente do Benfica, nomeadamente no caso Cardozo. Muito melhor do que outras entrevistas que já vi fazer a presidentes de clubes em canais teoricamente isentos.

Este não se tinha reformado?

Alexandre Pais, no Record, sobre o Sporting - Arouca.

Dito isto, farei o papel de “advogado do diabo” para que o próprio diabo não pense que nos apanha distraídos. Por um lado, achei o Arouca uma equipa frágil, em construção seguramente, mas de qualquer forma sem argumentos para o nível futebolístico que o Sporting exibiu. Por outro, Montero, o ponta-de-lança que arrebata a plateia, deslizou em manteiga: marcou o primeiro golo com a coxa, o segundo com o peito e o terceiro após um gesto técnico superior a que faltou o remate correspondente. A bola saiu frouxa e quase “à figura” do guarda-redes – que também dá a ideia de ser fraquinho e que a desviou para a baliza. Conseguirá o colombiano ser tão feliz com adversários mais poderosos? Eis o desconhecido.

Faz bem em ter dúvidas, afinal o Arouca é fraquinho, fraquinho. Montero também devia ter aproveitado para jogar no Euromilhões, porque afinal fartou-se de ter sorte nos 3 golos. Tanta sorte que, segundo Alexandre Pais, até o segundo golo foi marcado com o peito, mesmo estando o jogador fora da pequena área.

O rápido movimento ascendente de Montero permitiu que os seus enormes seios subissem ao nível da sua cabeça e desviassem a bola para a baliza, colocando o resultado em 4-1 para o Sporting


Always look on the bright side of life #1

Instruções: pôr o vídeo abaixo a andar e ler o que está a seguir.


Declarações de Jorge Jesus após a vitória ao Gil Vicente:

"Um treinador pode ter um problema com um jogador mas é normal, também acontece entre pais e filhos."
"Estas vitórias moralizam muito, este 2-1, já o disse, é mais moralizador do que se tivéssemos goleado."
 Declarações de Luís Filipe Vieira após a vitória ao Gil Vicente:
"Mostrámos que também sabemos ganhar aos 90'+2"

O Hugo Pacheco está a arbitrar em Espanha?

Afinal a imunidade deve ter a ver com as cores do equipamento, e não com a equipa em si.



sábado, 24 de agosto de 2013

Já não se brame por Bruma

A decisão da CAP foi favorável ao Sporting. Por unanimidade. Suponho que a maior parte das pessoas, entre as quais me incluo, pensava que a decisão seria a favor de Bruma. 

O Sporting continua a sair perdedor de todo este processo já que dificilmente voltará a ter Bruma no seu plantel, considerando as recentes declarações de Bebiano Gomes

No entanto, numa altura em que o clube procura sair da situação mais frágil da sua história, esta vitória na justiça é importantíssima para o orgulho e coesão do clube e seus sócios e adeptos, mesmo não recuperando o jogador. É que os adeptos de um clube sempre preferirão um jogador talentoso e esforçado que quer estar no clube a uma estrela em ascensão que só pensa no dinheiro que ainda não está a ganhar para si e para o seu séquito. Os adeptos do Sporting sempre preferirão um Wilson Eduardo a um Bruma.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Benfica TV e a ética

A ideia de transmitir jogos oficiais de um clube num canal detido por esse clube é uma novidade a nível mundial. Os apoiantes designam a experiência como pioneira, os detratores chamam-na de duvidosa e arriscada. O que é indiscutível é que está muito mais em causa do que a simples transmissão de 15 jogos de futebol ao longo de 365 dias.


As faces da Benfica TV

Eu, pessoalmente, sempre gostei de ouvir o Hélder Conduto e o Valdemar Duarte. Não sabia quais eram as suas cores clubísticas, o que é bom sinal para um jornalista que se pretende isento. Agora ao irem para a Benfica TV estão-se a expor, como já aconteceu com jornalistas contratados para os departamentos de comunicação dos clubes, como o Pedro Sousa ou o Rui Cerqueira.

Estou na expetativa para saber qual será o nível de parcialidade dos seus comentários. É perfeitamente natural que se inclinem a favor do Benfica -- o que já acontece com TODOS os jornalistas quando comentam ou relatam um jogo entre uma equipa portuguesa e uma estrangeira -- mas, pelo que me habituei a ouvir deles, estou à espera que na análise de lances polémicos, enquanto jornalistas profissionais, sejam capazes de serem íntegros. Bem mais do que um Manuel Queiroz ou um Bernardino Barros qualquer.

Questões éticas

Tem sido evidente a preocupação de muitos jornalistas, comentadores e dirigentes adversários sobre a preservação da verdade desportiva, nomeadamente por causa das repetições e os efeitos sobre possíveis castigos baseados nas imagens da transmissão. É uma preocupação legítima, já que a isenção não será certamente a prioridade nº1 da Benfica TV, independentemente da qualidade dos jornalistas contratados.

Temos por isso tido a oportunidade ouvir e ler muita gente preocupada com esta questão. Por exemplo, António Tadeia, numa crónica para o DN entitulada A televisão, a ética e a receita, da qual vou retirar alguns excertos.
Os observadores aplaudiram o que presumiam ser um final de um regime próximo do monopólio, mas a mim a questão causa-me urticária por várias razões. Éticas e comerciais.
Primeiro, as éticas. (...) que garantia temos de que a seleção e edição das imagens venham a ser feitas com a imparcialidade necessária para que sirvam de prova, por exemplo, em inquéritos disciplinares como o que castigou Insúa na época passada? Como é evidente: nenhuma!
Depois, as comerciais. Permitir aos clubes que negoceiem os seus próprios direitos televisivos é, está provado, enfraquecer a posição global em favor da posição dos mais fortes.
Concordo com as questões éticas que Tadeia menciona. No entanto, em relação às razões comerciais apontadas, já nem tanto. Na minha opinião, se a negociação dos direitos televisivos fossem centralizados nunca seriam atribuídos a outro operador que não a Sport TV. Dificilmente outro operador teria capacidade financeira e influência de bastidores no submundo do futebol para se colocar à frente da Sport TV.

Houve no entanto uma coisa que Tadeia se esqueceu de referir. Todos conhecemos António Tadeia da RTP, mas ele também escreve no DN e faz crónicas diárias na TSF. DN e TSF que são detidas pela Controlinveste (também conhecida por Olivedesportos) que, curiosamente, também detém O Jogo e a Sport TV.


Diria a ética e o bom senso que Tadeia poderia fazer uma declaração de interesses à partida, sendo assalariado de alguém que está interessado no insucesso da Benfica TV, ou então que se abstivesse de falar no assunto. Enfim, como alguém disse uma vez, causa-me urticária.

E como o mundo dos órgãos de comunicação social está cada vez mais centralizado em grandes grupos, é difícil confiar na generalidade das opiniões que saem dos jornais e rádios. Porque se ao grupo Controlinveste é conveniente boicotar a Benfica TV, a outros grupos de media concorrentes se calhar é benéfico que a Controlinveste saia mal desta novela.

Portanto, o melhor é não dar grande relevância aos opinion-makers da nossa praça, porque a independência total em relação a este tema é coisa que dificilmente existirá.


Lança espetada no sistema

O que também é indiscutível são os efeitos que isto terá no chamado "sistema". Joaquim Oliveira sempre foi visto como um dos homens do "sistema". Esta conotação já vem de trás dos tempos em que a Agência Cosmos patrocinava viagens de árbitros ao Brasil (Agência Cosmos, que faz parte também do universo Controlinveste), foi ganhando poder com negociação de direitos televisivos de futebol e publicidade estática nos estádios. Hoje em dia até, pelos vistos, é ele que paga o carro onde andam o presidente da FPF e dos árbitros.

Enquanto se portar bem, Vítor Pereira sabe que não lhe faltará uma assistência em viagem de qualidade se o seu carro avariar


Há uma coisa que é inevitável: as receitas da Sport TV vão descer. Não sei quanto vai descer, mas se a qualidade da programação é afetada e os preços mantém-se na mesma, parece-me impossível que não existam clientes a desistir do canal. E não creio que a nova Sport TV Live seja capaz de angariar um número significativo de novos clientes. Quem vê futebol em Portugal tem um clube, e não vai pagar 10€ para ver 1 jogo por mês do seu clube e 3 dos outros. 

Considerando que a generalidade dos jornais e rádios só dão prejuízo devido ao minguar do mercado publicitário, qualquer queda de receita da Sport TV deverá ser dramática para a Controlinveste / Olivedesportos e, consequentemente, para Joaquim Oliveira.

É natural portanto que o "sistema", a existir, esperneie o mais que consiga.


Riscos e recompensas

A decisão de o Benfica acabar com a maior receita fixa do seu orçamento pode ser recompensadora, mas os riscos também serão grandes. As receitas de bilheteira aumentam ou diminuem em função dos resultados desportivos da equipa, e a partir de agora o mesmo irá acontecer com as receitas das transmissões televisivas. Se a equipa se sair bem no campeonato, o potencial de receitas será enorme, mas se a prestação desportiva desiludir serão muitos os adeptos benfiquistas que deixarão de assinar o canal. A questão da canibalização entre os Red Pass e a Benfica TV também é interessante.

Assim, os direitos televisivos juntar-se-ão à bilheteira e às mais-valias nas transferências de jogadores no conjunto das receitas que estarão dependentes dos resultados desportivos. Ou seja, neste momento, uma esmagadora fatia do orçamento do Benfica está dependente do facto de a bola entrar ou não na baliza. E isso é uma dinâmica que não transita de ano para ano. O Benfica pode ter uma época de sonho e angariar clientes e receitas, mas se nas 5 primeiras jornadas da época seguinte as coisas não correrem bem, o cumprimento de objectivos da Benfica TV estará seriamente comprometida.


Como avaliar o sucesso da Benfica TV?

Não será certamente pela qualidade apresentada enquanto canal televisivo. Para além do corte com uma das faces do "sistema", o sucesso da Benfica TV vai ser avaliado em função do número de assinantes. A grande pergunta é: de quantos assinantes precisa a Benfica TV para justificar o corte com a Sport TV, atendendo que esta ofereceu €22,2M / ano?

Em contas por alto, as receitas serão:
  • Assinantes Benfica TV
  • Publicidade
  • Venda de direitos de transmissão internacionais
Os custos virão de:
  • Liga inglesa - €2,6M / ano
  • Liga brasileira, grega e americana - valores não divulgados
  • Custos de pessoal (salários de jornalistas, apresentadores e técnicos)
  • Equipamento de transmissão de diretos
  • Despesas de funcionamento corrente
  • Comissão dos operadores de cabo
Ou seja, para fazer face aos valores conhecidos (liga inglesa e os jogos do Benfica)...

€2,6M + €22,2M = €24,8M

... e a receita dos assinantes...

10€ * 12 meses * nº assinantes = €24,8M

o que quer dizer que para cobrir esses €24,8M a Benfica TV precisa de ter 206000 assinantes. Como as receitas da publicidade (o mercado publicitário está completamente espremido) e direitos internacionais devem ficar muito longe dos custos das outras ligas, de pessoal, equipamento, despesas correntes e comissões, parece-me que o melhor é arredondarmos para 250000 assinantes a pagarem os 12 meses (apesar de supor que muitos assinantes irão cortar a subscrição durante os 3 meses de paragem de campeonato). Não vou entrar nas questões do IVA e outros impostos porque não sei se os valores pagos pelos direitos da liga inglesa e a oferta da Sport TV incluíam ou não IVA.

Segundo a notícia divulgada pelo Benfica, a 29 de Julho já existiam 100.000 assinantes, o que é um excelente sinal visto que a bola a sério para a Benfica TV só começa este domingo.

No entanto, terei dificuldade em acreditar nos números divulgados pelo Benfica. Estamos a falar de gente que não tem problemas em manipular os números para salvar a face. A credibilidade é uma coisa lixada, uma vez perdida jamais se recupera. Só com números divulgados pelos operadores é que poderei ficar confiante que estamos perante dados verdadeiros.

Conclusão

No ponto de vista da afronta ao sistema, a transmissão dos jogos pela Benfica TV será sempre uma decisão positiva. Resta saber se do ponto de vista económico será compensador. 

Aquilo que espero que vá acontecer é que o Benfica não irá conseguir cobrir na totalidade a oferta da Sport TV. No entanto, as receitas serão sempre superiores em relação aos valores do contrato que o clube tinha com a Sport TV até à época de 2012/13. Para além disso, acho que a queda das receitas da Sport TV será muito significativa.

A aposta tem os seus riscos, mas há uma coisa que é preciso não esquecer: se correr mal a qualquer momento o Benfica pode retomar as negociações com a Sport TV, que certamente esfregará as mãos de contente por recuperar os direitos desses jogos. Resta saber quem estará menos enfraquecido na mesa de negociações quando e se esse momento chegar.

A entrevista de Bruno de Carvalho

Excelente entrevista do presidente do Sporting ao jornal A Bola, que li no A Norte de Alvalade:

+: O timing para fazer os esclarecimentos públicos da versão do Sporting sobre o litígio com Bruma - ficar calado perante a cacofonia permanente dos agentes do jogador, e guardar as respostas para um momento mais próximo da decisão da CAP parece-me uma boa estratégia, independentemente do desfecho do caso

+: Destaque ao facto de o salário do jogador ser o assunto mais pacífico nas conversas da renovação de Bruma; assumo que é verdade em função de declarações passadas de Catió Baldé; mostra que as condições para o jogador não são a prioridade dos seus representantes

+: Revelar o papel de Bebiano Gomes e Catió Baldé no caso Edgar Ié, que teve contornos semelhantes aos de Bruma

+: Afastar qualquer tipo de euforia na sequência da vitória ao Arouca, e não querendo fazer destaques individuais a jogadores

+: Apontar a diferença de tratamento dado pela comunicação social relativamente às exigências do Sporting na venda de Rui Patrício: BdC está a ser intransigente ao querer €15M, os outros presidentes são bestiais quando dizem que só vendem pela cláusula de rescisão

+: Alertar para quem lucra mais com as vendas milionárias de outros clubes: agentes e fundos; mais uma vez desafia a comunicação social a investigar e divulgar 

+: Esclarecer a sua presença no banco durante os jogos: é a melhor forma de perceber quem está de corpo e alma no clube, que é coisa que não se pode ver do camarote

-: A presunção de defesa dos interesses da indústria do futebol - até admito que possa ser genuíno, mas soa um pouco a falso; se a FIFA e a UEFA não se preocupam com isso não será o Sporting, com todos os problemas que tem, a ter que dar a cara por essa luta

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Confesso que fiquei surpreendido...

... sabiam que o Leonardo Jardim é mais novo que o Paulo Fonseca?

Balanço das arbitragens: 1ª jornada

Nunca vi uma análise global ao impacto que as arbitragens têm no decurso de um campeonato. Admito que é uma coisa muito complicada de se fazer. Rui Santos tem a liga da verdade, mas nunca percebi muito bem os critérios que utiliza para determinar os pontos que acha que os grandes deviam ter. Para além disso é limitador dizer que uma equipa devia ter x pontos a mais ou a menos, já que não é impossível saber os efeitos que uma boa decisão ou uma decisão que deixa dúvidas teria no resto do jogo. Quando há um erro do árbitro, os efeitos na verdade desportiva podem ser muito diversos, nomeadamente em função do resultado que havia no momento do erro e, já agora, do tempo que falta para o jogo acabar.

Outra coisa que nunca é analisada é a tolerância que os árbitros têm para o antijogo dos adversários dos grandes. É difícil medir isto. O número de faltas assinaladas e o rácio para os cartões mostrados poderia ser uma, mas não há na internet nenhuma estatística das faltas cometidas e sofridas por cada equipa. Outro indicador relevante é o momento em que os cartões amarelos são mostrados. Se o árbitro começa a punir cedo equipas que fazem muitas faltas, isso terá certamente um efeito muito diferente do que se guardarem os cartões no bolso até perto do final. Por isso vou separar os cartões mostrados até aos 10 minutos da 2ª parte. Depois dos 55 minutos é um bocado indiferente, porque entramos na altura típica de substituições e um treinador não terá grandes problemas em substituir um jogador que tenha grandes hipóteses de ser expulso.

Finalmente, o critério que cada árbitro tem para diferentes grandes. Mais uma vez, é difícil retirar conclusões pois cada jogo tem a sua história, mas estatísticas acumuladas árbitro / equipa podem mostrar algumas tendências.

Com base nas estatísticas dos jogos, vou a partir de agora agrupar e acumular valores por equipas e árbitros / equipas. Pode ser que alguma tendência se possa perceber.

A parte complicada disto é determinar o que é ou não um erro crítico de arbitragem. Muitas vezes é difícil, mesmo recorrendo a inúmeras repetições, perceber se o árbitro errou ou não. Para além disso  as preferências clubísticas de cada um também têm a tendência de levar a diferentes julgamentos do mesmo lance. Eu vou fazer os meus julgamentos, a frio (daí que estes posts sejam feitos alguns dias depois) e vou basear-me nos casos que o "Dia Seguinte" vai apresentando, o que não me impede de acrescentar algum lance que não tenha sido discutido.

A conversa vai longa, por isso vamos à 1ª jornada. Relembro que, para o bem ou para o mal, esta é a minha visão sobre os lances. Posso estar enganado e posso ser convencido, com os argumentos certos, a mudar de opinião.

Sporting 5-1 Arouca (Rui Costa)
28' - Penalty sobre Montero - não é possível ter a certeza pelas repetições, em ambas o braço do defesa do Arouca está tapado pelo corpo de Montero
=: Decisões de arbitragem nos lances críticos não tiveram influência no resultado final

Marítimo 2-1 Benfica (Jorge Sousa)
44' - Penalty de Artur sobre Derley - decisão correta, o GR impede o avançado de chegar à bola
44' - Cartão amarelo para Artur - decisão correta, a bola estava a desviar-se para uma zona mais lateral e não justificava a exibição do cartão vermelho
90'+3 - Penalty sobre Lima - decisão correta, não consegui ver qualquer toque que provocasse a queda de Lima, com bons ângulos de repetições
=: Decisões de arbitragem nos lances críticos não tiveram influência no resultado final

Setúbal 1-3 Porto (João Capela)
4' - Remate de Jackson é retirado sobre a linha de golo - não é possível ter a certeza pelas repetições
21' - Penalty sobre Licá - decisão correta, o jogador sente o contacto e deixa-se cair
47' - Penalty sobre Jackson - decisão correta, Jackson cai um bocado em câmara lenta mas o toque do adversário na sua perna de apoio (seguido de tentativa de tesoura) parece ser falta
49' - Expulsão de Kieszek - decisão correta, a cabeçada existe, independentemente de ser suscetível ou não de mandar Josué para os cuidados intensivos 
49' - Amarelo para Josué - decisão correta, o jogador empurra o adversário mas não se pode considerar agressão, ainda por cima porque Kieszek não tinha nada que tentar segurar a bola para perder tempo
66' - Remate do Setúbal retirado sobre a linha de golo - não é possível ter a certeza pelas repetições
=: Decisões de arbitragem nos lances críticos acabaram por não ter influência no resultado final; os dois casos duvidosos são exatamente iguais, um para cada lado, e ainda por cima o do Porto foi o primeiro a acontecer; se o árbitro tivesse assinalado golo aos 4', muito possivelmente o jogo seria mais fácil para o Porto










Há paineleiros e paineleiros

Após a 1ª jornada, Miguel Guedes, paineleiro do Porto no Trio de Ataque (RTP Informação) e nos Grandes Adeptos (Antena 1) decidiu mandar o seu bitaite relativamente ao novo cântico das claques do Sporting, inspirado no "The Fields of Athenry".

Aqui está Miguel Guedes a falar sobre o assunto no Trio de Ataque, fazendo referência ao cântico que fala na morte do Sporting.





















Jorge Gabriel decidiu ignorar o comentário. Provavelmente por não ter visto ali nada que merecesse resposta ou reparos.

No dia seguinte, no Grandes Adeptos, Miguel Guedes voltou à carga -- mostrando que a referência à questão da morte no cântico não foi espontânea. Só que desta vez foi à frente de Jaime Mourão Ferreira.


Há paineleiros e paineleiros. Os adeptos gostam de se ver bem representados. Jaime Mourão Ferreira é de longe o melhor representante do Sporting neste tipo de programas. Falarei do programa "Grandes Adeptos" num futuro post. Quanto a Jorge Gabriel, esperemos que comece a ver os jogos e que de vez em quando passe pelo estádio.

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

O carro é muito bonito, não é, Castrinho?

Lembram-se da história do Porsche amarelo do Futre quando foi vendido pelo Porto ao Atlético Madrid?
Futre não queria ir para o Atlético de Madrid. Além do mais, Jesus Gil y Gil não sabia se seria eleito. Na viagem para Madrid, acompanhado por Pinto de Costa, este último foi aconselhando Futre, que queria provas de que o contrato se iria cumprir. Então Pinto da Costa disse-lhe para ele pedir o que quisesse a Gil y Gil. Uma vivenda, disse Futre. Gil y Gil, que dormitava, concordou. Com piscina, acrescentou Futre. Gil y Gil concordou. Um carro. Gil y Gil diz que sim. Um Porsche, quase gritou Futre. Gil y Gil aquiesceu. E assim que aterraram foram diretos ao stand de automóveis onde Gil y Gil tinha conta. Infelizmente, só havia um Porsche amarelo. Futre torceu o nariz. Não lhe agradava a cor. Mas aí Pinto da Costa, desejoso de despachar o assunto, disse perentório: "O carro é muito bonito, não é, Paulinho?" Futre não teve coragem para contrariar o presidente do FC Porto.
Fonte: http://expresso.sapo.pt/o-porsche-de-futre=f657639#ixzz2ccdemhzb
Pois bem, vá-se lá saber porquê mas essa história veio-me à cabeça quando vi esta notícia...

in maisfutebol
 ... e depois esta:

in maisfutebol