segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Manguito a Menezes

O presidente da Câmara de Gaia, Luís Filipe Menezes, assegurou a construção do centro de estágios dos “dragões” numa altura em que os azuis-e-brancos procuravam construir um centro de treinos fixo nas redondezas do Porto. Candidataram-se Gaia, Maia e Santa Maria da Feira, mas a preferência de Pinto da Costa recaiu sobre a cidade da margem sul do Douro.

Notícias da época recordam que, só em terrenos, a Câmara de Gaia pagou 1,5 milhões de euros. A fundação PortoGaia foi constituída em Maio de 1999 e o centro de estágios inaugurado a 5 de Agosto de 2002, começando a ser utilizado pelos actuais campeões nacionais alguns dias depois, a 12 de Agosto.

Em 2004, uma reportagem da revista Visão citava um relatório da Inspecção-Geral de Finanças que, numa fiscalização à Câmara de Gaia, que concluía que a autarquia pagou a totalidade dos custos do centro de treinos: 16 milhões de euros. O FC Porto teria assegurado o direito de superfície dos terrenos por 50 anos e apenas paga uma renda mensal de 500 euros pelo centro de estágio.
in Jornal de Negócios, 3 de Agosto de 2012

Luís Filipe Menezes, não podendo continuar o seu tacho em Gaia (que transformou num dos concelhos mais endividados do país) devido à lei de limitação de mandatos, decidiu candidatar-se à Câmara do Porto, onde certamente pensaria que a vitória seria um facto adquirido.

No entanto, teve dois azares. Se esperava ter o apoio total dos adeptos de FC Porto devido à oferta do centro de estágios que fez ao clube (sem qualquer tipo de benefício para o concelho que presidia), o aparecimento do Dragão de Ouro Rui Moreira como candidato independente veio-lhe baralhar as contas. O segundo e principal azar é que os portuenses estão-se a borrifar para as preferências políticas de Pinto da Costa. Estamos a falar de eleitores que elegeram Rui Rio para 3 mandatos, mesmo tendo este as piores relações possíveis com o FC Porto. E estes dois azares deram nisto:

Menezes pareceu o Sporting em 2005, esteve muito bem posicionado para ganhar tudo, mas no final acabou em 3º



Os portuenses estiveram em grande estilo a fazer o manguito a Menezes. À falta de tribunais que analisem os desperdícios de dinheiros públicos do ex-presidente da Câmara do Gaia, é bom ver que pelo menos seja punido nas urnas de voto.

João Gobern e as invasões de campo

João Gobern, ontem, no Trio de Ataque, ainda a falar sobre a confusão que se armou no final do Guimarães - Benfica:

"A única coisa que me teria dado um enorme prazer ver em Guimarães era uma atitude semelhante àquela que ocorreu no fim do Olhanense - Sporting, em que há vários adeptos do Sporting que saltam para o campo, vão buscar camisolas, e vão ao centro do campo festejar, batendo com a mão no peito, celebrando o seu próprio emblema, e a polícia não lhes fez nada!"

Vamos ver a invasão de campo no Olhanense - Sporting:


E em Guimarães:



Sim, são claramente situações muito parecidas. Uma criança num estádio onde nunca houve problemas, em oposição a vários adultos num estádio onde há constantemente problemas graves entre claques (ainda no ano passado o Guimarães teve o estádio interditado). 

É evidente que os adeptos do Benfica não tinham intenções malévolas, e também é evidente que a polícia talvez tivesse conseguido controlar a situação sem aquelas placagens. No entanto é um bocado forçado estar a comparar as duas situações. Ou se trata de um caso em que João Gobern já teria bebido uns copos para ver vários adeptos do Sporting a invadir o campo, ou então tem uma memória pouco fiável.

Também é pena que Jorge Gabriel não tenha sabido corrigir o erro do seu colega de painel.

Um museu inovador

Foi inaugurado no passado sábado o Museu FC Porto by BMG. Um grande acontecimento que uniu toda a família portista e que enche de orgulho todos os adeptos e sócios do clube azul e branco.

As expetativas eram altas, mas confirmou-se que se trata de um espaço inovador que certamente se tornará um dos ex-líbris da cidade, de visita obrigatória, a par de outros monumentos como a Casa da Música ou a Torre dos Clérigos.

O nosso blog não poderia deixar de estar presente num momento histórico como este, e vamos partilhar com os nossos leitores alguns dos momentos mais marcantes da visita.

No mural da entrada pode-se ver um conjunto de palavras que define o clube
O realismo das figuras de cera do museu não ficam a dever em nada aos da Madame Tussauds
Foi divulgada uma foto inédita datada de 1912, com o fundador Nicolau D'Almeida (no banco de trás ao meio) a passear pela cidade com o seu benjamim Jorge Nuno

O FC Porto é um clube que preza a estabilidade: a prova é que tem o mesmo presidente desde que inventaram as fotografias a cores
Está em exibição todo o espólio preservado do período 1893 a 1906

domingo, 29 de setembro de 2013

Escrever direito por linhas direitas

No final do Braga - Estoril, Jesualdo Ferreira comentou desta forma a vitória da sua equipa.

in maisfutebol.pt

Esta frase referia-se ao facto de, nesse jogo, o Braga ter chegado ao empate quando tinha 10 jogadores contra 11 do Estoril, após ter sofrido um golo de penalty não existente. No entanto é preciso dizer que a expulsão do jogador do Braga foi justa. O árbitro compensaria mais tarde o Braga, e com juros, marcando um penalty não existente a favor do Braga e expulsando injustamente o defesa do Estoril que fez a falta.

Pois bem, Jesualdo hoje poderia ter dito que "Deus escreve direito por linhas direitas". Não o fez, preferindo de imediato condenar a vitória do Sporting por causa de uma suposta falta que antecedeu o golo de Cédric. Para mim, isso é folclore. Lances divididos há-os às dezenas por jogo, e o facto de a bola ter ressaltado para um jogador que rematou do meio da rua foi um acaso. Chamar a atenção para este tipo de erros de arbitragem (e atenção, não estou a dizer que tenha sido ou não um erro) é desonesto, principalmente quando não se mostrou nada incomodado com os erros que o beneficiaram uma semana antes.

O Sporting voltou a não fazer um jogo perfeito. Faltou muita clarividência na segunda parte, quando a equipa teve muitas oportunidades para construir um resultado tranquilo. O Braga deu espaços, o Sporting aproximou-se da área com muita facilidade, mas no momento do último passe ou no remate a execução foi quase sempre pobre.

No entanto, o Sporting ganhou por todo o mérito. O lance decisivo do jogo (a expulsão de Aderlan Santos e a lesão de Paulo Vinícius) acontece porque faz parte da forma de jogar do Sporting pressionar alto para provocar erros desses. Montero recuperou uma bola a Paulo Vinícius (que se lesiona sozinho na sequência desse lance), adiantou a bola e foi colhido pelo Aderlan, que foi corretamente expulso, pois Montero ficaria isolado. Este lance é todo ele mérito do Sporting. Porque o Sporting corre mais para pressionar os defesas adversários, desgasta-se mais a correr atrás da bola, arrisca mais desguarnecendo o meio-campo (o golo do Braga foi um exemplo disso), com o objetivo de forçar o erro do adversário.

E mostrando que Deus escreve direito por linhas direitas, nada mais apropriado que um remate direito à baliza de fora da área, num momento em que tudo começava a apontar para o empate. A procura dos flancos para cruzar não funcionou, as tabelas à entrada da área também não. Teve que ser bem de fora da área. Não era claramente um dia para escrever por linhas tortas.


sábado, 28 de setembro de 2013

Ajudem-me a ganhar um Mini

Juro que isto não é uma montagem. Foi retirado ontem do site do Record, e a secção vermelha em baixo é daqueles anúncios que vão aparecendo por cima das páginas da internet.

A única coisa que manipulei na imagem foram as setas e os números a azul para me ajudar a contar.



Até agora só encontrei 5:

1. A tomada na parede
2. O quadro no lado direito da parede
3. O quadro no lado esquerdo da parede
4. O senhor à esquerda, diretor de um jornal desportivo
5. O senhor à direita, presidente de um clube de futebol

As hipóteses que nos dão são 9, 10 ou 11, pelo que me falta encontrar pelo menos outros 4 quadrados na imagem. Podem ajudar-me a ganhar um Mini?

Clusterf#@k

No auge da crise do subprime, com as falências do Lehman Brothers e outros bancos de investimento, o The Daily Show with Jon Stewart passou a tratar essas notícias num segmento a que chamaram "Clusterf#@k to the poor house". Cluster significa "grande aglomerado", "f#@k" é a palavra mais rica que o inglês ofereceu ao mundo e pode significar de tudo um pouco, em função das palavras que a acompanham, "poor house" é uma espécie de abrigo para os mais necessitados.

Fiquei fã da expressão Clusterf#@k, que o Jon Stewart passou a usar em situações em que foi preciso muita gente fazer em simultâneo um monte de asneiras que conduziram a consequências catastróficas.

Pois bem, à falta de uma expressão em português que tenha um efeito semelhante, creio que Clusterf#@k é a palavra que melhor pode descrever o estado da arbitragem em Portugal.

E não digo isto pelo facto de o clube do costume ter ser beneficiado há pouco num penalty ridículo por um dos (supostamente) melhores árbitros do mundo, como já vai sendo habitual.

Erros após erros, uns mais compreensíveis, outros aberrantes, a classe do apito não dá descanso a essa pequenita coisa que é a verdade desportiva. Ou são incompetentes ou são desonestos, não há uma terceira hipótese. Pressão todos vivemos nas nossas vidas profissionais e a mim os meus chefes nunca tolerariam que eu tivesse um nível de desempenho semelhante ao dos árbitros portugueses. E se não aguentam a pressão, desapareçam. Ninguém os obriga a ser árbitros.

Desde a 3ª jornada, nos jogos em que participam os 4 principais clubes já tivemos erros graves de arbitragem (com ou sem influência no resultado final) em: Sporting - Benfica, Paços - Porto, Gil Vicente - Braga, Olhanense - Sporting, Porto - Gil Vicente, Braga - Estoril, Estoril - Porto, Sporting - Rio Ave, Guimarães - Benfica, Arouca - Braga e agora Porto - Guimarães. Em 12 jogos possíveis, só 1 (Benfica - Paços) é que não teve erros graves. Dos 11 jogos com erros graves, 8 tiveram influência direta no resultado final.

Infelizmente isto não é novidade para ninguém. É a bandalheira que temos há 30 anos. Bandalheira nem é má expressão para descrever a arbitragem, mas continuo a preferir Clusterf#@k.

P. S.: o Guimarães tem dois jogadores emprestados do Porto. O Abdoulaye não jogou (parece que se lesionou ou tem uma unha encravada ou o raio que o parta) e o Tiago Rodrigues entrou aos 75 minutos. Felizmente que é tudo gente séria, senão poderíamos desconfiar de outras coisas menos lícitas.


sexta-feira, 27 de setembro de 2013

O Teorema de Amaro

Miguel Amaro tem um espaço no site do Record. Não é um dos mais escribas com maior visibilidade do jornal, mas já anda nisto há cerca de 15 anos. No dia 24 escreveu o seguinte:


Gostaria de destacar o último parágrafo. 
Escrevo isto por considerar que, depois destas palavras, Bruno de Carvalho nunca mais puderá justificar as derrotas com erros de arbitragem.

Primeiro o acessório: ver um jornalista escrever "puderá" é preocupante. Não pelo erro em si, que acontece a todos, mas porque pelos vistos o Record já não tem dinheiro para comprar licenças de corretores ortográficos. Temo pelo futuro do jornal.

Agora o essencial: acho extraordinária a forma como Miguel Amaro transformou a declaração de Bruno de Carvalho, feita na sequência de um mau jogo do Sporting em que houve um erro de arbitragem com influência no resultado, numa lei que terá que ser seguida para toda a eternidade pelo presidente do clube.

Está criado portanto o Teorema de Amaro. E como qualquer teorema, temos que considerar os corolários que daí advêm.
  • Pinto da Costa e Luís Filipe Vieira, ao contrário de Bruno de Carvalho, podem continuar a justificar as derrotas com erros de arbitragem
  • Bruno de Carvalho nunca mais poderá justificar as derrotas com erros de arbitragem mesmo que a equipa tenha jogado bem
  • Bruno de Carvalho nunca mais poderá justificar as derrotas com erros de arbitragem mesmo em situações de jogos consecutivos com erros de arbitragem a prejudicar sistematicamente o Sporting
Enfim, não me parece que a conclusão que Miguel Amaro tirou das palavras de Bruno de Carvalho faça muito sentido. Para mim, a interpretação correta é que o Sporting terá que dar sempre tudo em campo de forma de forma a ser uma equipa dominadora e, como consequência, que permita minimizar os danos de potenciais más decisões dos árbitros.

Tudo isto demonstra a pobreza do dirigismo futebolístico e da generalidade dos jornalistas que acompanham o fenómeno: não é comum existirem atitudes louváveis de dirigentes, mas quando estas aparecem os jornalistas não têm ou inteligência ou vontade para relevar o que é importante. Que tal esta minha frase para um teorema?

O artista de Sábado: Paulo Baptista

Depois de Xistra nada melhor que Baptista. Dois homens a quem o verde e branco costuma causar sérios problemas de visão são nomeados em semanas consecutivas para os jogos de um clube que parecia começar a incomodar os poderes estabelecidos.

De Xistra já vimos do que é capaz. Vamos a Baptista.

A primeira coisa que salta à memória de todos é que foi um dos árbitros (a par de João Ferreira) que se recusou a apitar o Beira Mar - Sporting, naquele boicote que a malta do apito decidiu fazer ao Sporting na época de 2011/12.

Como prémio pelo boicote, foi o árbitro da final da Taça de Portugal entre o Sporting e a Académica. O Sporting jogou pessimamente mas é preciso não esquecer o precioso auxílio que Paulo Baptista deu ao anti-jogo da Académica.

Mas temos experiências bem mais recentes de pôr os cabelos em pé.

Na época passada arbitrou o Sporting - Porto, que terminou 0-0, em que expulsou incorretamente Rojo por uma falta feita por Rinaudo, e na sequência dos protestos do banco do Sporting expulsou Jesualdo Ferreira e Oceano, deixando a equipa sem treinadores. Ainda na época passada, esteve na derrota do Sporting em Setúbal por 2-1. Na altura creio que ficou a dúvida se o segundo golo, de Meyong, não teria sido marcado em fora-de-jogo. 

Enfim, a história de infortúnio do Sporting com Paulo Baptista é muito rica e estende-se já há muitos e bons anos.

Na época passada esteve para ser despromovido, mas um conveniente aumento do número de árbitros de primeira categoria permitiu que Paulo Baptista continue a demonstrar a sua classe pelos relvados mais mediáticos do futebol nacional. Os parasitas arranjam sempre forma de sobreviver, mesmo nas piores das circunstâncias.

Recomendo a todos a leitura deste artigo do jornal i. Tem mais uns exemplos do historial de Paulo Baptista com o Sporting.

O melhor e o pior de Bruno de Carvalho

Ainda é muito cedo para sabermos se estes primeiros seis meses de presidência vão dar os frutos que os sportinguistas desejam, já que a procissão ainda não saiu do adro. No entanto, é indiscutível que os sinais são bons. O presidente do Sporting tratou os sócios como adultos, que souberam reagir em conformidade quando enfrentados com uma realidade aterradora. A norma no dirigismo nacional costuma ser outra: esconder os problemas, fazer discursos desgarrados da realidade para tentar arregimentar os sócios, e criar manobras de diversão para afastar a atenção do essencial.

O melhor que os seis meses de presidência de Bruno de Carvalho nos mostrou, na minha opinião, é:
  • estabelecimento de uma cultura de exigência global: com dirigentes, parceiros, treinadores, jogadores, sócios e adeptos
  • corte de relações com o Porto e recusa de alianças com o Benfica: o caminho do Sporting é para se fazer sozinho
  • corte com uma cultura despesista e populista seguida pelos seus antecessores, adotando uma abordagem ultra-realista na resolução dos problemas e de enorme transparência na comunicação com os sócios

E o pior:
  • dizer que espera que o Sporting seja recebido de forma hostil pelo Porto: só serve para inflamar ânimos e dá um pretexto que será utilizado pelo Porto para se motivar
  • tratamento de casos como os de Labyad e Jeffren, e por outro lado de Bojinov, são discutíveis: não fica nada bem para um clube tratar jogadores desta forma por terem salários demasiado altos para o seu rendimento
  • a forma como comunica vai gerar muitos anticorpos, que estando agora adormecidos, poderão despertar e virar-se contra o presidente se os resultados desportivos ficarem abaixo das expetativas
Não coloquei a resolução dos casos Bruma e Ilori nem no melhor nem no pior porque considero que a história poderia ter tido um desfecho mais favorável (os jogadores renovarem o contrato) mas também seria muito injusto culpabilizar esta direção pelo conflito. Os jogadores já tinham a cabeça feita quando a nova direção tomou posse. E, convenhamos, a vitória na CAP e os encaixes conseguidos acabaram por ser bem melhores para o ego e para a conta bancária do que à partida esperaríamos.

Alguns dos pontos que não gostei são consequência de outros que gostei, estou consciente que há alguma incoerência nesta lista das coisas que gostei mais e menos. A abordagem ultra-realista que elogiei provocou os casos extremados que critiquei com Jeffren, Labyad e Bojinov. A forma como Bruno de Carvalho comunica é ríspida e por vezes excessivamente agressiva, mas está ligada a um discurso muito direto e transparente, com pouca paciência para quem não está preparado para ouvir a mensagem que quer passar.

Tratando-se de um presidente jovem e com pouca experiência, é natural cometa erros. É importante que os sportinguistas saibam compreender que, como tudo na vida, há um processo de aprendizagem pelo qual Bruno de Carvalho vai ter que passar. No entanto, para já, esta presidência tem superado largamente as minhas expetativas. Estou preparado para não ficar desiludido se as coisas começarem a correr menos bem, mas acima de tudo estou muito esperançado que o caminho certo está a ser trilhado.




quinta-feira, 26 de setembro de 2013

O Triunfo dos Pintos

"O Triunfo dos Porcos" é um livro muito conhecido de George Orwell. A história fala de uma quinta onde os animais fazem uma revolução, liderada por porcos, para expulsar os humanos que os dominam. A ideia é criar uma sociedade em que todos os animais são iguais, mas progressivamente os porcos acabam por se tornar um grupo privilegiado que acaba por ser mais tirano do que os humanos eram antes da revolução. Este livro foi publicado em 1945 e era uma sátira bem óbvia ao comunismo de Estaline e à impossibilidade de formar sociedades sem classes privilegiadas.

O futebol português também teve a sua revolução, mas não foi liderada por porcos. Foi liderada por Pintos.

Após um jejum de quase 20 anos, o Porto ganhou dois campeonatos no final da década de 70. Depois ficou outros 5 anos sem ganhar, e em 1984 (outra referência a Orwell?) tudo mudou. Começou aí a revolução dos Pintos.

Liderados por Pinto da Costa, o FC Porto tinha outras figuras (oficiais ou trabalhando na sombra) que conseguiram expulsar definitivamente os pérfidos lisboetas da condução da quinta do futebol. Botando um ovo aqui e um ovo ali, os pintos passaram a dominar os palcos que maior influência tinham sobre as questões de arbitragem e de disciplina, tornando-se ainda mais totalitários do que os inimigos que entretanto subjugaram.

Começámos então a ficar familiarizados com outros Pintos que controlavam todos os recantos da quinta:
  • Adriano Pinto, presidente da AF Porto desde 1979 até à data da sua morte, em 2007
  • Sardoeira Pinto, presidente da AG do FC Porto desde 1982 e presidente da AF Porto entre 1971 e 1979, que pode ser muito boa pessoa mas parece o Vito Corleone a falar
  • Lourenço Pinto, atual presidente da AF Porto e membro do Conselho Superior do FC Porto, mas que ficou mais conhecido pela sua presidência do Conselho de Arbitragem nas décadas de 80 e 90, associado ao famoso caso de suborno ao árbitro Francisco Silva, e advogado de Pinto da Costa no Apito Dourado
  • Pinto de Sousa, presidente do conselho de arbitragem apanhado em inúmeras escutas do Apito Dourado
  • Álvaro Pinto, vice-presidente do FC Porto desde 1982
  • Ilídio Pinto, vice-presidente com o pelouro do hóquei em patins do FC Porto desde 1982
  • João Pinto, eterno capitão do FC Porto, autor de frases como "Prognósticos só no final do jogo" e "O meu coração só tem uma cor: azul e branco"
O FC Porto deve muito a estes Pintos. Os pintos reproduziram-se, dando origem a muitos filhos bastardos que, não sendo Pintos de nome, continuam a ajudar os Pintos a manter os outros animais da quinta na ordem. Nesta quinta não há Lobo que meta o dente, nem Carvalho que lhes faça sombra.


CMTV = Benfica TV 2?


Na mesma semana em que Vieira deu uma entrevista à CMTV, sabemos agora que a CMTV conseguiu assegurar o exclusivo do aquecimento (!) dos jogadores nos jogos em casa do Benfica e os primeiros 5 minutos (!!!) desses mesmos jogos.

Quando Luís Filipe Vieira anunciou que iria abrir um 2º canal da Benfica TV, confesso que não estava à espera que se tratasse do canal televisivo do Correio da Manhã. 

É certo que esta era uma aspiração antiga da CMTV, que já nos presenteou com diretos sobre o Benfica de enorme relevância, como a cobertura de um jantar de homenagem a Cardozo em que estavam presentes o próprio, Melgarejo, as respetivas namoradas / esposas e mais 3 ou 4 amigos do paraguaio.

O nosso blog apurou também que a taróloga Maya vai fazer, antes do aquecimento, a previsão de qual será o onze inicial do Benfica e as principais incidências do jogo.

A previsão de Maya para o resultado final do Guimarães - Benfica

Na próxima semana, Nuno Graciano será o anfitrião de um grande momento de debate em que Artur Moraes e o polícia gay vão partilhar com o país a horrível experiência de serem alvos de extorsão por parte de criminosos.

Ainda todas as semanas, a Miss Bumbum vai poder avaliar a prestação sexual de cada um dos jogadores do Benfica, num programa que terá o nome de "Miss Bumbumfica".

O piloto de "Miss Bumbumfica" foi sobre CR7, já que Eusébio cancelou à última hora a sua presença no programa por se ter perdido a caminho do estúdio




Balanço das arbitragens: 5ª jornada

Antes de começar, fica aqui o link para o post em que explico os motivos e a forma como organizei este balanço.

Estoril 2-2 Porto (Rui Silva)
11' - Otamendi faz falta sobre Luís Leal, que tinha ganho a posição e seguia isolado para a baliza - decisão errada, Otamendi devia ter sido expulso
33' - Penalty assinalado por mão de Otamendi - decisão errada, o jogador está fora da área, o cartão amarelo está correto
80' - Golo de Luís Leal pode ter sido em fora de jogo - não é possível ter a certeza pois não há nenhuma imagem que mostre a posição de Mangala no momento em que o jogador do Estoril cabeceia a bola na direção de Luís Leal
=: Mais uma arbitragem, à semelhança do Sporting - Benfica, que baralhou completamente o jogo; más decisões para os dois lados; existem mais lances polémicos que potencialmente podem ter prejudicado o Porto, mas se Otamendi tivesse sido expulso aos 11' a história do jogo poderia ter sido completamente diferente, já que o Porto jogaria com 10 durante 80 minutos (1X2)

Sporting 1-1 Rio Ave (Carlos Xistra)
74' - Remate de Adrien é cortado com a mão do defesa do Rio Ave - decisão errada, devia ter sido assinalado penalty
=: Marcando o penalty dificilmente o Sporting deixaria de ganhar o jogo, já que faltavam apenas 15 minutos para o final (1)

Guimarães 0-1 Benfica (Bruno Esteves)
Nem o Dia Seguinte nem o Prolongamento mostraram uma falta de Siqueira que, segundo Miguel Guedes, devia ter visto cartão vermelho; como não vi as imagens não comento essa decisão.
61' - Addy vê o segundo cartão amarelo por derrubar Enzo Perez - decisão correta, Addy corta uma jogada de contra-ataque sem qualquer intenção de jogar a bola; o primeiro cartão amarelo também foi mostrado corretamente
69' - Paulo Oliveira derruba Lima dentro da área, o árbitro deixa seguir - decisão errada, há falta e devia ter sido assinalado penalty
=: Decisões de arbitragem nos lances críticos não tiveram influência no resultado final

Menção Honrosa: Marco Ferreira no Arouca 0-1 Braga
  • Penalty por assinalar a favor do Arouca por falta de Joãozinho sobre Ceballos aos 74'
Resumo da jornada



Acumulado da época



Classificação



Como ler este quadro:

  • O Porto beneficiou de um golo irregular contra o Paços, que se tivesse sido anulado muito provavelmente implicaria um empate (o golo foi marcado com menos de 15 minutos para jogar) e contra o Estoril beneficiou de uma expulsão perdoada a Otamendi no princípio do jogo, que nesse cenário poderia ter acabado com uma derrota. Na pior das hipóteses o Porto poderia ter 3 vitórias (Setúbal, Marítimo e Gil Vicente), 1 empate (Paços) e 1 derrota (Estoril). Por outro lado, no mesmo jogo com o Estoril foi prejudicado no lance do penalty que deu o 1º golo ao adversário e há dúvidas sobre o fora-de-jogo no 2º golo; na melhor das hipóteses, poderia ter 4 vitórias (Setúbal, Marítimo, Gil Vicente e Estoril) e 1 empate (Paços)
  • O Benfica teve apenas um jogo com uma arbitragem que tenha tido influência no resultado, contra o Sporting; os erros críticos foram para ambos os lados, e foram em número e momentos que baralharam completamente o resultado. Na pior das hipóteses o Benfica poderia ter 3 vitórias (Gil Vicente, Paços e Guimarães) e 2 derrotas (Marítimo e Sporting). Na melhor das hipóteses poderia ter 4 vitórias (Gil Vicente, Sporting, Paços e Guimarães) e 1 derrota (Marítimo).
  • O Sporting ainda não teve nenhum jogo em que tenha perdido pontos em que não tenham havido erros em seu prejuízo com influência no resultado, ou seja, potencialmente poderia ter o máximo de 15 pontos. Por outro lado, foi beneficiado no jogo com o Olhanense o golo em fora-de-jogo de Montero ajudou a desbloquear um jogo que poderia ter continuado empatado e também benefíciou de erros a seu favor no jogo contra o Benfica. Se não tivessem existissem erros nas arbitragens, na pior das hipóteses poderia ter 3 vitórias (Arouca, Académica e Rio Ave), 1 empate (Olhanense) e 1 derrota (Benfica). Na melhor das hipóteses podia ter 5 vitórias nos 5 jogos.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Falta aí um asterisco #5

* ao jogar em Viena os primeiros 23 minutos da época o Marat ultrapassou o limite de quilometragem que tinha para Setembro


O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, afirmou esta quarta-feira que não convocou Izmailov para o jogo com o Estoril a pedido do jogador.

Questionado, em conferência de imprensa, sobre o motivo da ausência do avançado russo na convocatória, o treinador respondeu: «Agradeço que me coloquem essa questão do Izmailov, porque fui criticado por não ter convocado o Izmailov. Seria mau da minha parte que depois do que ele fez em Viena, e de eu o ter elogiado, que não o levasse na próxima convocatória. Seria incompreensível porque o Izmailov pode ser muito útil, e foi nesse jogo da Liga dos Campeões. O que sucedeu é que no dia anterior à convocatória ele pediu-me para não ser convocado devido a um problema familiar, pedido ao qual acedi. Aliás, ele não tem estado presente nos treinos porque lhe demos algums dias para resolver essa questão».

Paulo Fonseca adianta mesmo que chegou a pensar no jogador «para a equipa titular que defrontou o Estoril»
in maisfutebol.pt

Não sei se Izmailov é casado e se tem filhos. Espero sinceramente que os problemas familiares do jogador não sejam graves. No entanto, é mais um caso de indisponibilidade como tantos outros que os sportinguistas tiveram suportar e que os portistas se começam agora a habituar. E a não ser que seja um problema mesmo muito grave, não se compreende que um jogador se afaste vários dias do treino e de jogos do seu clube com a época a andar a todo o vapor. Izmailov pode falar com Lucho para saber como um profissional a sério se deve comportar.

Uma entrevista esclarecedora

Dois excertos da entrevista de Luís Filipe Vieira à CM TV:

CM TV - Eu compreendo que a posição do presidente do Benfica seja a de desvalorizar um facto que se passou com o seu treinador. Eu não usaria a palavra agressão, mas o país todo já viu e reviu <interrompido>
LFV - O país viu tudo e de certeza que não viu o Jorge Jesus a fazer qualquer tipo de agressão. Faz-se muito folclore à volta do Benfica (...) e há outros casos de que não se fala. Eu lembro-me de há bem pouco tempo, um determinado presidente apontou o dedo assim bem na cara de um comandante da polícia, nada foi dito e passou tudo despercebido.

CM TV - O que é que o Benfica espera que aconteça a nível da justiça desportiva e criminal a Jorge Jesus?
LFV - O que é que eu espero? O que é que se passou com o apito dourado? Estão a tentar crucificar o Jorge Jesus quando vejo coisas a acontecer noutro estádio e não vejo ninguém a falar.

Acrescentou outros casos do passado que passaram impunes, como a pedrada que foi mandada contra o seu carro em plena auto-estrada, a agressão a jornalistas no antigo estádio das Antas ou o arremesso de bota de Deco a um árbitro.

Se é esta a estratégia de defesa que o Benfica vai seguir, suponho que o objetivo é que este ato de Jesus tenha as mesmas consequências que outras ações condenáveis feitas por pessoas do Porto no passado, ou seja, nenhumas. Ações e consequências que os benfiquistas, e bem, passam a vida a criticar. 

Pessoas de bem assumem os seus erros, apresentam atenuantes para o seu comportamento e aguardam a decisão da justiça. Pessoas de bem não tentam fugir com o rabo à seringa usando argumentos como "o meu vizinho também roubou uma maçã da banca da mercearia e não lhe aconteceu nada".

O Benfica, ao usar esta estratégia de defesa, está a fazer pressão para possa ter para si as benesses ilegítimas de que os outros beneficiam. A apregoada luta contra a corrupção e contra as influências de bastidores é uma treta. O que esta direção do Benfica pretende é substituir o sistema dos outros pelo seu próprio sistema.

Jognalistas: Joel Neto

Joel Neto é um escritor açoriano que passa parte do seu tempo a escrever crónicas em jornais do grupo Controlinveste. Já foi jornalista de O Jogo e Record, e portanto a noção de equilíbrio e bom-senso não lhe deveriam ser totalmente estranhos.

No entanto, a tendência dos comentários é muito semelhante ao dos seus companheiros João Sanches e José Manuel Ribeiro. Fala muito de Benfica e Sporting, quase sempre mal, e pouco do Porto, quase sempre bem. No entanto, é necessário destacar que Joel Neto fez em Julho uma observação irónica a uma declaração de Pinto da Costa a uma rádio venezuelana em como gostaria de ter um jogador da Venezuela no plantel. Será que deu direito a castigo?

Também é curioso que Joel Neto, durante a pré-época, fez alguns elogios a Bruno de Carvalho sobre o facto de ser criterioso nos investimentos e nas suas intervenções. Quando o Sporting começou a ganhar mais jogos oficiais do que estava à espera, os elogios a Bruno de Carvalho evaporaram-se e afinal não tem nada a ver com o sucesso da equipa (agora o autor defende que o sucesso deve-se exclusivamente a Leonardo Jardim e à falta de expetativas). Não me parece que Joel Neto tenha sido muito coerente em relação à importância da ação do presidente do Sporting.

Junte-se a isto o material com que nos presenteou sobre a homenagem aos bombeiros num jogo do Benfica, e creio que já dá para perceber o material de que este colunista é feito.

Fica um resumo dos textos que estão disponíveis no site ojogo.pt.



terça-feira, 24 de setembro de 2013

Jorge Jesus, o justiceiro

Quem ouça a generalidade dos opinion makers e paineleiros afetos ao Benfica sobre as imagens com Jorge Jesus nos presenteou no final do jogo com o Guimarães, parece que nada de anormal se passou.

É evidente que a atitude do treinador do Benfica não constitui em si nenhum risco para os agentes policiais. As palmadas que deu nos polícias não são agressões, de certeza que se JJ quisesse magoá-los utilizaria uma forma menos feminina de procurar infligir dor física ao seu oponente. Mas daí a dizer que não há nada de criticável nesta atitude vai uma grande distância. Os polícias estão ali a fazer o seu trabalho, era só o que faltava que venha um treinador de futebol mandar bitaites sobre quem eles devem ou não deter, independentemente de se considerar mais ou menos zelosa a intervenção da polícia.

Que diria Jesus se, no meio de um jogo, fosse interpelado por um polícia aos berros a dizer-lhe que estava na hora de substituir o Cardozo pelo Steven Vitória na frente de ataque?

Jesus é Jesus e o Benfica é o Benfica, pelo que até se percebe que determinadas figuras pensem que podem fazer tudo o que lhe passe pela cabeça na mais perfeita impunidade. Porque conheço o país em que estamos, não ficarei surpreendido se este caso acabar com um pedido de desculpas público de Jesus à polícia, via Benfica TV, e com uma suspensão de 15 dias no período natalício, em que o campeonato está interrompido. Se Jorge Jesus fizesse isto anonimamente na escadaria do parlamento, no mínimo saía com a cabeça rachada, umas dentadas de pastor alemão bem vincadas nas suas pernas e uma experiência de vida diferente numa cela, à espera da audiência com um juíz.

Mas pronto, sabemos como são os adeptos de um clube. Estão sempre prontos para relevar os aspetos positivos (Jesus é um dos nossos, a proteger os adeptos, unidos contra tudo e contra todos) e esquecer os negativos (resistência à autoridade, extravasamento de competências, má publicidade para o clube), desde que as vitórias em campo vão aparecendo.

Para complementar este texto, aqui fica a visão de alguns órgãos de comunicação social estrangeiros, com todas as imprecisões de quem não se dá ao trabalho de viver o futebol português 24 horas por dia. Mas foi esta a imagem que passou lá para fora.

 
Eurosport


Benfica coach Jorge Jesus could be in serious trouble after he manhandled police following the 1-0 win at Vitoria Guimaeres. (...) the 59-year-old completely loses his cool, pushing and shoving officers until he too is led away. However, he was later arrested and questioned for interfering with police work and, in addition to any minor criminal charges, he could face a touchline ban of up to three years.

Daily Mail

Jesus, however, took particular exception to the law's overzealous treatment of one Benfica fan that he intervened and wrestled with the officer before manager and fan were led off in separate directions. I'm not sure I could see many English managers rolling their sleeves up in quite the same manner. Maybe Ian Holloway…

ABC



En una imagen poco habitual, el técnico de los lisboetas discutió visiblemente alterado con varios agentes cuando éstos detuvieron a aficionados del equipo visitante que acababan de invadir el terreno de juego. Las imágenes de televisión muestran cómo Jesús llega a agarrar y empujar a los policías, motivo por el que las fuerzas de seguridad lusas incluyeron en su informe lo sucedido con el técnico del Benfica.





Sporting TV?

Passou despercebido na comunicação social, mas ontem quando foi entrevistado pela SIC Notícias enquanto estava na celebração do aniversário da A. F. Lisboa, Bruno de Carvalho anunciou que foi lançado o concurso para a abertura de um canal televisivo do Sporting.

Segundo o presidente do Sporting, as candidaturas deverão chegar até ao final de Outubro. Se tudo correr bem as emissões deverão começar em Maio do próximo ano.

Esteve muito bem...

... Rui Oliveira e Costa no Dia Seguinte de ontem. Não é muito comum que este paineleiro seja elogiado, por isso aqui fica a sua lista de méritos:
  • a confrontar Guilherme Aguiar sobre a questão da gravidade do desrespeito de Adelino Caldeira com o Sporting
  • a apontar para o ridículo mundial com que Jorge Jesus cobriu o Benfica com a sua atitude no final do jogo com o Guimarães, ao compará-la com a imagem do massagista brasileiro que impediu um golo à boca da baliza
  • depois de algumas declarações absurdas de Nuno Lobo à SIC Notícias, quando a palavra foi passada ao paineleiro benfiquista, ROC remata com a frase: "Agora Rui Gomes da Silva vai traduzir de Nuno Lobo para português."
Alguém tem é que lhe dizer que já chega de beliscões por debaixo da mesa.

O cerrar de fileiras da alcateia e a primeira guerra mundial

A primeira guerra mundial começou por motivos que qualquer pessoa racional não conseguirá entender. Nacionalistas sérvios mataram o arquiduque Francisco Fernando, herdeiro ao trono do império Austro-Húngaro. Perante o assassinato, os austríacos fizeram exigências ao governo sérvio para se apurar os responsáveis. Nessa lista de dez exigências estavam algumas que eram uma afronta a qualquer país soberano.

A Sérvia recusou, e a invasão do império Austro-Húngaro era uma quase inevitabilidade. Só que isso bloquearia a rota comercial entre o Mar Negro e o Mar Mediterrâneo por onde a Rússia fazia a maior parte do seu comércio externo. A Rússia mobilizou o seu exército, e como tal a França (que ambicionava recuperar a Alsácia-Lorena, perdida para os alemães numa guerra 30 anos antes), aliada da Rússia também mobilizou. A Alemanha, aliada da Áustria, foi a seguinte a mobilizar. A Inglaterra avisou a Alemanha que declararia guerra se estes atacassem a França.

Numa espécie de queda de dominós em fila, as nações europeias viram-se arrastadas para uma guerra sem sentido que matou milhões.

No passado Domingo, Lobo levou no lombo. Lobo desatou num frenesim mediático a descrever a experiência aterradora que viveu no camarote presidencial. Adelino e Jorge Nuno rapidamente respondem via comunicado mostrando declarações facebookianas de Lobo, que aparentemente não gosta de macacos nem de lagartos. Depois vem João Rodrigues dizer que estranha a ação de Adelino, mas que acredita em Lobo. O presidente do Estoril tenta manter-se equidistante e diz que não foi nada do outro mundo. Aliados menos mediáticos de Lobo dizem que o presidente do Estoril é um vendido e que devia defender o presidente da sua associação. Depois vem Lourenço Pinto a dizer que Lobo é um jovem benfiquista que gosta de desrespeitar os outros. Os aliados de Lobo dizem que este é um cruzado anti-corrupção e que o Sporting se deve juntar a esta luta.

A única coisa que eu vejo é gente mal formada que não devia ocupar os postos que ocupa. Dos dirigentes do Porto estamos conversados. Lourenço Pinto e João Rodrigues são uma espécie bem conhecida de pessoas que sempre viveram para servir o seu clube e não as instituições que presidem ou presidiram. E em relação a Nuno Lobo, como é possível que alguém que é presidente da AF Lisboa tenha feito declarações insultuosas para com o Sporting há apenas dois anos atrás? Claramente que não devia imaginar nessa altura que viria a ser presidente da AF Lisboa, o que só pode significar que alguém entendeu entregar-lhe o cargo de mão beijada. Certamente que não terá sido pela defesa do futebol e dos clubes da sua associação.

Por isso, o que eu digo é que essa malta pode cerrar fileiras, cavar as trincheiras e pôr-se a mandar chuvas de morteiros para o outro lado, podem todos chafurdar na lama em que gostam de se cobrir, mas deixem o Sporting fora disso. Isto não é uma luta para limpar o futebol português da corrupção, é apenas um concurso para ver quem tem a pilinha maior.

Balanço do sorteio "condicionado" à 5ª jornada

Antes da época começar fiz um post que mostra a muita sorte que o Porto tem tido desde que começaram os sorteios condicionados do calendário da liga. Para quem não teve oportunidade de o ver, fica aqui o link.

Tivemos ontem o 5º jogador que expulso que não vai poder jogar contra o Porto na próxima jornada. 5 expulsões em 4 jogos que antecedem partidas com o Porto. Não está nada mal.




O Porto tem agora um período até à 14ª jornada em que não apanha sobras de outros grandes. Depois recomeça um ciclo de 5 sobras em 7 jornadas. Até lá, vamos ver se o Braga vai ajudar a vida do Benfica na 7ª e na 8ª jornada.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Jesus, o arguido

Jesus desafiou as autoridades ao tentar proteger os fracos e oprimidos e agora vai a tribunal. Não sei porquê mas esta história tem qualquer coisa de familiar.

Para bem dele, esperemos que não seja sujeito a um julgamento popular como era prática comum há 20 séculos atrás. É que se entregarem Jesus ao escrutínio da população para que esta decida o seu destino, é muito provável que tenha que uma cruz para carregar muito em breve.

Aliás, se isto tivesse acontecido há um mês atrás é bem provável que alguém que conhecemos se apressasse em lavar as suas mãos e aproveitado de imediato a oportunidade para se ver livre de um contrato de 8 milhões.


Adelino e o Lobo

Parece que houve ontem sururu no camarote quando o Estoril fez o 2-2.



Adelino Caldeira é um velho conhecido de quem acompanha o fenómeno clubístico em Portugal. Esteve nas bocas do mundo após os insultos a Bruno de Carvalho, após as insinuações feitas por este sobre o clube da fruta. A carapuça serviu a Adelino, que não se ficou pelos ajustes na primeira oportunidade que teve em estar frente a frente com o presidente do Sporting.

Pelos vistos ontem também não se ficou pelos ajustes. Resta saber qual foi a provocação de Nuno Lobo que tenha despertado tais instintos primários em Adelino. A versão do presidente da AFL é esta:

"Na altura do primeiro golo do Estoril, levei um murro, uma palmada forte nas costas que me projetou para a frente, até me amparar no muro da tribuna presidencial. Foi uma agressão do senhor Adelino Caldeira, não sei se com a mão fechada ou aberta",
"No primeiro golo do FC Porto, toda a comitiva portista levantou-se e festejou o golo, como é natural. No golo do empate do Estoril, não me levantei por uma questão de respeito pelo adversário, como faço sempre, mesmo quanto defrontam equipas de Lisboa, mas cerrei o punho e pisquei o olho aos dirigentes do Estoril que estavam do lado direito, atrás de mim".

Se as coisas se passaram realmente assim, é mais um episódio de completa ausência de desportivismo dos dirigentes do Porto, a juntar à lista interminável de qualidades morais que todos lhes reconhecemos.

No entanto, não me parece que Lobo seja nenhum cordeiro. O presidente da Associação de Futebol de Lisboa tem um passado muito curioso, apesar da sua juventude. Na sua página pessoal do facebook, podemos ver que para além de presidente da AFL, Lobo é também funcionário da Câmara Municipal de Sintra, liderada por Fernando Seara. Antes disso, era advogado na firma Correia, Seara e Caldas e Associados, em que um dos sócios é precisamente Fernando Seara. Seara que curiosamente também já foi presidente da AFL. Isto é que é um mentor a sério.

Lobo, como qualquer indivíduo, tem as suas preferências pessoais, que também podem ser consultadas no facebook. Agremiações da zona de Sintra são muitas, às quais se juntam o Sport Lisboa e Benfica, Fernando Seara (a sério? não tínhamos reparado), Rui Gomes da Silva, Fundação Benfica, o grupo "Queremos Simão Sabrosa de volta ao Benfica", o grupo "A mim ninguém me humilha! Eu sou do Benfica", Miguel Relvas e Jogo Casas do Benfica. Mais recentemente acrescentou o Futsal Sporting, vá-se lá saber porquê.

Infelizmente a amizade demonstrada com Seara e Relvas, amigalhaços de Pinto da Costa, não foram suficientes para evitar a agressão de que foi vítima. É que as outras preferências bem vincadas de Lobo são provocação suficiente para Adelino e Jorge Nuno.

Ensaio sobre a cegueira

O erro de Xistra no Sporting - Rio Ave é inacreditável. Não há desculpas para não marcar o penalty estando de frente para o lance, a cerca de 10 metros, e sem absolutamente nada que lhe obstruísse a visão.

Equus africanus asinus
Um repolhudo pedaço de relva prendeu a atenção de Xistra no momento do remate de Adrien
 
O árbitro (falo genericamente) goza de impunidade. Nada acontecerá a Xistra ou a outros árbitros sem qualidade (para não dizer pior) que pululam pelos relvados nacionais. Xistra vai ter uma má avaliação por esta sua prestação, mas isso depois compensa-se noutros jogos de menor visibilidade. Curiosamente, são quase sempre árbitros que passam despercebidos que acabam por ser despromovidos para a segunda categoria.

Xistra junta-se a outras personagens clássicas da arbitragem, que espalharam o perfume azedo da incompetência durante as suas excessivamente longas carreiras. Bruno Paixão, Martins dos Santos, Lucílio Baptista, Paulo Baptista, João Ferreira, Jorge Sousa, António Rola, José Leirós, Paulo Paraty, Duarte Gomes, João Capela, José Pratas, Carlos Calheiros, José Guímaro, Francisco Silva são alguns exemplos. A lista é tão extensa que certamente estarei a ser injusto com outras estrelas do apito que nos brindaram com toda a sua incapacidade para detetar o óbvio.

Infelizmente não há nada a fazer. As coisas são assim e pronto. Como prefiro rir a chorar, gosto de vez em quando de rever o ridículo em que esta malta se coloca. A minha preferida é esta, de um artista chamado Lucílio Baptista. Na altura, no estádio, não achei tanta graça. Mas agora que passaram 20 anos não consigo resistir a umas boas gargalhadas ao ver esta maravilha.



Bingo!

Escrevi ontem à noite neste post:
Agora que recuperaram pontos em relação ao Porto (que não está a jogar uma beata), preparemo-nos todos para que A Bola e o Record publiquem incessantemente manchetes a ocupar quase toda a capa sobre o renascimento do Benfica.
Devia ter aproveitado para jogar no Euro Milhões... :)





domingo, 22 de setembro de 2013

Vai começar a festa

Se o estado de espírito benfiquista estivesse cotado em bolsa, gastava todas as minhas poupanças nessas ações. Hoje já teve uma grande subida, mas nada comparado com o que se vai seguir nos próximos dias.

Agora que recuperaram pontos em relação ao Porto (que não está a jogar uma beata), preparemo-nos todos para que A Bola e o Record publiquem incessantemente manchetes a ocupar quase toda a capa sobre o renascimento do Benfica. Agora que não precisam do Sporting para vender jornais, deleitemo-nos com as notícias que sairão diariamente sobre a reconciliação entre Jesus e Cardozo, dos jogadores monumentais que são Siqueira e Fejsa (apesar de ainda só terem jogado 2 ou 3 jogos), das fintas mágicas de Markovic e Djuricic, do amor incondicional de Luisão para os seus adeptos, do sucesso estrondoso da Benfica TV que vai ultrapassar as 200.000 assinaturas, dos mais de 180 minutos que Artur já leva sem sofrer golos, ou das portas da seleção que se abrem com estrondo para André Almeida.

Note-se que tenho a opinião, sem qualquer tipo de hipocrisia, que os benfiquistas têm motivos legítimos para se sentirem satisfeitos. O que me incomoda é o mais que certo regresso daquele folclore mediático repugnante da imprensa desportiva supostamente isenta que vamos ter que aturar daqui para a frente.

Não fazer pela vida

O Sporting não mereceu ganhar. A meio da primeira parte Wilson Eduardo marcou um bom golo, mas que não deixa de ser uma oferta do GR adversário numa altura em que o Rio Ave até estava a jogar melhor. O golo poderia ter embalado a equipa para partir para uma vitória folgada, mas não só o Rio Ave não foi na cantiga de arriscar um pouco mais, como o Sporting também pareceu pouco interessado em fazer pela vida e ir à procura do segundo.

Na segunda parte assistimos a muitos momentos de desconcentração que poderiam ter custado muito caro. À imagem dos avisos prévios de Markovic no Sporting - Benfica que acabaram por dar em golo, também aqui a equipa não soube reagir aos sinais que o adversário dava. O Sporting jogou na expetativa e acabou por sofrer o golo do empate, numa altura em que o Rio Ave até já merecia estar a ganhar.

Ficou também evidente a grande desvantagem do Sporting em relação a Porto e Benfica: a qualidade do banco. Faltam-nos várias peças no banco que garantam a mesma qualidade teórica que os jogadores do onze inicial oferecem, precisamente para ajudar a ultrapassar noites como esta de desinspiração coletiva. Apesar disso, percebi a aposta de Jardim em Rinaudo, e não foi por isso que o Sporting teve um mau resultado, já que o golo do Rio Ave foi marcado 3 minutos depois da substituição num lance de bola parada.

O grande problema em não se fazer pela vida é que depois se fica sujeito à vida que os outros tentam traçar para nós. E sabendo que o homem das xistralhadas andava por ali, mais incompreensível é a atitude da equipa ao longo de quase todo o jogo.

Estou triste com o resultado, mas não estou desiludido com a equipa porque já sabia que noites destas iriam aparecer. E é por isso que recuso a ideia que o Sporting seja candidato ao título, porque ainda há muito trabalho pela frente para que se tenha um plantel equilibrado com alternativas de qualidade indiscutível para todas as posições. O campeonato é uma prova muito longa que exige regularidade e o Sporting precisa de ser uma equipa que jogue consistentemente mais que as outras o suficiente para que fique imune a xistralhadas. Ou isso, ou que se arranje forma de erradicar as xistralhadas do futebol.

Entretanto, keep calm and carry on.

sábado, 21 de setembro de 2013

A minha ligação ao Sporting: primeiras memórias


A memória datada mais antiga que tenho foi de ir pela primeira vez ao velhinho Estádio de Alvalade ver o Sporting jogar. O meu pai não era sócio, mas durante os anos da minha infância tínhamos o ritual de uma vez por ano ir ver o nosso Sporting jogar. O ritual era para cumprir, tanto que houve um ano que as jornadas foram passando e que em vez de ir a Alvalade acabámos por ter que ir ao Restelo ver o Belenenses - Sporting. Por isso, até ser adolescente e começar a ter independência para ser uma presença constante nos jogos em casa do Sporting, era capaz de dizer todos os jogos que tinha visto ao vivo e quais os resultados e em muitos casos os marcadores dos golos. Eram momentos muito especiais.

Entretanto a maior parte dessas memórias foi desaparecendo, mas continuo a lembrar-me dos dois primeiros jogos que vi: Sporting 4-1 Sp. Espinho e, na época 1981/82, no primeiro campeonato que me lembro de festejar, Sporting 2-2 U. Leiria. Lembro-me de pouco mais desses dois dias. Para além do resultado, lembro-me perfeitamente com quem fui e em que bancada estava (central da pala no primeiro, superior sul no segundo).  Sei que no primeiro jogo o Manuel Fernandes, o meu ídolo, tinha jogado. O resto que sobra são pequenos detalhes como a vista que tinha para o campo, cores desfocadas de equipamentos, algumas emoções sentidas durante e depois do jogo, a quantidade de pessoas à minha volta e pouco mais.

Só há cerca de 6 meses me ocorreu procurar em que dia tinha sido a minha primeira visita a Alvalade. Graças ao zerozero.pt, usando o adversário e o resultado do jogo como auxiliares de pesquisa, fiquei a saber que foi no dia 25 de Outubro de 1980. Tinha 4 anos. Não há nada na minha vida que tenha acontecido antes disto a que eu possa apontar para um calendário e dizer "foi neste dia". A memória mais antiga que tenho é do Sporting.