sábado, 25 de janeiro de 2014

As presenças e ausências na discussão das propostas do Sporting

No dia 21, um conjunto de clubes reuniu-se para debater as propostas que o Sporting apresentou para melhoria de diversos aspetos relacionados com o fenómeno futebolístico em Portugal.

Estiveram presentes: Sporting, Benfica, Guimarães, Gil Vicente, Marítimo, Setúbal, Arouca, Belenenses, Paços Ferreira, Tondela, Farense, Leixões, Beira-Mar, Feirense, Santa Clara e Oliveirense. 16 clubes.

Não estiveram presentes mas explicaram a ausência: Nacional (falta de ligação aérea devido ao mau tempo), Ac. Viseu (roubo nas instalações) e Atlético (não ouviu a mensagem no telemóvel a tempo). 3 clubes.

Não estiveram presentes nem se deram ao trabalho de explicar porquê: Porto, Braga, Estoril, Rio Ave, Académica, Olhanense, Moreirense, Portimonense, Penafiel, Covilhã, Aves, Chaves, U. Madeira e Trofense. 14 clubes.

Compreendo que o Porto não tenha ido, devido ao corte de relações com o Sporting. Já me custa mais a compreender que outros clubes façam o mesmo, principalmente emblemas com história no futebol português como o Braga ou Académica. 

Não me preocupa isto por ser uma afronta ao Sporting -- não é o Sporting que está aqui em causa. O que me preocupa é haver uma lista bastante significativa de clubes que nem sequer se incomoda em debater possíveis alterações para benefício do futebol em Portugal.

Estranho também que os 5 primeiros classificados da II Liga (se excluirmos as equipas B) não tenham comparecido. Será que não querem desagradar alguém que lhes possa dificultar a vida na luta pela subida de divisão?

A amarelo as equipas da II Liga que não compareceram nem explicaram a sua ausência

Há aspetos na proposta do Sporting que poderão ser polémicos. O sorteio puro dos árbitros dificilmente encontrará consenso. Outros, como o aumento dos poderes dos stewards, têm implicações legais que podem ser difíceis de ultrapassar a curto prazo. Mas há muitas outras sobre as quais provavelmente todos os clubes estarão todos de acordo.

A recusa em debater melhorias para o futebol português demonstra que há clubes que colocam o orgulho e a subserviência acima do interesse comum. Uns por terem medo de irritar o dono, e outros por viverem confortavelmente na podridão reinante.

Existe um poder reinante em Portugal que não está interessado no aparecimento de movimentos que ameacem abanar o funcionamento de um sistema que tão bons resultados proporciona a uma minoria seleta. Nesse sentido, não surpreendem as declarações totalmente desapropriadas do presidente do CA, Vítor Pereira. Mudar para quê, se lhes anda tudo a correr tão bem?

4 comentários :

  1. dificultar a vida na subida como? é que não sei se reparaste mas o calendário da 2ª liga foi feito de forma a evitar que as equipas b tenham interferência directa na luta pela subida, já que ficou definido que as equipas b nas ultimas 4 ou 5 jornadas jogavam entre si, para não existir esse problema de as equipas b facilitarem contra uns e não contra outros nessa fase decisiva.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Riga, reparei nesse pormenor, e parece-me bem. No entanto, neste futebol em que os jogos de bastidores nunca se limitaram à I Liga, ficaria surpreendido se não existissem muitos favores feitos para poderem ser cobrados mais tarde. E quem tem o poder é que está em condição de os concretizar. Obrigado pelo comentário e um abraço.

      Eliminar
    2. olhando para a classificação, a luta pela subida está em aberto, as 3 primeira equipas( que podem subir)são as que têm estado sempre nos primeiros lugares e sinceramente são as que têm sido as melhores

      Eliminar
    3. Não sigo os jogos da II Liga, com exceção de jogos do Sporting B, por isso não tenho noção de quem é pior ou melhor equipa. No entanto, a história desta competição diz-nos que o equilíbrio é enorme. Qualquer ajuda extra a uma das equipas pode ser decisiva. Junte-se a isto uma menor exposição mediática e um grupo de árbitros de péssima qualidade (Hélder Malheiro é o mais recente exemplo) que farão tudo para cair nas boas graças de quem gere o processo das classificações de árbitros, e estão reunidas as condições para que os jogos de bastidores possam ter um peso decisivo na determinação das equipas que sobem. Um abraço.

      Eliminar