sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Jornalista ou fala-barato? Está na altura de escolher

critiquei Luís Sobral pelo artigo que fez na sequência dos protestos de Bruno de Carvalho à arbitragem de Manuel Mota.

in maisfutebol.pt

Uma das coisas que o diretor do Maisfutebol escreveu foi:

"Quem pensa como adepto não sente sequer a necessidade de propor algo que ajude a melhorar o que critica. Os adeptos só querem duas coisas: ganhar ou, em caso de frustração, encontrar rapidmente um culpado para o desaire. Deve ser por isso que Bruno de Carvalho ainda não conseguiu tempo para apresentar um documento com ideias que ajudem a melhorar o futebol português."

Ao contrário do que eu próprio esperava, o Sporting e Bruno de Carvalho apresentaram mesmo um documento com ideias para ajudar a melhorar o futebol português. A lista das ideias foi tornada pública no Jornal Sporting no dia 2 de Janeiro.

Entrtanto passou-se mais de uma semana e ainda não vi no Maisfutebol qualquer referência a esse documento. Muito menos um comentário de Luís Sobral às ideias apresentadas. Suponho que esteja a refletir fortemente sobre o assunto. Registei, no entanto, que para produzir um texto para criticar Bruno de Carvalho após o jogo com o Nacional lhe tenha sido suficiente uma longa meditação de 2 horas.

Luís Sobral gosta de apregoar a sua postura de desvalorização dos erros de arbitragem e de outros podres do nosso futebol para não contribuir para o afastamento das pessoas dos estádios. Acho discutível, mas respeito.

Fica por isso o desafio para comentar as ideias do documento do Sporting.

Se não concordar com elas, porque não usar a sua sapiência para propôr as suas próprias ideias? Creio que não há qualquer restrição deontológica que impeça um jornalista de fazer uma contribuição ativa para melhorar o mundo em que está inserido. Num país em que os jornalistas desportivos poucas vezes fazem o seu trabalho com a isenção e o rigor a que estão eticamente obrigados, seria refrescante ver um deles usar a sua caneta para efetivamente procurar mudar as coisas para melhor.

Se concordar com as ideias propostas, ou parte delas, então que use o Maisfutebol para divulgá-las e ajudar a abrir um debate sério nas instituições que detêm o poder de decisão do futebol em Portugal.

Jornalista ou fala-barato? Está na altura de escolher.

10 comentários :

  1. Fala-barato como todos os jornalistas desportivos (e alguns não desportivos) deste país, escreve ao sabor do vento e dos resultados.

    Se determinado clube ganha super, mérito, super estrutura, futuro dominio do futebol português;

    Se determinado clube perde tudo tem de ser colocado em causa e nada está bem.

    É fácil o totobola à Segunda.

    Mais, o documento do Sporting é lógico tem bons pontos e merece ser relevado, alguém da imprensa deu o devido destaque? Claro que não, o debate que importa é a deslocação ou não do Eusébio para o Panteão.

    Estes jornalistas, cujas análises são tudo menos objectivas e só olham a pormenores irrelevantes, nem sabem defender a industria que lhes dá pão.

    Basta ver as medidas propostas para os fundos operarem. Bruno de Carvalho não os quer proibir como a UEFA pretende (pois ameaça os clubes verdadadeiramente poderosos) no entanto pretende que haja uma distribuição dos custos entre clubes e fundos. Algo tão básico e simples que merecia capa de jornal em claro contraponto com a probição de palmas pela familia do Eusébio ou a super interessante discussão sobre o Panteão nacional.

    SL e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Green Lantern, são dezenas os jornalistas desportivos ou paineleiros com espaço de opinião. Não se vê ninguém a debater o assunto.

      Lá está, é como diz Bruno de Carvalho: deve estar tudo tão bem e fabuloso para ninguém perder o seu tempo para comentar o primeiro documento do género que me lembro de aparecer em anos.

      Um abraço!

      Eliminar
  2. Já há muito que esse sacripanta escolheu o seu lugar! é mais um sevandija,como tantos outros que finjem vestir a capa da imparcialidade,mas que querem é abotoar-se à mesa farta dos interesses inconfessáveis que grassam no nosso pontapé na bola!Creio bem que pode esperar sentado,caro Mestre,porque de gente dessa laia jamais sairà qualquer escrito com ideias úteis em prole do desenvolvimento e clarificação das coisas do desporto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estes gajos em geral são fortes contra o Sporting e fracos com os outros.

      Eliminar
    2. Francisco, o que irrita mais neste tipo de jornalista que não gosta de sujar as mãos nos podres que existem no futebol é que se recusa a admitir que as coisas estão mal e que devem ser melhoradas. O erro do árbitro tem que se aceitar, mas ai do dirigente que expresse a sua revolta publicamente. Diz que os dirigentes matam o futebol com a sua retórica inflamada, mas quando aparece alguma iniciativa positiva também não são capazes de a avaliar pelos seus méritos, mesmo que não gostem do dirigente que a tomou.

      Haja paciência. E sim, vou esperar sentado que a idade vai pesando e as pernas já não têm a mesma força de outros tempos! :)

      Eliminar
    3. Guto, é um mal de todo o universo da bola em Portugal. Jornalistas, APAF, sindicato dos jornalistas, sindicato dos jogadores. Estão sempre à vontade para criticar o Sporting, mas quando são outras cores envolvidas ficam quietinhos com esperança que a poeira assente. Obrigado pelo comentário e um abraço.

      Eliminar
  3. Eles sentem-se bem, acomodados para que discutir ideias? O SISTEMA também é isto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo, é uma grande verdade que acabou de escrever.

      Eliminar
  4. Desculpa o desabafo Mestre, mas tenho de dizer que este pertence à "melhor" escola dos filhos da puta tripeiros.
    Na linha do Pinto, Caldeira, Reinaldo Teles e do super Madureira.
    Tinha que o dizer...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. José, o Jornal Sporting diz que é benfiquista... honestamente não sei qual a preferência dele -- verde não deve ser, já que tem uma crítica fácil para com o Sporting que não demonstra para os outros. Um abraço.

      Eliminar