terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Caca de pombo

Logo após o final do Gil Vicente - Benfica, em que a equipa de Jorge Jesus não conseguiu aproveitar completamente o deslize do Porto, Luís Filipe Vieira desceu ao balneário.

O Record, que destacou vários jornalistas para relatarem todas as incidências antes, durante e após o jogo, não poderia deixar de noticiar a ida do presidente do Benfica ao balneário onde estava a equipa.

Mas em vez de relatar os factos, o escriba do Record sentiu-se à vontade para adivinhar as intenções do presidente do Benfica:


Parece-me abusivo da parte de um jornalista escrever que o presidente foi ao balneário "certamente para animar o plantel", quando não há nenhum facto que lhe permita tirar essa conclusão. É verdade que essa versão até pode ser verdadeira, mas também há a possibilidade de o presidente ir pedir explicações ao treinador por ter deixado Cardozo bater o penalty, ou a Siqueira pela expulsão perfeitamente evitável.

Mas confesso que o que me irritou nestas palavrinhas nem foi o seu valor facial. Muitas vezes os jornalistas têm que encher espaços sem terem nada de relevante para escrever. O meu problema está no facto de a página onde esta notícia aparece ser assinada pelos jornalistas Nuno Pombo e Pedro Malacó.

Nuno Pombo é um dos jornalistas que fez esta entrevista exclusiva a Jorge Jesus, em que o treinador do Benfica tentou apaziguar os ânimos após as suas infelizes declarações sobre os jovens da formação terem que nascer dez vezes para chegarem ao nível de Matic. Uma entrevista que pareceu mais um comunicado sem direito a contraditório, no fundo uma peça de propaganda encomendada pelo Benfica aos seus parceiros do Record.

Quando li "certamente para animar o plantel", a minha primeira reação foi "Certamente? Ou sabem, ou não sabem.", mas segui em frente. Depois, ao ver o nome de Nuno Pombo no topo da página, deixou de me parecer uma expressão totalmente inocente. Posso estar a ser injusto, mas infelizmente o caminho que a Cofina e o Record escolheram tornam legítimas estas desconfianças. 

5 comentários :

  1. Referir jornalistas do Record para pedir isenção é um abuso.

    Não há!!!! Pura e simplesmente não existe, então desde que o senhor Manha é o director as coisa pioram e muito.

    É que o Record neste momento não é carne nem peixe e perde muito com isso. Até a Bola consegue ser mais isenta. Transformou-se num panfleto de propaganda muito pior do que a Marca ou o AS.

    Com isso só perde leitores pois alienou os sportinguistas e os portistas devido aos ataques constantes e não consegue concorrer com a Bola na bajulação lampiã.

    É mesmo muito mau.

    Embora eu deva dizer que o Correio da Manhã que muita gente acusa de tabloide, e é, no entanto tem uma caracteristica positiva, tenta escalpelizar todos os factos, às vezes até demais mas isso será sempre uma caracteristica do jornalismo. E é bom que assim seja.

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Green Lantern, eu acredito que existem jornalistas isentos em todos os jornais. O problema, na minha opinião, está nas linhas editoriais, que dão orientações e estabelecem prioridades. Para todos os efeitos, os chefes é que mandam, e quem não seguir as indicações que vêm de cima arrisca-se a passar para o departamento das palavras cruzadas e do sudoku.

      Mas é verdade, desde que o Manha foi nomeado diretor, e desde que a Cofina se aliou ao Benfica, as coisas pioraram muito.

      O Correio da Manhã tem uma virtude: não tem medo de apontar o dedo às figuras mais obscuras nem de seguir assuntos lhes são incómodos até à exaustão. O problema é a carrada de defeitos que a acompanha essa virtude, entre os quais está a tendência de frequentemente não darem a devida importância à verdade dos factos... :)

      Um abraço.

      Eliminar
    2. É isso...

      Sem medo de escalpelizar e seguir até à exaustão seja quem for a figura pública. O problema é a falta de rigor.

      Quanto ao desporto no grupo Cofina é obvio e claro que existe uma orientação para deferir e apoiar o Benfica e os orgãoes directivos, é triste mas é verdade.

      SL

      Eliminar
  2. Isto de alguns jornalistas se porem a inventar não é exclusivo do record (periódico que não compro) a bola (outro com o qual não gasto um cêntimo) hoje sobre a lesão de Jefferson o jornalista (?) escreve a dado passo: "...O jogador acabou lesionado num lance perfeitamente normal e teve mesmo de ser substituído". Eheheh, ele viu o jogo? ouviu pelo menos o relato? Tinha ido à casa de banho? É que o lance é uma agressão (!) o jogador da Académica acerta só no pé de Jefferson, com violência, já a bola tinha sido centrada para a área à muito...Curiosamente ou não na generalidade da cs este lance não foi referido, porquê?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que não. É como escrevi, este caso em particular irritou-me porque foi escrito por um dos jornalistas que fez aquela pseudo-entrevista ao Jesus, caso contrário nem olharia para ele uma segunda vez.

      Quanto à lesão do Jefferson, merecia no mínimo um amarelo e poderíamos discutir se não justificava um vermelho. A falta é muito violenta, e vai ter consequências graves para o jogador.

      No blog Com quem é que joga o Sporting? há um post que mostra o inchaço no tornozelo do Jefferson e um gif animado que repete a falta. Como é possível que nem tenha merecido um amarelo? E de facto a comunicação social praticamente que ignorou o assunto.

      Eliminar