quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Descida à terra agora que temos 5 pontos de atraso

Twitter, @luismateus, jornalista do Maisfutebol

Um jogo com uma exibição pouco conseguida que terminou com um resultado negativo, que nos deixou a 5 pontos de atraso em relação ao líder. Em vez de agarrar a oportunidade para passar para a frente do campeonato com unhas e dentes, a equipa teve medo das alturas, descendo à terra e caindo na real.

Cair na real. Medo das alturas. Descer à terra. Sounds familiar.

Capas em Setembro e Outubro de 2013

Alguém acredita que os jogadores vão atirar a toalha ao chão?

Tenham tino.

2 comentários :

  1. Anda tudo preparado para atirar a 1ª pedra ao minimo percalço. A cada queda nossa aparecem os analistas "isentos" da nossa praça prontos a passarem-nos a certidão de óbito.

    Cabe-nos a nós adeptos termos dois dedos de testa e constatar a evolução (e potencial de crescimento) que existiu na equipa desde o inicio da época. Esta é a mesma equipa e treinador que até à pouco estava a olhar de cima os "milionários" de carnide e das antas.

    Por momentos sonhámos, mas nada caiu por terra dado que o caminho é para ser feito jogo a jogo com o objectivo definido na Champions - não deixando de olhar a outros horizontes claro, que com os jogos na UEFA ainda vão haver muitas surpresas...

    Sábado lá estarei a apoiar :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade Lopes, anda muita gente ansiosa para ver o Sporting descolar da frente para depois poderem vir dizer que tinham razão no princípio da época quando diziam que ia ser um campeonato a dois.

      O nosso caminho não depende de ninguém. Não temos que olhar nem para cima nem para baixo. É claro que é impossível deixar de sonhar com mais quando os bons resultados se sucedem, mas nunca ninguém nos prometeu mais do que aquilo que a equipa tem demonstrado em praticamente todos os jogos.

      Como disseste, o facto de continuarmos colados aos "milionários" é um atestado de competência a uma organização que fez os piores cortes no orçamento de que há memória.

      Não podemos deixar de os apoiar, porque merecem. No Sábado também não vou faltar.

      Um abraço.

      Eliminar