quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Fogo de artifício com pólvora seca

Pedro Marques Lopes, na semana passada, escreveu para o jornal A Bola um curioso relato sobre a forma como viveu a vitória nos descontos do Porto sobre o Marítimo, que valeu o apuramento para as meias-finais da Taça da Liga.

Comemorei rijamente a vitória do FC Porto frente ao Marítimo. Não foi por dar especial relevância à Taça da Liga: é um torneio que jogamos logo é para ganhar, mas olho para ele como olhava, em tempos, para os campeonatos de reservas. Também não foi por a equipa ter feito um grande jogo: foi uma das piores exibições do FC Porto esta época. Mais uma vez assistimos a uma completa anarquia tática, a um meio-campo incapaz de controlar ou dar dinâmica ao jogo e a jogadores perdidos sem saberem bem o que fazer, enfim, infelizmente mais do mesmo.
A minha grande alegria vem de termos percebido claramente que o fundamental, aquilo que é o mais importante, o que define um clube como ganhador está incólume. Foi a alma, a garra, a vontade de ganhar, a capacidade de os jogadores se transcenderem que deu a vitória ao FC Porto. (...) Foram as camisolas que ganharam aquele jogo. As camisolas do FC Porto. (...)
Pode-se perder campeonatos e taças, mas uma equipa que mostre sempre o que o FC Porto mostrou no fim de semana passado ganhará muitíssimas mais vezes do que as outras. 

Entendido. Pedro Marques Lopes continua depois a escrever sobre o jogo para o campeonato com o Marítimo, que se disputaria no dia seguinte.

A garra e a vontade de ganhar viajarão para o Funchal mas vai ser preciso mais do que isso para ganhar ao Marítimo. Uma coisa é certa: se a qualidade de jogo for igual ao do último fim de semana teremos um grande desgosto.

Não sou psicólogo nem tenho nenhum dom especial que me permita adivinhar aquilo que as pessoas estão a pensar quando afirmam determinadas coisas, mas confesso que fico com a sensação de que todo este raciocínio soa bastante a falso.

As rijas comemorações, segundo Pedro Marques Lopes, não foram pela importância da competição, que compara a uma prova de reservas, apesar de o Porto ter utilizado nas três jornadas da Taça da Liga 9 ou 10 jogadores habitualmente titulares.

Também não foi pela exibição. O autor é claro ao escrever que foi uma das piores exibições da época.

Explica-nos Pedro Marques Lopes que foi por ter percebido que as camisolas do Porto continuam a conseguir ganhar jogos. Mesmo sendo uma equipa taticamente caótica e com jogadores perdidos sem saberem o que fazer, a força de vontade e a garra de quem enverga aquela camisola será suficiente para permitir ao Porto continuar a ganhar mais do que os outros. Mas logo a seguir diz que no Funchal, contra a mesma equipa que acabaram de derrotar, vai ser preciso mais do que a tal força de vontade e garra porque se a qualidade de jogo for a mesma terão um grande desgosto? Homem, decida-se!

A minha teoria sobre o que levou Pedro Marques Lopes e a generalidade dos portistas a festejar rijamente, mas que não querem admitir, tem a ver com isto: foi o facto de se terem superiorizado ao Sporting. Nada lhes custaria mais do que serem afastados pelo Sporting da Taça da Liga, após a "afronta" que Bruno de Carvalho lhes fez. Desta vez (e no jogo do campeonato) o Porto ainda conseguiu levar a melhor, mas com uma dificuldade raramente vista nos últimos dez anos.

Ao contrário dos sinais de recuperação que se sentem no Sporting, o Porto vive um período claro de decadência. Os sinais são muitos. O facto de revelarem esta euforia ao eliminarem o Sporting, apesar da sequência de jogos miserável que têm visto da sua equipa, não é natural num clube confiante na sua capacidade de manter a hegemonia que tem conseguido nas últimas décadas.

Mas existem outros sinais. Plantel insuficiente, em que os melhores jogadores que ficaram já estão com a cabeça noutro lado, não se vislumbrando um número suficiente de jogadores capazes de os substituir num futuro próximo. Dirigentes que se alinham já a pensar na sucessão presidencial. Um modelo de negócio desvirtuado, que necessita de vendas monstruosas para sustentar as compras milionárias que se habituaram a fazer e a rede obscura de empresários e comissionistas que gravita à sua volta. Tiques de novo rico, gastando rios de dinheiro em contratações de jogadores apenas para impedir que fossem contratados pelos rivais, e construindo um museu megalómano que nunca se irá pagar a si próprio e será um permanente sorvedouro de recursos. Museu esse que teve uma inauguração com pompa e circunstância reservada a uma elite, com os sócios e adeptos anónimos apenas poderem visitá-lo um mês depois.

O ciclo está mesmo a chegar ao fim, e a decadência que assistimos parece acompanhar diretamente a perda de faculdades da pessoa que está no centro de toda esta organização. E, como sabemos, há determinadas coisas que é impossível inverter. O peso da idade é uma delas.

10 comentários :

  1. Clap, clap, clap, certissimo.

    Concordo em absoluto, aliás este Marques Lopes mais um comentadeiro pedante que acha que sabe tudo e tem uma arrogância tipica dos lampiões que cada vez mais se vê nos tripeiros.

    Sempre a achincalhar o SCP sempre a dizer que já não somos grandes e que já não contamos. Pois, no passado recente assim foi mas as coisas mudaram e como mudaram.

    Parece-me que há um projecto no SCP e meios para o alcançar e isso está a criar muitos anti-corpos.

    Eu se fosse ao Marques Lopes, Aguiar, Serrão e aos elementos da super estrutura preocupava-me sim com a dispensa do Otamendi (quanto custou este jogador) com a não renovação do Fernando (vão ver zero) e que não vai jogar mais. Então mas problemas não era só no SCP?

    Ora quando dois titulares absolutos como Fernando e Otamendi são afastados sem substitutos imediatos e sem razão aparente eu estaria preocupado. Será que vão haver mais capas a pedir Fernando para a selecção?

    Se o Sporting perdesse William e Rojo de uma acentada o que se diria de Bruno de Carvalho???????

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Green Lantern, o Otamendi tem andado a jogar pessimamente, e o Porto ainda lá tem o Maicon, o Mangala, o Abdoulaye, e ainda têm o central mais caro da história em Portugal (Reyes) para lançar na equipa principal. O estranho está no facto de o Otamendi ter feito uma época estupenda no ano passado, e ter caído de rendimento de forma tão acentuada. Aliás, todos os defesas do Porto estão a milhas das prestações do ano passado, e não tem só a ver com o treinador -- há ali mais qualquer coisa.

      A saída de Otamendi vai ser mais um rombo financeiro (ainda estou para ver se essa anunciada venda de €12M é verdade) do que um golpe desportivo, na minha opinião.

      O Fernando é que vai ser um caso bem diferente. Já escrevi há uma semanas que estava perfeitamente convencido que ia renovar, em função de quem é o seu empresário. A campanha do jornal O Jogo para Paulo Bento chamá-lo à seleção também apontava nesse sentido. Vai ser um golpe brutal para o Porto, desportivamente e financeiramente.

      Agora, somando as confusões de Otamendi e Fernando às de Mangala (não saiu para o City porquê?) e Jackson (em cada entrevista que dá diz que quer ir para outro lado), temos um sinal inequívoco de que há problemas graves por resolver.

      Seria interessante que a comunicação social tentasse saber o que se passa, porque não é nada normal.

      Um abraço.

      Eliminar
  2. Antes de mais este PMLé um imbecil,ponto. Depois quanto aos sinais que vêm do porto, o que eu considero mais evidente, e preocupante se fosse adepto, é a quantidade de jogadores insatisfeitos e que querem sair, Mangala, Fernando, Jackson, Otamendi, ou seja qualquer jogador que se destaque minimamente quer rapidamente bazar. Definitivamente, o porto já não é o que era. Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exatamente, RP. E o Alex Sandro e o Danilo também devem estar a ver a vida a andar para trás. O rendimento deles também está muitos furos abaixo do que há uns meses.

      O navio parece afundar-se e os jogadores mais caros devem estar a ver que nunca algum clube irá bater as cláusulas de rescisão, pelo que têm que fazer outro tipo de pressão sobre os dirigentes do Porto.

      Um abraço.

      Eliminar
  3. Fonte BEM informada diz que O FC PORCO está com problemas de tesouraria.
    Há jogadores do FC PORTO com salários em ATRASO !!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo, isso ajudaria a explicar algumas coisas. Essa notícia já saiu em algum sítio? Um abraço.

      Eliminar
  4. Nem mais. Escrevi na altura que a maneira como comemoraram a passagem numa competção que sempre desvalorizam foi precisamente a afronto do Sporting. É continuar a apertar com eles que a coisa começa a abrir grandes brechas. Esta decisão sobre atraso, que nãovai dar em nada, serve tambem para eles se assustarem uns minutos que seja.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francis, o Porto já passou por maus momentos, mesmo na presidência do Pinto da Costa, mas não me lembro de tantos acontecerem tantos episódios em simultâneo. E com a equipa a jogar mal só ajuda a piorar o impacto desses episódios.

      Eliminar
  5. Os jogos do poder de bastidores já não são o que eram, e agora tem mais dificuldade em manipular as coisas, aquilo esta difícil, até o Sporting os afronta e os encosta a parede, noutros tempos bastava um telefonema para acabar logo com o problema criado pelo Sporting.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, Guto. Não só pela perda gradual de influência do Porto nos bastidores (que infelizmente ainda é enorme) mas também pela competência e coragem que a estrutura do Sporting tem revelado, e que há muito não se via.

      Eliminar