segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Jesus e os pénaltes

O Trio d' Ataque confrontou as declarações de Jorge Jesus sobre os marcadores de penalties feitas no final do Gil Vicente - Benfica, e no lançamento do Benfica - Sporting.

Descubram as diferenças...

Vídeo completo pode ser visto no canal do youtube Fernanndo00

Como é que os jogadores podem respeitar um "líder" cuja prioridade é colocar-se no centro do sucesso quando as coisas correm bem e colocar-se na periferia dos acontecimentos quando as coisas correm mal?

11 comentários :

  1. É o modus operandis daquele clube, nunca ninguém tem culpa de nada.

    A cobertura voa, foi do vento, não é a obra mal feita.

    As cadeira ardem a culpa é dos sportinguistas e o SCP teve de pagar 500.000,00 euros ai a liga foi rápida e com mão de ferro. Ninguém perguntou porquê que as cadeiras não eram anti-inflamáveis como mandam as regras.

    Final da Taça de Portugal, Jesus e Cardozo pegam-se em directo, no passa nada. Tudo normal.

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Green Lantern, estou para ver as conclusões que vão sair da vistoria da Martifer...

      Assumindo que há reparações para fazer, e que as condições climatéricas continuam a estar longe do ideal (granizo, vento moderado a forte com rajadas de 90 km/h), vamos ver a desculpa que inventam para justificar as condições suficientes para o jogo se disputar a manhã.

      Um abraço.

      Eliminar
    2. O jogo será no Restelo ou Estádio Nacional, com o Sporting a poder levar pouco mais de 1000 adeptos.

      O que me dá mais raiva é que nós é que seremos gozados a partir de 3ª ou 4ª feira.

      Eliminar
    3. É uma questão relevante: a mudar-se o local do recinto do jogo, quais são as pessoas com bilhete que vão ficar de fora?

      Gozados porquê, Cantinho?

      Eliminar
    4. Cantinho, se a equipa tiver a postura que tem tido ao longo da época, ninguém poderá gozar connosco -- independentemente do resultado.

      Eliminar
    5. Mestre,

      mas alguma vez algum adepto renunciou a uma vitória (e ao seu festejo) pelo adversário ter tido "postura"?
      conheces algum adepto do fcp que tenha renunciado a uma champions, liga, taça de portugal, supertaça, vitória em clássico, vitória num jogo, existência de um penalty, fora de jogo, po ter obtido isso de forma ilegal?
      conheces algum adepto do slb que não tenha festejado (e gozado) a vitória, na época passada, sobre o sporting, mesmo quando o capela sonegou 3 penaltys e duas expulsões? ou esta época, para a taça de portugal? ou na falta de Luisão sobre Ricardo? "ah não, vou desligar a tv e chorar porque isto não é maneira de ganhar um jogo. Como sócio vou já pedir uma ass geral de emergência para o glorioso não ter direito a estes 3 pontos ou acesso à próxima fase da taça de portugal."

      se toda uma comunicação social esconde a vergonha e a irresponsabilidade que ontem se passou à frente do colombo, vangloriza o slb de forma que envergonha a propaganda dos piores regimes ditatoriais, achas mesmo que a vitória na luz, com este slb de vieira e jesus é possível?

      se isso acontecer, iremos pagar bem caro (pior do que perder lá).

      Eliminar
    6. Nesse sentido OK, estou de acordo. Mesmo ganhando com oganharam naquele jogo do Capela, nada diminuiu a bazófia da onda vermelha até ter rebentado com o Estoril.

      Mas ao contrário de outros anos, eles poderão falar o que quiserem, que estou confiante no rumo que o Sporting está a seguir. Há um ano era bem pior, e se tudo correr bem, daqui a um ano há-de ser ainda melhor.

      Eliminar
    7. Mestre eu também posso estar confiante no rumo e crer que, numa lógica normal de evolução, daqui a um ano estaremos melhores, mais fortes.
      Mas isso só acontece de uma forma: que a bola em vez de bater na barra, na perna, cabeça ou braço adversário, entre na baliza.
      E esse é único projecto que nenhuma direcção pode controlar (outras de outros clubes conseguem isso). E é o mais importante.

      Eliminar
    8. Sim, é verdade Cantinho. Se a bola não entrar na baliza não há projeto que resista...

      Eliminar
  2. A incoerencia do costume, nada de novo.

    ResponderEliminar