quinta-feira, 6 de março de 2014

Camarões para o jantar

O jogo de ontem veio mostrar que havendo Cristiano Ronaldo pouco interessa quem esteja ao seu lado. Basta que joguem para ele e que não comprometam na função defensiva, e acabamos por ter hipóteses de ganhar qualquer jogo contra seleções do nível do Gana e dos EUA.

Não há muito mais jogadores na seleção que possam fazer uma diferença fenomenal. Pepe, Moutinho e Coentrão são os outros jogadores de classe mundial que temos, e no patamar a seguir há Bruno Alves, Patrício (sim, Patrício, senhores lampiões) e William Carvalho (se Paulo Bento o deixar aquecer o lugar 6 durante uns joguinhos para se ambientar). João Pereira, Miguel Veloso, Raul Meireles, Nani (que saudades do grande Nani) e Postiga têm dias: podem fazer jogos fantásticos se estiverem ao seu melhor nível mas também podem estar em campo apenas de corpo presente. E nem vale a pena em falar em muitos dos habituais suplentes.

Neste momento, meia equipa é muito irregular e não tem nível suficiente para que sejam jogadores importantes mesmo em fases de pior forma, pelo que não compreendo porque motivo se chamam sempre os mesmos suplentes, muitos dos quais nunca acrescentaram nada, em vez dos que estão em melhor forma.

Ricardo (Académica), Cédric, Adrien, Gonçalo Santos, que são jogadores com ritmo de jogo e que o têm feito com qualidade, talvez tenham feito o suficiente para que merecessem ser opção para Paulo Bento em substituição de outros que têm sido chamados com maior ou menor insistência e que poucas vezes são utilizados nos seus clubes.

Quando chegarem aqueles jogos mesmo a doer, contra a Alemanha ou outro tubarão que se atravesse no nosso caminho, farão falta todos os jogadores em melhor forma -- e mesmo assim muito provavelmente não será suficiente.

Já escrevi no passado que compreendo a ideia de Paulo Bento ter um grupo mais ou menos fechado de modo a formar um grupo forte, na expetativa de receber lealdade dos jogadores em troca da lealdade que lhes demonstra na convocatória. Mas duvido que um, dois, três, quatro ou mesmo cinco jogadores novos tenham força suficiente para desestabilizar um grupo com muitas vedetas e uma über-vedeta que está junto há bastante tempo.

Uma seleção que convocasse jogadores exclusivamente pelo mérito, talvez pudesse elevar um pouco o seu nível de jogo sem comprometer a estabilidade de balneário.

Espero agora que não comecem a tirar grandes conclusões por termos ganho por 5-1. A primeira parte foi sofrível e a segunda só passou a ser boa quando a equipa adversária decidiu desaparecer de campo. De qualquer forma, como é evidente, foi um resultado muito positivo já que é bem melhor golear do que empatar ou perder. Considerando algumas das prestações recentes da seleção em jogos contra adversários mais fracos, não foi mesmo nada mau.

8 comentários :

  1. Mais uma jornada de selecções que prejudica o treino nos clubes.

    Os clubes ficaram sem os jogadores durante uns dias embora continuem a ser pagos pelos clubes e vão brincar às selecções.

    Os treinadores dos clubes ficam sem vários jogadores e não conseguem preparar convenientemente o próximo jogo, alguns deles nem tinham jogadores suficientes para efectuar um treino colectivo.

    Estes são factos que se enquadram na minha teoria.

    Os jogadores desvalorizam-se nas selecções e prejudicam desportiva e financeiramente os clubes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a quem é que eu já ouvi isto?

      Eliminar
  2. a equipa adversária é que decidiu desaparecer do campo? o mestre tem a certeza que Portugal não teve nada a ver com isso?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma forma de expressão, caro anónimo. Claro que Portugal também tem a ver com isso, mas a verdade é que não vi a nossa seleção a aplicar uma intensidade de jogo tal que justifique por si só a quebra de rendimento dos Camarões.

      Eliminar
  3. Bom jogo de preparação 5-1 sao sempre 5-1,pode-se dizer que com alguns lances como por exemplo o do golo do raul meireles e mais uns lances a selecçao dos camaroes tenha desistido um bocado do jogo,alem de que ja sao uma selecçao um bocado envelhecida.Ate as pernas aguetarem conseguiram fazer frente a portugal,a partir dai e complicado ainda por cima quando esse selecçao tem um jogador que eu nao tenho palavras para descrever(Ronaldo) o homem é um monstro,vi jogar muitos jogadores,jogadores que marcaram decadas,mas acho que ronaldo é sem duvida muito acima desses jogadores que vi jogar,o lance do 1º golo dele explica o pq de ele ser o melhor jogador do mundo da actualidade e poder vir a ser um dos melhores de todos os tempos.
    Acho que a selecção esteve muito bem,muito mais competitiva e concentrada,tirando claro o golo dos camaroes.
    Dou nota maxima tb ao comentador da rtp ja que o mesmo conseguiu em 90 minutos,num jogo muito bom tanto de rafa,com do william,entre outros referir 7 ou 8 vezes que o neto vinha para o benfica,jornalismo da benficatv na rtp ao mais alto nivel inacreditavel ate ja estava a meter nojo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo, o comentador da RTP era o António Tadeia, que é também subdiretor do Record. O Record está a fazer uma campanha para que o Neto seja contratado pelo Benfica, de forma que possam justificar a capa que fizeram no dia a seguir à eleição de Ronaldo como melhor do mundo.

      Não se justificavam ontem tantos elogios, na minha opinião o Neto não fez um bom jogo.

      Um abraço.

      Eliminar
  4. Mestre, na Terça-feira, no programa Grande- Área (acho eu) o Freitas Lobo, disse ser uma injustiça se o seleccionador não levar o Adrien. Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. F. Pais, creio que a generalidade dos comentadores não tem dúvidas que Adrien deveria ser chamado por Paulo Bento. Assim de repente, o Freitas Lobo e João Rosado no Jogo Jogado e o Rui Santos no Play-Off, disseram que não compreendem a não convocação de Adrien.

      Rui Santos até disse com piada que ia evitar repetir que Adrien devia ser convocado, porque assim só está a alimentar a teimosia de Paulo Bento (não o disse com estas palavras tão explícitas, mas era a ideia que queria passar).

      Um abraço.

      Eliminar