quinta-feira, 6 de março de 2014

O direito à indignação

Benfiquistas e portistas, especialmente os últimos, gostam de chamar os sportinguistas de "calimeros". É verdade que a cria de gallus gallus escurinha, conhecida por se equipar com uma casca de ovo na cabeça, gostava de se lamentar aos quatro ventos pelos infortúnios que a vida lhe proporcionava, e não é menos verdade que os sportinguistas, quando comparados com os portistas, se queixam imenso.

É que a nossa vida não tem sido propriamente fácil, e nos últimos 30 anos tem acontecido de tudo ao Sporting.

Por exemplo, olhemos para a última época em que o Sporting foi campeão. Um plantel de luxo que tinha, entre outros, Pedro Barbosa, Sá Pinto, Marius Niculae, Paulo Bento, André Cruz, Beto, Rui Jorge, Phil Babb, Ricardo Quaresma mas que, acima de tudo, era a equipa de Jardel e João Pinto.

Quis o destino que nesse verão, no mundial da Coreia do Sul / Japão, João Pinto se passasse da cabeça, agredindo o árbitro do Portugal - Coreia do Sul, de má memória para os portugueses. João Pinto foi suspenso por quatro meses, ficando indisponível para o primeiro terço da temporada 2002/03. Para piorar, Jardel ficou com a cabeça totalmente feita em fanicos por causa de 1001 propostas para grandes clubes europeus que acabaram por nunca se concretizar, e começou a desleixar-se até passar a ser uma sombra do melhor ponta-de-lança que alguma vez vi jogar em Portugal.

Sem ter feito nada para o merecer, o Sporting viu desfeita uma dupla que certamente poderia liderar o Sporting a mais 1 ou 2 campeonatos.

Mas também tem havido muita incompetência própria. As últimas direções foram um desastre que por pouco não afundavam definitivamente o clube:
  • Soares Franco, presidente sem ambição que se contentava com apuramentos para a Liga dos Campeões.
  • José Eduardo Bettencourt, homem sem qualquer tipo de estratégia e bom senso, ao que juntou algumas das mais tristes figuras que um presidente de um clube já alguma vez terá feito em público (Pinto da Costa, ao decidir-se mascarar esta semana de Danny Zuko do Grease, conseguiu juntar-se ao clube).
  • Godinho Lopes, que em nome de objetivos eleitorais formou uma direção que era um ninho de vespas que se estavam a borrifar para o sucesso do Sporting, e cuja estratégia de investimento foi inacreditavelmente mal executada.
Finalmente, a incompetência ou má-fé alheia, que tanto nos tirou nos últimos anos. A mão de Ronny e João Ferreira, que nos roubou o campeonato de 2006/07, a decisão inacreditável de Lucílio Baptista que nos roubou a Taça da Liga de 2008/09, ou as capeladas, proençadas, paratyzadas, xistralhadas e gomesadas, que nos impediram sequer de ter hipóteses de disputar a vitória em jogos importantíssimos ao mesmo tempo que nos afastavam da luta pelos campeonatos e taças. 

É certo que os árbitros têm um trabalho difícil, que são muito pressionados e têm que decidir em décimas de segundo, mas isso é um argumento já demasiado gasto para servir de escapatória à montanha de asneiras que vão acumulando, muitos dos quais injustificáveis. E é estranho ver que exibições arbitrais deste nível, que tão frequentemente acontecem com o Sporting em campo, poucas vezes acontecem em desfavor dos outros emblemas rivais.

E os argumentos da pressão e da ter que decidir no momento perdem qualquer razão de ser quando vemos outras coisas que se vão passando fora das quatro linhas.

Por exemplo, o boicote dos árbitros ao Sporting. Há dois anos e meio, ao se sentirem pressionados por declarações da direção do Sporting após uma arbitragem vergonhosa de Carlos Xistra que nos privou de 2 pontos, decidiram não apitar jogos do Sporting.

Fica para a história a justificação do então presidente da APAF, Luís Guilherme, agora membro do Conselho de Arbitragem: “Para os árbitros, os clubes são todos iguais e tratados de igual forma, mas há uns que não percebem isso. Há clubes que pretendem ter privilégios que outros não têm”.

Nota-se mesmo que não há clubes com privilégios. Duarte Gomes e Bruno Paixão nunca foram vetados dos jogos do Porto. Nem Jorge Jesus alguma vez colocou em causa a honestidade de Proença e Bertino Miranda na sequência do golo em fora-de-jogo de Maicon, ou certamente que teria havido uma reação corporativa contra o Benfica semelhante à que o Sporting teve direito.

Podemos falar também da classe dos jornalistas, que rapidamente se retiraram em protesto da apresentação de Maurício e Cissé por as portas da sala de imprensa terem sido abertas aos sócios, mas que não teve nada a dizer quando Valdemar Duarte se queixou de ter sido agredido por Pinto da Costa e seus capangas, ou quando Rui Cerqueira pontapeou um jornalista da RR no final do Belenenses - Porto. 

E nem vale a pena entrar nos órgãos federativos, que demonstram frequentemente ter mãos firmes para uns e índices de compreensão madreteresescos para outros. O caso mais ridículo foi quando, no espaço de um ano, tiveram 3 pesos e 3 medidas para cuspidelas a adversários por parte de jogadores dos grandes.

Ninguém no Sporting quer ter qualquer tipo de privilégio. O que queremos é que não nos lixem ano após ano, ao mesmo tempo que levam outros ao colinho. O que queremos é que os outros possam ser penalizados pelos erros que cometem dentro de campo, sem o aconchegante amparo daquelas mãozinhas protetoras que definem jogos, campeonatos e dinastias.

E para piorar, custa ver hipócritas vestidos de vermelho que durante anos acusaram o Porto de desvirtuar a verdade desportiva, mas que não têm problemas em recorrer a muitos dos métodos reprováveis utilizados por aqueles a quem chamam de corruptos.

Por isso, enquanto estas coisas acontecerem, os sportinguistas podem e devem mostrar a sua indignação. Já está provado que não é por ficarmos calados que as instituições e agentes que regulam o futebol em Portugal farão o seu trabalho de forma isenta e competente.

Se quiserem, continuem a chamar-nos de "calimeros". Por mim, estejam à vontade. O que vocês querem sei eu.

20 comentários :

  1. Quero apenas realçar que JVP não deveria estar ao serviço da selecção no Torneio de Verão Coreia do Sul/Japão2002.

    JVP deveria estar em férias a descansar e a preparar-se para o início da nova temporada.

    Os dirigentes do Sporting não defenderam o clube e JVP não foi profissional ao ter ido brincar para a selecção.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Superleão, JVP podia perfeitamente ter ido brincar para a seleção, não devia era ter escolhido o pugilismo como brincadeira e o árbitro como parceiro.

      Eliminar
    2. Ora essa, além de referir mais um argumento que se enquadra na minha teoria só manifestei o meu direito à indignação perante a incompetência dos dirigentes do Sporting e à falta de profissionalismo do referido jogador.

      O meu grau de indignação tem-se elevado a cada dia que passa por passado mais de uma década continuar a haver este tipo de problemas, ainda ontem WC foi brincar com uns lagostins e outros como Esgaio deveriam ter estado ao serviço do Sporting.

      Eliminar
  2. Muito bem Mestre isso é so a ponta do Iceberger, assino por baixo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Guto, é mesmo só a ponta do iceberg, se fossemos exaustivos nos exemplos de podridão mais valia escrever um livro, se calhar com direito a vários volumes... :)

      Eliminar
  3. O que eles querem é que o Sporting se cale, como fez o Belenenses.

    ResponderEliminar
  4. Ainda te esqueceste de mencionar de lances que só aconteceram ao SCP e nunca mais se repetiram na história:

    - o famoso "atraso" do Polga ao Stoikovic. Único lance na história do futebol Português em que um árbitro marcou livre indireto num corte, considerando-o um atraso;

    - penalty marcado contra o SCP (verdade que foi num jogo em que já ganhavamos por 3-0 e ficou 3-1) no inicio dum campeonato, onde Polga fez a falta (e até merecia ser expulso, acho que só levou amarelo) uns bons 5m fora da grande área e o fiscal de linha conseguiu mesmo assim ver a falta lá dentro;

    - e o último não foi ao SCP diretamente, mas foi um lance que também nunca tinha acontecido (nem deverá voltar a acontecer). Foi o marcar penalty a favor do SLB em que o jogador do Amadora leva com a bola na cara;

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mike, lembro-me perfeitamente dos dois primeiros caso. Faltou-te referir que esse livre indireto deu origem ao único golo do jogo, em que o Porto ganhou ao Sporting por 1-0. O 2º caso foi um jogo com o Trofense, o árbitro foi Paulo Baptista, que nos enterrou há bem pouco tempo contra a Académica.

      Mais recentemente, num Paços - Sporting, um defesa do Sporting (Rodriguez) bombeia uma bola para o ar para impedir que o avançado adversário causasse um lance de perigo. O balão vai cair na área e Patrício agarrou-a com as mãos. Mais um livre indireto que só assinalam ao Sporting, que resultaria no 1º golo do Paços. O Sporting acabaria por ganhar por 3-2. Quem foi o árbitro? Paulo Baptista.

      Não quis entrar em grandes detalhes porque seria como me meter num poço sem fundo, tantos são os casos ao longo dos tempos.

      Eliminar
    2. Mike, e ainda tens o caso único das três grandes penalidades para a mesma equipa no espaço de 10 minutos, que não só pretendia desbloquear o marcador, como alavancar logo para uma vitória robusta.

      Eliminar
    3. Visigordo, é verdade, que grande episódio. Classic Duarte Gomes!

      Eliminar
    4. Golo do apanha bolas nas Antas contra o Sporting.

      Eliminar
    5. Bem lembrado, Peyroteo. Essa é provavelmente a pior de todas, só podia ser nas Antas. Felizmente que mesmo assim ganhámos o jogo.

      Eliminar
  5. Na história do Jardel, (lembram-se o que passava na Comunicação Social que o Sr. Boloni ia buscá-lo ás noitadas) só falta dizer que o empresário dele era um tal Veiga, que lhe prometia tudo, qundo eu acho que o objectivo final era levá-lo para o clube onde ele foi de seguida, enfim acabou aom a carreira do Jardel mas também ajudou a acabar a sua carreira de empresário (perdeu todos os atletas da formação que tinha no Sporting).
    Por falar neste empresário onde estavam os moralistas quando ele era dono do Estoril e director do Benfica, quando para além dos paratys, batistas, Costas (lembram-se dele com o Nacional 2-4) obrigou aquele Clube a jogar com o mesmo Benfica no Algarve.
    BD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, BD. Veiga foi mais uma figurinha corrupta que conseguiu arranjar pouso junto de Pinto da Costa e mais tarde de Luís Filipe Vieira.

      Esse episódio do Estoril - Benfica foi outra vergonha. Era dono o Veiga e presidente o António Figueiredo, ex-dirigente do Benfica e que agora está no Zona Mista da RTP a falar com outro jornalista vendido chamado António Tavares Teles.

      Um abraço.

      Eliminar
  6. " Sem ter feito nada para o merecer, o Sporting viu desfeita uma dupla que certamente poderia liderar o Sporting a mais 1 ou 2 campeonatos."
    Repeti isto na altura até à exaustão. Só não percebeu quem não quis, foi por demais evidente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francis, ainda me dói pensar no assunto passados tantos anos.

      Eliminar
  7. Assino por baixo,sim senhor grande texto.
    Ao longo destes anos temos sido roubados a torto e a direito,mas atençao o sporting é o principal culpado por consequencia daquilo que tem sido a sua fragilidade directiva ao longo dos anos.Andamos á bastantes anos na corda bamba e quando isso acontece é muito mais facil roubar sempre o mesmo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exatamente, estas coisas só nos acontecem porque durante muitos anos nos pusemos a jeito. Um abraço.

      Eliminar