segunda-feira, 10 de março de 2014

Sobre a aliança Sporting / Benfica

No princípio de Novembro, ainda antes do lamentável Benfica - Sporting para a Taça de Portugal, João Querido Manha fez um editorial sobre a necessidade de os dois clubes de Lisboa se unirem a bem do futebol português.

Na altura escrevi um texto sobre o assunto a dar a minha opinião. Não gosto de estar a reciclar textos antigos, mas neste caso vou abrir uma exceção, porque me parece oportuno voltar a falar do assunto. 

Fica aqui, para quem não leu na altura. Não tanto pelo comentário que fiz às palavras de João Querido Manha, mas mais pelo motivo pelo qual acho que o Sporting deve ser cauteloso em avançar em conjunto com o Benfica para a luta pelos lugares de poder do futebol português.

Acho bem que se concertem posições em assuntos de interesse comum, mas nunca uma aliança no verdadeiro significado da palavra.

O que escrevi na altura, mantenho-o hoje sem retirar uma vírgula. Aliás, os acontecimentos das últimas semanas apenas servem para reforçar a minha convicção em relação ao assunto.


João Querido Manha e o discurso da união

João Querido Manha, diretor do jornal Record, a propósito da atual tentativa de afastamento de Mário Figueiredo liderada pelo Porto, escreveu provavelmente o editorial mais desafiador dos poderes instalados de que tenho memória nos últimos tempos, com o título "A união Benfica Sporting".

Para quem não quer ler o editorial inteiro, ficam aqui as passagens que acho mais relevantes.
"Eleito, sufragado e escrutinado em sucessivas assembleias, o presidente da Liga foi conseguindo manter o seu rumo em busca de soluções meio utópicas, com realce para a centralização de direitos de televisão – ou seja, retirar os direitos à central de Oliveira."
"Neste momento, sabemos quem são os opositores declarados, sempre com o FCPorto à cabeça, numa assunção comovente da defesa dos interesses de Joaquim Oliveira, pois os amigos são para as ocasiões. Sabemos de que lado está o FCPorto, mas ainda se aguarda que Benfica e Sporting saiam da sua posição envergonhada. Os grandes foram derrotados na eleição de Figueiredo, mas agora preferem ficar longe das polémicas e do desgaste que o tema sensível vai provocar nos próximos tempos. E os leões, depois de terem renegado uma coexistência pacífica de décadas com o FCPorto, também se colocaram numa posição incómoda, de equilíbrio impossível, dada a sua dependência económica de Oliveira."
"A união Benfica-Sporting, ainda virtual, mal assumida e mal percebida pelos adeptos respetivos, é toda uma nova perspetiva para os próximos tempos. Como no conceito proverbial de Voltaire, mais uma vez os bons espíritos encontram-se na esquina da vida e estão condenados a entenderem-se."

Apesar de eu achar que a dupla Pinto da Costa / Joaquim Oliveira é o cancro responsável pela adulteração da verdade desportiva em Portugal nas últimas décadas, não podia estar mais em desacordo com João Querido Manha. E muito menos com o papel que João Querido Manha pretende dar ao Sporting. Por três motivos que passo a explicar.

1. Mário Figueiredo não merece ser defendido

Mário Figueiredo tem sido um mau presidente da Liga. Não nos podemos esquecer que há poucos meses propôs um alargamento do campeonato a 18 clubes com a época a decorrer, garantindo que nenhum clube desceria de divisão. Procurou aprovar de forma encapotada um regulamento que abriria as portas à centralização dos direitos televisivos. Já declarou que a taça da Liga deveria acabar, sem propor alternativas para substituir a competição de uma forma que valorizasse a qualidade em vez da quantidade.

2. Não é esta a luta que queremos

O cargo de presidente da Liga é uma espécie de Rainha de Inglaterra. O poder real que tem é pouco. Estará sempre dependente do apoio da maioria dos clubes para conseguir aprovar o que quer que seja. Se o Porto colocar Rui Pedro Soares na presidência da Liga, dificilmente conseguirá tirar proveitos desportivos adicionais aos que já tem garantidos.

O que o Porto pretende é dar o conforto a Joaquim Oliveira de que não sairão da direção da Liga mais tentativas de retirar à Olivedesportos o quase monopólio de que dispõe neste momento. 

Conforto, apenas. Porque mesmo que uma medida dessas passasse na Liga, como se resolveria o facto de muitos clubes terem contratos válidos em que cedem por vários anos os direitos de transmissão dos jogos? Seria uma luta legal que se arrastaria durante anos.

Não me parece que o Sporting se deva expor por causa deste assunto. Ainda por cima porque terá que considerar que o Benfica, sendo um player na questão das transmissões televisivas (para já detém os direitos de 3 equipas profissionais em 38 -- Benfica, Benfica B e Farense), poderá ter uma agenda própria para substituir parcialmente aquilo que a própria Olivedesportos é hoje.

A luta em que o Sporting deverá jogar as fichas todas, e em aliança com o Benfica, será nas eleições para a FPF. A presidência da FPF, o Conselho de Arbitragem, o Conselho de Disciplina e o Conselho de Justiça são cargos com poder real, que têm o poder de desvirtuar a verdade desportiva, seja definindo as classificações dos árbitros, fazendo as nomeações dos árbitros ou decidindo que jogadores têm direito ou não a castigos.

3. Não são estes os aliados que queremos

Apesar de achar que a generalidade dos benfiquistas quer genuinamente uma competição em que a verdade desportiva impere, considero que a atual direção do Benfica já deu sinais de que tudo está bem desde que possam também beneficiar de benesses arbitrais e de secretaria. É que, apesar de tudo o que dizem, o Benfica tem atualmente poder real nos organismos mais importantes do futebol português. 

Enzo Perez cospe num adversário? Zero jogos de suspensão. Cardozo agarra a camisola de Pedro Proença após ter sido expulso, e gesticula de forma ameaçadora para o árbitro? Tem direito apenas a uma repreensão por escrito. Jorge Jesus põe em causa a honestidade de equipas de arbitragem. É suspenso 15 dias numa altura em que o campeonato está parado. Capela tem uma arbitragem escandalosa? Limpinho limpinho.

O Benfica tem poder e usa-o em proveito próprio sempre que há necessidade disso. Por isso, se o Sporting for à guerra pela verdade desportiva, não o pode fazer com total confiança tendo um parceiro como Luís Filipe Vieira.

E a apoiar uma lista comum para a liderança da FPF, não poderá ser com gente como Nuno Lobo, um homem medíocre e sem formação, cujo único atributo que o faz ser amado pelos benfiquistas é não gostar de Porto e Sporting. Seria necessário encontrar uma figura acima de qualquer suspeita. E aí não seria importante que fosse benfiquista ou sportinguista.

Conclusão

Voltando ao editorial de João Querido Manha, não nos podemos esquecer que este homem é um moço de recados do Benfica. A parceira Cofina - Benfica é, na realidade, uma máquina propagandista de Vieira a troco de conteúdos que aumentem as audiências do CM TV e do Record.

O que Manha está a fazer é a pressionar o Sporting para dar a cara, para sair a jogo em nome dos interesses do Benfica.

Aliás, para verem o caráter deste senhor, sabem qual foi o tema da sua coluna semanal no Record (na altura ainda não era diretor) imediatamente a seguir ao Benfica - Sporting do "limpinho limpinho"? Os benefícios de arbitragem que o Porto estava a ter. Em relação a João Capela nem uma palavra. De bons espíritos estamos conversados.

16 comentários :

  1. Concertação de posições ou aliança, torna-se irrelevante o nome que lhe queiram dar. A submissão do Sporting à Benfica tornou-se por demais evidente no Benfica-Sporting desta época onde o Sporting submeteu-se à vontade da Benfica: O jogo foi disputado 48 horas depois do adiamento no mesmo estádio.

    Os sportinguistas, ainda encantados com Bruninho engoliram o sapo em seco e nem miaram.

    Mário de Figueiredo já tem destino certo que será o de ser corrido da LPFP.

    A relação entre o Porto SAD e a Olivedesportos é benéfica para ambos, logo deverá continuar enquanto for benéfica para ambos.

    O Sporting, salvo erro, tem contrato com a Olivedesportos até 2018, isto além do dinheiro que a Olivedesportos investiu no Sporting há anos atrás.

    Esta política da Olivedesportos é estratégica, pois permite entrar no capital social do Sporting sad e de outras sads.

    Se alguma sad não estiver satisfeita com os contratos com a Olivedesportos, basta pagar uma indemnização à Olivedesportos e procurar outra solução. Há uns anos atrás, o Real Madrid, salvo erro, actuou desse modo com outras entidades envolvidas.

    O mérito da Olivedesportos foi estupidamente simples, pagava mais e melhor, ou seja, muitas vezes antecipava os pagamentos, depois estrategicamente investia no capital social das sads e assim conseguiu um quase monopólio.

    Os únicos aliados do Sporting são um ou outro banco, pois são esses que têm permitido a sua sobrevivência.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Errado. São os Sportinguistas que continuam a fazer do Sporting um clube grande. Já o teu clube basta uma má época para começar a debandada. E já que falas em sobrevivência, não é o Sporting que tem tido ordenados em atraso no futebol profissional e de formação. Nem foi o Sporting que acabou com modalidades recentemente.

      Eliminar
    2. Luís Miguel, essa conversa da submissão é tão ridícula quanto falsa. O Sporting falou contra os prejuízos que teve com o Benfica sempre que se justificou. No caso da cobertura não há nada a apontar, pode ter havido negligência mas não cabe na cabeça de ninguém que alguém do Benfica tenha estragado a cobertura propositadamente para adiar o jogo. O mesmo não se pode dizer sobre o atraso do Porto na Taça da Liga.

      Quanto à relação entre o Sporting e a Olivedesportos, o problema não está nos contratos. É evidente que o Sporting cumprirá o contrato até ao fim. O problema está nas viagens cosmos, nos carros que a Olivedesportos paga aos dirigentes federativos que decidem que árbitros vão apitar, nas viagens via Cosmos pagas a Calheiros e sabe-se lá a quantos mais árbitros, e toda a promiscuidade que se conhece nas dependências que gerou nos clubes (por culpa dos dirigentes que se venderam por dinheiro antecipado).

      Eliminar
    3. Caro anónimo, pelo menos ontem no Contragolpe houve duas pessoas diferentes que disseram ter fontes que garantem que alguns jogadores têm salários em atraso...

      Eliminar
    4. O Glasgow Rangers também se manteve grande até ao fim e o seu sucessor (outra entidade) mantem-se grande apesar de jogar nas divisões inferiores da Escócia.

      O basquete sad do Porto foi extinto porque quando a sua actividade foi iniciada as condições económicas do país eram outras e as perspectivas de crescimento da modalidade eram de tornar-se uma modalidade com sucesso em toda a Europa, hoje simplesmente não há dinheiro e o Porto em vez de empurrar com a barriga tomou a única medida possível, além disso, ser considerado profissional, exigia salários elevados e outras condições que sendo apenas clube não seriam exigidas.

      Mas o basquetebol do clube está aí e mais cedo ou mais tarde o trabalho de formação deverá dar frutos.

      A conversa da submissão talvez seja ridícula, mas as atitudes evidenciam isso mesmo.
      No caso da cobertura, existem regulamentos a prever forte punição nestes casos, ou seja, os recintos de jogo devem estar em boas condições de segurança tanto para atletas como para o público. Houve forte negligência, tanto mais que não é a primeira vez que aconteceu, pois na época anterior foi adiado um jogo da Segunda Liga com a equipa B e além disso no final desta época a final da Champions será ali.

      A manutenção dos estádios custa muito dinheiro e enquanto os outros fazem isso nos seus estádios pelos vistos há uma entidade que em vez de fazer a manutenção prefere contratar mais jogadores ou pagar mais salários.

      O caso Cosmos já foi há muito explicado, tratou-se dum erro administrativo da Cosmos ao enviar a factura para os serviços do Porto e houve um erro dos serviços administrativos ao pagá-la. Nessa altura, o Porto trabalhava com a agência de viagens Cosmos e havendo muitas viagens tanto nacionais como ao exterior havia muitos serviços prestados ao Porto pela Cosmos. Trata-se dum caso de memória similar aos 500 euros de renda do centro de estágio.

      Quanto ao Sporting o que ficou esquecido foram as palavras dum antigo presidente do Sporting Jorge "Bigodes" Gonçalves a dizer que pagava a árbitros quando esteve no Sporting. Só que isso foi dito muitos anos depois de ter saído do Sporting e ter-se refugiado fora do país mas não precisamos de ir muito longe, basta recordar o depósito de 2000 euros, salvo erro, na conta de um árbitro por parte dum dirigente do Sporting, ex-director da PJ.

      Se o Porto tem problemas de tesouraria, trata-se duma situação normal, pois este ano ficamos aquém das expectativas na Champions e nestes últimos meses tivemos que saldar compromissos bancários de vários milhões de euros, além disso o Porto tem feito um esforço para cumprir as regras de fair-play financeiro, já o Sporting muito dificilmente os irá cumprir.



      oje em dia, o Porto viagem através da sua própria agência de viagens.

      Eliminar
    5. O caso da Cosmos foi um erro administrativo? Acredito que sim, deve ter sido um estagiário que não sabia que aquilo era para se pagar por fora.

      Já escrevi no passado em relação ao Paulo Pereira Cristóvão: é altamente condenável o que fez, no entanto não foi corrupção, foi tentativa de incriminação. E onde estava o PPC três meses depois? Fora do clube.

      Quanto aos problemas de tesouraria, é sempre tudo normal quando nos toca a nós, não é? Venderam €70M em jogadores no final da época passada e agora não há dinheiro -- como é possível?

      Eliminar
    6. Obviamente, ou não percebes de contabilidade ou estás de má fé.

      Efectuar uma venda não implica a entrada imediata de dinheiro, porque hoje em dia os jogadores são pagos a prestações.

      Basta veres os R&C, por exemplo, o Porto sad ainda tem prestações a receber de Hulk, Cissohko, Lisandro, Moutinho, James, etc.

      Basta ver a rubrica clientes que estão lá referidos os devedores e os montantes a 31/12/2013.

      Eliminar
    7. Não é por aí, Luís Miguel. No R&C semestral o Porto tem na rubrica de clientes (valores que tem a receber) €66M, e nos fornecedores €44M. Não é um desfazamento assim tão grande.

      Para além disso, existe uma coisa que se chama previsão de tesouraria, que tem que levar em consideração os fluxos de entrada e saída de dinheiro ao longo dos meses (e anos, se for caso disso) que se seguirão.

      Eliminar
    8. Ou seja, da mesma forma que não recebem tudo a pronto, também não pagam tudo a pronto. Faz parte do negócio e é preciso saber-se viver com isso.

      Eliminar
    9. A relação clientes correntes/fornecedores correntes é positiva para o Porto sad (não é €66M mas sim €51,5M), mas existem dívidas bancárias e por obrigações a pagar, isto além dos custos operacionais (custos com pessoal e FSE).

      Não se chama previsão de tesouraria, mas sim orçamento de tesouraria e em qualquer momento pode haver desvios ao orçamentado, tanto positivos ou negativos.

      Eliminar
    10. Luís Miguel, e no que é que isso muda o facto de fazer parte da vida dos clubes receber e pagar em diferentes prazos? No R&C diz que a 31-Dez tinham a receber €32M. Seis meses antes tinham a receber €58M. Dos €70M que receberam do Mónaco, entrou ou não entrou quase tudo? Só falta receber €1,25M.

      Eliminar
    11. Exactamente isso, facilita a gestão de tesouraria.

      O Porto tem vindo a pagar as suas dívidas bancárias e por obrigações conforme planeado.

      Em Janeiro havia datas de vencimento de 5,5 milhões ao BES mais um montante superior a 2,2 milhões de factoring, tudo isto acrescido de juros.

      Em Fevereiro 2 milhões ao BES, 825 mil euros ao BCP, tudo isto acrescido de juros.

      Em Junho de 2014 é preciso pagar 10 milhões de empréstimos obrigacionistas.

      Aquilo que o Porto vai recebendo, vai pagando as suas dívidas.

      Além do mais, o FCP investiu 4 milhões de euros no aumento de capital do Porto Media (Porto Canal), ou seja, investimento que terá que render no futuro.

      Eliminar
    12. Luís Miguel, esta discussão sobre a tesouraria começou porque eu disse que "Quanto aos problemas de tesouraria, é sempre tudo normal quando nos toca a nós, não é? Venderam €70M em jogadores no final da época passada e agora não há dinheiro -- como é possível?", ao que respondeste "Obviamente, ou não percebes de contabilidade ou estás de má fé.".

      Não estou de má-fé, e é verdade que percebo pouco de contabilidade, mas atendendo ao facto que o Mónaco só deve €1,25M ao Porto, o que aconteceu ao resto do dinheiro?

      Gestão de tesouraria é algo que todos têm que fazer. O maior ou menor desafogo tem a ver com a qualidade da gestão. O Sporting passava há pouco mais de um ano uma situação dramática, em que teve que vender o Volkswinkel à pressão para ter dinheiro para pagar salários. Agora também há rumores de que há jogadores do Porto com salários em atraso (disseram o Eládio Paramés e o Rui Braz no Contragolpe -- dois benfiquistas, eu sei).

      Eliminar
    13. Já mencionei para onde foi o dinheiro: contratações, pagamento de salários, amortizações de dívidas bancárias e de obrigações além de juros, fornecedores, pagamento de FSE, investimento na Porto Media, impostos, etc.

      Não sei se há salários em atraso, mas certamente que há dificuldades de tesouraria, pois o Porto tinha vários pagamentos a efectuar até 31-12-2013 e em Janeiro e Fevereiro deste ano e foi precocemente eliminado da Champions.

      Eliminar
  2. Excelente post. Excelente análise. Benfica e Fcporto são as duas faces da mesma moeda. O que um e outro querem é dominar o Sistema. O Sporting apenas lhes serve para atingirem e/ou manterem esse poder. "Amigos" destes, não obrigado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E quando o Sporting não lhes faz as vontades, começam a dizer que são satélites dos outros. Patético.

      Eliminar