quarta-feira, 23 de abril de 2014

Lost in translation

O interesse do Zenit em Eric Dier                                                                                                          
Ontem, o jornal russo Izvestia noticiou o interesse do Zenit em contratar Eric Dier. É sabido que grande parte do trabalho diário dos nossos jornalistas desportivos é a retransmissão de todo o tipo de rumores, mesmo os mais descabidos, pelo que não espantou que pouco depois os sites de A Bola, Record, O Jogo, e Rádio Renascença tenham dado eco à notícia vinda de leste.

As notícias dos quatro sites continham mais ou menos os mesmos pormenores, o que leva a crer que todos se basearam no conteúdo divulgado pelo jornal russo para construir os seus textos: falam todos no facto de o reforço da defesa ser uma prioridade do Zenit, que Dier agrada pela polivalência e pela presumível facilidade de se adaptar aos métodos de Villas-Boas, e em que o valor do negócio se poderá fazer por €4,5M.

É óbvio para todos que isto não passa de um rumor sem qualquer fundamento. Ninguém acredita que o Zenit pense em Dier para atacar a Liga dos Campeões (o inglês tem muito potencial mas ainda não está nesse nível), nem me parece que o Sporting o deixasse sair por €4,5M. É mais uma as infindáveis "notícias" sobre hipotéticos interesses que acabam por se esfumar com o tempo.

No entanto, o Record ainda adocicou um pouco a notícia com uma razão adicional para o interesse do Zénit (no último parágrafo, a amarelo):


Segundo o Record, o interesse do Zenit em Dier deve-se também ao facto de André Villas-Boas ter visto o central em ação quando treinava equipas portuguesas.

Ora, AVB treinou apenas dois anos em Portugal -- em 2009/10 na Académica, e em 2010/11 no Porto.


Isto significa que o viu em ação quando estava nas reservas do Everton ou nos juvenis do Sporting. Faz todo o sentido... até já estou a imaginar Villas-Boas, na véspera da final da Liga Europa, a pedir ao comandante do avião que faria o percurso Porto - Dublin, para fazer um desvio por Liverpool, para poder ver Dier a fazer um jogo nas reservas do Everton.

Sim senhor, isto é jornalismo do bom. De A Bola, O Jogo, RR, mas com distinção para o Record pelo delicioso pormenor que acrescentaram a uma história que já tresandava a falso.

Sim, eu sei que provavelmente terá sido somente um erro na tradução de russo para português, e erros todos estamos sujeitos a cometer. Tudo natural, e estou a escrever isto em tom de brincadeira. Mas agora mais a sério: será que há necessidade de darem importância a rumores sem qualquer tipo de confirmação de uma fonte credível? Já ninguém acredita nestas coisas, mesmo... por que não se limitam a dar notícias com confirmações de fontes em quem confiem? Seria um bom passo para jornais e rádios tentarem recuperar um pouco da sua própria credibilidade.

Por exemplo, honra seja feita ao Maisfutebol: raramente dão corda a notícias deste tipo. Quando falam na possibilidade de haver uma transferência, eu fico atento ao que eles têm para dizer.

P.S.: as minhas desculpas pelo plágio a @baavin, que foi quem se apercebeu do erro nesta frase do Record.

4 comentários :

  1. Não se trata de dar notícias, Mestre. Trata-se de seguir a agenda de determinados clubes. Depois das "preocupações" com o Sporting na próxima época, agora colocam meio plantel leonino no mercado e em saldo. Quem não os conhecer, que os compre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho que isto é mais jogadas de empresários, caro anónimo. Não é só com o Sporting que isto acontece: metade do plantel do Benfica é vendido todos os anos por milhões fabulosos (ontem foi um sub-19 por €7M), e também são às dezenas os jogadores que todos os anos interessam ao Benfica, segundo as notícias que vêm cá para fora. Um abraço.

      Eliminar
  2. Infelizmente o grau de cultura do nosso povo é demasiado baixo . Por isso mesmo comem com enorme facilidade o que os pasquineiros lhes queiram ,ou interesse vender.Esquecem-se é que há gente acima da média cultural deles e seus leitores,que pensam pela própria cabeça ! Depois querem que as pessoas, cujo nível cultural e formativo lhes permite separar o trigo do joio,a creditem no que debitam e daí o descrédito em que caíram.Hoje em dia qualquer borra-botas é jornalista e tem um conhecimento nulo,ou quase,do código deontológico da profissão. É mais uma profissão em vias de extinção,pois os verdadeiros Jornalistas são vistos como verdadeiras abencerragens, e no que ao sector desportivo diz respeito podem contar-se pelos dedos de uma mão.Tal como na década de 70 proliferavam os fazedores de vinho a martelo,assim acontece hoje com os pasquineiros:-nascem debaixo das pedras ,cada vez que calha darmos-lhe um pontapé.Desmascará-los é o único remédio como o Mestre muito bem vem fazendo neste recanto de verdadeiro serviço público leonino. Que nunca lhe feneça o empenho e a vontade!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francisco, a vida dos jornais anda muito complicada num mundo em que a internet inunda potenciais leitores com conteúdos intermináveis, mas este não me parece que seja o caminho. Pelo menos, que eu saiba, os jornais não estão a conseguir inverter a tendência da quebra de vendas.

      Eu não conheço o meio, mas será que se os jornais se concentrassem em ter menos conteúdos, mas de maior qualidade, não conseguiriam recuperar o seu espaço? É que aí talvez valha a pena pagar pela informação que dão. Se a maior parte do que têm para nos oferecer for um punhado de rumores que qualquer internauta interessado consegue encontrar facilmente sem pagar nada, não vão conseguir cativar novos leitores. Posso estar errado, mas é a minha opinião. Um abraço.

      Eliminar