terça-feira, 22 de abril de 2014

O relatório de benchmarking da UEFA

Na semana passada, a Lusa fez o seguinte artigo, amplamente divulgado por todos os órgãos de comunicação social portugueses:


Quem leia a notícia fica a pensar que a UEFA fez um estudo elaboradíssimo sobre as preferências clubísticas dos cidadãos europeus. Não podia estar mais longe da verdade. O relatório da UEFA onde esta estatística é referida é um documento de benchmarking (obrigado por me terem indicado como encontrá-lo, @captomente e @nunovalinhas), referente ao ano de 2012, que abrange as mais diversas áreas relacionadas com o futebol europeu. Fala de facto sobre o peso que os clubes mais populares têm dentro do respetivo país, mas trata também de outros temas interessantes como as transferências de jogadores, assistências médias, comissões de agentes, receitas, custos com pessoal, nível de capitais próprios, cash flow, mudanças de treinadores, etc..

A notícia dada pelos jornais e televisões do nosso país corresponde a 1 das 104 páginas do relatório. E acredito que olhos mais treinados do que o meu poderiam tirar daqui algumas conclusões interessantes.

É que há mesmo muito sumo neste relatório. Se tiver oportunidade hei-de voltar a ele em posts futuros, mas neste vou-me focar em alguns números que a UEFA reuniu que vão ao encontro do que Bruno de Carvalho disse sobre a necessidade de os clubes ajustarem os seus orçamentos à realidade do país.

Página 39: tendências da média de assistência de 2011/12 para 2012/13


Portugal: entre -10% a -20%. 37 ligas europeias estão melhor, 7 ligas europeias piores.


Página 62: evolução das receitas de 2011 para 2012



Portugal: as receitas caíram entre 10% e 20%. 44 ligas europeias estão melhores, 4 ligas europeias estão piores.



Página 69: evolução do rácio custos com pessoal / receitas de 2011 para 2012

Este índice essencialmente indica se o crescimento das receitas acompanha o crescimento dos custos com pessoal. Uma evolução de 0% significa que ambos cresceram proporcionalmente, uma evolução positiva significa que os custos com pessoal cresceram mais do que as receitas (o que é mau sinal).


Portugal: superior a 10%. Não existem ligas piores do que a nossa.


Página 80: lucros / prejuízos agregados por liga



Portugal: cerca de 30% de prejuízo, ao nível das piores ligas da Europa


Página 95: nível dos capitais próprios agregados por liga



Portugal: os passivos dos clubes são superiores em 1% em relação aos ativos.



Não sou um especialista na matéria, mas creio que todos sabemos que, nos dois anos que se sucederam ao período deste estudo, a situação geral dos clubes portugueses e da própria economia em Portugal piorou. Neste momento não há nenhum dos grandes com capitais próprios positivos (o Sporting terá após a reestruturação financeira, se se confirmarem as condições divulgadas). As assistências têm vindo a diminuir progressivamente, bem como a generalidade das receitas (os direitos televisivos do Benfica são uma das poucas exceções). Nos últimos dois anos, Benfica e Porto não desaceleraram o investimento na contratação de jogadores, gastando cada vez mais no reforço dos plantéis. As vendas milionárias já nem sequer têm sido suficientes para cobrir os défices operacionais.

Mas enfim, os 47% de benfiquistas é que são o ponto a reter deste relatório. Obrigado pelo bom serviço que nos prestaram, senhores da comunicação social.

42 comentários :

  1. Mestre, crê mesmo que o vulgar adepto que no domingo andou a festejar até às tantas (que eu o faria também se fossemos nós) lá tem interesse (ou sabe) ler um qualquer relatório desse tipo?
    O "serviço" prestado pela Lusa nessa notícia é claramente viciado na óptica do ópio do povo..."dar a ler aquilo que as pessoas querem".
    Atrevo-me a dizer que houve uma espécie de "Lápis azul" naquilo que diz respeito ao importante desse relatório, em detrimento daquilo que é populista e demagógico apresentar. Está tão na hora de um 25 de Abril no jornalismo desportivo, oh se está!
    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Liga dos Mancos, curiosamente Luís Sobral, que criticou as peças da Lusa sobre o 1º ano do mandato de Bruno de Carvalho e sobre o aumento de fãs da página de facebook do Sporting, não criticou esta história da Lusa. Pelo contrário, o Maisfutebol publicou a notícia dos 47%.

      Não sei se houve lápis azul, mas lápis vermelho houve de certeza! :)

      Um abraço.

      Eliminar
    2. Ó meu caro, o Luís Sobral ainda deve estar pelo Marquês!
      É engraçado, e contra mim falo, mas com o advento das novas tecnologias, tudo o que se disse ontem não ficará perdido no éter mas sim num qualquer servidor de arquivo. O que demonstra cabalmente que as faltas de memória desse "jornalista" poderiam ser tratadas não à base de "Memofante" mas sim de um qualquer repost dele próprio.
      SL

      Eliminar
    3. Sim, sim, as faltas de coerência não ficarão perdidas. Da parte que me toca tenciono escrever sobre isso amanhã...

      Eliminar
  2. Excelente post. A informação apresentada não me surpreende, nem sequer a reação da CS à mesma. Acho que só vão abrir os olhos quando começarem a cair equipas pequenas para as distritais por falta de condições financeiras. E quando digo "cair", é mesmo muitas duma vez.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mike, cairiam muitas se a Liga fosse rigorosa na avaliação dos requisitos financeiros dos clubes. Mas como é tudo uma enorme bandalheira, devem aceitar uma fotocópia montada de uma pseudo garantia bancária e de umas contas que ninguém de respeito se atreveria a auditar, e aceitam a participação desses clubes.

      Eliminar
  3. Motivado por mais um excelente post do Mestre, estive agora a desfolhar o relatório da UEFA. É de facto uma pena o pobre tratamento a que teve direito por parte da nossa CS, possui dados muito interessantes, no meu ponto de vista não para comparar clubes mas sim ligas e respectiva qualidade e capacidade de gerar €€.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exatamente, peixe-agulha. Há alguns dados que podemos perceber de que clubes se tratam, mas acima de tudo põe a nu o estado financeiro do futebol em Portugal. E a questão das receitas é a mais assustadora.

      Eliminar
  4. Fantástico, como sempre. Em relação aos 47% de lampiões, apenas gostava de saber qual o ratio entre mulheres/homens ouvidos nesse tal estudo.Tenho poucas dúvidas que se perguntassem a 2 mil portugueses, divididos entre mil homens e mil mulheres, qual o seu clube favorito, o resultado seria bastante diferente desses tais 47%... Há muitas, muitas Leoas!

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Certamente que há muitas "leoas". E muitas deles muito bem apessoadas como a minha querida esposa.

      Mas caro capto, não me leve a mal, entre um Estudo (mesmo que benchmark) e o seu bitaite de internet...

      Eliminar
    2. Captomente, tenho dúvidas que tenha sido um estudo minimamente representativo. A UEFA diz que 18.000 indivíduos foram entrevistados em 35 países. Estive a fazer a extrapolação: se essas entrevistas foram proporcionais à população dos países em causa, a Portugal cabem cerca de 250 entrevistados.

      Eliminar
  5. O que também é giro é que quem publicitou com grande pompa esses 47% como a prova do maior clube de Portugal se esqueceu que 6 milhões dariam 60%.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tiago, a notícia a reter pelos benfiquistas é que são o clube com maior percentagem de adeptos pela Europa. O resto não interessa... :)

      Eliminar
  6. enfim, , 380.000 assinaturas na Benfica TV , o resto é conversa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deve ter sido no pico das audiências do canal deles. Sabe quando foi?

      Pois na data do derby com o Sporting a partir dai foi sempre a descer.

      SL

      Eliminar
    2. Sim, isso foi divulgado no mês em que Porto e Sporting foram jogar à Luz. Que eu saiba, desde então não atualizaram os números.

      Eliminar
    3. E creio que o número divulgado foi 307.000 ou 308.000. Provavelmente o comentário do anónimo foi uma gralha.

      Eliminar
  7. O relatório é globalmente interessante. E a informação que a Lusa passou consta do mesmo. Não faz é sentido desvalorizar o relatório (O ser benchmark não o desqualifica) e depois prometer análises futuras sobre o mesmo.

    O tema dos 6 milhões é fantástico. Só porque alguém um dia disse isso, desvaloriza-se o facto. Ter 47% de simpatizantes mesmo depois destes 20 anos nefastos é algo que deveria ser relevado positivamente.

    Aliás, a culpa da mensagem não é do mensageiro. Não faz muito sentido, mais a mais em fim de semana de título culpar os jornalistas por terem incidido o holofote inde saberiam que ia dar brado...

    como este post comprova...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Aliás, a culpa da mensagem não é do mensageiro. Não faz muito sentido, mais a mais em fim de semana de título culpar os jornalistas por terem incidido o holofote inde saberiam que ia dar brado..."

      assim como não se pode falar da roubalheira do ano passado com o Capela, porque o gaitan marcou um grande golo...
      é assim que funciona, certo?

      Eliminar
    2. Não estou a conseguir perceber o raciocínio. Eu vou clarificar o meu: não tem mal que falem dos 47% de benfiquistas, mas não percebo por que motivo não falam de outros temas interessantes que o relatório tem. É só isto.

      Preferia que os jornalistas não se limitassem a noticiar o que sabem que vai dar brado, esquecendo outros tópicos que também seriam interessantes para divulgar.

      Acho que nesse jogo quem marcou um grande golo foi o Lima, na sequência de uma grande jogada do Gaitan.

      Eliminar
    3. O meu ponto é claro. Vocês exaltam-se em demasia com os temas do SLB.
      O jornalismo em Portugal é globalmente fraco, faz pouca ou nenhuma análise e investigação e pega em temas bombásticos para vender.

      Fá-lo com O SLB, com o SCP, com os temas económicos ou políticos.

      A questão é mesmo a importância que se (não) deve dar a isso.

      O relatórion é interessante? Sim, do que li aprendi muita coisa. Mas seriam essas coisas do interesse dos leitores da Lusa?
      Provavelmente nem seria lido por 10% de quem leu.

      Daí que me pareça que o problema não se restringe ao SLB.


      Quanto ao paralelismo com o golo do Gaitán (que nem marcou nesse jogo), sinceramente...só dá razão ao que escrevi antes.
      Que lógica tem ser chamado para o tema?!

      Nunca disse que não se devia chamar a atenção para outros temas do relatório. Simplesmente entendi que a Lusa tivesse feito o que faz pois (infelizmente) isso é comum. Com ou Sem o SLB metido na história.

      Adiante.

      Eliminar
    4. "tenho dúvidas que tenha sido um estudo minimamente representativo."

      Valorizar não é certamente.
      Coloca em causa a amostra que é a base de todo o trabalho.

      Eliminar
    5. Há aqui duas coisas diferentes: o relatório da UEFA baseia-se nos números (reais) financeiros reportados pelos clubes, e nas assistências (assumem-se que reais) reportadas pelas ligas. Essa parte parece-me interessante e altamente válida.

      A parte dos 47% de benfiquistas é uma sondagem pouco representativa, e como tal, pouco válida -- falarei disso amanhã.

      Quanto ao Gaitan, não fui eu que o trouxe para a conversa, foi o caro anónimo. Só corrigi a dizer que no jogo arbitrado pelo Capela, Gaitan não marcou nenhum golo. Começo mesmo a ficar baralhado com esta conversa.

      Eliminar
    6. E já agora: onde é que eu disse que o problema era do Benfica? O texto diz muito claramente que o problema é da comunicação social. Onde é que eu crítico o Benfica por ser mencionado no relatório?

      Eliminar
    7. Merdoso lampião,

      Nós é que nos exaltamos com os temas do SLB e tu é que vens para um site sportinguista meter comentários??????

      Eliminar
  8. Como sempre o jornalismo português é o do costume para quem é bacalhau basta.

    Aliás o jornalismo tendencioso pouco esclarecedor e esclarecido é uma das verdadeiras causas da "crise" hoje em dia.

    Não é à toa que os privados produzem esforçam-se e lutam e as unicas vozes que se ouvem são dos "pobres" pensionistas como o Soares, Freitas do Amaral ou Pacheco Pereira que se preocupam com os pobres numa mesa paga por observatórios.

    Pobres esses que não aparecem nem têm direito de antena.

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Green Lantern, no que toca ao jornalismo desportivo, jornalismo de investigação é coisa que já não existe. A UEFA dá de mão beijada números que poderiam ser aproveitados para um artigo de fundo sobre a sustentabilidade do futebol português, e até ver, nada (pelo menos que me tenha apercebido).

      O que a comunicação social faz hoje é: crónicas de jogos, artigos de opinião de figuras públicas e jornalistas da casa, fazer novelas à volta de rumores, e dar eco a notícias divulgadas pelos clubes ou por agências noticiosas.

      Eliminar
  9. No fundo o que a pasquinada fez foi fazer propaganda à "colectividade". Relativamente à substância do relatório da UEFA, como não vai de encontro à propaganda que coloca o beifica como um "modelo" a seguir - e agora que venceram o campeonato não faltam loas ao Jasus e ao orelhas - não se fala.

    Deve haver muito clube a poder replicar o modelo de perdão de dívidas pelo Estado, lavagem de dinheiro, ou promiscuidade com fundos e empresários para seguir a "gestão" do beifica.

    ResponderEliminar
  10. O facto de Mestre de Cerimónias não ser um especialista em matéria económico-financeira não é motivo para não analisar correctamente os R&C do FCPORTO SAD.

    Basta analisar o último balanço disponível de 31-12-2013 para verificar o valor do activo intangível, vulgo, valor do plantel e a respectiva nota 5 que baixou substancialmente dos 84,5 M€ em 31-12-2012 para os 72,9 M€ em 31-12-2013. Ali se pode constatar que os valores brutos são substancialmente similares à volta dos 130 M€, sendo que o valor das alienações supera o valor das aquisições em 31-12-2012 e em 30-06-2013, sendo que em 30-12-2013 há um investimento líquido de pouco mais de 11 M€, ou seja, um valor absolutamente ridículo para os valores actualmente praticados. Não estavam contabilizados a alienação de Otamendi e o recebimento do valor de Feher.

    Em relação à cobertura de prejuízos operacionais, só mesmo no R&C de 30-06-2014 é que saberemos se as vendas são suficientes ou não, mas sabendo que há possibilidades de vender Mangala, Fernando, Jackson, Iturbe, Rolando, Castro, Djalma, entre outros, certamente que a expectativas das contas são positivas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luís Miguel, escrevi alguma coisa incorreta? A situação do Porto piorou ou não nos últimos 2 anos? Se piorou, significa que qualquer tentativa de ajustamento de orçamento não está a resultar, e é preciso mais, muito mais, para equilibrar as contas anuais.

      O relatório do 1º semestre refere as compras feitas após 30 de Junho de 2013. Já não inclui as que foram feitas antes disso, como Reyes, Licá, Herrera, ou Ricardo. Só Quintero e Ghilas foram contratados durante o 1º semestre de 2013/14 (€5,8M de Quintero, €3,8M de Ghilas, e €2,1M de "outros" fazem os tais €11,7M de investimento que referes). Soma-lhes os €21,5M gastos em Reyes, Herrera, Licá e Ricardo, e ficas com um investimento de €33,2M, que já não será tão ridículo assim.

      Os capitais próprios a 30-Jun-2011 eram de €23M (positivos), e a 31-Dez-13 eram de -€21M (negativos). Isto não significa nada?

      Quanto às possibilidades de venda, não nos podemos esquecer que os jogadores só valem aquilo que os outros clubes estão dispostos a pagar. E vendendo os melhores, é preciso que outros avancem para tomar o seu lugar em conformidade.

      Eliminar
    2. A situação do FCPORTO SAD em termos financeiros tem vindo a melhorar consistentemente e presumo que esteja enquadrado no fair-play financeiro da UEFA sem qualquer tipo de dificuldade.

      Os 33,2 M€ já foram todos recuperados com a venda de Otamendi, pois só faltava recuperar os tais 11 M€.

      Capitais próprios negativos é uma situação temporária que será recuperada com as prováveis vendas futuras sendo que não vale a pena comparar resultados em períodos não homólogos.

      Legalmente, a existência de capitais próprios negativos equivale à chamada falência técnica. Financeiramente pode contribuir para um eventual aumento da taxa de juro em empréstimos por contrair em bancos, por isso, estrategicamente torna-se necessário diversificar as fontes de financiamento sendo que a mais fácil sejam os empréstimos obrigacionistas.

      Eliminar
    3. Luís Miguel, lamento informar, mas os €11M não vão contribuir na totalidade para a recuperação dos capitais próprios. Primeiro, porque numa venda, a parte do passe ainda não amortizada sai dos ativos. Depois, porque como o Luís tem dito, e muito bem, o Porto paga comissões generosas.

      Eliminar
    4. Luís Miguel,

      É só para te lembrar que, depois de Mangala, Jackson e Fernando nada mais há de interesse para vender no FêCêPê.
      Boa sorte!

      Eliminar
    5. É óbvio que os 11 M€ não chegam para colocar os capitais próprios positivos, as vendas futuras a que me referia serão as efectuadas no próximo defeso.

      A recuperação dos 11 M€ a que me referi era em relação ao investimento em aquisições registado no último R&C de 31-12-2013.


      Sporting até morrer

      Fabiano, Danilo, Maicon, Alex Sandro em conjunto valem tranquilamente mais de 60 M€.

      Quintero, Carlos Eduardo, Kelvin e Ghilas serão outros 4 jogadores que poderão render bastante dinheiro.

      Leandro, Ivo Rodrigues, Gonçalo e André Silva são fortes possibilidades de também render bastante.

      Outros jogadores não mencionados também são boas hipóteses para render como por exemplo o Varela que até veio a custo zero.

      Além disso, o FCPORTO deverá contratar mais jogadores que deverão render no futuro.

      Eliminar
    6. Luís Miguel, quem é que hoje em dia dá um tostão furado por Maicon, que é suplente de Abdoulaye? Danilo e Alex Sandro também sairiam bastante desvalorizados. O seu rendimento está furos abaixo do que fizeram em anos anteriores, e a ausência da seleção não ajuda a valorizá-los. Fabiano é GR, nunca renderá muito.

      De qualquer forma, tomando por bom esse raciocínio, as contas ficam equilibradas, mas depois quem é que fica para jogar?

      Gonçalo Paciência para render Jackson Martinez?

      Se eu vender o recheio da minha casa também posso pagar parte do empréstimo que o banco me fez. De que me serviria? Teria que continuar a viver lá na mesma.

      Eliminar
    7. Mestre de Cerimónias, não percebo a tua incredulidade, acaso será preciso recordar anos e anos seguidos de vitórias e conquistas além das inúmeras valorizações e respectivas transferências de jogadores?

      Outro aspecto, discordo da tua visão de que a ausência da selecção não ajuda a valorizar jogadores, nomeadamente o Danilo e o Alex Sandro.

      Estes nomes que referi provavelmente não sairão imediatamente, deverão continuar no FCPORTO e só deverão sair mais tarde.

      Gonçalo é para continuar a jogar na equipa B e deverá ser uma das alternativas a Ghilas no futuro.

      Eliminar
    8. Luís Miguel, acho que é mais fácil vencer numa dinâmica vencedora, que é coisa que o Porto este ano está longe de ter. A ausência de êxito normalmente tem a consequência imediata de tornar os jogadores menos apetecíveis.

      É claro que há exceções, e não menosprezo as ligações que o Porto tem no mundo das transferências. Vamos ver o que vai acontecer...

      Eliminar
  11. Mais um excelente post. O Jornalismo de investigação está morto em Portugal, e no que diz respeito ao Futebol, nunca existiu, porque se existisse, muita podridão teria sido desmascarada.
    Acho engraçado que, quando aparece uma voz ( BdC) a querer mudar o que está mal no nosso futebol e a apresentar medidas para esse efeito, seja imediatamente menorizada e desprezada, com os argumentos de que queremos é passar a controlar o sistema e que não é um Presidente que está há meia dúzia de meses no futebol, que vai mudar seja o que fôr. O nosso futebol é podre, e a comunicação social desportiva é cúmplice dessa podridão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. RP, sem dúvida. A única pessoa que anda com um discurso realista é o aventureiro. Os outros é que são sempre os sérios.

      Eliminar