segunda-feira, 14 de abril de 2014

Sol na eira e chuva no nabal: a grande questão da formação do Benfica

                                                                                                                                                   
Foi interessante ver a reação dos benfiquistas ao post que escrevi na sexta-feira sobre o que leva, na minha opinião, a academia do Sporting ser a melhor do país. Apesar de ter sido motivado pela excelente prestação do Benfica na Liga dos Campeões sub-19, procurei focar-me naquilo que o Sporting faz, recorrendo às elucidativas palavras de Aurélio Pereira.

Nos comentários feitos por benfiquistas que leram o post (e que não concordaram com o que estava escrito) foram apresentados alguns argumentos interessantes a favor da hegemonia do Benfica no setor da formação. Esses argumentos podem agrupar-se em dois pontos essenciais.
  • O Benfica tem ganho mais títulos que o Sporting nos últimos anos e coloca mais jogadores nas seleções jovens.
  • Agora é que o investimento que o Benfica fez há vários anos em infraestruturas, técnicos, e prospeção, vai começar a dar frutos; como tal, a formação do Sporting vai ficar definitivamente para trás.

O argumento dos títulos é uma falsa questão. Não só o Benfica sempre ganhou títulos nas camadas jovens, como o Sporting também já esteve vários anos consecutivos no passado sem os ganhar, e não foi por isso que deixaram de aparecer grandes jogadores.

Também já se percebeu que esse não é o objetivo principal do Sporting no planeamento do desenvolvimento dos seus jogadores. O projeto de formação do Sporting passa sobretudo por preparar jogadores para a equipa principal. Os títulos nas camadas jovens não são em si um fim.

De qualquer forma, ganhar campeonatos nas camadas jovens é sempre um indicador de qualidade (é evidente que é melhor ganhar do que não ganhar). O Benfica foi campeão de juniores em 2012/13, e muito provavelmente ganhará novamente a competição esta época.

Quanto ao investimento, também é indiscutível que o Benfica lidera de longe. Enquanto que no Sporting tem havido desinvestimento, o Benfica foi buscar know-how a Alcochete e dispõe de meios financeiros para montar uma rede mais eficaz de olheiros à procura dos talentos espalhados pelo país e mais além. Havendo orçamentos superiores, é mais fácil identificar alvos de prospeção e contratá-los a troco de condições financeiras que o Sporting não consegue igualar.

No entanto, o Sporting consegue compensar na medida em que qualquer jovem com potencial sabe que tem muito mais hipóteses de vir a ter uma boa carreira indo para Alcochete. Se os pais estiverem a pensar no melhor para o seu filho a longo prazo, e não cederem à tentação fácil de dinheiro rápido, não hesitarão em escolher o Sporting.

E isto tem uma explicação muito simples. Falta ao Benfica algo que faz toda a diferença: cultura de formação.

O Benfica é um clube que tem gasto nos últimos anos dezenas de milhões de euros na contratação de jogadores estrangeiros maioritariamente jovens, que são um produto bem mais acabado do que aqueles que estão a crescer no Seixal. Esses estrangeiros são jogadores caros e têm que ser valorizados, pelo que é impensável que haja o espaço desejável para os jovens da casa poderem ser integrados de forma definitiva no plantel principal.

No princípio desta época, o Benfica contratou Markovic, Djuricic, Sulejmani, Lisandro Lopez, Fariña, Steven Vitória, Funes Mori, Cortez, Siqueira, Sílvio, Pizzi e Mitrovic, que se foram juntar a um plantel que já era bastante rico. Que espaço possível poderia haver para os jovens da formação? Nenhum, como é óbvio.

E aparentemente as contratações para o ano já começaram: Dawidowicz, o novo Matic, de 18 anos, já assinou.

A não ser que o Benfica abandone a tentação das contratações em qualidade e quantidade, e faça um downgrade da equipa de futebol (vendendo ou dispensando mais jogadores do plantel atual do que aqueles que contrata), para o ano será novamente difícil para qualquer jovem do Seixal ser promovido.

Faço por isso uma pergunta simples para os benfiquistas: de que jogadores do plantel principal estão dispostos a abdicar para colocar um jovem da equipa B ou dos juniores?

Este ano houve uma tentativa real em apostar em Ivan Cavaleiro, mas fizeram tudo aquilo que não se devia fazer. O jovem estreou-se na equipa principal contra o Cinfães, e foi lançado às feras três dias depois, ao intervalo do Benfica - Olympiakos, quando perdiam por 1-0, debaixo de uma chuva torrencial. Seguiram-se dois jogos para o campeonato como titular, mas a partir daí foi perdendo tempo de jogo, até deixar de ser opção. Ivan já não joga para o campeonato desde 2 de fevereiro, e a última vez que foi titular foi a 15 de dezembro.

Os benfiquistas querem o sol na eira e chuva no nabal: querem que se prove que a sua formação é a melhor, mas ao mesmo tempo não aceitam que haja um decréscimo no nível competitivo imediato da equipa. Aceitam que se gastem dezenas de milhões todos os anos em contratações que permitem ter de longe o plantel com mais soluções em Portugal, mas depois coçam a cabeça quando não percebem o motivo pelo qual não se aposta na prata da casa.

Por todos os motivos e mais alguns, eu adoraria que o Benfica passasse a apostar a sério nos jogadores que cresceram no Seixal. Passariam finalmente a ser uma fonte de jogadores para a seleção principal, e também significaria a mudança do seu modelo competitivo, dando tempo aos jogadores para se desenvolverem, assumindo uma quebra imediata de qualidade -- que o Sporting poderia aproveitar.

Ora, está visto que não é isso que os benfiquistas querem. Não têm cultura de formação. Não têm paciência para terem um jogador jovem a ser utilizado de forma sistemática sem um rendimento constante e de topo. Para os benfiquistas, os seus jovens são sempre os melhores, até ao momento em que fazem três jogos seguidos na equipa principal. Aí, invariavelmente, passam do estatuto de "wonderkid" para "afinal ainda não está preparado", aceitando com naturalidade o regresso do jovem à equipa B.

A fantástica prestação deste ano dos jovens benfiquistas na Liga dos Campeões sub-19 acabará por forçar o Benfica a mostrar o que realmente espera da sua formação. Se não derem oportunidades a sério no plantel principal a esta geração no prazo de 2-3 anos, então será caso para perguntar para que é que gastam dinheiro na formação de jogadores, que poderia ser utilizado na compra de mais uma jovem estrela estrangeira. E será caso também para os jovens se questionarem no que mais têm que fazer para convencer os responsáveis do clube os deixarem cumprir o sonho de jogar no Estádio da Luz perante milhares de benfiquistas.

29 comentários :

  1. O benfica gasta dinheiro na formação pelo único motivo que gasta dinheiro em qualquer coisa: tentar copiar o Sporting.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro.
      Como A Sporting Tv quando aparecer será apenas por cópia, é isso?

      Ele há com cada um...

      Eliminar
    2. O benfica inventou a televisão, é isso?

      Eliminar
    3. Sim, é isso. Foi no mesmo dia em que o SCP inventou a formação de atletas profissionais de futebol...

      Sinceramente, que raio de resposta.

      O que procurei dizer foi que a ideia de que num negócio como o do futebol se copia A ou B é totalmente descabida.
      O caminho natural na formação seria este.
      COmo provavelmente nos descontos associados aos cartões de sócio.
      A Tv própria.
      O naming das bancadas.

      Não vejo isso como cópia. Não estamos a falar propriamente da pólvora.

      Eliminar
    4. Copiam só porque sim, não têm um plano para nada. Como o Sporting tem, então também querem gastar um camião de dinheiro roubado para terem também. Apesar de no fim não fazerem nada com aquilo. Gastam uma fortuna para formar jogadores porque é giro e para dizerem que fazem mais que o Sporting, não porque querem formar jogadores para a equipa principal.

      Eliminar
    5. "dinheiro roubado"?!?

      Não me leve a mal mas a discussão saiu de parâmetros minimamente razoáveis.

      Eliminar
    6. A discussão nunca esteve dentro de parâmetros razoáveis por ter sido iniciada por um anónimo qualquer.

      Eliminar
  2. Completamente de acordo Mestre. O Benfica tem miúdos bons na formação mas não vai aproveitá-los...continuarão a vir sul americanos enquanto LFV e Jesus estiverem na Luz. Claro que nesses camiões de jogadores também vêm optimos jogadores - Gaitan, Enzo, Salvio, Rodrigo. Mas não há essa cultura formação. Vão continuar a ganhar campeonatos de juniores mas as oportunidades na equipa principal não aparecerão.

    É um modelo de risco (está a ver-se no Porto) mas enche os bolsos a muita gente. O Porto está a bater na parede e na próxima época continuará a desinvestir porque tem um orçamento completamente insustentável para a realidade portuguesa.

    Um pena o Bernardo Silva não ser da nossa formação! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. PM, boa noite. Quanto é para si um orçamento sustentável em Portugal?

      Eliminar
    2. Boas,

      Para mim um orçamento sustentável, para um grande em Portugal, andaria pelos 40M. Isto, assumindo que a formação terá de ser sempre um campo privilegiado de recrutamento para a equipa principal. Espero, no entanto, que o do Sporting para a próxima época ande à volta dos 25M que se falam!

      O Porto, actual, deve andar perto dos 100M. Claro que terão de sair 2 ou 3 trutas do plantel para equilibrar as contas...

      Eliminar
    3. Estamos de acordo. Permita-me apenas dizer que isso tem uma componente variável que tem que estar relacionada com as receitas. Não é totalmente descabido aceitar que um orçamento de 50 milhões seja incomportável.

      Julgo que o actual orçamento anual do SLB estará nessa ordem de grandeza.
      Daí achar que a sua expressão "totalmente insustentável" um pouco forçada e até exagerada.

      Enquanto obrigar à venda anual de jogadores é de risco. Não é necessariamente insustentável. A dimensão desse risco é que pode levar de facto a essa insustentabilidade.

      Eliminar
  3. Muito bom post Mestre. Totalmente de acordo.

    ResponderEliminar
  4. "No entanto, o Sporting consegue compensar na medida em que qualquer jovem com potencial sabe que tem muito mais hipóteses de vir a ter uma boa carreira indo para Alcochete. Se os pais estiverem a pensar no melhor para o seu filho a longo prazo, e não cederem à tentação fácil de dinheiro rápido, não hesitarão em escolher o Sporting." - É precisamente por se confiar nisto que os jovens talentos têm ido parar ao Benfica.

    O facto de o Benfica ter 4 vezes mais scouters que o Sporting faz com que cheguem 1º ao jogador e não só chegam 1º como chegam bem antes, o que faz com que o Sporting sem seja uma escolha, pois apenas o Benfica lá chegou, ou quando o Sporting chega o jogador já tem acordo com o Benfica.

    As selecções dos Sub-17 para baixo a grande maioria dos convocados é do Benfica, por isso eu digo, daqui a 2/3 anos vamos ver como está o panorama da formação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vocês só apostam na formação a partir do momento em que virem que estão tão mal ou pior que o Sporting no que toca a finanças.
      E sim, talvez seja já daqui a 2 ou 3 anos que o peido mestre aconteça, até lá são mais uns quantos jogadores que se perdem por troca com umas cambada de ics e sul-americanos...

      Eliminar
    2. Gandaia, no caso do William Carvalho foi precisamente isso que aconteceu. O Benfica chegou primeiro, mas ele preferiu esperar pelo Sporting. É claro que isso não acontecerá com todos, ou mesmo com a maior parte, mas acontecerá com alguns.

      Eliminar
  5. Já quanto à entrada dos jovens na equipa principal não concordo que o nível da principal tenha que baixar, mas sim os jovens que entrarem têm que ter potencial semelhante ou superior aos que lá estão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gandaia, claro que tem que baixar, pelo menos em relação ao plantel atual do Benfica. Os jovens estrangeiros que chegam já têm algumas temporadas nos escalões seniores dos países de origem, já ganharam uma experiência que jogadores vindos dos juniores ou mesmo da equipa B ainda não têm.

      Eliminar
  6. Eu se fosse jovem jogador do Benfica ...e tivesse valor , fugia a sete pés de Carnide e ofereciam me ao SCP.....ai sempre teria alguma hipótese de singrar. Se estão à espera de J Jesus e seus discípulos....comprem cadeirinhas, para não doer as pernas.

    ResponderEliminar
  7. O problema do Benfica não é formar jogadores para a equipe principal, mas antes ganhar títulos em todos os escalões. O William no Benfica não calçava, porque tinham que jogar os que custaram milhões e valorizá-los para vender. Estive a ver a final do Benfica-Barcelona, a frustração dos miúdos do Benfica, por terem perdido a final, era confrangedora, e porquê? Porque a comunicação social começou a dizer que estes sub-19 eram os melhores do Mundo. E de facto, há ali jogadores com muita qualidade, mas para mim, vão parar aos Arouca, Rio Ave, Gil Vicente, etc. etc., por aquilo que disse atrás. Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode colocar aqui um link onde a comunicação social tenha escrito que a formação do SLB era a melhor do mundo?
      Não duvido do que escreveu, simplesmente não li isso em lado nenhum...

      Eliminar
    2. Em relação a ser a melhor do mundo nunca vi, agora a melhor de Portugal já li / vi / ouvi várias vezes. Por exemplo, já fiz um post sobre uma afirmação de Eládio Paramés nesse sentido.

      Eliminar
  8. A equipa principal do benfica esta blindada á entrada dos jogadores das camadas jovens pelos milhoes que se gastam em jogadores estrangeiros,nao entra la nenhum.
    Quem tem boa formaçao e ganha muitos titulos como apregoam nao gasta dinheiro a mandar vir camioes de servios.

    ResponderEliminar
  9. O post toca num ponto crucial: a escolha dos pais. Sem entrar em considerandos académicos sobre escolhas informadas e decisões racionais, julgo que grande parte dos pais tem hoje plena consciência que o facto de o seu filho ser escolhido para os escalões de formação de um grande nada garante quanto ao seu futuro.
    Sem ter dados concretos e correndo por isso o risco de estar enganado, julgo que não mais de 3% das crianças e jovens que passam pela Academia SCP acabam por singrar no futebol profissional, enquanto que semelhante percentagem na academia do seixal será por certo inferior. Ainda assim estamos a falar de 3 em cada 100, qual é o pai racional e informado que aposta o futuro de um filho com base numa percentagem destas, por muito grande que seja o prémio?
    Um segundo aspecto menos focado é a proximidade geográfica. Se compararmos o nº de pessoas que vivem a menos de 30 minutos das academias vemos que aqui a vantagem é por completo para os rivais de carnide, sendo esta uma questão de extraordinária importância para os pais que querem continuar a ter um acompanhamento diário na vida dos filhos independentemente do jeito que estes em idade precoce revelem para os pontapés na bola.
    Para reforçar a importância desta 2ª vantagem, dou um caso real de um pai, sportinguista, que acabou por colocar os dois filhos no seixal quando tinha também convites do SCP, simplesmente porque a primeira hipótese permitia que os filhos prosseguissem com a sua vida normal enquanto treinavam. Esta época o filho mais velho passou a sénior e apesar de ter chegado a representar as selecções jovens não tinha lugar nem na equipa B dada a quantidade de sérvios e sul americanos entretanto contratados. Seguiu para Setúbal com o irmão (ainda dos escalões de formação) e por sorte acabou por se impôr na primeira equipa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O André Filipe não sei. Mas olhe que o Ricardo Jorge já está em Setúbal vai para 3 anos...
      Não que isso anulea história que contou, mas ligá-la ao tema dos sérvios está factualmente incorrecto.

      Eliminar
    2. O primeiro argumento passa, agora o segundo... então se eu morar nos Olivais e tiver que optar pelo que me dá mais jeito, por causa do dia a dia dos miúdos escolho o Seixal ? E se morar na linha de Sintra ou Cascais, prefiro ir pela 25 de Abril em vez de ir pela Vasco da Gama ? Comodismo ou clubite ? Dinheiro imediato ou potencial futuro ? E quem vem de Sacavém ? ou de São João da Madeira como o Palhinha ? E o Rochinha que foi do Boavista para o Benfica ?

      No exemplo que dá, ficaram, na mesma, os dois na margem sul, só que ainda mais longe !

      Eliminar
  10. O texto parece-me bem fundamentado. Tem apenas de uma ideia com a qual não concordo. A de que a introdução de 2/3 jovens teria como consequência o decréscimo imediato de qualidade da equipa A.

    De facto os jovens teriam de ser integrados de forma gradual, alguns minutos (e não como bem descreceu o que se fez ao Ivan Cavaleiro).
    Aos poucos ganhar-se-iam opções.

    Ninguém consegue nesta fase dizer se isso vai acontecer ou se o status quo é para continuar.
    Julgo que esta é das 1ºas gerações totalmente formadas no Seixal.
    Podemos estar (até pelo enquadramento económico) perto de ter uma ligeira alteração neste tema.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo, a tal continuidade ou alteração do status quo dependerá inteiramente da abertura à mudança que a estrutura benfiquista tiver. Os jogadores não têm que entrar logo de caras a titular, e nem sequer nos convocados nos primeiros tempos, mas o plantel (em termos de quantidade) tem de emagrecer para dar espaço para a integração gradual dos jovens.

      O Benfica tem uma excelente oportunidade para dar passos neste sentido, vamos ver se é mesmo isso que pretendem.

      Eliminar
  11. Mestre, o Manel que vá há Tasca do Cherba, tem lá notícias do seu interesse. Sporting a seguir ao Barcelona a 2.ª melhor escola de formação do Mundo. Não sou eu que digo. Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. F. Pais, vi esse post. Parece-me uma lista lógica, perante as evidências da última década. Um abraço.

      Eliminar