segunda-feira, 5 de maio de 2014

O futuro de Jesus

No programa Contragolpe da semana anterior, uma boa parte da conversa andou à volta dos planos que Jorge Jesus poderá ter para prosseguir a sua carreira na próxima época. A opinião generalizada é que o treinador do Benfica quererá experimentar outros campeonatos, mas Rui Pedro Braz tem outra opinião, como podem ver no vídeo abaixo onde colei três momentos do debate:


Brincou-se muito com André Villas-Boas e a sua cadeira de sonho, mas não há dúvida que para Rui Pedro Braz, a vida de Jorge Jesus encontrou no banco do Estádio da Luz o apogeu da sua existência enquanto treinador. Segundo o comentador não haverá projeto mais aliciante que treinar o Benfica, e mesmo que ofereçam um pouco mais de dinheiro a Jesus (que é indiscutivelmente bem pago na Luz), certamente que não será motivo para que o treinador abandone o clube que lhe dá mais garantia de títulos, e que inclusivamente lhe poderá proporcionar a entrada na história do futebol português, o quarto melhor da Europa. Como cereja no topo do bolo, se Jorge Jesus continuar no Benfica poderá ambicionar entrar na galeria dos treinadores portugueses com mais campeonatos conquistados.

Já há muito tempo que não ouvia tamanha concentração de disparates proferidos por um comentador.

Nunca falei com Jorge Jesus nem tenho qualquer inside information sobre os seus planos de carreira, mas já acompanho a carreira do treinador há tempo suficiente para me parecer óbvio que ambição é coisa que não lhe falta.

Lembro-me que em 2007 Jesus treinava o Belenenses e jogou com o Real Madrid, treinado por Schuster, para o troféu Teresa Herrera. O Real ganhou por apenas 1-0, com um golo marcado no último minuto com um frango do guarda-redes do Belenenses. Na altura Jesus não foi de modas: disse a Schuster que se trocassem de equipas, lhe dava três de avanço, trocava aos cinco e acabava aos dez.

Uma das características pessoais que salta à vista em Jorge Jesus é o seu ego. É já imagem de marca sua colocar-se na linha da frente para reclamar os méritos das vitórias, e mesmo quando menciona jogadores normalmente fá-lo de forma a referir a importância do seu papel ao colocá-los em campo (basta lembrar as suas declarações quando lançou Rodrigo contra o Anderlecht).

Jesus é de facto um grande treinador e sabe disso, pelo que nunca se sentirá totalmente realizado se não puder demonstrar o seu valor num campeonato mais mediático e competitivo. Rui Pedro Braz que me perdoe, mas uma equipa de topo ou um pouco abaixo disso (mas com dinheiro para gastar em jogadores) de Inglaterra, Espanha, Itália, França, ou Alemanha serão sempre mais aliciantes do que o Benfica ou qualquer outro clube português. Se os jogadores ambicionam sempre experimentar essas ligas, porque não os treinadores?

Nunca será uma questão de dinheiro. Certamente que se Jesus tiver uma proposta do estrangeiro as condições financeiras serão no mínimo aproximadas às que tem no Benfica, se não mesmo superiores. Será uma questão do nome do clube, do prestígio da liga em que se insere, e do cheque que lhe garantirem para reforçar o plantel. E tendo como agente Jorge Mendes, que tem ligações privilegiadas com meio mundo, não me parece complicado que um projeto desse tipo surja para Jorge Jesus, ganhe ou não ganhe a Liga Europa. E como não caminha para novo, não me parece que deixe escapar uma oportunidade que surja nas próximos semanas.

Sim, Rui Pedro Braz tem razão quando diz que Jesus tem condições para se juntar ao restrito lote de treinadores com três campeonatos ganhos em Portugal (Artur Jorge e Jesualdo Ferreira), mas alguma vez isso será tão apelativo do que estar envolvido numa luta com os maiores colossos do futebol europeu? Com o devido respeito por esses treinadores, acham mesmo que a ambição de Jesus é juntar-se a um lote restrito onde os outros dois nomes são Artur Jorge e Jesualdo Ferreira? Jesus quer é medir-se com os Mourinhos, Pellegrinis, Ancelottis, Simeones, Guardiolas, e Klopps, e isso nunca será possível se continuar a treinar em Portugal.

É evidente que enquanto sportinguista desejo que Jesus voe o mais rapidamente possível para outras paragens. O Benfica iria ressentir-se obrigatoriamente da mudança de treinador. Talvez não imediatamente, mas ao fim de alguns meses, à medida que o novo treinador fosse colocando o seu "cunho" sobre as ideias de Jesus, o rendimento inevitavelmente iria cair.

Claro que tudo isto depende das condições contratuais entre Jesus e o Benfica, da existência ou não do tal acordo de cavalheiros com Vieira que permite ao treinador optar por sair no final desta época. Acredito que Jesus goste de estar no Benfica, mas não tanto assim. A adrenalina dos banhos de multidão e dos festejos benfiquistas deixam de toldar a mente passado pouco tempo, e dificilmente apagarão as ambições de uma vida. Certamente que também não farão Jesus esquecer a injustiça que deve ter sentido quando foi violentamente contestado depois de ter perdido as três competições em que o clube participou até ao fim, por pormenores que dificilmente poderia prever ou evitar.

17 comentários :

  1. Eu vi esse programa e o Rui Pedro Braz deixou mesmo cair a máscara.
    Está ali para defender o Benfica, mais nada.

    A questão estará aqui: Jesus quer disputar a Supertaça Europeia ou não quer?
    Se quer, fica. Se acha que pode disputá-la em outro clube, não fica.

    Jesus é como Jardel em 2002/2003. Se tem ficado no Sporting no pleno das suas capacidades, tinhamos o bi-campeonato garantido. Não ficou...
    Se Jesus ficar, o Benfica é campeão na próxima época. Se não ficar, talvez a Liga fique mais equilibrada (com o Benfica favorito).

    Eu acho que fica (e o Marco Silva ainda fará mais um ano de estágio no Estoril).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cantinho, tal e qual. É a chave do título do próximo ano. Pode ser que aparvalhe como aconteceu na época seguinte ao 1º título, mas não me parece que isso vá acontecer.

      Eliminar
    2. Mais importante do que aquilo que o Benfica é capaz de fazer na próxima ápoca, com ou sem Jesus, será o que o Sporting conseguirá fazer e até que ponto nos deixarão ir.

      Essa sim é a chave para se ganhar o título.

      SL

      Eliminar
    3. José, nesse aspeto não concordo. O Benfica, mantendo o treinador e evitando a perda de muitos jogadores influentes, será sempre o principal candidato.

      É claro que o Sporting terá uma palavra a dizer na corrida pelo título, e as influências dos árbitros poderão ser mais uma vez decisivas para não nos deixarem estar mais acima, mas não podemos ignorar que o Benfica parte de uma posição bem mais favorável.

      Um abraço.

      Eliminar
  2. o problema com Jesus sair de Portugal, é o de poder dar a mesma "preparacao fisica" que dá aos jogadores desde que o Luis Horta foi afastado do CNAD...

    veja-se o que corriam witseis e matic`s e ramires com Jesus e o que correm agora...
    coincidencias???

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não creio que seja por aí, caro anónimo. Estou convencido que correm muito agora porque estão motivados e porque o Jesus foi rodando os jogadores para não acabarem a época rebentados. Aliás, no princípio da época as diferenças eram visíveis, essencialmente por causa dos traumas do ano anterior. A saúde da mente tem muita força nestas coisas. Um abraço.

      Eliminar
    2. Também tenho a opinião que quer o Jesus ganhe a Liga Europa ou não acho que sai.

      Sempre são duas finais consecutivas na Liga Europa e isso dá curriculum. Honestamente penso que o ego de Jesus o vai obrigar a sair.

      A questão é para onde?

      Espanha só vejo o Valência a mudar de treinador. Talvez a Real Sociedad.

      Em Italia são fechados e muito avessos a contratar um treinador estrangeiro mas talvez uma Lazio ou até Inter.

      Alemanha muito dificil avessos a treinadores estrangeiros.

      Já Inglaterra é uma forte possibilidade. Se o City não for campeão é uma possibilidade, há ainda o Everton se o treinador for para o United, há ainda o Tottenham entre outros.

      Há ainda a possibilidade da Russia com o seus euros conquistar o homem.

      SL

      Eliminar
    3. Green Lantern, o Valência seria uma boa hipótese. A questão da língua não seria um problema (pelo menos com os jogadores), teria dinheiro para reforçar o plantel, e teria condições para mostrar aos grandes europeus que tem estaleca para voos ainda maiores fora de Portugal. Um abraço.

      Eliminar
  3. O jesus não sai. Ele não sabe falar outra lingua que não o rebolês.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece ser suficiente para se entender com os brasileiros, argentinos, sérvios, uruguaios e paraguaios que tem no plantel. Não iria ser muito diferente em clubes como o Valência ou o Mónaco, com a diferença que aí haveria mais portugueses para o ouvirem... :)

      Eliminar
    2. Também, já anda na Luz á quantas épocas ?? 4 ..ou 5 ?? Não vejo nenhum clube estrangeiro com ambição dar lhe tanto tempo .....Lá fora pagam....e querem ver resultados !!!!!

      Eliminar
    3. Mas ganhou na 1ª época de Benfica. Teve um impacto imediato quando chegou. Não digo que ganhe lá fora o campeonato na 1ª época, mas sabe certamente o suficiente para pôr a equipa a jogar mais.

      Eliminar
  4. Só vejo o Jesus em Espanha ou em Inglaterra (ao que parece, anda a aprender inglês). Em Inglaterra, arrisca-se a ser campeão, independentemente se o clube é o Man Utd, o City, ou até o Tottenham ou o Everton (onde pode ir à Champions e fazer boa figura com qualquer das duas). Isto acontece, pois o futebol inglês tem um grande poderio financeiro, que poderia ajudar Jesus a formar um bom plantel.
    Em Espanha, acho mais complicado Jesus ganhar a Liga. Só duas equipas são crónicas candidatas, apesar do que tem feito o Atleti. Como não o vejo a treinar Barça e Real, a única solução é: Peter Lim compra o Valência (que se encontra em dificuldades financeiras). Jesus é o treinador. Rodrigo e André Gomes são contratações certas (foi Lim quem comprou os passes). Há mais um cheque para fazer acertos no plantel e assim Jesus pode fazer boa figura em Espanha e devolver o Valência a novos êxitos.
    Ou é algo deste género, ou fica no Benfica e arrisca-se a ainda renovar o contrato.
    Assim sendo, que faça boa viagem!

    http://grandeartistaegoleador.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Torres, mesmo que vá para um clube que não seja um crónico candidato ao título, pode ter um impacto suficiente para conseguir transferir-se para um dos grandes europeus ao fim de um ou dois anos, se a aventura lhe correr bem. Um abraço.

      Eliminar
  5. O Jesus pode ambicionar o que lhe queiram chamar...mas não o vejo com perfil (e competência) para treinar com sucesso fora de Portugal. No Benfica, com truques e ajudas, proibindo jogadores emprestados de jogar contra o SLB, com o plantel que tem à disposição, com o controle das arbitragens, do conselho de disciplina , em ano de Eusébio /Coluna, em ano de saída do programa da troika e eleições Europeias, ainda vá. Agora, em condições normais em campeonatos mais exigentes e sem estes paraquedas, não ganha nada. E nem sei se alguém lhe dá mais dinheiro que o SLB...por isso, não o vejo a sair deste lodaçal...que na verdade é onde se sente bem. Ainda por cima, no estrangeiro, com tradutores, perdem as pérolas do Jesus eheh
    A F

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A F, mas se nas conferências de imprensa Jesus tentasse falar com os jornalistas estrangeiros diretamente sem tradutor, certamente que seriam momentos a não perder... :)

      Eliminar
    2. No Benfica, com truques e ajudas, proibindo jogadores emprestados de jogar contra o SLB, com o plantel que tem à disposição, com o controle das arbitragens, do conselho de disciplina , em ano de Eusébio /Coluna, em ano de saída do programa da troika e eleições Europeias, ainda vá.


      mas será que quem escreve isto acredita mesmo no que escreve?
      Só uma nota. Apesar de se ter sagrado campeão, este será provavelmente o ano dos 5 com JJ que o SLB fará menos pontos no campeonato (com a exclusão de 2010/2011, o ano do Mr. Roberto).

      Adoro o argumento da troika. Acho simplesmente delicioso.


      Eliminar