sexta-feira, 13 de junho de 2014

Balanço de 2013/14: Guarda-redes e defesas



Rui Patrício (***)

Foi mais uma vez ano de São Patrício. Mais uma época de grande nível, tendo sido decisivo em vários jogos. O erro que cometeu na Luz para a Taça foi o único momento negativo de uma excelente temporada. 

Marcelo Boeck (*)

No início da época tudo apontava para a saída de Rui Patrício, e Marcelo contaria certamente com a titularidade. Ter passado o ano no banco deve ter sido uma desilusão, mas a verdade é que continuou igual a si próprio: um grande 12º jogador enquanto está no banco. Nas poucas vezes em que foi chamado à titularidade, esteve muito bem - nomeadamente no jogo com o Marítimo para a Taça da Liga.

Cédric (***)

Grande evolução. Pulmão inesgotável, velocidade, capacidade de drible, muito bom a cruzar com os dois pés, e este ano passou a ser muito consistente a defender. Um dos melhores do ano. Merecia estar no mundial.

Jefferson (**)

Excelente primeira metade de época. Desequilibrador no ataque, não tão forte a defender, muito bem na marcação de cantos. Perdeu fulgor ao longo da segunda metade da época. Precisa de um jogador no plantel que lute com ele pela titularidade.

Piris (*)

Esteve quase sempre bem nas poucas oportunidades que teve. Fez jogos de qualidade nos dois flancos, o que o tornou numa peça importante num plantel pouco profundo. Não fosse a sua cláusula de compra tão elevada e seria uma boa opção para continuar connosco na próxima época.

Welder (-)

Bom espírito de grupo a avaliar pelos instagrams dos jogadores. De resto foi uma aposta completamente falhada, como os 0 minutos de utilização atestam.

Rojo (***)

Se houvesse um prémio de Most Improved Player, seria de caras para Rojo. No ano passado era um jogador demasiado impetuoso e agressivo, com falhas graves de posicionamento, com uma taxa de passes longos ridiculamente baixa e perdia muitas bolas quando avançava em posse. Este ano transfigurou-se. Um jogador impressionante. Intransponível no um contra um, imperial no jogo aéreo ofensivo e defensivo, muito concentrado. Na minha opinião o jogador mais underrated do campeonato. Uma época extraordinária. Seria muito bom que ficasse mais um ano.

Maurício (***)

Uma enorme surpresa pela positiva, atendendo ao facto de ter sido contratado a um clube da segunda divisão brasileira. Um guerreiro em campo, foi também um dos principais responsáveis pelo acerto defensivo da equipa.

Dier (*)

Teve várias oportunidades ao longo da época para jogar. Começou mal, parecendo muito nervoso nos primeiros jogos em que foi utilizado. No entanto, ao longo da época foi voltando a ser o jogador que conhecemos. Teve uma prova de fogo contra o Porto que foi inteiramente ganha, ficando na retina o golo que tirou dos pés de Jackson com um golpe de rins incrível. Atribuo-lhe * e não ** porque infelizmente não foi o ano de afirmação de um dos jogadores de maior potencial que temos no plantel. Apesar de ter gostado muito da época de Maurício, preferiria ver Dier a ser utilizado de forma mais regular.

Rúben Semedo (*)

Deu nas vistas contra a Fiorentina, mas acabou por não ser utilizado. Os casos em que esteve envolvido são, na minha opinião, menos graves do que se quis fazer passar. Há que ter paciência e apoiá-lo, pois tem imenso potencial.

11 comentários :

  1. João montinho de merda13 de junho de 2014 às 15:12

    O Patrício com Israel enterrou. Infelizmente não vi nos 4 utilizados pelos rivais, juntos não meteram tanta água. O Rojo deixou-nos 3 vezes com 10, no Dragão ajoelhou perante Danilo, causou penalti e livres desnecessários, amarelos sem conta; esteve bem a atacar, a defender é um furo,desorientado, duro quando deve ser macio, macio quando deve ser duro, mas não tem culpa pois não joga nunca na sua posição. Marcelo foi dinheiro deitado fora pois a sua utilidade foi zero, jogou sem ser necessário .Eric mereceu mais jogos e Jeferson menos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João, não avaliei os jogos da seleção. Falo apenas dos jogos pelo Sporting. Rojo foi expulso 3 vezes, 2 das quais injustamente. Rojo é central. Na seleção argentina é que joga fora da sua posição. Um abraço.

      Eliminar
  2. E com Israel? Infelizmente não vi os 4 que os rivais utilizaram meterem tanta água todos juntos. O Rojo é um furo a defender, desorientado, macio quando deve ser duro, duro quando deve ser macio; penaltis e livres desnecessários, cartões estúpidos aos pacotes e vermelhos que nos deixaram com 10 três vezes, salvo erro. Mas não tem culpa, nunca jogou na posição dele! O eric merecia mais jogos e o Jeferson menos.

    ResponderEliminar
  3. O Rojo esteve bem a atacar; fiquemo-nos por aqui.
    Ao jogar o Rojo estamos a valorizar um ativo que só nos pertence a 25%, por isso é frete, certo? Quanto valor acrescentamos à SAD? E quanto podíamos ganhar se jogasse um jogador do SCP? Felicidades Rojo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rojo é o nosso melhor central. Enquanto o tivermos disponível deve jogar sempre. O futebol (ainda) é sobre ganhar jogos. Benefícios financeiros não são a principal prioridade, e deverá apenas ser um fator a ter em conta em caso de compararmos dois jogadores de nível e potencial idêntico. Um abraço.

      Eliminar
  4. Boa análise.
    O rojo de facto surpreendeu este ano e cresceu muito face à epoca anterior.
    Só uma coisa, não chegaste a colocar a análise do Piris - se bem que não há muito a dizer dado que pouco jogou

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lopes, obrigado pelo reparo. Vou colocar a análise do Piris. Um abraço.

      Eliminar
  5. A forma como o Cedric deixa o Gaitan cabecear à vontade no primeiro golo da Luz quando já antes, logo no primeiro minuto, numa desconcentração, deixa um benfiquista isolado... Não é lateral para um grande. Dier tem valor apesar do Enzo ter feito o que quis dele no segundo golo, já arranjou um dador de rins? Registo para o facto do Benfica, esta época, ter marcado 3 golos pelo meio das pernas (vulgo "coxinha") ao Patrício, o do Luisão então foi hilariante! Mas se há coisa que ele sabe (dizer) é "levantar a cabeça", o Capel é que não o ouve

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo, todos os jogadores cometem erros ao longo de uma época. Cédric cometeu pouquíssimos. Dier jogou fora da sua posição contra o pior adversário possível.

      Oblak deu um frango contra o Gil Vicente. É motivo para qualificar a época dele como negativa?

      Um abraço.

      Eliminar
  6. O Jefferson desde o vento mal cheiroso que soltou na conferência de imprensa de apresentação tem vindo a... (continuando no tom escatológico que tanto apraz os pseudo sangue azul nascidos em berços de ouro e educados nos mais finos colégios europeus)... perder "gás"

    ResponderEliminar