segunda-feira, 23 de junho de 2014

Não nos podemos queixar da sorte

                                                                                                                                                            
Dificilmente o jogo poderia ter começado de melhor forma. Um golo marcado por Nani aos cinco minutos, na sequência de uma enorme cortesia dos jogadores adversários, colocou-nos na posição que mais se adequa às características dos nossos jogadores: dar a iniciativa ao adversário e tentar matar o jogo em contra-ataque.

Infelizmente não soubemos aproveitar essa benesse. Os americanos mandaram totalmente no jogo sem que a nossa seleção conseguisse pô-los em sentido aproveitando o seu adiantamento. Até à meia-hora de jogo fomos sufocados pela cavalgada dos americanos pelo nosso flanco esquerdo. André Almeida fez o que lhe foi possível, atendendo que estava completamente abandonado pelos colegas. Só quando Meireles encostou à esquerda para dar o apoio que se impunha há muito, é que o jogo acabou por estabilizar. No final da primeira parte veio o único momento de infelicidade, quando Nani fez um grande remate a 30 metros ao poste e Éder, na recarga, obrigou Howard a uma excelente defesa.

Mais uma vez as lesões apareceram em força: Postiga aguentou pouco mais que dez minutos, e André Almeida jogou em sacrifício na fase final da primeira parte, acabando por sair ao intervalo. William entrou para o meio e Veloso passou para defesa esquerdo. Já não considero as lesões uma infelicidade - são demasiados casos para ser uma simples questão de sorte ou azar.

William entrou muito bem. Portugal parecia controlar a partida, mas os EUA conseguiram empatar num grande remate de fora da área, na segunda vaga de um canto. Pouco depois deram a volta num lance em que a nossa defesa esteve aos papéis. 

A partir daí, a ausência de ideias a atacar da nossa seleção ficou completamente exposta aos olhos do mundo. Bolas despejadas para a área, com Bruno Alves já a jogar ao lado de Ronaldo e Éder, sem qualquer resultado prático. Mas eis que a sorte normalmente nos bateu à porta, com Varela a fazer mais uma vez o papel de salvador e a marcar um excelente golo na última jogada do jogo, que nos deixa ainda com ténues hipóteses matemáticas de seguirmos em frente.

Individualmente, gostei de Beto, Ricardo Costa, William Carvalho e João Moutinho. Raúl Meireles foi uma nulidade desde cedo - foi quase sempre o último a partir para o ataque e o último a chegar à linha defensiva quando os americanos atacavam, com um raio de ação limitadíssimo, incapaz de pôr o pé quando a bola passava a poucos centímetros dele. Só deu nas vistas quando fez alguns remates quando já jogava a extremo, pouco antes de sair. Nani foi o único que assumiu a responsabilidade de carregar a equipa, mas tirando o golo e o remate ao poste esteve desastrado. Ronaldo não existiu, com exceção do cruzamento para o golo de Varela.

No entanto é justo que diga que o que correu mal não teve a ver com falta de vontade dos jogadores. Fizeram o que lhes foi possível dentro das limitações físicas, técnicas e táticas que são evidentes a todos.

Agora liguem as calculadoras. Somos peritos nisso, mas normalmente a história não acaba bem.

49 comentários :

  1. Eu só quero acertar uma vez no Euromilhões como acerto nos resultados desta selecção do BURRO teimoso...

    Com o Gana vai ser engraçado... vai vai

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 15-0 para nós, nem estou a ver outra possibilidade... :)

      Eliminar
    2. Loooll... Otimista :)

      Eliminar
    3. Também acho. 15-0, nem pensar. No máximo 14-0.

      Eliminar
  2. À falta de um grande milagre que não vejo de onde possa vir, contra o Gana vamos levar uma lição de bola e acabamos o jogo com menos de 11 em campo... por muito que me custe, parece-me certo... tudo mau de mais, até o adjunto do PB abanou a cabeça de tristeza no golo de Varela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquela reacção do banco de Portugal ao golo do Varela é muita esquisita.

      Eliminar
    2. Matematicamente o apuramento ainda é possível, mas na pratica é impossível.

      Por partes. O Ronaldo está lesionado. Toda a gente sabia disso. Resta "rezar" sim para que a sua carreira não esteja em risco.

      Estando o CR claramente inferiorizado, mais imperativo era que Portugal fosse uma equipa, algo que nunca foi com este seleccionador. Dado que não havia Ronaldo para resolver, como aquando do "play-off" com a Suécia, vieram à luz as insuficiências do que é Portugal de momento: uma equipa banal sem Ronaldo. E uma equipa banal sem condição física no Mundial dificilmente vai mais além do que a fase de grupos. Resta saber porque é que tem havido tantas lesões...

      Depois a questão dos selecionáveis, a convocatória já foi suficientemente discutida, e agora o Paulo Bento colhe o que semeou. Justíssimo.

      Finalmente, há que reconhecer o mérito dos EUA, que mesmo que não se qualifiquem, pois o Gana ainda tem hipóteses se vencer Portugal, mostram que sabem o que estão a fazer e estão a crescer muito na modalidade. Ontem Portugal ajudou a que isso acontecesse, pois o que temos é uma potência ascendente, a trabalhar muito bem as bases do futebol, com muitos praticantes da modalidade que vão municiar as equipas da MLS (liga profissional). Uma MLS que por sua vez têm uma sinergia perfeita com a US Soccer (o equivalente à federação), no sentido de que a selecção tenha todas as condições para ter êxito. Organizacionalmente perfeito.

      Em Portugal, país de apenas 10 milhões, e em que o futebol é hegemónico, a Liga está um caos e a FPF é um antro de corruptos. E o governo prepara-se para entregar o futebol profissional nas mãos da FPF. Que grande avanço. Somos um atraso que até faz impressão.

      Eliminar
    3. M., não reparei na reação do banco, o que aconteceu?

      Eliminar
    4. Caro anónimo, por muitas dificuldades físicas ou de falta de competição que muitos dos jogadores têm, a nossa equipa neste mundial tem estado bem abaixo da soma dos valores individuais que temos.

      A equipa está completamente desorganizada em campo. Só com William a jogar passamos a conseguir organizar de alguma forma o jogo.

      É evidente que a abordagem da convocação, logística e preparação tática errou completamente. Há grandes responsabilidades não só de Paulo Bento, mas de toda a FPF.

      Um abraço.

      Eliminar
    5. Mestre, a reacção no banco foi do Leonel Pontes, abanando com a cabeça quando o Varela marcou o golo.
      Não me pareceu nada de especial, apenas o constatar que podíamos e devíamos ter jogador melhor, marcando golos como aquele bem mais cedo.

      Eliminar
  3. Mas aposto que os jogadores nos vão surpreender. O Meireles vai mudar de shampoo de barba e o Ronaldo e o Nani vão mudar de penteado. O André Almeida diz que não carrrega mais o garrafão de shampoo da barba. E penso que as surpresas não ficarão por aqui...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O penteado "Zorro" de Ronaldo ainda pode sofrer alterações para o 3º jogo... :)

      Eliminar
    2. Caro Mestre de Cerimónias, obrigado por me esclarecer que o "Z" do penteado do Ronaldo era de Zorro. Eu estava mesmo convencido de que era um "Z" de Zarastrusta quando o Ronaldo estava em pé e um "N" de Nietzsche quando ele estava deitado.

      Se afinal o "Z" era de Zorro talvez o Ronaldo decida fazer um "H" para o próximo jogo. A explicação é simples: para a ser o único jogador em campo com H grande.

      Eliminar
    3. Caro anónimo, "Zorro" é apenas especulação da minha parte. Podemos sempre ligar a CM TV, certamente que terão um exclusivo para explicar tudo o que há para saber sobre o penteado de Ronaldo. :)

      Eliminar
    4. Eu até pensava que era a faísca do FLASH .....

      Eliminar
    5. Já corre pelas redes sociais que é em solidariedade com uma criança que foi operada e que ficou com uma cicatriz naquela forma (operação paga por CR). Se é verdade ou não, não sei.

      Eliminar
  4. "Já não considero as lesões uma infelicidade - são demasiados casos para ser uma simples questão de sorte ou azar."

    Mestre,
    o André Almeida lesionou-se devido à sobrecarga de jogos que tem nas pernas da época que findou. É menino para ter feito cerca de 10 a 15 jogos completos. É um abuso, ninguém aguenta.

    Foram precisas duas lesões (Coentrão e André "Maldini" Almeida) e um castigo (Pepe) para que William conseguisse jogar neste Mundial. Se Pepe tivesse disponível, aquando a lesão do Maldini, subiria para trinco (Veloso na esquerda) ou entraria Ricardo Costa para def-esquedo, mantendo-se Veloso a 6.

    Isto demonstra muito a qualidade de Bento ou a sua intencionalidade face a William.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cantinho, ora aí está a solução para o 3º jogo: Pepe a trinco, Veloso a defesa esquerdo, William no banco... :)

      Eu sei que falamos de Paulo Bento, mas ele não vai ter coragem para tirar o William do onze titular. Seria demasiado óbvio aos olhos de todos.

      Um abraço.

      Eliminar
  5. Mestre,

    Este Mundial, para a seleção nacional, ficou logo inquinado com a convocatória. Verdade se ja dita, a maioria dos sportinguistas disse-lo logo.

    Equipa muito fraca, treinador incompetente. Não há milagres! Chega de Meireles, Bruno Alves, Postiga e Hugo Almeida. É necessária uma renovação desta equipa. Os 3 ponta de lança não fazem 1.

    Antunes, Adrien, Danny ou Bebé já deviam ter ido a este Mundial. William e Ruben Amorim deviam ter jogado muito mais.

    Esta será conhecida como a seleção dos estatutos. Há ali muita gente com rendimento que não podia ter ido ao Brasil, quanto mais ser titular.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. PM, eu compreendo que Paulo Bento queira ser fiel ao seu núcleo duro de jogadores, mas isto foi um total exagero. Demasiada gente fora de forma, demasiados jogadores em melhor condição a serem ignorados na convocatória.

      É evidente que, se tivessem vindo os 23 em melhores condições, não seríamos candidatos a nada. Mas certamente que faríamos melhores jogos. E pelo menos davam-se uns passos importantes na renovação da equipa.

      Assim nem rendimento, nem renovação. Tempo perdido.

      Um abraço.

      Eliminar
    2. Concordo genericamente com o teor do texto do PM.
      Acho é que se estão a misturar nomes. Quando diz "já deviam ter ido", até parece que estamos a falar de sub-20. O Danny faz 31 anos em agosto e o antunes tem 27, não me parece que fosse necessariamente esse o caminho, ainda para mais quando se tem lido que o Danny teve problemas de ordem disciplinar na selecção.

      Quantos aos casos do Adrien e do Bébé, estou de acordo (Bébé podia ser o 4º extremo e o 3º PdL). Não acho que sejam jogadores que acrescentem grande coisa, mas não só contribuimas para a renovação da selecção como duvido que não estejam em melhor forma do que os que lhes ocupam o lugar.

      O problema de Portugal é de planeamento. não é este o tempo nem o lugar para o discutir, mas urge repensar a nossa selecção. Começar a adoptar modelos de jogo semelhantes desde cedo, começar a dar minutos ao jovens de forma regular.

      A continuar a pouca vergonha que temos assistido é uma questão de (pouco) tempo até falharmos estas fases finais.

      Eliminar
    3. No caso do Danny, parece-me claramente uma situação disciplinar. No caso dos outros, quem sabe se não seria suficiente para termos ganho ontem? Mas lá está, isto são tudo alternativas para tapar buracos no imediato.

      Eliminar
    4. Portanto situações disciplinares temos o Danny e o Ricardo Carvalho. Apenas para citar aqueles que no meu ponto de vista tinham feito falta...

      Eliminar
  6. Cabe-nos a nós, adeptos do futebol, pressionar quem de direito para que se tomem medidas. Entendo que a presença de público deveria ser massiva no aeroporto. E deveriam apoiar os jogadores - sim, porque eles são os menos culpados, pois a culpa é de quem lá os meteu e eles só fizeram o que conseguiram. Mas deveria haver uma enorme revolta contra Bento e a estrutura da FPF. E creio que terá de haver também intervenção do governo, para impedir que se continue a envergonhar o pais.

    Acima de tudo penso que será essencial aumentar o número de jogadores portugueses nas equipas. Sim, eu sei que não se pode limitar a contratação de estrangeiros, mas...o estabelecimento de uma quota de jogadores portugueses nos planteis ultrapassa facilmente essa questão. Quem quiser ter muitos estrangeiros, poderá perfeitamente fazê-lo...só terá de ter um número proporcional de portugueses.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Primeiro é preciso limpar o futebol e correr com a corja da Federação que se prepara para comandar sozinha o futebol português. Mas estamos a brincar? Alguma vez Portugal tem hipóteses quando empresários influenciam convocatórias? Quando as convocatórias são feitas para valorizar jogadores de alguns clubes, e deixar de fora jogadores mais competentes, só porque não são dos clubes amigos?

      Até os me(r)dia participam no esquema. Veja-se como os comentadores ontem tinham tanta preocupação em defender o André Almeida. Ou era porque estava muito em jogo (pudera) ou porque até nem era dos piores, blah, blah, blah. Mas o que é isto? É uma corja, o que é que pensam? Espero que o Gana espete quatro ou cinco em Portugal, que é o que esta vergonha MERECE!

      Eliminar
    2. Cafageste, há uma série de medidas que serão certamente possíveis de tomar para termos equipas mais portuguesas. O problema é que ninguém na FPF parece muito preocupado com isso...

      Um abraço.

      Eliminar
    3. Caro anónimo, a primeira coisa que o Tadeia disse após o golo de Nani foi qq coisa como "fez bem André Almeida em resistir cruzar com o pé esquerdo". Extraordinário!

      Eliminar
  7. Palpite: com ou sem calculadora, Alemanha e EUA empatam e o Gana espeta nos pelo menos 2-0.
    Ah...e tenho a certeza que desta vez o William Carvalho vai jogar de inicio

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu ainda tenho uma pequenita réstia de esperança... sim, sou um ingénuo, eu sei... :)

      Eliminar
  8. Atenção que o William Carvalho é representado por Jorge Mendes e que não acontece com André Almeida . Na meia parte em que o André Almeida jogou o resultado foi 1-0; na meia parte em que o William Carvalho jogou o resultado foi 1-2.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Na meia parte em que o André Almeida jogou o resultado foi 1-0"

      S-O-R-T-E.

      Eliminar
    2. E acrescentaria outra coisa: enquanto William Carvalho esteve em campo, o planeta fez um movimento de translação exatamente igual ao que fez enquanto André Almeida jogou.

      O que é que o 1-0 com Almeida e 1-2 com William tem a ver com o quer que seja? Com Postiga também ganhámos 1-0.

      Eliminar
    3. A blogosfera também nos permite rir com estes jumentos. Então o problema foi a entrada do William. Se ele não entrasse e ficássemos com 10 ganhávamos o jogo?

      Eliminar
    4. Acredito que algumas pessoas preferissem assim. Ou então o Amorim a 6...

      Eliminar
    5. Oiçam as declarações do próprio William Carvalho que disse que Portugal jogou melhor na primeira parte.
      Na primeira parte houve um golo e o André Almeida esteve envolvido na jogada. Na segunda parte houve 3 golos e o William Carvalho não esteve envolvido em nenhum (nem a defender nem a atacar). Fez uma quantidante excepcional de passes certos, mas não apareceu nos momentos cruciais do jogo. Tudo isto é verdade, mas o jumento sou eu.

      Eliminar
    6. William Carvalho não tem razão no que disse. Ou então estava a ser simpático para os colegas.

      É claro que faltou a William pegar na bola e fazer um slalom para a baliza para resolver o jogo sozinho. E faltou-lhe também fazer umas incursões pelas alas para cruzar para a cabeça do Varela.

      Eliminar
    7. O William Carvalho disse aquilo que me parece evidente. Foi o mesmo que disseram também todos os outros jogadores, que Portugal tinha jogado melhor na primeira parte.

      Acho que o William pode vir a ser um grande jogador, mas neste momento ainda o não é. Na primeira parte, nos ataques dos americanos vi algumas vezes o Miguel Veloso a anular algumas jogadas estando nas imediações da área. Na segunda parte não vi o William a fazer a mesma coisa e sofremos 2 golos de segundas bolas que andaram para ali a ressaltar neste ou naquele jogador. O William fez um jogo de não comprometer. Muita certeza no passe e pouco risco. E claro que concordo que tenha jogado simples. Há tempo para ganhar maturidade e arriscar mais. Há jogadores mais experientes que podem ter a missão de arriscar mais. Mas não é justo depois comparar um jogador com muitos passes certos mas sem risco com outro jogador que tem que tentar 5 passes de rotura para que 1 deles dê certo. O Jorge Jesus também diz que o Gaitan é o jogador do Benfica que falha mais passes, mas ele quer que o Gaitan continue a tentar o passe de risco. Portanto não vamos endeusar o William pelo facto de ele ter uma percentagem altissima de passes certos. Ele terá tempo de crescer nos próximos tempos. Mas também há vários jogadores que prometem muito e que depois nunca chegam ao nível que se esperava. E muitas vezes até têm os adeptos a apoiá-los e uma boa imprensa. E os adeptos reclama e não percebem porque razão os treinadores ("casmurros") não os colocam a jogar mais. Um bom empresário também pode ajudar, mas esse não parece ser o problema do Willliam. Vamos esperando com serenidade.

      Eliminar
    8. Não estou a endeusar William, mas também não aceito que se diga que fez um mau jogo. E esteve bem acima da média de rendimento dos jogadores que alinharam ontem.

      Mais: dizer que a seleção fez um jogo melhor na primeira parte do que na segunda é seguramente um erro de perceção dos jogadores. Na 1ª parte estivémos 40 minutos à frente do marcador e ainda mandámos uma bola ao poste, mas os americanos massacraram-nos. Na 2ª parte o jogo foi bem mais equilibrado, mas a diferença esteve na eficácia dos americanos.

      Eliminar
    9. Há ocasiões em que a discussão infelizmente não leva a uma resolução ou esclarecimento de um dos interlocutores. Parece-me ser o que se passa neste caso, em que o sr Anónimo tem algum ódio de estimação a WC (que surpresa! Será o PB?).
      Acho quase patológico reconhecer mais mérito a AAlmeida (ele sim, que jogou para não comprometer) no 1o golo do que ao WC pela melhoria significativa no jogo de PT.

      Enfim, espero que este anónimo não seja o futuro seleccionador, mas já não digo nada. Tendo em conta a última escolha, conhecimentos tácticos e de treino posicional e defensivo não são um requisito para o lugar...

      Eliminar
    10. FC, esse último parágrafo está delicioso! :)

      Eliminar
  9. Finalmente alguém de entre a esfera sportinguista que tem a lucidez de não ser idiota na análise da avaliação do André Almeida. Claramente o defesa esquerdo foi abandonado por 1 extremo (custa dizer mas é verdade) que não defende (Ronaldo inaceitável no processo defensivo) e pela falta de ajuda quer de Meireles quer do Moutinho.

    Foi um "sorte" como diz o anónimo das 11:51 e bem, mas não, como ele insinua, pelo papel de defesa esquerdo. Foi inaceitável a forma como os americanos apareciam sem pressão e com a bola controlada entre o nosso meio campo e defesa. Muitas vezes em posição de fzarem jogadas de 2-1 ou até de 3-1.

    Pode-se culpar o Almeida. O problema é que quem o faz, era capaz de o fazer até antes de o jogo começar, por puro remoque. Isso dá pena.

    Mestre, bem haja por essa lucidez no comentário,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo, foi claramente uma falha na abordagem tática. Vimos sempre Nani preocupado em fechar à direita desde o princípio, mas não houve ninguém a fechar à esquerda. Era mais que evidente que André Almeida (ou quem quer que fosse o lateral) precisava de alguém que o apoiasse, ainda por cima contra um jogador americano que era extremamente veloz.

      Quando Meireles encostou à esquerda, mesmo fazendo um mau jogo, foi o apoio suficiente para ajudar a tapar o flanco.

      Esta situação fez-me lembrar o Sporting - Porto para o campeonato: Quaresma a dar muitos problemas a Cédric, pois não havia ninguém do Sporting que ajudasse no 1 contra 1. Quando Jardim indicou a William para pisar terrenos mais à direita, Quaresma deixou de conseguir criar os desequilíbrios que até então fazia.

      Um abraço.

      Eliminar
  10. Então e quem é que costuma ajudar o Coentrão?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Azueira, na minha opinião o Coentrão sentiria as mesmas dificuldades. Lembro-me, no 3-2 contra a Dinamarca na 2ª jornada do Euro 2012, que sofremos 2 golos do lado do Coentrão, que também não tinha qualquer apoio dos colegas.

      Coentrão, sendo mais rápido e estando mais habituado à posição, poderia evidentemente matar alguns lances que Almeida não conseguiu. Mas a maior parte dos lances dariam perigo para a nossa baliza na mesma.

      Um abraço.

      Eliminar
    2. Talvez. O meu ponto é que o Cristiano Ronaldo muito raramente ajuda na defesa. Ontem foi só mais um dia. E a pouca qualidade do André Almeida e do Miguel Veloso, e especialmente a fraca qualidade do treinador fazem o resto. Com o Cristiano nunca se defendeu muito bem, mas não me lembro de um buraco tão grande daquele lado.

      Eliminar
    3. Sim, é verdade. Suponho que nas competições passadas haveria mais disponibilidade física do meio-campo para compensar a ausência de Ronaldo no trabalho defensivo.

      Eliminar
    4. A diferença está exactamente aí, no meio campo. Meireles e Moutinho andam a passo (Meireles então é impressionante), Veloso está constantemente desposicionado.
      Antes, a intensidade e capacidade física do meio campo português conseguia compensar as limitações defensivas do Ronaldo (que mesmo assim nunca foram tão graves como neste Mundial - ele costuma pelo menos descer para trás do meio campo).
      Aliás, isso vê-se mt bem no Real Madrid: Modric e Xabi Alonso funcionam mtas vezes como médios esquerdos e fazem-no bem pq sabem onde se posicionar e como compensar os companheiros.

      Eliminar
    5. FC, é tão triste que o selecionador não consiga ver isso... Um abraço.

      Eliminar