terça-feira, 10 de junho de 2014

Portugal - Irlanda


Vamos lá ao exercício de futilidade do dia: dar a minha opinião de qual deveria ser o onze de Portugal para o jogo de logo contra a Irlanda. 

Paulo Bento não quis abrir o livro em relação à utilização de Ronaldo, Meireles e Pepe, mas segundo a comunicação social os dois primeiros já treinaram sem limitações e o central deverá continuar de fora.

Mantenho a opinião em relação ao que se deveria estar a preparar neste momento: é altura de afinar estratégias, e não de revolucionar um sistema que tem dado bons resultados nos últimos anos e que, comprovadamente, é o que mais se adequa aos jogadores que temos.

Atendendo que os dois primeiros jogos acabaram por ser experiências que de pouco ou nada servirão (muitos dos jogadores habitualmente titulares não foram utilizados), parece-me que os dias de expressão criativa de Paulo Bento chegaram ao fim. Regresse ou não ao tradicional 4-3-3, uma coisa é certa: o sistema que for apresentado hoje irá certamente refletir a equipa que está na cabeça do selecionador para defrontar a Alemanha. E os titulares de hoje serão quase com toda a certeza (excluindo os casos de indisponibilidade por lesão) os onze que entrarão na próxima segunda-feira.



2 comentários :

  1. Fazendo o mesmo exercicio, penso que o Paulo Bento vai fazer alinhar o Veloso no lugar do William (embora atendendo ao momento de forma de cada um preferisse ver o William no meio campo). A outra duvida prende-se com o avancado, e aqui penso que PB vai apostar no Postiga. Por um lado porque foi o avancado mais utilizado da era Paulo Bento (e sabemos que isto conta muito para o treinador). Por outro lado, ao jogarmos com o avancado menos posicional que temos penso que podemos mais facilmente abrir espacos para o Ronaldo, neste momento o unico finalizador dos 23.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João, hesitei em colocar Veloso ou William, mas fui por William exclusivamente por ser aquilo que desejo, mas admito que Miguel Veloso parta em vantagem aos olhos de Paulo Bento.

      Quanto ao ponta-de-lança, foi exatamente esse o raciocínio que utilizei: as características de Postiga fazem com que seja muito mais útil que Éder num onze com Ronaldo. Não jogando Ronaldo, possivelmente justifica-se a aposta em Eder.

      Um abraço.

      Eliminar