quinta-feira, 10 de julho de 2014

Scolari

                                                                                                                                         
Tivemos por cá muitas manifestações de satisfação pela estrondosa derrota do Brasil contra a Alemanha, não tanto pelo sucesso alemão ou pelo fracasso brasileiro, mas sobretudo pela humilhação a que Luís Felipe Scolari foi sujeito. Não fiquei surpreendido.

O treinador brasileiro nunca foi uma figura consensual enquanto responsável pela nossa seleção, principalmente desde que comprou uma guerra com o Porto ao não prestar vassalagem a Pinto da Costa, e cujo efeito mais visível foi deixar de convocar Vítor Baía quando o guarda-redes estava no auge da sua carreira. Scolari chegou ao ponto de convocar o 3º guarda-redes do Porto numa atitude claramente provocatória, semelhante ao que Paulo Bento fez ao pré-convocar João Mário ao mesmo tempo que excluía Adrien Silva dessa lista. Devo dizer que após a convocatória de Paulo Bento comecei a compreender um pouco melhor a animosidade dos portistas contra Scolari.

É verdade que o selecionador brasileiro desperdiçou praticamente dois anos de trabalho durante a preparação do Euro 2004 ao insistir na aposta em jogadores com um passado mais longo na seleção, em detrimento de uma geração de jogadores que despontava no Porto. Mas não é menos verdade que Scolari não hesitou em fazer as devidas alterações logo após a derrota contra a Grécia, no jogo inaugural do Euro 2004 que foi, também, o seu primeiro jogo oficial ao serviço da seleção portuguesa. Até aí não tinha tido oportunidade de ver a sua equipa em jogos a doer. Já tivemos treinadores mais teimosos que nem à quarta ou quinta oportunidade corrigiram erros que eram óbvios à generalidade do público.

O que é indiscutível é que Scolari conseguiu os melhores resultados de sempre com a seleção: uma final num europeu e uma meia-final num mundial.

Sim, no Europeu jogávamos em casa, mas está mais que provado que isso é uma vantagem virtual (a não ser que os árbitros queiram dar uma alegria ao povo anfitrião, como sucedeu na Coreia do Sul em 2002). Aliás, sabem quais foram as últimas ocasiões em que o país anfitrião chegou à final de uma grande competição? Precisamente, Portugal em 2004. Antes disso, a França em 1998. A derrota na final com a Grécia foi um desastre difícil de entender, concedo, mas isso não deveria apagar aquilo que foi uma campanha notável da seleção que afastou, entre outras, a Espanha, Inglaterra e Holanda.

Tínhamos a melhor geração de jogadores da nossa história? Na minha opinião, não. A melhor geração de jogadores que alguma vez tivemos teve o seu auge em 2000 / 2002, altura em que Figo, João Pinto, Rui Costa, Fernando Couto e Vítor Baía estavam no pico das suas carreiras. E o melhor que conseguimos foram as meias-finais de 2000. No Euro 2004, Figo já tinha 31 anos e Rui Costa 32 anos, por exemplo. No Mundial 2006, Figo já tinha 33 anos.

Scolari limitou-se a aproveitar o trabalho de Mourinho no Porto? Sim, é verdade que aproveitou, mas desde quando é que isso é um defeito? Pelo contrário. Felizmente para nós, Scolari apercebeu-se a tempo do erro que estava a cometer e acabou por aproveitar até ao tutano o conhecimento que Paulo Ferreira, Nuno Valente, Ricardo Carvalho, Costinha, Maniche e Deco tinham entre si. Será que Paulo Bento teria feito o mesmo?

Já agora, alguém tira mérito a Low por estar a aproveitar a base do Bayern? Ou a Del Bosque por tentar replicar ao máximo a filosofia de jogo do Barcelona?

Mais: Scolari enfrentou um grupo cujo líder, Figo, se opunha abertamente à entrada de Deco na seleção (e muito provavelmente à chegada do próprio Scolari). Soube ultrapassar isso e os dois acabaram por se entender e levar a seleção aos seus melhores resultados de sempre. Scolari conseguiu compatibilizar duas gerações de jogadores e colocá-las ao serviço dos melhores interesses da seleção. Conseguiu galvanizar os jogadores e um país inteiro. Não me parece que fosse uma tarefa assim tão simples e, tirando Mourinho, não estou a ver outro treinador que na altura fosse capaz de atingir os mesmos resultados.

Pode-se discutir se o ciclo de Scolari não devia ter terminado em 2006, mas compreende-se a decisão da FPF prolongar o contrato por mais dois anos. Infelizmente, Scolari acabou por fazer uma tristíssima figura no final do Portugal - Sérvia, ao tentar agredir um jogador adversário, e os quartos de final alcançados nesse Europeu acabaram por ser uma desilusão.

Os fracassos que Scolari acumulou após a saída da seleção ajudaram a alimentar a fama de mau treinador, expondo de forma perfeitamente clara os seus defeitos, numa realidade em que qualidades como capacidade de planeamento, organização e competência tática acabam por ter um peso completamente diferente do que no trabalho de selecionador.

Nos últimos anos, o nome de Scolari acaba por ser lembrado na comunicação social e nas redes sociais sobretudo pelos seus defeitos e quase nunca por aquilo de bom que conseguiu enquanto foi o nosso selecionador. Scolari é visto por muitos como alguém que teve um papel marginal nos sucessos, e por vezes como um empecilho que impediu os nossos jogadores de conquistarem o europeu de 2004 e o mundial de 2006. Como se fosse uma coisa perfeitamente natural Portugal vencer provas desta dimensão.

Na minha opinião, Scolari merece mais reconhecimento dos portugueses pelos resultados que conseguiu. A mais temível seleção que alguma vez tivemos não é apenas resultado da qualidade dos jogadores. O selecionador teve um papel importante que foi bem para além das ações de marketing e das ajudas das divindades que invocava.

40 comentários :

  1. Completamente de acordo. E é talvez o único selecionador de que tenho memoria que se mostrou totalmente imune às pressões clubísticas cá do burgo. Com ele e com o seu carisma e
    dedicação conseguiu uma total sintonia entre o povo e a seleção . Claro que não nos podemos esquecer do naipe de jogadores "de classe mundial" que desfilavam na equipa de todos nós, e que se revelou matéria prima de superior qualidade, nomeadamente a grande equipa do Porto de Mourinho Tínhamos um meio campo trabalhador 100% Porto , ao qual se juntava Figo e Pauleta. E na defesa Ricardo Carvalho (para mim o melhor central de todos os tempos na seleção portuguesa), entretanto trocado pelo Pepe rápido (a ser expulso) . Mas na seleção atual o sistema de utilizar sinergias dos elementos da mesma equipa é desbaratado pelo P Bento. Se ele aprendesse alguma coisa com o Scolari, veria que o Adrien seria sempre um elemento a testar no meio campo, juntamente com o W Carvalho. Mas Bento não é Scolari...infelizmente .para Portugal

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Convém perceber que não é só pegar nos jogadores de uma equipa e por a jogar... não há comparação possivel entre o meio-campo do porto (foi campeão europeu) com o do sporting.

      Eliminar
    2. É verdade que não há comparação entre o meio-campo do Porto de 2004 e o meio-campo do Sporting de 2014, mas não só Adrien tinha lugar no onze como havia o benefício do facto de jogar com William de olhos fechados. E a questão fundamental é que o William e Adrien são os melhores jogadores para a posição 6 e 8 que tínhamos.

      Paulo Bento podia ter aproveitado em benefício da seleção essa hipótese, mas preferiu insistir em Veloso e Meireles. Não foi o fator único que conduziu aos resultados que conhecemos, mas ajudou...

      Um abraço.

      Eliminar
  2. Scolari foi o melhor seleccionador nacional que Portugal teve. E não foi só pelos resultados.
    Pela 1ª vez o seleccionador pensou pela sua cabeça.
    Hoje o que a comunicação social portuguesa lhe está a fazer é uma vingança que está guardada desde há 10 anos. Scolari nunca "lhes passou cartão". Nunca lhes ligou, tirando-lhes poder. E isso irritou-os. São escória, abutres. E fazerem peças jornalísticas a relembrar as derrotas na final de 2004 (como se tivéssemos ido a muitas finais...), a agressão ao sérvio (ainda hoje penso que aquela atitude defendeu mais o sérvio que o Quaresma - imaginem que ele consegue agredir o Quaresmo?) e o descalabro no Chelsea (onde foi atrás do dinheiro), é de uma mesquinhez e pequenez que só se vê aqui neste burgo.

    É bom treinador? Não!
    Portugal teve 6 anos com alguém que pensava por ti. Os resultados foram os melhores de sempre. Coincidência? Claro que não. Oliveira, Artur Jorge e Queiroz (1994) também tiveram Figo, Rui Costa, Baía, Conceição, João Pinto, Jorge Costa, Couto, Domingos, Petit, Costinha, etc, e nada fizeram. Queiroz teve Deco, Pepe, Ronaldo, Coentrão, Ricardo Carvalho e nada fez também.

    Só outra nota Mestre: nos jogos entre o Mundial de 2002 e a contratação de Scolari para o comando da selecção, Agostinho Oliveira também não convocou Baía. A decisão já vinha de trás. Já agora, alguma vez a CS questionou a titularidade injusta de Baía na Coreia?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda estou à espera da explicação para a titularidade de Baia em 2002, depois do Ricardo amargar a qualificação. Tal com o a estranha lesão do Rui para dar lugar ao Beto.

      Noutra nota talento puro e capacidade tinha a selecção de 2000 essa sim a melhor de sempre, inclusive melhor que a de 66.

      Jogavam de olhos fechados sempre com jogadas bonitas, bola no chão, nunca, mas nunca bico para o ar, quase nem precisavam de seleccionador.

      Só foram parados pela melhor selecção do mundo da epoca a refinada França que era muito mas muito forte após ser campeã europeia, com Henry, Zidane, Vieira etc, perfeitamente ao nível da recente Espanha.

      Qualquer jogador do banco de 2000 era titular hoje em dia como o Pedro Barbosa ou o Sergio Conceição.

      Finalmente até o equipamento era mais bonito com camisola grená e calçao verde.

      SL

      Eliminar
    2. A selecção de 2000 era muito boa. Mas não tinha Deco e tinha 2 laterais que nunca foram jogadores de futebol, Dimas e Abel Xavier.
      A derrota com a França foi inevitável, pois era uma selecção enorme.

      2000 foi um excelente Europeu para Portugal.

      De equipamentos nem vamos falar... Se nem na nossa casa conseguimos fazer algo de jeito...

      Eliminar
    3. Cantinho tinha o Rui Jorge no banco para o lugar do máquina de café Dimas, quanto ao Abel não acho que fosse assim tão mau, embora no penalty tenha sido de facto parvo.

      Acho que o Rui Costa na selecção era superior ao Deco, embora este último tenha uma bola de prata que muita gente se esquece.

      SL

      Eliminar
    4. É verdade que em 2000 não tínhamos o Deco, mas não nos podemos esquecer que Figo, Rui Costa e João Pinto estavam no pico das suas carreiras e jogavam juntos de olhos fechados (já jogavam juntos há mais de 10 anos).

      De qualquer forma a carreira em 2000 foi muito boa - fomos eliminados à justa por uma França recheada de enormes jogadores. Nunca percebi a escolha de Humberto Coelho para selecionador mas tenho que admitir que fizemos uma carreira excecional.

      Um abraço.

      Eliminar
  3. Completamente de acordo.

    Acho uma piada a diminuirem o trabalho dos selecionadores como se fosse só aproveitar as bases e ganha-se por decreto. Scolari foi brilhante em Portugal, tal como Del Bosque em Espanha. Porque deixaram de inventar e aproveitaram as bases, tal como o Low.

    Agora Scolari não tem culpa de em 2001 ter Ronaldinho, Ronaldo, Roberto Carlos, Rivaldo etc e em 2014 ter de contar com Hulk, Bernard, Fred, Oscar e até Neymar, gente com pouca capacidade de virar jogos e partir para cima. Eu diria até banais. Claro que Scolari poderia ter escolhido outros jogadores mas quais? Que brasileiro brilha na Europa neste momento como game changer?

    Paulo Bento se fosse inteligente poderia ter aproveitado a empatia de jogadores que jogam juntos como Adrien, William e Cedric logo ai tinha meia equipa que se conhecia e que iria render mais. Claro que isso seria dar um grande destaque ao SCP enfim prefiriu ficar pela fase de grupos.

    Numa selecção o facto de os jogadores jogarem juntos num clube é uma vantagem que não se pode nem deve desperdiçar até porque este Sporting português de Adrien, William e Cedric combinado com Nani, Moutinho e Ronaldo seria muito forte.

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No arrentela jogam 10 portugueses. O PB podia ter aproveitado. Essa ideia de aproveitar o trabalho dos clubes é muito boa, mas repare que se fala sempre de clubes campeões europues nesse ano ou no anterior, não de um que nem competições europeias disputou.

      Eliminar
    2. De facto no campeão nacional português jogaram um camião de Servios juntos e mesmo assim não conseguiram levar a Servia ao mundial.

      Só por má-fé se pode achar que os jogadores do Sporting Cedric, Adrien e William não tinham lugar como titulares da selecção portuguesa.

      SL

      Eliminar
    3. Green Lantern, de facto atualmente o Brasil está longe de ter os super-jogadores que sempre teve desde que me lembro. Neymar é um grande talento, mas está ainda muito longe do calibre dos jogadores que exemplificaste. Ainda é novo, se tiver cabeça pode ser que daqui a 4 anos possa estar nesse ponto.

      Quanto a Adrien e William, estou perfeitamente de acordo. Não é o mesmo que o aproveitamento que se faz do Bayern, mas para a nossa realidade é o que existe - e é bem melhor do que aquilo que Bento optou por apresentar.

      Um abraço.

      Eliminar
  4. Creio que Scolari tem enorme reconhecimento dos Portugueses (como, aliás, dos Brasileiros, tendo sido campeão do mundo, e vencedor de duas Libertadores). Porque os Portugueses distinguem, (uns melhor que outros) paleio de resultados. E porque os portugueses não são confundíveis com os cães de fila do presidente do FCP, que dominam completamente a Sport TV e a RTP (de onde, por exemplo, conseguiram correr, entre outros, o saudoso Rui Tovar) nem com os operários da indústria do paleio desportivo, que têm o dever funcional de produzir controvérsia (que é um nome fino para m...). Como todos os treinadores, Scolari tem as suas qualidades e defeitos, sendo que uns às vezes são os outros. Mas é um treinador, não é um simpatiquíssimo relações públicas, um tipo giro, mas que aquilo que queria a sério era ser presidente do FCP, ou um excepcional professor de educação física perseguido, há 20 anos, pelo princípio de Peter. Daqui a 100 anos estaremos todos mortos, e Portugal terá, ainda, com Scolari, a primeira final e a segunda meia-final da sua história futebolística. SL! JPT

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso JPT, os resultados ficam na história. Para mim Scolari foi a pessoa certa no sítio certo, e aquilo que alcançou com a seleção portuguesa traduz precisamente isso. Um abraço.

      Eliminar
  5. ainda estou a rir as gargalhadas com a humilhação do sargentao!!! so foi pena a alemanha nao ter entrado na 2 parte com mais vontade para destruir por completo o brasil.. atenção que nao tenho nada contra o povo brasileiro nem contra os jogadores. agora contra o sargentao...desculpem mas nao consigo parar de rir!!!!!
    que alegria saber que daqui por 20,30,40 anos quando se falar desta meia final se vai falar quem era o burro do treinador!!!! ah ah ah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Posso perguntar o motivo pelo qual não gosta de Scolari?

      Eliminar
  6. A razão de tanta simpatia com o Scolari deve-se a ele ter hostilizado desde início o FCP. E não venham falar de hostilidade dos jornalistas contra o Scolari pois isso é uma redonda mentira. Perguntem-lhes quem foi passar férias com o Scolari depois do Euro 2004.
    O mito Scolari acabou. Já todos percebemos que a Nossa Senhora do Caravaggio não chega para tudo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hugo, não estou a ver que história foi essa das férias depois do Euro. De que se tratou?

      Eliminar
  7. Em relação ao Scolari, eu considero o seu trabalho globalmente positivo. Teve a coragem de não prestar vassalagem ao PC. E esta minha opinião não é influenciada pelo caso Baia, onde ele levou com o odioso da questão e se calhar nem terá sido o maior responsável nessa decisão. Mas também tinha uma abordagem às questões um pouco ultrapassada (era "bota-de-elástico"). Efectivamente teve resultados e no futebol é isso que interessa.
    Off-topic: para quando um Post sobre os novos craques? O novo-Messi que veio há tempos para o Porto, um novo novo-Messi que veio agora para o Sporting e um novo-Neymar que veio agora para o Benfica. Benfica que já tinha tido o novo-Pelé (Freddy Adu). Caro Mestre tem que falar disso, porque senão qualquer dia aparece um Blog chamado "Novo-Artista do Dia". Já há o "Novo Geração Benfica". Vá pondo as barbas de molho...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há também a versão de Scolari sobre o caso Baía, em que o veto terá sido imposto pela FPF devido ao guarda-redes ter servido de testemunha de António Oliveira num processo que opôs o anterior selecionador à Federação. Madaíl negou. Quem tem razão? Não sei...

      Em relação ao Novo Artista do Dia, tenho que ter cuidado... :) Mas por acaso já dei a minha opinião sobre o novo Messi do Sporting. Dispenso totalmente esse tipo de alcunhas, não trazem nada de bom nem para o jogador nem para o clube. Um abraço.

      Eliminar
  8. Mito ? para quem? eu sempre disse que o Scolari não era um bom treinador, mas um optimo condutor de homens, coisa diferente, Até afirmo que se Portugal no tempo de Scolari não tivesse bons valores (leia se jogadores) não conseguíamos ter cá o Sargentão mesmo que coberto de ouro. Ele veio porque bastava olhar para a matéria prima disponível e daí ver que havia farinha para muito pão. Agora todos sabemos que no fim jogavam 11 e rezava-se à N Sª Caravaggio à procura de milagres....o Paulo Bento fez o mesmo...mas rezava ao Santo Ronaldo !!! No fim, acho que o Filipão fez um trabalho grandioso, ao qual deve o povo português estar reconhecido. Mas já se sabe que há por aí muito ingrato mal formado...e no Brasil também não deve faltar :-). Contas antigas com a imprensa e os lobbys dá nisso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Toda a gente percebeu que Scolari não era um Mourinho, mas tinha outras qualidades que acabavam por servir para chegar aos resultados pretendidos. Um treinador também é um líder, e existem diversos tipos de lideranças. Scolari era muito bom dentro do seu tipo de liderança.

      O que acho curioso é que não me lembro de Scolari ser assim tão conflituoso com a imprensa para justificar este tipo de ajuste de contas por parte de certa imprensa.

      Um abraço.

      Eliminar
  9. Aderindo tema gostava de poder inserir aqui um comentário que fiz como leitor do Record ao artigo de opinião de hoje do Bruno Prata.

    "Mas o que é que o Bruno Prata já fez no futebol ou sabe verdadeiramente de futebol para vir assim destratar alguém que já venceu tudo o que havia para vencer? Scolari foi campeão do Brasil e do Mundo, venceu a Taça das Condeferações e a Libertadores com algum blusão azul? Ou levou Portugal aos melhores resultados de sempre com a Sra.Caravaggio? Parreira, mais um que já venceu tudo e alguns dos melhores jogadores do mundo também são um mito? Mortimore perdeu 7-1 numa época em que até se sagrou campeão.

    Um “opinion maker” que só prova que sabe muito pouco de futebol, para além de outras questões de índole mais pessoal que nunca deviam integrar qualquer artigo de opinião e como tal também não merecem qualquer comentário."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bruno Prata ?? então não é Bruno pechisbeque ?? é que o gajo a falar dá vómitos !!!opina sobre tudo e nem falar Português sabe !!!! é mais um novo profeta do futebol nacional, com um idioma muito próprio; "futebolês para atrasados mentais".Não tenho tanta paciência assim .

      Eliminar
    2. Poia azul por poia azul, prefiro o Manuel Queiroz, que parece (e soa como) o Pinto da Costa com um capachinho, e não tem vergonha de discutir em directo a expulsão do menino James, por saber que, na choldra que isto é, só os fracos é que ainda fingem. Já o Prata, um megafone do bufas a fingir que é um senhor jornalista, para mais vestido com as sobras do macaco, não me merece igual respeito. Ao ouvir esses "senhores" (e outros Lobos em pelo de cordeiro), um Sportinguista deve-se sempre lembrar qual o objectivo de quem os pôs lá e por lá os mantém. SL! JPT

      Eliminar
    3. Caro anónimo, não tinha lido este comentário quando fiz o post sobre Bruno Prata. Como não podia deixar de ser, estou totalmente de acordo com o que escreveu no comentário que deixou no Record. Um abraço.

      Eliminar
  10. Ainda mais triste, não fosse este destilar de tudo de mau na Confereção brasileira só a continuação de tudo de mau quanto também se disse sobre a FPF. E porque é que nos momentos menos bons é sempre mais fácil a qualquer um apanhar a onda da má língua? Porque só à crítica séria se exige sustentação, para dizer mal nunca é preciso justificar o que quer que seja.

    E longe de mim pretender negar qualquer coisa menos positiva na FPF. A ser assim nunca tinham agradecido como agradeceram ainda há pouco tempo a quem revolucionou e pôs literalmente as selecções portuguesas no mapa do futebol mundial, com dois títulos mundiais nas camadas jovens que comandou durante uma década ainda do séc. passado. De regresso em 2008 para voltar a ordenar uma casa abandonada pelo mesmo Scolari e que o Carlos Queiroz sabe como poucos tudo o que é preciso. Talvez nesta fase fizesse mais falta ainda como dirigente para correr definitivamente com quem tanto lhe agradeceu.

    E também nunca se tinha chamado para quem nunca houve sequer dinheiro e basta ver a forma como foi organizada a fuga ao fisco, não saiu de certeza da cabeça de nenhum brasileiro. Só que antes de se começar a criticar importa conhecer os contratos para saber o que foi pedido a um e a outro.

    Independentemente dum país pequeno e pobre e ainda assim não há obrigação nenhuma dos clubes apostarem no jogador português. A Scolari só lhe pediram resultados e na verdade ele conseguiu os melhores de sempre. Já o que foi pedido a Carlos Queiroz requeria muito mais tempo mas também volta a ser mais fácil falar da revolução operada pelo país mais acolhedor da Europa e por essa via, para além dos 80 Milhões ainda beneficia de mais de uma dezena de culturas nas selecções.

    E importa e de que maneira dizer que essa revolução importou mais recursos numa década que Portugal tem capacidade para gastar num séc. e depois vamos em digressões em vésperas de campeonatos do Mundo para ver se pagamos um alojamento que normalmente os alemães até constroem de raiz.

    Com tanto trabalho que há para fazer na FPF importa é fazer rolar cabeças e sobretudo voltarmos às convocatórias dos “melhores do momento” (?), com quem não cheirámos uma fase final durante para aí 30 anos. Até podia ser uma comédia, não fosse o caso de por vezes quem está de fora conseguir ver o que estes grandes críticos nunca vão conseguir alcançar. Com o Quaresma e com o Bébé é que era! E com o Ronaldo do Mundial na fase de apuramento também se tinha poupado muita tinta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo, concordo que a forma como a FPF deixou cair Queiroz foi vergonhosa. Não posso no entanto dizer que tenha ficado chateado com a sua saída do cargo de selecionador.

      Não faz sentido o selecionador A ser considerado o responsável por todas as seleções. A sua continuidade está demasiado dependente daquilo que se passa na seleção A. A FPF deveria ter uma estrutura responsável por todas as estruturas jovens, independentes das ideias do selecionador principal. Não vejo Paulo Bento com perfil para ser o responsável máximo das seleções jovens, bem como Scolari também não era.

      Um abraço.

      Eliminar
  11. Quem tem mas idade (como eu) lembra-se que a tradição em Portugal era a de não classificarmo-nos para as competições importantes. Fomos ao mundial de 1966, voltámos em 1986 e depois apenas em 2002. Com os europeus era também o mesmo (em 1984 fomos ao europeu com um golo muito duvidoso sobre a URSS, porque o europeu era em França e Portugal era muito mais apetecível que a URSS. Depois fizémos um bom campeonato).

    Sempre tivémos bons jogadores, mas as guerras entre os clubes e a sua capacidade de influenciar a federação e o selecionador sempre foi gigantesca.
    Na hora de fazer a seleção perguntámos sempre "a que clube pertences?" e não "és o melhor na tua posição?". A imprensa e agora a net aumentam ainda mais esta nossa maneira de ser.

    Este estado de coisas apenas mudou quando os melhores jogadores começaram a jogar no estrangeiro. Infelizmente, esta situação alterou-se novamente e agora apareceu uma nova pergunta " quem é o teu empresário?".

    Num país em que já tivémos e convivemos alegremente com um trio como seleccionador/treinador, tudo é possível, mas normalmente os treinadores são simples marionetes de poderes maiores.

    Por isso, a vinda do Scolari fora deste esquema e com prestigio de ter sido campeão do mundo, mesmo antes, permitiu-lhe alguma independência que não foi do agrado dos clubes (e daqueles que parasitam à sua volta - imprensa) e dos empresários (então ainda uma força embrionária).

    A vinda de alguém com as características do Scolari (não me refiro ao fato de ser ou não ser bom treinador) foi um evento que penso irrepetível, porqunto os poderes instalados e a sua correlação deforças nunca o permitirá. Permitiu alguns dos nossos melhores reusltados de sempre e acho que tão cedo não iremos a asssitir a isso.

    SL

    PS: faz-me confusão ouvir o António Oliveira a debitar doutrina sobre a selção quando ele foi um dos corresponsáveis por uma das nossas tristes páginas, o mundial de 2002

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. AMendes, sem poder recuar tanto tempo atrás, realmente o clubismo com que se encara os assuntos da seleção é algo que sempre aconteceu desde que me lembro. Admito que não sou melhor nesse departamento, pois incomoda-me muito mais ver jogadores do Sporting que, no meu entendimento, têm lugar nos convocados e que são excluídos, do que se acontecer o mesmo a jogadores de outros clubes.

      Mas infelizmente sempre fomos habituados a este tipo de cultura no momento de escolher os vários cargos da FPF. A forma como as associações regionais sempre cozinharam listas em função das amizades e interesses, pouco ligando à competência dos indivíduos que lá colocavam, não pode deixar qualquer confiança ao comum dos adeptos em como os interesses nacionais estão a ser defendidos.

      E Scolari foi de facto uma pedrada no charco, nesse sentido. O que provocou o desentendimento com o Porto só ele saberá (e não estou a dar-lhe ou a tirar-lhe razão no diferendo), mas a verdade é que só um jogador acabou por ser vítima: Baía. De resto foram muitos os jogadores do Porto que foram sendo convocados por Scolari, sem qualquer vestígio de favoritismos para jogadores de Sporting e Benfica.

      Um abraço.

      Eliminar
  12. No relatorio e contas do 1º semestre da epoca anterior (é so pesquisar), o benfica declarou que detinha 100% do passe do oblak... ora, agora fala se que o benfica (se vender pela clausula de 20 milhoes) so vai arrecadar 16 milhoes referentes a 80% do passe que detem..o problema é que desde o relatorio do 1º semestre da epoca passada que dizia que detinha 100%, nos relatorios seguintes nao ha nenhuma referencia a venda, cedencia, alienação, chamem o que quiser, dos 20% que faltam.... tambem gostava de ver estas situações descortinadas e investigadas pelas autoridades mas tambem pela comuniação social rasca deste pais...
    e por aqui alguem faz ideia onde param os 20% do passe?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. comissãozinha orelhuda ?

      Eliminar
    2. Se é assim, muito provavelmente o jogador renovou quando regressou à Luz e ficou com 20% do passe.

      Eliminar
    3. A cláusula alguma vez chegou a ser pública? Mas é verdade que €16M é um número pouco redondo para cláusula de rescisão, é bem possível que o jogador tenha ficado com parte do passe.

      Eliminar
  13. É profundamente lamentável que muitos dos melhores treinadores do Mundo estejam ao serviço das selecções quando poderiam e deveriam estar ao serviço dos clubes.

    Este açambarcamento de grande treinadores (Lippi, Capelo, Hiddink, Van Gaal, Hitzfeld, Del Bosque, Trappatoni, Hodgson, e muitos outros nos últimos anos) deu-se essencialmente por as federações não gastarem com contratações e salários de jogadores, podendo gastar milhões em seleccionadores que não precisam de fazer literalmente nada durante grande parte da época.

    Os dirigentes dos clubes são os grandes culpados que se deixam comer de cebolada cedendo os jogadores às selecções praticamente ao preço da chuva.

    Este é mais um argumento que se enquadra na minha teoria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Superleão, se calhar, a partir de uma determinada altura da sua carreira, os treinadores acham cómodo passarem a ser selecionadores. Trabalham a sério dois ou três meses por ano, o resto é ir vendo uns jogos de vez em quando... Uma bela reforma antecipada. :)

      Eliminar
  14. Na maior parte dos países da Europa dirigentes de uma Federação que contratam um treinador já com o propósito de lesar o Estado, com um pacote de fuga ao fisco, vão parar à cadeia. Mas diga-se de passagem que no plano desportivo alguma coisa devem ter feito bem porque a maioria dos países da Europa com a dimensão de Portugal também está presente em fases finais quando o Rei faz anos. Talvez a excepção seja mesmo a Holanda, onde há uma boa formação.

    Para a maior parte dos críticos o Ronaldo até podia estar 1 mês parado porque não fazia diferença nenhuma. Chegados à fase final e depois do jogo contra a Alemanha foram todos a correr tirar uma especialização em climatologia. No 2º jogo, em plena Amazónia, organizou-se um jogo já com a obrigatoriedade de interrupção para hidratação, onde houve inclusive registos de alucinações!? E no fim até tinham bastado as mesmas benesses que deram aos alemães no 1º jogo, penalti e expulsão. Aliás, no grupo de Portugal e os africanos do Gana, não fosse o Saltilo deles e até mereceram de longe o apuramento logo nos dois primeiros jogos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo, a ser verdade essa história da fuga ao fisco, é uma autêntica vergonha. Um abraço.

      Eliminar
  15. Scolari,

    Treinador muito fraco, com a sorte de ter estado na altura certa com os jogadores certos... Quando é necessário reinventar uma equipa, ou demonstrar saber táctico, é um 'flop'...

    No entanto parece-me um mediano motivador, e por isso conseguiu alguns resultados importantes...

    Quanto ao resto já disseram tudo e mais alguma coisa antes de mim!

    P.S. - Ainda aguardo pelas conclusões das "análises", por parte dos membros da FPF, sobre o descalabro que foi a participação portuguesa no Mundial 2014... Já alguém sabe alguma coisa?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. YaZalde, neste caso não estamos de acordo... :) Mas também aguardo com expetativa o relatório sobre a nossa participação neste mundial... Um abraço.

      Eliminar