segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Culpados procuram-se!

Seguramente que o empate alcançado pelo Sporting em Coimbra não foi a estreia que nós esperávamos, e é natural que estejamos desalentados por estarmos a perder pontos logo na primeira jornada, contra um adversário nitidamente inferior. 

É normal que procuremos procurar culpados pela forma como acabámos por deixar fugir a vitória ao cair do pano, num jogo que desde os primeiros minutos parecia estar totalmente controlado. Pessoalmente, penso que a vitória não nos escaparia caso a parte do cérebro que zela pelo instinto de auto-preservação de alguns jogadores não tivesse tirado férias. Outros acham que o problema é mais estrutural e que tem a ver com a falta de qualidade de plantel (diretamente ligado ao facto de a direção não ter conseguido contratar jogadores que tivessem qualidade para entrar diretamente no onze), e há também quem culpe Marco Silva pelo sucedido (uns limitando-se a registar que o treinador não mexeu na equipa em tempo útil, outros já sentenciando que Marco Silva é um erro de casting e que vai desfazer tudo aquilo que Leonardo Jardim construiu).

Parece-me que não é justo estarmos a imputar as culpas do empate ao treinador, e muito menos estarmos já a duvidar da sua competência.

Tivesse Carrillo, desgastadíssimo após 90 minutos de grande intensidade e brilhantismo, decidido afastar a bola da área em vez de a colocar em Paulo Oliveira, e não estaríamos a discutir nada disto. Tivéssemos tido a eficácia concretizadora que nos acompanhou em grande parte da época passada, e teríamos saído de Coimbra com uma goleada no bolso. Se não fossemos obrigados, por culpa própria, a jogar em desvantagem numérica durante 25 minutos, e muito provavelmente a história da partida teria sido outra.

Estarmos ao fim de um jogo a concluir que um treinador não serve é absurdamente prematuro, e também não fazem sentido as comparações com o arranque de temporada de Leonardo Jardim - quem quiser fazer algum tipo de comparação, então que compare este jogo com os que fizemos na segunda volta da época passada, e não com o arranque de 2013/14, quando os adversários ainda não nos levavam a sério.

Pode-se discutir que os reforços não servem (o que também é prematuro dizer), mas pelo que vi até agora Marco Silva está a tentar a colocar a equipa a jogar mais à grande, é verdade que correndo mais riscos, mas procurando evitar que o nosso futebol se torne previsível e mastigado.

É claro que podiam ter sido tomadas outras opções após a expulsão, mas não foi por aí que desperdiçámos pontos. Os extremos foram incansáveis no apoio aos laterais, e não seria por tirarmos um extremo para colocar um médio que iríamos impedir que a Académica tentasse explorar os flancos e os cruzamentos para o meio da área quando via os caminhos bloqueados. Para além disso, esses mesmo extremos, em inferioridade numérica, criaram excelentes ocasiões de golo que podiam ter arrumado com o jogo. 

Também não foi por Esgaio não estar no banco que o jogo acabou como acabou - e Marco Silva não podia adivinhar que Cédric, um dos jogadores com mais pulmão do onze, se iria lesionar. E Rosell até fez bem a posição - não me lembro de a Académica conseguir criar grandes desequilíbrios pelo nosso flanco direito.

Da mesma forma que achei que devíamos ter muita calma para não entrarmos em euforia após o brilhante arranque do ano passado, também acho que é totalmente prematuro entrarmos em depressão por causa deste empate. Gostei imensamente mais destes 90 minutos do que os 45 minutos da primeira parte com o Gijón, em que tivemos uma equipa amorfa incapaz de desequilibrar no ataque - isso sim, deixou-me preocupado. Estes jogadores, com a vontade que demonstraram em Coimbra, proporcionaram-nos bons momentos de futebol e mandaram totalmente no jogo enquanto estivemos com onze jogadores. De uma forma geral o jogo mostrou bons indicadores, que infelizmente acabaram por ser abafados por erros individuais perfeitamente evitáveis. 

Em condições normais, com aquilo que jogámos, esta vitória não nos teria escapado. Isso parece-me um indicador muito relevante que não deve ser menosprezado. Continuo a pensar que Marco Silva é o homem certo no lugar certo. É preciso dar-lhe tempo e não é ao fim de um jogo oficial que se podem tirar quaisquer conclusões definitivas.

23 comentários :

  1. o único "dedo" que aponto a Marco Silva durante o jogo - e estando lá no estádio mais confusão me fez - foi aquando da entrada do Paulo Oliveira. Tanto, mas tanto tempo que o Paulo Oliveira esteve para entrar. Pareceu claramente que quer M.Silva, quer o adjunto ficaram ali uns minutos "aos papeis" aguardando algum desenvolvimento. Foi a única sensação que tive de algum nervosismo do treinador.
    De qualquer maneira, este jogo não belisca de maneira alguma a confiança que temos de ter no treinador. Para sermos já "coveiros" no cemitério de treinadores que o Sporting é apelidado, não contem comigo!
    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Liga dos Mancos, houve de facto algumas hesitações, mas há uma possível atenuante para essa espera: é normal que, tratando-se da última substituição que tinha para fazer, Marco Silva quisesse perceber o que iria a Académica fazer - Paulo Sérgio ainda tinha 2 substituições. Um abraço.

      Eliminar
  2. Concordo não o campeonato não acaba hoje.

    O inicio foi fora de casa o que acarreta dificuldades acrescidas. O empate da Académica foi fruto da sorte é um facto. Se Montero estivesse mais inspirado teria marcado o 2 a 0 e acabava o jogo.

    Foi pena a birra do Slimani.

    Agora há que ganhar o próximo jogo e tentar obter um resultado positivo com o lampiões.

    SL

    ResponderEliminar
  3. Volto a repetir a mesma tecla uma equipa que não vence a Académica não vai ser campeã nacional.Pelo sol,pela chuva,pelo vento ou pela bola o Sporting simplesmente não teve capacidade para vencer a Académica e como tal não me iludo.

    Uma equipa que quer ser campeã e fazer uma boa figura na Champions tem de ter um treinador a pôr a equipa a jogar o dobro do que jogou em Coimbra.Não jogou e como tal veio o empate aos 90+1 .Veio aos 90+1 porque a Académica é uma equipa vulgar e em construção porque se fosse com uma equipa melhor e empate surgiria mais cedo.

    Não me importa de ser críticado como um arauto da desgraça mas a mim não me enganam com facilidade.Esta equipa é limitada para as competições em que vai estar envolvida e como não tem meia dúzia de jogadores acima da média não vão faltar desgraças para os nossos lados como aconteceu em Coimbra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em condições normais, eu até concordaria consigo em relação ás obrigações do treinador.
      Tendo em conta as condições que ele tem, quer em geral , quer o contexto especifico desta semana, não me parece que seja justo imputar-lhe as responsabilidades todas (longe disso).

      Eliminar
    2. Então explique-me como o Jesus foi campeão no ano passado, quando começou com uma derrota na Madeira, contra o Matítimo que ficou a 4 pts dessa tal Académica.

      Viva a Internet, em que se podem bojardar falácias ridículas como verdades absolutas!
      Descansa que não és criticado por ser arauto da desgraça, mas simplesmente por seres exagerado e ignorante...

      Eliminar
  4. André Carrillo marcou um golo a favor do SCP e deu a marcar o golo da Académica. É, por isso, ele, literalmente, "o responsável" pelo empate, não Marco Silva, nem mais ninguém (quanto muito, partilha culpas com o William, que veio das férias numa forma física vergonhosa, e com o gajo da Académica que meteu o passe do Carrillo na nossa baliza). Foi um golo que resultou de um erro que seria inaceitável num jogo entre miúdos num pátio. Entre omitir a participação do Carrillo no lance, como fez o Lobo (estragava-lhe a "narrativa"), ou dizer que foi o "cansaço" que o levou, ao minuto 91', a passar um "balão" para o meio da área, venha o diabo e escolha. O certo é que, época após época, Carrillo demonstra que é um jogador incompetente, que tem técnica e velocidade, mas a quem falta a capacidade de estar concentrado e motivado durante o tempo que dura um jogo de futebol. E nós continuamos a desculpar-lhe tudo como fosse um miúdinho engraçado (eu inclusive, até ao minuto 91', mas, pronto, já não o via há um par de meses). Não vale a pena, somos assim... O Sportinguista médio ainda hoje defende que o Simon Vukcevic era um génio perseguido, e não um cidadão com limitações intelectuais que jamais o deixariam ser (como, aos 28 anos, ainda não é) um profissional de futebol, por muito boas que fossem as suas condições físicas e técnicas. SL! JPT

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. JPT, não estou de acordo. Carrillo cometeu um erro mas fartou-se de jogar à bola. Construiu várias situações de golo que nos poderiam ter dado a vitória caso outros jogadores não tivessem falhado na finalização.

      Carrillo fez um jogo de grande esforço, esteve sempre a apoiar o lateral direito, não desistiu dos lances. Teve atitude e empenho durante todo o jogo, o que é de louvar.

      Se tivermos este Carrillo durante a maior parte da época, será uma grande notícia.

      Um abraço.

      Eliminar
  5. Há uma coisa que o treinador não controla...a tomada de decisão dos jogadores. E houve um que no meu entender foi dos mais culpados pelo empate...

    http://treinador-adjunto.blogspot.co.uk/2014/08/heldon.html?m=1

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, Alessandro. Escrevi precisamente isso após o jogo. O Heldon teve por duas vezes oportunidade para assistir para golo, e tomou a pior decisão possível em ambas as ocasiões - então a que está nesse link é aberrante. Até eu fazia melhor. Um abraço.

      Eliminar
    2. É a grande falha no 11 actualmente. Não há um 2o extremo que dẽ garantias (e não sabemos até quando vamos ter "este" Carrillo).

      Eliminar
  6. Culpar Carrillo pelo empate, quando este extremo está dentro da sua área em funções defensivas, juntamente com 1 trinco e 3(!?) centrais é brincar com a inteligência das pessoas. Primeiro o jogador da académica não remata de primeira, ainda se entretém com a bola à frente de mauricio, Paulo Oliveira e rossel. Segundo achar que o impedimento de jogarem 2 titulares da ultima época - que não viram entrar reforços que lhes roubam a titularidade - não enfraqueceu a equipa, é pura demagogia.
    Juntemos a isto o facto de estarmos a sofrer golos nos últimos minutos dos últimos jogos e tirem conclusões.
    Pois, a culpa deve ser do Carrillo. Só pode!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mordoga, se Alvalade o assobia como fez na época passada com o Estoril, acabamos com ele. Espero que os sportinguistas tenham bom senso. Um abraço.

      Eliminar
  7. Tinha um comentário com 10000 caracteres e pufff... foi ao ar mesmo antes de postar...

    Assim, resumindo:

    - Carrillo - de longe o melhor. Para além de dar espectáculo, teve na origem de mais de 90% dos lances perigosos de ataque. Sobre o lance do golo da academica, o Mordoga disse tudo... só não percebi o porquê de escrever os nomes do Maurício e do Rosell em minúsculas;
    - André Martins e Montero devem ser substituídos por João Mário e Tanaka. Para além de Esgaio e Rosell, estas seriam as outras alterações que eu faria para o jogo com o Arouca.

    (Não conheço bem o Rui Pedro da académica, mas a ser aquele o seu nível exibicional médio, então talvez a sua contratação mereça a ponderação dos nossos dirigentes e treinadores).

    (não gostei da exibição e muito menos da falta de concentração do William, mas aposto numa grande época dele vestido de verde e branco... ah, senhor presidente, talvez esteja na hora de lhe aumentar o salário?!?)

    Sobre acreditar ou não acreditar: como bom Sportinguista, nesta fase da época tenho quase 100% de certeza que seremos campeões (é assim desde há 35 anos, foi assim o ano passado quando quase ninguém acreditava, e será sempre assim...)

    Para mim, isto é o Sporting: acreditar que seremos campeões.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Migas, também acho que a direção deve dar um aumento considerável ao William quando fechar a janela de transferências.

      Duvido que o André Martins e o Montero sejam substituídos pelo Tanaka e pelo João Mário. Infelizmente não estou a ver Tanaka como o homem certo para jogar sozinho lá na frente, e João Mário ainda não mostrou mais que André Martins. Mas é verdade que as exibições de Montero e Martins em Coimbra foram insuficientes para o que se exigia.

      Um abraço.

      Eliminar
    2. migas, as minúsculas foram apenas por falha da minha parte, nada de intencional. São nomes pessoais, logo devem ser sempre escritos com a primeira letra em caixa alta. Abraço

      Eliminar
  8. É importante procurar as respostas ao que aconteceu em jogo. Certamente que não vamos marcar um golo por cada ocasião criada e certamente que iremos voltar a ter jogadores desgastados aos 90 minutos, não devemos nos esconder atrás do que poderia ter acontecido mas olhar para o que aconteceu. Devemos analisar sim a exibição da equipa e a performance dos jogadores, e ai, gostaria deixar alguma perguntas no ar.

    Em relação à direção:
    Não podemos esconder que uma das razões para o fracasso deste jogo foi devido à direção. nomeadamente na proibição em jogar de Rojo e Slimani.

    Em relação a Marco Silva:
    Ao contrário do que foi visto na época passado, apesar do nosso foco de jogo continuar a ser pelas laterais (um problema que só se resolve com um jogador de qualidade superior a André Martins), agora vê-se um jogo mais interior de entendimento dos extremos com os nossos médios mais recuados, ao invés de jogar com os laterais como víamos no passado. Mas não creio que esteja a resultar, a equipa está a perder demasiadas bolas em zonas de risco.(exemplo da expulsão do William).
    Também me parece que a defesa está demasiado subida expondo as fraquezas individuais dos jogadores, coisa que Leonardo Jardim evitou de forma exemplar.

    Outra razão para a fraca exibição foi a equipa estar "manca", Heldon não tem qualidade para integrar para o nosso plantel, muito menos o 11.
    Na minha opinião não.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo com a questão do Heldon, Barack. Quanto às questões sobre o maior risco estamos a correr na construção, é verdade, mas também é necessário. O modelo de jogar pelo seguro de Leonardo Jardim estava esgotado e era preciso encontrar alternativas.

      Em relação à questão de Rojo e Slimani, não estou a ver o que é que a direção poderia ter feito. Tanto quanto vejo foram os jogadores que tomaram uma posição inaceitável ao se recusarem a treinar, o que não pode ser tolerado sob qualquer pretexto. E se os deixássemos sair pelos valores oferecidos também não os teríamos em Coimbra.

      Um abraço.

      Eliminar
  9. Um extremo na sua própria área passa a ser um mentecapto incapaz de chutar uma bola para canto? Algum dos defesas do SCP podia razoavelmente prever que aquela bola ia ser passada pelo Carrillo para um tipo da Académica que estava o meio da área? Estávamos reduzidos a 10 jogadores, já nos descontos, claro que toda a equipa está na área em funções defensivas. Onde é que havia de estar o Carrillo? A única maneira mais objectiva de alguém ser responsável por um golo, do que foi o Carrillo, é marcá-lo (que foi o que ele fez antes, na baliza certa). Irra, até o Carrillo sabe a m...a que fez - é só ver a atitude dele a seguir ao golo! Tudo o resto - "coitadinho estava cansado", "coitadinho estava à defesa" "coitadinho estava a fazer um jogo tão bom" - são desculpas (ou justificações, que é mais bonito), para mais uma paragem cerebral do rapaz. Essas desculpas formam a essência da nossa relação com o Carrillo (como foi com o Vukcevic, ou com tantos outros génios incompreendidos que sairam do SCP para o anonimato). PS: não fui ao link acima, mas de certeza que o jogador mais culpado de "más tomadas de decisão" foi o Heldon. Mas, lá está, mesmo assim não passou uma bola para o adversário dentro da nossa área, apenas na área deles. JPT SL!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E desperdiçar um golo feito não é igual a oferecer um golo? É que o heldon não estava cansado, nem com 10, etc. Esse é que não tem desculpa! E foi um golo feito e outro que devia dar em golo não fosse a sua burrice. É o nosso Bebe...

      Eliminar
  10. O Tiago Llori foi emprestado ao Bordeaux.É claro que quem só se preocupa com ambições materiais não se importa de correr o mundo ou melhor os bancos do mundo...já deve ter calos no rabinho.

    O Carrillo objectivamente contribuiu para o empate da Académica mas seria redundante culpar o rapaz pelo resultado.A equipa marcou, depois descansou,adormeceu e caiu da "cama", depois l aconteceu o inevitável,o empate justo da Académica.

    Empate com sabor amargo ?,claro que sim ainda por cima nos descontos.Surpresa ?,nem pensar ,é um filme habitual.Felizmente que não vieram com a história mil vezes repetida do levantar a cabeça !....

    ResponderEliminar
  11. Mestre, o dilema do Sporting é precisar de reforçar a equipa com elementos para todas as posições - dado que o plantel que vinha da época passada era curto - e ainda acrescentar elementos que fizessem a diferença; os tais reforços que entrassem de caras na equipa. Fazer isso tudo num ano e sem dinheiro era um "milagre". É claro que há as palavras dos responsáveis do clube a falar em títulos e podemos achar-nos enganados, porque o plantel não tem uma qualidade correspondente com a ambição dos dirigentes. O que acontece é que estes querem fazer muitas coisas ao mesmo tempo, porque eles também querem ganhar e o Sporting está há demasiado tempo sem ganhar. Além de que para se aumentar as receitas não se pode ter um discurso de coitadinho, porque depois os adeptos e os patrocínios não correspondem.

    Ainda é cedo para dizer taxativamente que nenhuma das contratações irá ser titular. Há alguns titulares que vêm da época passada que se estão a por a jeito para ir para o banco e lá ficarão, e escuso de referir nomes. Agora se os novos nomes são mesmo do nível que o Sporting precisa, isso é outra conversa.

    E o Sporting há muito que precisa de jogadores com outro nível. Se formos a ver, tem sido esta a nossa situação há décadas. Nos últimos 30 anos só por duas vezes, e em ciclos curtos, tivemos grandes equipas: de 1993 a 1995 e de 1999 a 2002. Portanto, este problema tem "barbas", quanto mais agora em que ainda não há muito tempo estávamos numa situação financeira de ruptura.

    ResponderEliminar
  12. Carrilho foi o melhor jogador em campo. Se durante a época mantivesse esta bitola, no final da época meia Europa andava atrás dele. Não me parece justo que um extremo que faz um grande jogo e que ainda por cima aos 90 minutos de jogo se esforça por vir ajudar os colegas na defesa e é infeliz no lance (é preciso ver que depois de ele tocar na bola ainda houve mais 3 toques!!! ) seja culpado do resultado. No próximo jogo estarei em Alvalade a apoiar a equipa e aplaudir Carrilho pelo excelente jogo em Coimbra. SL

    ResponderEliminar