terça-feira, 30 de setembro de 2014

A guerra dos fundos e o império contra-ataca

                                                                                                                                            
Shame on you, comentadores portugueses

No dia 14 de agosto, o Sporting anunciou a decisão de dar como anulado o contrato com a Doyen por Rojo. Foi o culminar de um processo que envolveu uma troca de acusações e ameaças entre clube e fundo, deixando a Doyen definitivamente de fora no negócio da venda do jogador argentino ao Manchester United.

As reações imediatas dos nossos comentadores foram as esperadas - assumiram praticamente todas as dores da Doyen, referindo que:

1. O Sporting não pode rasgar contratos sem consequências, chegando-se ao ponto de comparar esta situação com a de um cliente que chega a um banco e diz que rasga o contrato de empréstimo da casa;

2. Ao repudiar a Doyen e fundos semelhantes, o Sporting está a desperdiçar uma valiosa ferramenta que lhe permitiria tornar o seu plantel mais competitivo.

Em relação ao primeiro ponto, a comparação é infeliz. Um cliente pode chegar ao banco e dizer que o contrato fica sem efeito - desde que devolva o dinheiro que ainda está a dever e pague a penalização prevista no contrato. Se não pagar, fica sem a casa. Depois, porque num típico empréstimo para compra de casa, o banco limita-se a cobrar as prestações que estão contratualmente previstas, ou seja, não anda a exigir ao cliente que venda a casa ou que pague prestações mais elevadas do que o previsto. Se o cliente cumprir as suas obrigações não terá quaisquer problemas com o banco.

Acontece que o Sporting não era obrigado a vender Rojo. Tanto quanto se percebeu pela troca de comunicados, existiam cláusulas que obrigariam o Sporting a indemnizar a Doyen caso não vendesse Rojo ao fim de um determinado período, ou caso não aceitasse vender o jogador acima de uma determinada verba - mas no limite, vender ou não vender seria sempre uma opção que cabia ao Sporting tomar, tendo depois que viver com as consequências dessa decisão em função das cláusulas definidas contratualmente.

O Sporting explicou que deu como anulado o contrato porque a Doyen cometeu pressões indevidas para vender o jogador, algo que é proibido pela FIFA. Mas infelizmente, mais uma vez, foram pouquíssimos os comentadores que tentaram analisar o caso pela perspetiva do Sporting. É natural, pois trata-se de um hábito que a maior parte dos nossos experts enraizou há muito - desvalorizar qualquer iniciativa que o Sporting tome.

Bruno de Carvalho não se poupou a esforços para divulgar a posição do Sporting em relação a este caso e ao papel dos fundos em geral. Foi ouvido por órgãos de comunicação social de todo o mundo. Mas por cá, o que se continuava a ouvir era que Bruno de Carvalho, ao preferir "demonizar" os fundos, estava apenas a prejudicar os interesses do próprio clube - já que estaria a fechar a porta à "ajuda" dos fundos para tornar o plantel leonino mais competitivo.

Não estou a dizer que algumas das observações desses comentadores não tenham alguma razão de ser, mas foram poucos aqueles que se deram ao trabalho de tentar analisar aquilo que é realmente o cerne da questão. Felizmente que a imprensa internacional soube fazer a abordagem certa ao problema - nomeadamente colocando o enfoque na falta de transparência sobre a constituição dos fundos e os riscos que a indústria do futebol corre quando os clubes passam a ser reféns de entidades desconhecidas, que foram conquistando uma influência cada vez maior, e sem que se conheçam os nomes e os reais objetivos que se escondem atrás das fachadas criadas pelos Nélios Lucas da vida.

Cerca de 45 dias depois de o Sporting ter decidido anular o contrato por Rojo com a Doyen, a FIFA e a UEFA anunciaram a decisão de impedir a copropriedade de passes com jogadores. Não sou ingénuo ao ponto de pensar que foi o caso Rojo que forçou as entidades internacionais a tomar esta posição, mas é indesmentível que foi o Sporting que colocou este tema na atualidade internacional (bem mais do que por cá), acabando por ajudar a preparar o terreno para que a FIFA e UEFA concluíssem finalmente um processo de tomada de decisão que já se arrastava há sete anos.


O império contra-ataca

Ontem, Nélio Lucas deu uma entrevista à Bloomberg em reação à decisão da FIFA e da UEFA, procurando passar duas ideias fundamentais:

1. Acabar com os fundos é uma forma de proteger os clubes mais ricos;

2. A Doyen encontrará sempre uma forma de contornar as proibições que a FIFA e a UEFA imponham, através da criatividade dos seus advogados (!).

Em relação ao 1º ponto, há de facto uma questão fundamental de concorrência, mas não é essa. No caso do futebol português, não é pelos fundos que passaremos a conseguir competir com os tubarões europeus. Com ou sem fundos, não conseguiremos competir com eles. Eventualmente alguns atletas deixarão de vir para cá, é verdade, mas os clubes portugueses sempre tiveram bons jogadores mesmo sem a ajuda dos fundos.

Cada vez há mais jogadores de qualidade em todo o mundo. O número de ligas e clubes não anda a aumentar. Ou seja, continuarão a haver jogadores disponíveis para vir para Portugal. O Real Madrid, o Barcelona, o PSG, a Juventus, o Manchester City, o Manchester United, o Chelsea, o Arsenal e o Bayern não podem ter plantéis de 80 jogadores. Escolherão os melhores, e sobrará muita qualidade que se espalhará por outros clubes, em cascata, até chegarem a Portugal. E é também uma questão da prospeção dos clubes portugueses voltar a funcionar de forma independente dos interesses destes "parceiros".

A grande questão da concorrência é outra. A partir do momento em que um clube numa liga opta por trabalhar de forma muito aproximada com fundos, todos os seus rivais internos passam a ter um problema: ou ficam automaticamente numa posição de desvantagem, ou acabam por ter que seguir o mesmo caminho.

Quanto à questão da criatividade dos advogados, parece mais uma questão de bazófia de Nélio Lucas. Essas coisas não se anunciam, praticam-se. E colocar a FIFA e a UEFA de sobreaviso não me parece a estratégia mais prudente. Na Premier League conseguiu-se um sistema que aparentemente tem funcionado. Será que a UEFA não conseguirá implementar algo semelhante?

42 comentários :

  1. http://www.ojogo.pt/Internacional/Portugueses/interior.aspx?content_id=4151339

    ResponderEliminar
  2. Boas Mestre! Um belo post sobre os FdI, ao contrário de outros na blogosfera leonina que apenas servem para "atacar" de forma camuflada a gestão do BdC e não vão ao cerne da questão. Lá está, "somos os nossos próprios inimigos", mas é triste ler determinadas coisas...

    Escrevo aqui o que já tinha escrito num certo blog, é a minha opinião, que até é igual à tua Mestre:

    Os empresários sempre existiram e irão sempre existir! Mas nos últimos anos assistimos ao fenómeno dos FdI que vieram alterar completamente o cenário do futebol a nível mundial. Vejamos o caso FCP: com a equipa miserável que tinham o ano passado (Licás e C&Lda), se o futebol seguisse o seu curso normal (tipo 10 anos atrás), iriam demorar praí uns 2 anos a ter novamente uma equipa competitiva, o que alterava o cenário competitivo nacional (normal), naturalmente... Ora o que aconteceu foi o seguinte: O FCP, com a ajuda dos empresários e alguns FdI (Fundos de investimento) conseguiu fazer uma equipa completamente nova, altamente competitiva (pelo menos nas individualidades) e sem gastar € por aí além!

    Resumindo: os FdI só vieram alteram de forma artificiala competividade,, pois quem não tem boas relações, ou a quem os FdI não interessem, acabam sempre por ficar para trás! E se juntarmos o interesse dos empresários aos FdI, então aí parece um filme já visto da verdadeira Máfia...

    O fim dos FdI será optimo para nós, pois ficaremos a competir de armas iguais aos nossos rivais! "Ai e tal somos a melhor formação", mas nunca poderemos competir a com os nossos rivais! Das duas uma, ou queremos ser só um clube formador ou queremos ser campeões! No atual modelo não seremos campeões certamente! Será que alguém é ingénuo ao ponto de acreditar que os orçamentos milionários dos últimos 4 anos do FCP e SLB apareceram de repente do nada?? Ganharam o Euromilhoes foi? E com isto o nosso Sporting foi ficando para trás, sempre a afundar, até que apareceu o BdC e deu um murro na mesa! Se para bem? A história acabará por escrever isso...

    Cumprimentos
    Rui P.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rui, o que aconteceu este ano com o Porto foi de facto algo que seria impensável há 10 anos. Construiu-se uma nova equipa à conta dos fundos e de ligações privilegiadas com empresários, que permitiu colocar sem investimento imediato uma série de jogadores de qualidade indiscutível.

      E isto apesar de o estado das finanças do Porto também aconselhar alguma contenção nos custos. O que acabou por se assistir foi precisamente o contrário.

      Um abraço.

      Eliminar
  3. Continua a fraca defesa do Bruninho, por MdC, que desta vez ataca os "paineleiros".

    Em relação à criatividade dos advogados, nem sequer seria preciso mencioná-la, pois é para isso que eles estão lá.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é nenhuma defesa ao "Bruninho", Luís Miguel, é mostrar as palas que a maior parte dos nossos comentadores demonstrou ter ao comentar este caso.

      Eliminar
    2. Paneleiros, tripeiros, Nélio Lucas e outros são o objecto do post do MdC.
      Como tripeiro cego que és, não consegues, nem queres, ver o lodo em que o teu clube se move.

      Essa da defesa do Bruninho é um argumento ao nível de alguém que ainda na primária...

      Eliminar
    3. Solicito esclarecimentos ao Sporting até morrer em relação ao lodo em que o meu clube se move.

      Eliminar
    4. Já tiveste tantas respostas neste blog e continuas a debitar alarvidades sem nexo.
      Não aconselho ninguém a perder tempo a tentar educar alguém que não consegue ou não quer aprender (aposto mais na primeira).

      SL

      Eliminar
    5. Solicito esclarecimentos ao FC em relação às alarvidades sem nexo que continuo a debitar.

      Eliminar
  4. Um reparo quanto ao referido ponto um: a comparação que apresenta e que crítica não faz muito sentido e assim fica fácil rebater o suposto ataque. Mantendo a comparação com o empréstimo bancário, experimente então ir ao banco pedir um empréstimo e simplesmente nao pagar os juros.
    Abraço e bom trabalho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não quiseres pagar juros, não te emprestam o dinheiro. Se já te tiverem emprestado o dinheiro e te recusares a pagar os juros, ficam-te com a casa ou a garantia.

      Não estou a ver onde esse "argumento" fere a comparação do MdC...Tens de explicar melhor esse raciocínio à Nélio.

      Eliminar
    2. Está a referir-se à vantagem que o Sporting tem ao não pagar juros à banca? Se sim, é um facto, mas implicou outras cedências que limitam a competitividade do clube - como tetos salarias baixíssimos, despedimentos, reduções de investimento, etc..

      Um abraço.

      Eliminar
    3. Referia-me mesmo ao seu ponto 1 dos ataques à posição do scp. O que pretendi dizer é que uma comparação mais de acordo com o sucedido, e apenas mantendo a comparação simplificada do empreatimo bancario, seria o caso de um indivíduo/instituição recusar-se a pagar os juros de um empréstimo.

      Alguém acima contrapõe que mesmo esta comparação é "um raciocínio à Nélio". A mesma pessoa antes escreve:
      "Se já te tiverem emprestado o dinheiro e te recusares a pagar os juros, ficam-te com a casa ou a garantia."

      Abraço e bom trabalho

      Eliminar
    4. ««O que pretendi dizer é que uma comparação mais de acordo com o sucedido, e apenas mantendo a comparação simplificada do empreatimo bancario, seria o caso de um indivíduo/instituição recusar-se a pagar os juros de um empréstimo.»»

      Essa comparação só está mais de acordo com o sucedido na cabecinha dos Nélitos.
      O Sporting Clube de Portugal resolveu o contrato com justa causa (na sua óptica). A comparação do MdC é muito mais pertinente.

      Só é pena que nesta comparação não fales da pressão do banco para vender a casa.
      Nem do facto do gestor bancário se disfarçar de agente imobiliário e ir oferecer a sua casa a outros.
      Nem da ameaça do banco de que se não venderes a casa, ela vai começar a ter infiltrações, o estuque a cair, o salitre a aparecer...

      Eliminar
  5. Nélio da fruta está de volta! E com uma argumentação brilhante como sempre.

    Realmente, desde que a doyen e o Nélito entraram em acção, é ver o terror do Real Madrid, Chelsea, Bayern, etc. quando chega o mercado de transferências e os clubes "pequenos" com a ajuda dos aFUNDas "assaltam" os seus planteis.

    Basta ir ver os últimos vencedores da Liga dos Campeões para verificar que foi com a ajuda dos aFUNDas que os clubes pequenos passaram a vencer e a lutar de igual para igual com os gigantes...

    E nem vale a pena ir verificar se existe correlação entre as ajudas dos aFUNDas e a situação financeira cada vez mais "saudável" dos clubes que se metem com eles.

    O Pintinho, na sua argumentação curiosamente siamesa e "totalmente alinhada" com o Nélito, também não explicou que aFUNDas é que foram fundamentais para fcp conquistar os seus títulos europeus, já que sem esse empurrão, sabemos que é tarefa impossível...

    A dica de que vão encontrar formas criativas de tornear a imposição da FIFA também revela uma inteligência a toda a prova!

    Depois um tipo de um aFUNDa falar em distorções de mercado sem se rir, é obra!

    Vai que é tua Nélito!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Completamente, Sar. Este tipo cada vez que abre a boca só está a aumentar a credibilidade das acusações que o Sporting lhe fez. Um abraço.

      Eliminar
    2. Concordo em absoluto com o Sar, não vejo qualquer clube que tenha sido campeão numa grande liga ou vencedor de uma competição eurepeia depende de fundos.

      Até acho que deviam olhar mais para o Borussia de Dortumund, clube que também andou a gastar mal, reduziu apostou na prospecção e eis vários titulos nacionais e finais e meias finais da champions.

      Dizerem-nos que só com fundos podemos ter jogadores competitivos é tentar fazer de nós estupidos. Por cada bom jogador que os fundos trazem há dois ou três que não prestam, sendo certo que os jogadores dos fundos têm lugar cativo nas equipas tirando o lugar a outros talentos. Por exemplo vocês acham que alguém, que venha dos juniores ou da liga portuguesa, vai tirar o lugar ao Gaitan, Salvio ou ao Jackson caso esteja em melhor forma?

      Claro que não os clubes portugueses, são barrigas de aluguer para testar os jogadores da champions. Aliás diga-se que esses jogadores não são assim tão bons. O Zenit está farto de comprar estrelas em Portugal e nunca fez nada de relevante na champions. A melhor prestação europeia foi com jogadores da casa em 2008 quando venceram a UEFA. O Mangala já se está a provar um flop, o Falcão começa a perder gás e deu cabo da carreira ao ceder a transferências, só resultou no porto. Com efeito o jogador de maior qualidade trazido para Portugal pelos fundos foi o Di Maria e o Rojo de resto é um deserto. Não me venham dizer que o Witsel ou o Huik são foras de serie.

      SL

      Eliminar
    3. Jogadores estrangeiros que foram lançados em portugal e tiveram grande sucesso no estrangeiro são:

      - Falcão
      - Di Maria
      - Ramires
      - David Luiz

      Eliminar
    4. Falcão? O saltibanco dos clubes que em Manchester, o verdadeiro gigante onde jogou ainda não provou o seu valor?

      Di Maria, de facto um bom jogador concordo com sucesso no Real e vamos ver no Man United;

      Ramires - Um jogador útil mas não é a estrela do Chelsea e nem joga sempre;

      David Luiz - Um bluff e toda a gente sabe disso enganou o Chelsea e o PSG, vamos ver se não será dispensado.

      SL

      Eliminar
    5. Ainda estou atónito com uma coisa deste calibre...
      Razão tinha o Einstein. Há coisas que não têm limite, e que não sua infinita extensão só são comparáveis ao infinito.

      É que nem sei como contra argumentar. Já agora acrescento à lista o Matic e o James para ver o que o ilustre terá para dizer sobre esses...


      Eliminar
    6. Hahahaha! As imbecilidades do Nélio atingem proporções míticas! Não sei do que gostei mais, se do disfarce de dirigente do ManUtd, das contradições dos comunicados, ou dos advogados criativos desta entrevista...

      Uma coisa é certa, a manutenção deste testa de ferro como dirigente da Doyen não abona nada a favor da inteligência de quem realmente mexe os cordelinhos.

      Eliminar
    7. Caro anonimo, citar Einstein não o torna mais inteligente, apenas o torna um papagaio.

      O que ganhou James para além de um bom mundial? Ainda tem muito a provar.

      E Matic já ganhou algo de revelo que prove que é um fora de serie?

      SL

      Eliminar
    8. "E Matic já ganhou algo de revelo que prove que é um fora de serie?"
      É como dizer que nenhum fora de série jogou pelo Sporting.

      Eliminar
    9. Caro Green Lantern, estou a sentir vergonha alheia dos seus comentários.
      De facto, e como ainda ontem se viu, o Matic não é um jogador de 1ª linha.

      De facto, Falcao é um saltimbanco, James "só" fez um bom mundial, David Luiz é um bluff e Ramires um remendo.

      Continue que o caminho é esse. Tem toda a razão e o resto do mundo é que montou um cabala contra as suas opiniões e contra o seu SCP.

      Eliminar
  6. Falcao so resultou no Porto? Bolas, pensava eu que ja tinha lido de tudo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se o Falcão é tão bom porque andou perdido pelo Monaco e no Atlético.

      Parece-me que o Diego Costa teve uma carreira no Atlético melhor do que ele.

      Eliminar
    2. Final Supertaca Europeia Atleti 4 - Chelsea 1 3 golos Falcao. Apenas um exemplo

      Eliminar
    3. Ah fez um bom jogo contra esse Chelsea miserável.

      Ok estou esclarecido.

      Eliminar
  7. Final Liga Europa Atleti 3- Athletic 0 2 golos Falcao. Espero que tambem nao venhas dizer que o Bilbao era miseravel.
    Ja agora, ele mudou tantas vezes de clube pois preferiu a parte financeira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ele não preferiu a parte financeira, foi obrigado a aceitar pois teve de ceder aos fundos.

      Só acho estranho ainda não ter resolvido o problema de eficácia do Man United.

      SL

      Eliminar
    2. Eu tinha calma com esses julgamentos precipitados

      Eliminar
  8. O exemplo do empréstimo para habitação é fraquinho... Aproveitando, ainda assim, o exemplo poderemos dizer (no plano meramente teórico) que alguém compra uma casa com recurso a um empréstimo. A casa foi avaliada em 4 milhões. Em vez de uma hipoteca sobre a casa o banco fica com a sua compropriedade (75%), enquanto que o comprador fica com o usufruto (vitalício). Descobre-se que o subsolo da casa tem petróleo e vale, agora, 20 milhões pelo que o banco pretende (obviamente) vender mas quer levantar o usufruto. O comprador lembra (e bem) o seu usufruto para PODER FICAR COM A CASA. Ninguém quer comprar a casa quando lá está um usufrutuário que não pode despejar (e ainda por cima daqueles ruidosos).
    O problema é que o usfrutuário é esperto (saloio, mas esperto) e vê uma oportunidade de ganhar dinheiro.
    Agora, não quer apenas usufruir da casa mas ganhar dinheiro com ela. Então, resolve o contrato com o banco, anula a escritura e COM BASE NUM MERO USUFRUTO (direitos desportivos) vende a casa, dá 4 milhões ao banco e fica com o restante.
    É um exemplo ridículo, eu sei, mas é o que mais se aproxima da realidade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, caro anónimo, o exemplo do empréstimo para habitação é fraco, mas não fui eu que o trouxe - foram alguns comentadores.

      A situação Sporting / Doyen / Rojo é bem mais complexa. Pena que pessoas que ganham a vida a dar a sua opinião tenham usado argumentos demasiado lineares para tentar defender o seu ponto de vista.

      Um abraço.

      Eliminar
    2. Engraçado que nesse caso o banco (Doyen) é um coitadinho que nada fez mal, mas que foi enganado pelo comprador chico-esperto e saloio (BC, certo?).

      São ataques pessoais tão óbvios, que nem essa história um bcdinho mais complexa (mas sem lógica pq a Doyen não é tão inocente como o banco) os consegue disfarçar.
      Menos palas, mais Rennie diria eu...

      Eliminar
    3. É o que mais se aproxima à realidade... alternativa dos nelitos da dói dói.

      É engraçado como no seu exemplo omite sempre as razões que levaram o Sporting Clube de Portugal a resolver o contrato com a dói dói.

      A saber:
      -Tentativa de vender o jogador ou encontrar compradores à revelia do SCP
      -CEO da dói dói aparecer em Alvalade disfarçado de emissário dum clube
      -ameaças de revolta e insubordinação por parte do jogador incentivado pelo fundo.

      Eliminar
  9. Caro MdC mais um excelente post. Só ficou a faltar a referência que BdC já rasga contratos, tal como o seu "ídolo" Vale e Azevedo.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é assunto para ser decidido pelos tribunais. Havendo sentença, cá estaremos para avaliar. A propósito, a Doyen ainda não fez queixa.

      Eliminar
    2. MdC, só fui buscar essa comparação porque a meu ver é o que falta no seu post, e o que muitos "paineleiros" fazem questão de passar para a opinião publica..

      Não é o que eu acho, até porque eu estou consigo no mesmo lado da barricada :)

      Cumprimentos

      Eliminar
    3. Ah, certo! De facto faltou-me referir isso. Desculpe, não percebi bem o tom do comentário. :) Um abraço.

      Eliminar
  10. "...mas é indesmentível que foi o Sporting que colocou este tema na atualidade internacional (bem mais do que por cá), acabando por ajudar a preparar o terreno para que a FIFA e UEFA concluíssem finalmente um processo de tomada de decisão que já se arrastava há sete anos."
    A actualidade internacional do Mestre não?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, a "minha" atualidade internacional, e também a do The Guardian, da France Football, da Gazzetta dello Sport, etc, etc, etc...

      Eliminar
    2. Mestre que pasquins são esses comparados com os Rascords, Burlas, Jogo ou Correio da Manhã que preferiram fazer pouco do assunto.

      SL

      Eliminar