terça-feira, 23 de setembro de 2014

O princípio do fim dos fundos


O Guardian fez ontem um oportuno e interessante artigo em que aborda a crescente influência de Jorge Mendes no futebol mundial, apontando para os óbvios e preocupantes conflitos de interesse que decorrem da ação de um agente que, em vez de exercer a sua atividade com o objetivo de defender unicamente os interesses dos seus jogadores, usa a sua influência em negociações de transferências e renovações de contrato para se apoderar de parcelas dos passes dos atletas que representa. Queres renovar com o meu jogador? Então passa para cá parte do passe. Que sentido faz isto?

Como é evidente, quando Jorge Mendes passa a ser proprietário de parte dos direitos financeiros de um jogador, seja através da Gestifute ou através do fundo QFIL, não lhe interessará que esse jogador permaneça muito tempo no mesmo clube. O dinheiro faz-se movimentando jogadores, mesmo que isso não seja do interesse imediato do clube que detém os direitos desportivos. Olhe-se para Falcao, por exemplo. Do Porto para o Atlético, daí para o Mónaco, e agora em Manchester.

Hoje, o Guardian alarga o tema para a questão geral dos fundos de investimento, revelando num novo artigo que a UEFA planeia, já na próxima época, iniciar uma fase de transição para que os clubes tenham tempo de se readaptar e que levará, no final, à proibição de utilização nas competições europeias de jogadores que não sejam detidos na totalidade pelos clubes. 

Citando o secretário geral da UEFA, Gianni Infantino, o Guardian acaba por reduzir de forma notável o estado de promiscuidade e falta de transparência que a crescente influência dos fundos trouxe para o futebol - e em particular para a relação clube - jogadores:
"Ameaça a integridade das competições desportivas, causa danos à estabilidade contratual, perverte a relação de confiança que deve existir entre um jogador e o clube para quem trabalha, cria conflitos de interesses, significa que os jogadores têm menos controlo sobre o desenvolvimento das suas próprias carreiras, mantém os clubes num ciclo vicioso de dívida e dependência, e prejudica a imagem geral do futebol." 

Esta preocupação da UEFA não é nova e já vem do tempo em que Tevez e Mascherano foram para a Premier League através de um fundo de investimento - e que esteve na origem da proibição de jogadores detidos por terceiros na liga inglesa - mas parece que neste momento é apenas uma questão de tempo para que estas relações perigosas deixem de ter espaço para crescer nas competições internacionais.

É claro que em Portugal as mudanças serão muito mais difíceis de concretizar. Num país em que nem sequer se consegue implementar a utilização de um spray para se marcar as barreiras em livres, será utópico esperar que os responsáveis pelo nosso futebol tomem ações concretas para acompanhar esta evolução - em que se tentam acabar com coutadas como as de Jorge Mendes - ainda mais quando a proximidade entre o agente e muitas das figuras de topo do futebol nacional é inegável.

De qualquer forma, se a UEFA levar por diante a proibição nas competições internacionais, será uma machadada decisiva para acabar com esta questão dos fundos mesmo em Portugal:
  • não interessa aos clubes construírem plantéis em que parte dos jogadores são apenas para consumo interno;
  • não estou a ver que jogador com valor aceitará ser transferido para um clube português, sabendo que não poderá participar na Liga dos Campeões;
  • A liga portuguesa, por si só, não vale de muito enquanto plataforma de valorização, o que dificultará a capacidade de retorno rápido dos investimentos feitos pelos fundos.

É impossível desligar o episódio Sporting / Rojo / Doyen do que estamos agora a assistir. Não digo que seja um caso de causa-efeito imediato, mas foi a atitude disruptiva do Sporting que colocou definitivamente o papel dos fundos na ordem da agenda internacional, suportada depois pelo êxodo de estrelas do Mónaco contra a vontade da direção do clube francês.

Curioso que, em vez de tentarem perceber as razões que levaram o Sporting a anular o contrato com a Doyen, a maior parte dos nossos experts preferiu não compreender o que realmente estava em causa (por falta de inteligência ou falta de vontade) e optou por usar essa atitude como mais uma sentença condenatória de Bruno de Carvalho. Felizmente que lá fora souberam entender o cerne da questão.

42 comentários :

  1. Investigações da FIFA? enfim , vale o que vale . Normalmente são secretas e caixote de lixo , tirando uns artigos nos jornais para as piv****as dos artistas. A menos que seja para inventar um Mendes Anglo e aí , ok, bota abaixo este para fazer mais e pior.

    De qualquer modo, como Benfiquista isto preocupa-me zero, de momento, fechou o fundo principal e já pouco ou nada se trabalha com isto.

    Parecem-me que isto ser proibido, não confere ao BC Tse Tung o direito de gamar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tanto palavreado para não dizer cheta. És mesmo lampiurso.

      Eliminar
    2. Haha, não diria melhor.
      Fala, fala, fala mas não diz nada...

      Eliminar
  2. Boa. Portanto as competicoes da uefa vao ficar entregues aos sugar daddys desta vida como o City ou o Psg.
    Que os ingleses o defendam, percebo porque lhes da jeito.
    Agora ja me custa a perceber que outros prefiram andar com Shikabalas ou Sarrs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quero os clubes a viver com o que têm, para ficarem todos em pé de IGUALDADE. E tu, ou és um drampião, ou um "old boy" de Alvalade. Venha o Diabo e escolha.

      Eliminar
  3. é inútil explicar a artistas que o universo não anda à volta de Alvalade , ou do Benfica ou do Porto.

    e que o está em causa para os ingleses é um pipeline onde não estão a mamar na medida que consideram correcta e não qualquer espécie de consideração moral, como é evidente

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não queremos o porco e o carnide a mamar. Já atingiste?

      Eliminar
  4. Isto é engraçado...

    O artigo foi publicado ontem.

    E no espaço de 1 hora (uma hora!), o Artista, a Tasca do Cherba e o Mentecapto fizeram um post com o mesmo conteúdo.

    http://comquemsporting.blogspot.co.uk/2014/09/tiro-no-porta-avioes-da-doyen.html

    http://atascadocherba.com/2014/09/23/quando-se-faz-jornalismo-lixa-se-o-jorge/

    Coincidência?! Nada que um briefing na YoungNetworks não explique.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou uma conversa com o Quintela

      Eliminar
    2. Já pensaste em ter um cérebro para tentar explicar coisas? O Artista está sempre em cima das notícias do Sporting e comenta-as como achar melhor. O mesmo se aplica ao Cherba e ao Captomente. Qual é o teu problema com a verdade?

      Garanto-te que nenhum deles trabalha na Young. Aliás, essa prática é mais própria do clube de carnide onde calam os que criticam com ordenados e carros de serviço!

      Mas se procuras emprego nessa área, podes sempre enviar o CV para lá e tentar.

      Eliminar
    3. E o que é que liga o camarote, o fonte segura, o anorte de Alvalade e o fax verde? Será a "old boy network"?

      Eliminar
    4. E o que te liga a ti? Mostra o nome que percebemos logo ;)

      Eliminar
    5. Keith, peço desculpa por não ter respondido mais cedo ao comentário, mas o meu mentor da YoungNetworks não me está a atender o telemóvel. Não os culpe a eles, a responsabilidade é toda minha porque faltei à sessão de formação em que abordámos o tema "Como desmentir a associação à direção do clube", e agora não sei como responder ao seu pertinente comentário. Viva Bruno de Carvalho! Viva Quintela! Viva a YoungNetworks! (pode ser que esta demonstração de lealdade me salve o emprego)

      Eliminar
    6. É bem MdC cuidado com o emprego.

      Isto já não está nos preços do tempo do Godinho mas ainda paga bem ;- ).

      Eh eh eh

      SL

      Eliminar
    7. Eu, o Captomente e o Cherba agora até temos que pôr moedinhas na máquina de café no intervalo das sessões de lavagem que o bruninho nos faz todos os dias. Isto é quase escravatura! :)

      Eliminar
    8. Eu acho é que há aqui muitos Cunha Vaz & Associados.

      Eliminar
  5. O The Guardien ?! Qual?!

    Será o mesmo que colocou o Maribor a jogar com o Gijon.....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não são os mesmos que colocaram o Benefit a jogar com a Juventus nas meias-finais da Liga Europa do ano passado. Esses foram a Sky Sports.

      Eliminar
    2. Comparar um erro ortográfico com trocar um sporting por outro... enfim. Um erro todos podem dar... não conhecer que sporting está na champions e colocar gijon mostra que ninguém vos conhece.

      Eliminar
    3. Não estou a comparar nem a deixar de comparar. Foram dois enganos.

      Eliminar
    4. Ah colocar Gijon mostra que ninguém conhece o SCP, engraçado o Guardian parece conhecer bastante bem assim como a France Football vê lá que até conhecem o BdC pois foi entrevistado pelos dois orgões de comunicação social.

      Já o benfica é super conhecido até sabem que é benficiado pelas arbitragens dai a confusão com o benefit.

      Sabes quem é que conhece "bueda bem" o benefit é o Drogba aquando do sorteio da champios em 2011.

      Eliminar
    5. "Comparar um erro ortográfico com trocar um sporting por outro..."

      Um dos erros pode ser por nos desconhecer, o outro erro foi para gozar com a vossa tromba, porque de benfica para "benefit" (sabes o que quer dizer "benefit" em inglês?) são muitas letras trocadas.

      Eliminar
    6. Sei o que quer dizer "benefit", sei. E os jogos das últimas duas semanas avivaram ainda mais a memória do que significa "benefit"... :)

      Eliminar
    7. Ahah, sim, lembro-me bem dessa do Drogba, Green Lantern! :)

      Eliminar
  6. A trampionagem é difícil de perceber.

    É como se eu fosse contra a utilização do spray nos livres só porque tinha sido o pinto da costa a pedir o seu uso ou contra utilização da tecnologia da linha de golo porque o vieira tinha sido o pai da ideia.

    Neste caso dos fundos, trata-se de defender os clubes e aquilo que representa o seu património contabilístico - os passes dos jogadores -, bem como a transparência do futebol e com ela o fair-play.

    Alto, espera, acho que cheguei lá. Será por ser uma medida no sentido do fair-play que os trampiões são contra ela? Hummm, cheira-me... a trampa entre a nádega tripeira e a nádega lã-piã...

    Para além do The Guardian, parece que também a France Football e a Gazzetta dello Sport se debruçam sobre o assunto.

    http://comquemsporting.blogspot.pt/2014/09/tiro-no-porta-avioes-da-doyen.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois claro e imenso o fair play em competir com clubes de sheiks arabes ou oligarcas russos

      Eliminar
    2. Duas diferenças fundamentais:

      - pode-se não saber a proveniência do dinheiro (e isso é um problema que ultrapassa o universo do futebol), mas sabe-se quem são as pessoas;
      - entram no clube capitalizando-o, e não financiando-o através do "retalho" dos seus activos, ou seja, descapitalizando-o de forma meio encapotada (e segundo dizem com recurso a chantagens inaceitáveis).

      Parecem-me duas diferenças fundamentais, ou será que não?

      Eliminar
    3. O Fair Play Financeiro, melhor ou pior, já está a responder em relação aos Sheiks e oligarcas. Os fundos ultrapassam completamente o FFP. Alguma coisa tem que ser feita. Um abraço.

      Eliminar
    4. Primeiro, obrigado pelas respostas prontas. Que os fundos devem ser regulados, com a identificacao dos donos, restrigindo eventuais conflitos de
      interesses, concordo. Agora, defender a sua extincao e fazer o jogo dos clubes mais poderosos.
      E os ingleses apenas estao a defender os seus clubes ricos. Nao por qualquer razao moral

      Eliminar
    5. Hugo, é verdade que havendo mais transparência o problema seria bastante inferior. Mas não acho que seja uma questão de fazer o jogo dos clubes mais poderosos - com ou sem fundos, não há clube português que se consiga intrometer na luta dos tubarões.

      Em relação aos clubes mais ricos, haverá certamente outras medidas que seriam importantes - como acabar com os clubes satélites (o Chelsea e o Manchester City começam a abusar desse mecanismo).

      Um abraço.

      Eliminar
  7. Aquele FPP onde um clube e multado em milhoes e logo a seguir da 50 milhoes pelo David Luiz?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esses mesmo, Hugo, que depois não puderam contratar o Di Maria - e não foi porque o Nasser deixou de ter dinheiro para pôr na mesa.

      Eliminar
  8. "Felizmente que lá fora souberam entender o cerne da questão." Isto é a sério?

    ResponderEliminar
  9. A trampionagem tornou-se fã deste blog.

    ResponderEliminar
  10. Os lampiões andam atrás deste blog...mas quando levarem nas trombas na Quarta já ninguém sabe deles !...alguém viu os corruptos vermelhos depois do baile de futebol com o Zenit ? !...hahahahaha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro King Lion estavam ocupados a por pó de talco nas mãos para bater palmas a uma exibição portentosa da equipa encarnada.

      Ou então já estavam a pensar no próximo adversário na Champions e como iam golear o Leverkussen, afinal o Dani no final do jogo disse que o benfica tinha equipa para ganhar a qualquer equipa da champions.

      SL

      Eliminar
    2. Claro que sim Green Lantern mão vermelhas e cabeça inchada do tamanho de um gigantone !...Saudações Leoninas

      Eliminar
  11. A trampionagem adora os fundos, então os espanholitos da oporto&doyen balonpie são verdadeiros fãs. É vê-los aqui a atacar como se tivessem a defender a sua agremiação. Normal nos adeptos trampiões onde ganhar a qualquer custo é um mote de vida. Infelizmente são a maioria.

    Será que eles não acham estranho que neste período de fundos a entrarem com Milhões de €, mega transferências e gigantescas injecções de capital, a grande maioria dos clubes (para não dizer a totalidade...) tem passivos históricos recorde? Basta olhar para o oporto&doyen, campeão europeu de transferências, mega negociadores, totalmente alinhados com os agiotas e apesar disso, tem um passivo recorde e capitais próprios negativos mais altos da sua história.

    O que ainda nos vamos rir com estes fãs dos aFUNDanços da doyen...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sar, e que se viram agora obrigados a ceder 50% do estádio à SAD para fazerem um aumento de capital que melhore as contas do ponto de vista contabilístico... Um abraço.

      Eliminar
  12. Fraca tentativa de defesa do Bruninho.

    Independentemente das futuras decisões da UEFA, todos os participantes terão de se adaptar a elas, assim como tem acontecido com o fair-play financeiro e em qualquer quadro regulamentar futuro o Sporting sempre estará em condições muito precárias tanto ao nível desportivo como financeiro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O quê? Defesa de quem?
      Está cada vez mais difícil de compreender onde queres chegar com estes posts.

      Começas por debitar uma tautologia que ninguém põe em causa (não há fundos para ninguém), mas depois chegas a uma conclusão ridícula (Sporting terá mais problemas) a partir de uma premissa que terá pouco a ver com isso (precário a nivel financeiro - desportivo LOL).

      Amigo, veja lá quem continuou a comprar jogadores recorrendo a fundos esta época, e quais os clubes que andam activamente a tentar recuperar % de passes.

      Dica: um dos clubes que vendeu parte do passe de um jogador a um fundo imediatamente após o comprar rima com porco.

      Eliminar
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar