quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Par de duques

                                                                                                                                                
A saída Mário Figueiredo é inevitável há muito
                                                                                                                                                           
Ponto prévio: independentemente das opiniões que vou dar sobre o processo de escolha de Luís Duque para o cargo de presidente da Liga e sobre as motivações de quem se lembrou de o convidar, não tenho dúvidas que Mário Figueiredo tem que ser afastado a bem do futebol português.

Sim, Mário Figueiredo afrontou os poderes instalados (Olivedesportos e Porto), mas fora isso o seu mandato foi caracterizado por um comportamento errático ao sabor dos apoios que julgava recolher no momento. Quem acabou por sofrer com isso foram as competições geridas pela Liga.

Mário Figueiredo não descansou enquanto não alargou o campeonato. Em 2012/13 chegou a propor a passagem para 18 clubes para 2013/14, que implicaria a alteração do esquema de promoções e relegações na própria época que estava em curso - proposta que acabou por ser chumbada na FPF. No ano seguinte, aproveitou a decisão do CJ que anulava a relegação do Boavista para concretizar os seus objetivos. A Liga tem agora 18 clubes, mas a competitividade não ganhou nada com esse alargamento. Entretanto também já tratou de expandir a II Liga para 24 clubes, o que é um completo absurdo financeiro e desportivo.

O facto de a Liga ter perdido praticamente todos os patrocínios (não só da Liga mas também da Taça da Liga) é outro ponto negativo, mas aí há duas atenuantes que Mário Figueiredo não podia controlar: a conjuntura económica e o ambiente de guerrilha que foi aberto por grande parte dos clubes a partir do momento em que os direitos da Olivedesportos foram colocados em causa.

Esse ambiente de guerrilha descredibilizou ainda mais o futebol e Mário Figueiredo deixou de ter quaisquer condições para continuar no cargo, sendo de lamentar os expedientes a que recorreu para tentar perpetuar-se no poder.

Resumindo, Mário Figueiredo foi um mau presidente da Liga e não gostei quando soube que o Sporting votou nele nas últimas eleições - mesmo considerando que era a única lista que foi a votos.


As motivações de Pinto da Costa

Parece-me óbvio que era do interesse do Porto afastar uma direção que lhe era hostil, não só por todos os inconvenientes práticos que Mário Figueiredo lhes causava em assuntos tratados pela Liga, mas também pela perda de face que é para Pinto da Costa não ter qualquer controlo num dos órgãos de poder do futebol português - mesmo que o poder real da Liga de Clubes seja atualmente bastante escasso.

Mas a motivação principal é, obviamente, a batalha que Mário Figueiredo estava a fazer contra a Olivedesportos, procurando anular os contratos em vigor de forma a poder renegociar de forma centralizada os direitos de televisivos. 

Seara era o nome inicialmente escolhido pelas boas relações que tem com a Olivedesportos, mas perante a sua recusa para encabeçar novamente uma lista, Duque acaba por ser the next best thing. Aliás, Duque e Seara são unha com carne. Ou carne com unha, talvez seja mais adequado. Não só são amigos de longa data, como também Duque foi vereador de Seara na Câmara de Sintra, e Seara foi adjunto de Duque durante a sua presidência da AF Lisboa.

Outra questão relacionada com a renegociação dos jogos que incomodava Pinto da Costa seria a intenção de Mário Figueiredo distribuir uma parcela maior das receitas pelos clubes mais pequenos.

O percurso de Pinto da Costa e Joaquim Oliveira tem sido feito de mão da dada na turva história recente do futebol português, pelo que não se é de surpreender esta atitude por parte do Porto.


As motivações de Vieira

Aqui é onde tudo fica mais confuso. A partir do momento que o Benfica avançou com a transmissão dos seus jogos, não parece que faça sentido que apoiem alguém que procure centralizar os direitos televisivos. A centralização implica que TODOS os jogos sejam vendidos em pacote a uma única cadeia, o que à partida significaria o fim da BTV.

Mas a verdade é que parece ser esse mesmo o objetivo do Benfica, pelo menos a julgar pelas palavras de Rui Gomes da Silva na segunda-feira passada:


Quando o vice-presidente do Benfica diz que Duque será um grande presidente da Liga se conseguir liderar um projeto de concentração de direitos televisivos, as intenções do Benfica ficam bastante mais claras.

Concentração implica um único operador. Perante isto há três hipóteses:
  • O Benfica quer comprar todos os direitos televisivos para a BTV - politicamente impossível, e o Benfica não tem a liquidez necessária para pagar antecipadamente a todos os outros clubes.
  • O Benfica está a preparar terreno para a entrada de um outro operador na disputa dos direitos - pouco provável, pois os relacionamentos políticos de Joaquim Oliveira impediriam um cenário desses (não esquecer que a banca entrou no capital da Controlinveste no âmbito da reestruturação financeira do grupo de Oliveira, e não irá financiar um potencial concorrente).
  • O Benfica chegou à conclusão que não é compensador continuar a deter os seus direitos televisivos e quererá que a BTV seja uma espécie de SportTV 6 (RGS fala em diferentes plataformas), incorporada no pacote SportTV.

Esta última hipótese parece-me bem mais provável, por três motivos:
  • A BTV, num ano de enorme sucesso desportivo, não teve lucro que compensasse a proposta de €22,2M / ano que a SportTV fez. Conseguiu chegar aos 300.000 assinantes apenas num mês em que recebeu Porto e Sporting, o que certamente terá levado a captado provisoriamente assinaturas de adeptos não-benfiquistas. 
  • Certamente que estará na mente dos dirigentes benfiquistas o que pode acontecer às receitas da BTV se a prestação desportiva não corresponder às expetativas dos seus adeptos.
  • Vantagens do ponto de vista de liquidez, pois o Benfica receberia antecipadamente o dinheiro dos direitos televisivos (em vez de receber à medida que os assinantes pagam) - numa altura em que o crédito bancário nunca esteve tão apertado.

A centralização dos direitos televisivos seria uma forma de Vieira poder acabar com o projeto de transmissão dos próprios jogos sem perder a face (pelo menos na cabeça dele - falamos do homem que tentou convencer o mundo de teve lucro na venda de Roberto), e incorporando a BTV na SportTV seria talvez uma forma de contornar a indexação dos contratos de Sporting e Porto ao que o Benfica receberá ao vender os seus direitos.

Outra conclusão que se tira, perante os almoços na Mealhada e os apertares de mão entre Vieira e Pinto da Costa, é que depois de longos anos a correr por fora, o presidente do Benfica sente-se finalmente confortável a vestir o fato do tal "sistema" que antes dizia combater.


O comportamento do Sporting no processo de escolha de Duque

Por norma não gosto de ver o meu clube a excluir-se da resolução de problemas que interessam a todos, mas a nomeação de Duque apenas vem dar razão à ausência do clube da reunião que determinou a sua escolha.

Benfica e Porto encontraram um ponto comum de entendimento e, mais do que discutir um programa que girasse em torno do interesse das competições, preocuparam-se apenas em encontrar um nome (escolhido secretamente pelos dois presidentes, tendo sido revelado aos outros clubes na própria reunião que o "elegeu") que erguesse o estandarte dos seus interesses. Para além disso, tem o bónus de ser uma figura envolvida num conflito judicial com o Sporting. O facto de Godinho Lopes ter sido contactado antes de Duque demonstra que a exclusão do Sporting de uma eventual solução era um ponto fundamental para Vieira e Pinto da Costa.

Esta escolha de Luís Duque por Benfica e Porto não é mais que um par de duques no póquer: uma mão demasiado fraca para ganhar que só pode iludir tolos.

Como tal, fez bem o Sporting em não cair no bluff dos rivais e demarcar-se desta escolha. Já existe demasiada gente a fazer figura de tolo à mesa.


19 comentários :

  1. Falta um elemento essencial para explicaro reposicionamento do Benfica na questão dos direitos televisivos: o financiador n.º 1 (ou, até, número único) da Benfica TV (que foi essencial para o lançamento da sua plataforma de televisão por cabo) é uma empresa que, no espaço de um par de meses, ficou reduzida a um décimo do seu valor em bolsa e viu os seus dirigentes serem substituídos (tal como, brevemente, serão os seus donos). SL! JPT

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. JPT, penso que o estado da PT afetará o clube ao nível dos patrocínios, mas não ao nível da TV. Agora já não têm exclusividade, pelo que duvido que a posição do Benfica em relação ao futuro da BTV dependa da PT. Há algum dado que me esteja a faltar? Um abraço.

      Eliminar
  2. A melhor expressão do Mário Figueiredo foi quando disse que o Porto não brinca em serviço e que o Benfica estava a seguir os mesmo métodos para liderar o futebol nacional,tese essa confirmada pelo forma como o Benfica hoje lidera o campeonato nacional.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. King Lion, no entanto andou durante muito tempo de braço dado com o Vieira. Nesse particular concordo com o que ele disse (já o escrevi aqui várias vezes), mas o que Mário Figueiredo diz perdeu qualquer valor (tanto no bom como no mau).

      Um abraço.

      Eliminar
  3. Hmmm.. aparentemente estamos todos a ver isto mal, "«Sporting foi o grande vencedor da Liga de clubes», diz Lourenço Pinto, esse dirigente do .....errrrr... Rio Ave!?!
    http://www.abola.pt/nnh/ver.aspx?id=508110

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. M., essa personagem anda com saudades de protagonismo, mas já não diz coisa com coisa... Um abraço.

      Eliminar
  4. O comportamento do presidente da mesa envergonha qualquer jurista

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Hugo. Não o mencionei mas concordo plenamente. Um abraço.

      Eliminar
  5. "O comportamento do Sporting no processo de escolha de Duque"

    Compreende-se o comportamento de auto-exclusão do Sporting, afinal há assuntos mais importantes como a própria sobrevivência da Sporting Sad, pois segundo o R&C faltam apenas 30 dias para o empréstimo obrigacionista de 20M€ à taxa de 9,25% atingir a maturidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luís Miguel, podemos falar também das contas apresentadas ontem por outros clubes... ;)

      Eliminar
    2. Exactamente, e não tenhas problema que esse problema porque os Sportinguistas vão corresponder ao empréstimo obrigacionista de 30 milhões de euros que aí vem para pagar esse. E ainda vai haver uma surpresa, mas essa é para tu depois te morderes todo. Muaaaah

      Eliminar
  6. O problema disto para o Sporting, é que neste momento o Sporting não tem qualquer controlo nas receitas televisivas, já estão vendidos à Sporttv até 2018, e quem sairá prejudicado será certamente Sporting, uma vez que o Benfica gere os seus direitos e o Porto é próximo da Controlinveste

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Barack, a SportTV precisa tanto dos jogos dos Sporting como o Sporting precisa das receitas da SportTV. Não me parece que o Sporting tenha perdido qualquer tipo de força negocial. Um abraço.

      Eliminar
    2. Não perdeu força negocial, mas em relação ao Benfica e Porto está em desvantagem €. principalmente com esta jogada do Pinto da Costa, que uma vez que perdeu o "aliado" Godinho, arranjou o Vieira.

      Eliminar
    3. Prefiro estar só do que mal acompanhado. Nunca qualquer aliança com Pinto da Costa nos trouxe qualquer proveito, pelo que por aí estou descansado. Os benfiquistas é que deveriam ficar preocupados.

      Eliminar
    4. Claro, isso é unânime. Abraço

      Eliminar
    5. Alianças nem com PdC nem com LFV, que curiosamente agora almoçam juntos e dão apertos de mão quando há um par anos até de ladrões e de traficantes de droga se apelidavam.

      LFV sobre PdC:
      "Na vida, como nos livros, um ladrão não deixa de ser ladrão por declamar poesia, ou por ir ao Papa. Um fugitivo da justiça não o deixa de ser apenas porque alguns juízes decidiram assobiar para o lado"
      "As nossas razões podem não chegar à UEFA, como não chegaram as escutas da fruta, como não chegaram para a justiça portuguesa as escutas do café com leite, mas nós não vamos parar enquanto não limparmos o desporto português"
      http://desporto.sapo.pt/basquetebol/campeonato_portugal/artigo/2012/05/24/um-ladrao-nao-deixa-de-ser-ladrao-por-visitar-o-papa

      Resposta:
      "Podem continuar a tentar ganhar eleições à nossa custa, mas continuam a ver o FC Porto ganhar camião de títulos. E nem o camião nem os títulos são roubados."
      "Burros não são os que acreditam na mudança. Burros são os que confundem risco com linha, ou que julgam que coca-cola só tem quatro letras."
      http://desporto.sapo.pt/futebol/primeira_liga/artigo/2012/05/25/burros-nao-sao-os-que-acreditam-na-mudanca

      Mas nada que não se ultrapasse por uma boa causa, como a causa de ter Luís Duque a presidente da Liga. Tudo pelo futebol português, pois claro.

      Viva o futebol português! Hip Hip...

      Eliminar
  7. não concordo num ponto mestre, que é quando diz que o Sporting fez bem em não apoiar Duque e em comparecer na reunião.

    e não concordo, não por achar que o Sporting devia apoiar Duque, mas porque ao não apoiar devia tentar lançar ( com eventual apoio de outros clubes não presentes na reunião) uma candidatura própria.

    eu prefiro ir a jogo, poder perder, mas pelo menos dar uma alternativa do que simplesmente ficar de fora, e apenas lamentar-me que só sugerem nomes e não projectos e não sermos nos a apresentar-mos esses projectos juntamente com um nome.

    é que assim no futuro quando criticarmos , colocamo-nos a jeito para levar com respostas do estilo vocês não se juntaram porque não quiseram, ou não apresentaram uma lista alternativa porque não quiseram.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se ainda percebo alguma coisa, a reunião destinava-se a apresentar o duque. O Sporting ia fazer o que à reunião!?
      Quanto a apresentar uma candidatura própria, (suponho que ainda não terminou o prazo para apresentar candidaturas) no entanto também me parece que vai contra os princípios defendidos pelo Sporting, importante não são os nomes mas sim as regras e regulamentos, seja quem estiver na presidência só tem de seguir o que estiver definido. Por isso fez todo o sentido não se juntar à trampa saída das duas nádegas e não apresentar qualquer candidatura.

      Mais uma vez a posição do Sporting tem o meu aplauso e só lamento e não compreendo as inúmeras traições que ocorreram durante todo este processo, não entendo o que é que clubes como o Guimarães com a situação gerada (talvez a situação financeira obrigue a estes contorcionismos) sendo que nesta altura o grande vitorioso é o jaquim oliveira para mal do futebol e provavelmente da saúde financeira da maior parte dos clubes, em sufoco levam agora algum quando mais tarde e calmamente poderiam retirar maiores dividendos.

      Malcolm

      Eliminar