quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Vamos encher Alvalade


Compreendo que muitos sportinguistas resistam a deslocar-se ao estádio para ver a nossa equipa jogar ao vivo. É muito mais cómodo e barato ficar em casa a ver os jogos com a garantia de se ficar ao abrigo dos caprichos do boletim metereológico. Assim como assim, a assinatura da SportTV tem que se pagar na mesma, não se perde tempo no ir e vir do estádio nem se gasta gasóleo. Para aqueles que (ao contrário de mim) conseguem encher o bandulho enquanto vêm um jogo, até há a vantagem de poderem ter uma mesinha de apoio ao lado da poltrona para pousar a lata de cerveja e o pratinho com os snacks, que gradualmente se vão esvaziando pelo meio das teimas que se vão tirando através das múltiplas repetições dos lances mais duvidosos. E depois ainda há o bónus de se poder ouvir as "isentas" opiniões de uma legião de comentadores que começa a debitar sentenças quando os adeptos no estádio ainda estão a aplaudir a equipa, festejando a vitória ou reconhecendo o esforço que os jogadores deixaram em campo.

Compreendo completamente. Falo por experiência própria, porque durante um longo período de tempo da minha vida poucas vezes pus os pés no estádio.

Nos meus tempos de adolescente e estudante universitário era espectador assíduo nas partidas do velhinho Alvalade (benesses de quem tinha os pais que davam uma mesada suficiente para pagar as quotas e os bilhetes dos jogos), mas o final do curso, o início da carreira profissional e outras responsabilidades que passei a ter obrigaram-me a tomar opções - e deixar de pagar as quotas e reduzir drasticamente a presença no estádio foram certamente as que mais me custaram. 

Depois veio um ano a trabalhar no estrangeiro, anos consecutivos a trabalhar fora de Lisboa que cortavam o fim-de-semana ao meio (o final de domingo era para preparar a mala e fazer-me à estrada) e, claro, os filhos, foram toda uma sequência de circunstâncias que me levaram a adiar sucessivamente a decisão de voltar a ser uma presença assídua em Alvalade. Durante todos esses largos anos os jogos do Sporting que não vi devem-se poder contar com os dedos das mãos - com exceção do tempo passado no estrangeiro, pois na altura ainda não existiam os milagrosos streams da internet -, jogasse a equipa bem ou mal, mas quase sempre em casa, num café ou restaurante, ou num hotel. Ver um jogo no estádio era um acontecimento esporádico. 

Os constrangimentos financeiros que me levaram a deixar de ser sócio e ir assiduamente ao estádio felizmente há muito que estavam ultrapassados, mas o hábito é uma coisa realmente complicada de contrariar.

O clique que me fez voltar a querer fazer parte da vida do Sporting foram as últimas eleições. Durante anos assisti ao declínio progressivo do clube com enorme angústia, mas nunca me ocorreu que poderia ser parte da solução - voltando a ser sócio, podendo participar mais ativamente na vida do clube ao escolher os nossos líderes e contribuindo com a minha presença no estádio para apoiar os nossos jogadores. Durante os meses finais do mandato de Godinho Lopes, só houve uma coisa pior que o sentimento de ver o meu clube afundar-se a caminho da bancarrota: a constatação de que se isso se concretizasse eu não teria feito absolutamente nada para o evitar. Não poder votar nas últimas eleições foi algo que me incomodou profundamente. 

Poucos dias depois das eleições reinscrevi-me como sócio e aproveitei para juntar os meus filhos à família sportinguista. Na época 2013/14 finalmente comprei a gamebox e apenas perdi um jogo, por coincidir com o aniversário do meu filho mais novo. Este ano ainda não falhei nenhum, e no que depender de mim não tenciono falhar. E para o ano que vem certamente que poderão contar com a renovação da gamebox - e por aí adiante, desde que haja saúde e dinheiro para isso.

Não tenho por hábito escrever sobre mim porque é algo que não tem qualquer interesse para quem costuma vir aqui, mas achei que devia partilhar isto para dizer que não estou a ser minimamente irónico quando digo que percebo perfeitamente quem prefere ficar em casa do que ir ao estádio.

É com base na experiência que tive que peço a quem ainda não é presença regular em Alvalade que reconsidere, porque se decidir engrossar a legião de leões que fazem de cada jogo um ambiente extraordinário certamente não se arrependerá.

Uma presença de sportinguistas em massa, neste momento, poderá fazer decisivamente a diferença para as portas que se abrirão para o nosso clube num futuro próximo. Se um estádio cheio passasse a ser a regra, sem em vez dos típicos 35.000 / 40.000 passassem a ser 45.000 / 50.000, para além das receitas diretas e do apoio à equipa, já viram o sinal que isso mandaria para o país, para os patrocinadores e para os agentes do futebol? Tudo isto numa altura em que a equipa de futebol demonstra uma vitalidade gigantesca, em que a construção do pavilhão está cada vez mais perto de acontecer, e em que o Sporting Clube de Portugal, enquanto força eclética, está a tomar consciência dos erros cometidos no passado e quer despertar de um pesadelo que parecia não ter fim.

O clube tem feito os possíveis e os impossíveis para merecer a presença dos sportinguistas no estádio. Começando por uma direção que tem defendido (goste-se ou não do estilo) os interesses do clube de forma intransigente, ao mesmo tempo que concretizou de forma extraordinária o reequilíbrio das contas do clube através de uma gestão rigorosa. A frase fazer mais com menos não podia ser mais apropriada. Um treinador jovem e corajoso que foi capaz de pôr um grupo de jogadores a jogar à bola de uma forma que há muitos anos não via. Um conjunto de jovens jogadores talentosos e raçudos, com uma forte componente de elementos portugueses e da formação que nos dão uma identidade única a nível nacional - sim, porque nós agora podemos dizer que temos a espinha dorsal da seleção.

Não estou a querer dar lições de sportinguismo a ninguém porque não sou nitidamente a pessoa indicada para o fazer. Há por aí muita gente que dedicou muito mais tempo, dinheiro e energia ao clube do que eu. Mas é um apelo que vos faço, a bem do Sporting e a bem de quem me esteja a ler: se puderem, vão ao estádio no domingo. Se gostarem do que viram - não me refiro a resultados, refiro-me ao ambiente das bancadas e à atitude dos jogadores - voltem contra o Schalke. E por aí adiante. Passadas quatro ou cinco partidas ao vivo vão ver que assistir ao jogo no sofá saberá a muito pouco.

28 comentários :

  1. Mestre, os próximos dois jogos em casa são num Domingo às 18.00h. Dá tempo para almoçar à vontade e dar um passeiozinho antes de ir à bola. Quem não aproveita não sabe o que perde. Da maneira que o Sporting está a jogar, se as pessoas não aderem e preferem ver pela Sporco TV, é por culpa delas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida, o horário é excelente e, pelo menos para o jogo deste fim-de-semana o clima vai ajudar. Espero que seja uma oportunidade aproveitada por muitos sportinguistas que este ano ainda não puderam ir ao estádio. Um abraço.

      Eliminar
  2. Excelente post! É bom ler um apelo destes logo pela manhã. Gosto que percebam que vocês, que têm blogs e escrevem regularmente, têm uma responsabilidade acrescida. Secalhar sem se aperceberem, chamaram a vós uma responsabilidade diferente dos outros sócios/adeptos mais anónimos. É muito importante apelarem ao apoio de todos. Bom trabalho!

    Quanto a mim, lá estarei a cantar até que a voz me doa. Mas confesso que também comecei a ir mais tarde. Só comecei a trabalhar há cerca de 4 anos e enquanto estudante nunca tive dinheiro para ir ao estádio ou para ser sócia. Agora não penso sequer na hipótese de parar. Até porque o Sporting sou eu, és tu, somos todos.

    Espero ver uma casa cheia ou bem composta domingo. Os rapazes bem merecem.

    SPOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOORTING!

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. "Um verdadeiro bruneco" O MdC não precisa de advogados de defesa mas há cada atrasadinho !...

      Quando se deu inicio ao projecto Roquette tornei-me sócio do Sporting e comprei a Gamebox.Assisti à abertura do novo estádio e durante várias épocas paguei as quotas e
      comprei várias boxes.Depois alguns amigos foram desistindo e eu também acabei por fazer a mesma coisa.

      Pessoalmente gostaria de ter continuado mas as opções económicas que temos de fazer face às dificuldades que se vivem hoje em dia e a distância obrigaram-me a tomar essa decisão.

      Se eu vivesse em Lisboa ou perto acho que continuaria a cumprir as minhas "obrigações" mas para quem tem de fazer quase 800 Km para ver 90´de futebol já não é assim tão fácil.O último jogo que fui ver a Alvalade foi com o Porto a época passada.

      De qualquer das formas se um dia destes surgir uma "amnistia" é natural que volte a cumprir as minhas "obrigações".

      De resto o Sporting factura 35 milhões de euros época,o Porto sem venda de passes factura quase 75 milhões de euros e o Benfica mais de 100 milhões de euros.O nosso clube precisa de fazer crescer as suas receitas porque a diferença para os outros é grande.

      Eliminar
    2. Caro King Lion, na ultima AG foi deliberado o seguinte para os sócios com quotas em atraso:

      1- Quem deixou de pagar quotas ou de ser sócio e quer voltar a ser, pode agora pedir o "congelamento" dos anos em atraso e retomar a sua condição de sócio, mantendo até o número de sócio antigo. Basicamente, não tem que pagar o que tem em atraso, mas perde esses anos em falta que ficam "congelados" para efeitos de número de votos.

      Por exemplo:
      -Sócio com 10 anos de quotas em atraso, quer voltar a ser sócio.
      -Congela esses 10 anos mas fica com o seu número de sócio antigo, não perde a sua antiguidade.
      -Não tem que pagar esses 10 anos em atraso.
      -Para efeitos de cálculo do seu número de votos, esses 10 anos "congelados" não contam, é como se não existissem.
      -Um dia mais tarde, pode "descongelar" esses 10 anos e pagar as respetivas quotas que estava a dever, e assim recupera a totalidade do número de votos.

      Assim já existe a hipótese de recuperar antigos sócios sem que estes tenham que pagar tudo o que tinham em atraso, o que em grande parte dos casos é mesmo uma impossibilidade, mas é mantida a justiça entre sócios, pela diferenciação no número de votos.


      Eliminar
    3. No meu caso, usei a possibilidade de retomar o nº de sócio, mas na realidade não fiquei com aquele que tinha antes (estava na casa do nº 40.000, penso, e o meu número novo ficou na casa dos 70.000). Penso que devo ter ficado com um número de sócio equiparado aos sócios que têm os mesmos anos de antiguidade de quotas pagas que eu.

      Em relação às deslocações ao estádio, como é evidente quem não vive na região de Lisboa tem dificuldades bastante maiores (em termos de custos e tempo), e é perfeitamente compreensível que venham ao estádio mais esporadicamente.

      Um abraço.

      Eliminar
    4. Godinho, vai lá lamber os c****** ao Pinto da Costa. Xô!

      Eliminar
    5. Guto

      Obrigado pela sua informação.Acho que foi uma boa medida para se recuperar alguns sócios.Da minha parte irei pensar nessa situação.

      Eliminar
  4. Com tamanha disponibilidade só não se percebe muito bem o que chegou primeiro, a nutela ou a reforma?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alguma coisa que o incomode, caro anónimo?

      Eliminar
    2. Mestre, esse anónimo é o mesmo invejoso que dava pelo nome de "Vítor" no Fonte Segura, aka "Paulo Guerra" noutros blogues e "L" no Camarote Leonino. Há quem diga que é o Godinho Lopes. O estilo asqueroso é inconfundível.

      Eliminar
  5. Lá estarei MdC sector b06 fila 11 lugar 8.

    Também me fiz sócio com o Bruno de Carvalho e siceramente ainda não me arrependi.

    Aliás vejo que o SCP não está à frente do campeonato e não vai em primeiro na Champions mas há um grande apoio e confiança na equipa, porque vê-mos que aqueles jogadores se esforçam e dão tudo e o treinador também e quando assim é devemos apoiar.

    Veja-se ontem o Liverpool perdeu 3 em casa e não pararam de apoiar pois têm uma boa equipa e vão conseguir bons resultados. Desistir a meio de uma epoca ou por ter um jogo menos conseguido é para meninos.

    Quando é só vitórias todos aparecem para os festejos estilo trampiões, mas a verdade é que os verdadeiros adeptos aparecem nas dificuldades e o Sporting felizmente tem muitos desses.

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Green Lantern, é isso, há um reconhecimento de que o trabalho está a ser bem feito e que o clube está no rumo certo.

      Os jogadores têm feito a parte deles para justificar o apoio até dos mais céticos, cabe-nos agora demonstrar que estamos com eles e ajudarmos a equipa a reduzir a diferença para o topo da classificação.

      Um abraço.

      Eliminar
  6. Revejo-me na descrição que fizeste da tua ausência de Alvalade nos últimos anos, eu também tive um distanciamento a partir de uma certa altura, praticamente pelas mesmas razões que mencionaste e depois porque não me revia minimamente na politica seguida pelas direcções do nosso clube, infelizmente quando o BdC ganhou as eleições, passei por um período em que estive desempregado e não pude imediatamente tornar-me sócio, mas assim que reuni as condições para isso, tornei-me sócio a mim e aos meus 2 filhos, comprei 2 Gamebox e este ano ainda não falhei nenhum jogo. Penso que esta direção merece o apoio dos Sportinguistas e eu enquanto puder não vou deixar de o fazer. Um abraço e SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. RP, os meus filhos foram inscritos como sócios em março de 2013, e andam à volta do nº de sócio 99000. A minha sobrinha foi inscrita como sócia na semana passada, e creio que andará à volta do 116000. Ganhámos em ano e meio cerca de 17000 sócios, o que é muito bom atendendo aos tempos de crise que vivemos. Esperemos que o ritmo se mantenha ou até cresça, mas o importante é que parece haver uma consciencialização dos sportinguistas para a necessidade de ajudarmos o clube a recuperar a vitalidade perdida.

      Um abraço.

      Eliminar
  7. identifico-me tanto com este texto. obrigado pela partilha

    ResponderEliminar
  8. É isso mesmo. Encher significa encher...mais de 45000. 38000 não é encher. Aos bloggers leoninos deste país...façam os vossos possíveis para chamar gente ao estádio

    ResponderEliminar
  9. Se pudesse, lá estaria. Fui ver o jogo com o Belém nas férias. O resultado é que não foi grande coisa... Nada se compara a ir a Alvalade. Força nisso, encham o estádio e apoiem os nossos rapazes, que eles merecem! Eu estou longe, mas sempre equipada de cachecol e camisola, a roer as unhas :) Agora tenho é que corrigir essa grande falha de não ser sócia. Saudações!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marisa, este ano curiosamente os resultados fora têm sido bem mais interessantes do que em casa. Uma vitória apertada com o Arouca, empates com Belenenses e Porto, e derrota com o Chelsea, a contrastar com as vitórias folgadas em Barcelos e Penafiel e o apuramento no Porto. Vamos ver se a tendência dos resultados caseiros vira já a partir de domingo!

      Eliminar
    2. Essa aparente inibição da equipa quando joga em casa não é de agora. Mas esta época acho que também é uma questão circunstancial. Muitos desses resultados coincidiram com uma fase inicial em que as coisas ainda não estavam a "carburar" bem. Melhoramos muito desde então. Com o Chelsea a derrota foi "normal" apesar da boa réplica, e frente ao Porto devíamos ter arrumado o jogo antes do intervalo. O jogo de Domingo vai tirar as teimas :)

      Eliminar
  10. ... e 'enche' aos quantos?

    ResponderEliminar
  11. Caro, não estivesse eu na Suiça por dois anos, esse post fazia-me já comprar a GameBox. Espero poder livrar-me de "desculpas" para não a comprar muito em breve. O estádio é lindo, a equipa está fantástica, tenho mesom que me livrar das desculpas.

    ResponderEliminar