segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Almofadas que confortam e almofadas que asfixiam



Parece cada vez mais evidente que o Conselho de Arbitragem tem revelado uma enorme preocupação em nomear juízes que gozem de simpatia nas hostes encarnadas. Tirando os internacionais Marco Ferreira e Pedro Proença (que são internacionais e, quer se goste ou não goste, têm currículo que os aconselham para os principais jogos), a lista de árbitros escolhidos este ano para os jogos do Benfica causam arrepios na espinha a qualquer adepto sportinguista: Bruno Paixão, Manuel Mota, Hugo Miguel, Vasco Santos, Luís Ferreira, João Capela e Cosme Machado. Retirando Cosme Machado desta lista (não é um bom árbitro, mas parece-me que erra indiscriminadamente), os outros seis são uma espécie de cavaleiros do apocalipse da verdade desportiva, com um longo histórico de bons e relevantes serviços prestados à nação benfiquista.

É uma questão de juntar a fome à vontade de comer. Se esses árbitros já têm uma predisposição intrínseca para serem mais compreensivos com as necessidades encarnadas, o sinal dado pelo CA certamente que não lhes passará despercebido.  E como consequência natural disso, não espanta que em caso de dúvida os árbitros não hesitem em favorecer sistematicamente os interesses do Benfica (seja nos campos em que os encarnados jogam, seja noutros em que os rivais joguem). 

Não nos iludamos: a lei do fora-de-jogo é bastante complicada de ajuizar nos casos nos lances em que o último defensor e avançado estão em linha, e acredito que na maior parte dessas situações a avaliação por parte do árbitro assistente é ditada muito mais por instinto do que por convicção. O problema é que o instinto é uma rede onde se podem apanhar muitos tipos de motivações - incluindo os reflexos de simpatias clubísticas ou meramente de sobrevivência num sistema que privilegia os favorzinhos e em que o mérito, definitivamente, não costuma ser premiado.

A verdade é que têm sido poucos os jogos em que não tenham existido casos ajuizados em favor do Benfica em momentos que poderiam ditar uma história do jogo completamente diferente daquela que se verificou. Vejamos:


10ª jornada: Bruno Paixão (Nacional)

O segundo golo do Benfica é marcado em posição muito duvidosa. Deu-se o benefício da dúvida ao atacante (Benfica).

A meio da segunda parte, é assinalado um fora-de-jogo ao Nacional que deixaria o jogador isolado. A bola chegou a entrar na baliza mas é justo que se diga que Júlio César não se fez ao lance. De qualquer forma, desta vez o fiscal-de-linha (o mesmo que deu o benefício da dúvida a Jonas) não teve quaisquer dúvidas e interrompeu o lance - sendo que o jogador do Nacional nem sequer está em linha, parte de um metro atrás em relação ao último defesa do Benfica. Poderia ter sido o 2-2.

9ª jornada: Manuel Mota (Rio Ave)

A meio da segunda parte, houve um fora-de-jogo corretamente assinalado a Esmael, que marcou o golo que faria o 1-1. No entanto, o fiscal-de-linha estava de tal forma atrasado em relação à linha de fora-de-jogo que era impossível ter condições para avaliar devidamente o lance, e só levantou a bandeirola depois da bola estar dentro da baliza (!).

8ª jornada: Marco Ferreira (Braga)

Erros para os dois lados, com ligeiro prejuízo para o Benfica. Os primeiros erros foram contra o Braga, os erros contra o Benfica aconteceram mais tarde.

7ª jornada: Hugo Miguel (Arouca)

Penálti claríssimo não assinalado aos 24' contra o Benfica. Mais tarde perdoou uma expulsão por acumulação de amarelos a um jogador do Arouca. Mais uma vez, os erros a favorecerem o Benfica aconteceram primeiro.

6ª jornada: Vasco Santos (Estoril)

Penálti de Jardel sobre Kleber não assinalado, Enzo Perez devia ter sido expulso por acumulação de amarelos, e Cabrera foi mal expulso. Três erros graves a beneficiarem o Benfica com o resultado ainda em aberto.

5ª jornada: Luís Ferreira (Moreirense)

Expulsão perdoada a Enzo Perez aos 22', quando o Moreirense já ganhava por 0-1. Aos 66' ficou um penálti por assinalar a favor do Benfica. Mais uma vez, o primeiro erro beneficiou o Benfica, e neste caso marcaria definitivamente o jogo - Benfica a perder e obrigado a jogar em desvantagem numérica durante 70 minutos.

4ª jornada: João Capela (V. Setúbal)

Golo incorretamente anulado ao Setúbal por fora-de-jogo inexistente. Mais uma vez o fiscal-de-linha optou por não dar o benefício da dúvida ao atacante, mas a verdade é que o setubalense partiu bem de trás. Este golo colocaria o resultado em 1-1.

3ª jornada: Pedro Proença (Sporting)

Jogo sem casos relevantes de arbitragem.

2ª jornada: Marco Ferreira (Boavista)

Dois golos anulados ao Boavista um dos quais absolutamente milimétrico (e que colocaria o resultado em 1-1). Mais uma vez, não foi dado o benefício da dúvida ao atacante. 

1ª jornada: Cosme Machado (Paços Ferreira)

Jogo sem casos relevantes de arbitragem.


Não estou a dizer que em TODOS os casos o Benfica foi beneficiado, mas parece indiscutível a permissividade dos homens do apito em faltas para segundo amarelo ou expulsão, tal como a incongruência na concessão do benefício da dúvida dado ao atacante em lances de potencial fora-de-jogo nos jogos em que o atual líder do campeonato participa ((o benefício da dúvida que Montero ontem não teve quando fez o golo que daria o 2-1).

A almofada que conforta o Benfica nos momentos mais difíceis é a mesma que asfixiou o Sporting em momentos decisivos nas últimas duas jornadas. Nada de novo em relação ao que se passou no ano passado, a diferença é que este ano decidiram bloquear-nos a respiração mais cedo.

Fora-de-jogo nos ataques do Benfica? Deixa seguir. Fora-de-jogo nos ataques adversários. Interrompe. Penálti na área do Benfica? Não marca. Patadas do Enzo que dão direito a segundo amarelo ou expulsão. No pasa nada.

O sistema no seu melhor. Só não vê quem não quer.

21 comentários :

  1. Sinceramente penso que agora vamos começar a respirar melhor. Curiosamente o 7º ou 8º lugar vão devolver essa paz de espírito. Vamos andar esquecidos...até chegarmos ao 3º. Sei disso, sabemos todos. Acho que nem vale a pena muito stress. As coisas são como são e só mais tarde eles pagarão, ou não, pelas inverdades desportivas. É a vida caros leões.

    Temos é de tentar passar aos 8ºs da Champions, para termos mais dinheiro e consequentemente força. E claro, ir ganhando agora até nos deixarem. E com isto não me esqueci que fizémos uma má 1ª parte. Nunca me esqueço onde falhamos também.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, o meio da tabela dá muita paz de espírito. O primeiro lugar isolado enerva imenso. A chuva não molha. E o fogo não queima.

      Eliminar
    2. O que a Di quer dizer é que o 7º lugar vai devolver a paz de espírito a quem manda na arbitragem, não é aos sportinguistas. Eu pessoalmente não acredito nisso, o Benfica continuará a ter o colinho (o próximo jogo difícil será arbitrado pelo Duarte Gomes), e a nós deve ser uma questão de tempo de levarmos com um Luís Ferreira, Vasco Santos ou afins.

      Eliminar
  2. Este ano, com o descalabro na Champions, só há uma salvação para o fair play financeiro dos novos corruptos:

    Vender Enzo em Janeiro. Acham mesmo que eles não tinham que ter uma almofadinha bem boa até lá?

    E o problema é que isto foi tão bem estudado que nos deixaram em 7º numa altura com duas semanas de interrupção no campeonato. Para quê? Para alongar o tempo da crítica, do bota abaixo, da discórdia entre nós! Tudo muito bem pensadinho. Agora até já marcam penalties contra o Porto e expulsam jogadores deles e tudo. Vejam bem ao que chegou o poder vermelho.

    E é triste ver que temos adeptos que alinham com isso, mesmo a fazer o que eles esperavam. Assim vai ser difícil. Acho que é desta que o Bruno tem de puxar as orelhas é aos adeptos.

    P.S. Ontem no Trio de Ataque, o Oliveirinha garantiu de fonte findígna saber que há jogadores que nunca vão perdoar a atitude do Bruno depois de Guimarães. Isto também é o sistema.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. André, eu também ouvi o Oliveira dizer isso... nada de novo, Bruno de Carvalho é uma figura a abater. Não há comentador que não malhe nele todas as semanas. Um abraço.

      Eliminar
    2. E o problema, Mestre, é que BdC continua a ter muito inimigos dentro de casa que também fazem de tudo para o tentar abater. Essa malta não sei se não percebe que estão a fazer o jogo do porto e benfica ou se simplesmente o seu ódio BdC é mesmo maior que a sua simpatia pelo Sporting.

      Eliminar
  3. Os fiscais de linha foram os grandes reforcos do Benfica para esta epoca

    ResponderEliminar
  4. "só levantou a bandeirola depois da bola estar dentro da baliza (!)."

    Incrível! Não só o fez correctamente, porque está mesmo fora-de-jogo, como só levantou a bandeirola depois da bola estar dentro da baliza. Entre o momento do fora-de-jogo e a bola na baliza passam uns 0,3 segundos, tempo mais do que suficiente para levantar a bandeira! Muito suspeita, esta decisão correcta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem sequer iniciou o gesto. Um homem com aquele olho de águia (no duplo sentido) certamente teria uma agilidade para iniciar o gesto quando via que a bola se estava a dirigir para o avançado do Rio Ave...

      Eliminar
  5. Intoxicação lampiónica:

    Mal acontece um erro grave a seu favor, o lampião inicia um complexo (para os próprios) e metódico processo que passa por:
    - Arranjar uma série de pequenos erros contra si, para dizer que ainda foram prejudicados.

    - Fazer o escrutínio dos jogos dos adversários para tentar arranjar supostos benefícios.

    Se estas duas situações não resultarem em nada de concreto, passam à 3ª fase, que é a da invenção.

    Nesta jornada, inventa uma regra que faz com que o Slimani esteja fora-de-jogo e ainda inventam um suposto pénalti do Cédric.

    Mas a verdade é que daqui a vinte anos, o que vai ficar nos livros vai ser o nome do campeão e não a forma vergonhosa como este foi determinado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cafageste, é típica a contra-informação patrocinada pelos dirigentes do Benfica. Ainda me lembro na época passada das imagens divulgadas naquele golo anulado ao Belenenses por um fora-de-jogo absurdo. A quererem convencer o resto do mundo que o jogador que estava em fora-de-jogo posicional estava a tapar a visão do Oblak.

      Também na altura apareceram os gráficos com as linhas, a tentar demonstrar que tapava o campo de visão. Azar existirem imagens frontais à baliza que os desmentiam redondamente.

      Um abraço.

      Eliminar
  6. Diz hoje o presidente da APAF que os erros são normais.Dada a lista que até agora temos vamos chegar ao fim do campeonato e não vão chegar duas folhas A4 !...

    Roubar para os lampiões é normal para os outros é que já é um problema.Diz o anormal que os jogadores no fim do jogo em vez de rodearem os árbitros deveriam ir para o balneário e verem aquilo que fizeram mal.O rei dos vigaristas não merecia levar uma cacetada ?.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sempre tudo normal. Gostava de saber que erro é que não será normal...

      Eliminar
  7. Concordo com tudo, menos com o golo da semana passada anulado ao Rio Ave. Sem linha traçada, a situação do avançado do Rio Ave é no limite e com a linha (mal) traçada, o jogador está efectivamente em fora-de-jogo. Convém é acrescentar que a linha da Benfica TV está mal desenhada e oferece uma visão incorrecta e incerta do lance.

    A semana passada em Guimarães, perdemos e perdemos bem, mas o árbitro não teve problema em dar benefício da dúvida no 2º golo do Guimarães e também não houve dúvidas p'ra assinalar aquele penalti ridículo. Não discuto a justiça do resultado, porque não se jogou nada, mas a verdade é que a arbitragem também se destaca.

    Aqui a questão é, há anos que lutamos contra isto, o que é possível fazer? Outrora foi o Porto, agora é a vez do Benfica (falta conquistar o bi, que é p'ra malta rival se calar) e o Sporting é sempre empurrado p'ra canto, leia-se, é afastado frequentemente pelas arbitragens e não, também quero roubos para o nosso lado. Sinceramente, eu acredito no meu clube, mas não acredito neste futebol. Se até voltarmos a recuperar, seremos empurrados novamente e mesmo sabendo que o Benfica e Porto vão perder mais pontos (até pq vão jogar entre si), tenho pouca esperança na conquista do campeonato. Nunca concordei com a afirmação "se o Sporting quiser ganhar, também tem que se mexer nos bastidores", mas a verdade é que parece-me uma afirmação mais realista que outra qualquer. Em Portugal, nunca haverá transparência, a história diz-nos isso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jorge, tenho uma opinião diferente em relação à linha de fora-de-jogo no Benfica - Rio Ave. Penso que está bem colocada.

      Quanto ao 3º parágrafo, estou totalmente de acordo e tenho a mesma visão. Não quero benefícios para a minha equipa, mas estou totalmente consciente que mal o Sporting comece a incomodar será imediatamente empurrado para baixo. É assim agora e será assim no futuro. Precisamos de nos mexer nos bastidores, definitivamente - não para colhermos benefícios ilícitos, mas para impedir que nos prejudiquem e beneficiem outros.

      Um abraço.

      Eliminar
    2. A linha torta está tirada ao jogador e não à bola ;)

      Eliminar
  8. Mestre, é mesmo azar. Já não bastava isto estar infestado de lampiões. Bloqueie aí o IP deste artista dos relógios. Se calhar também deixamos de ter outro tipo de comentários...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já indiquei várias vezes que se trata de spam, mas de vez em quando continua a passar... :)

      Eliminar
  9. Cosme Machado é da esfera de influência Andrade.
    Faltou dos árbitros "vermelhos" o Paulo Baptista.

    ResponderEliminar
  10. Mestre: o golo do Rio Ave é tão FJ como o 2º do slb na Choupana.
    Não acertou nada.

    ResponderEliminar
  11. Falta aí o vermelho direto para o Samaris no jogo Benfica-Arouca aos 72min. quando ainda estava a zero o jogo.

    Fica o vídeo para quem tiver dúvidas: https://www.facebook.com/video.php?v=10201741990551318

    ResponderEliminar