domingo, 9 de novembro de 2014

Desta vez fizemos o suficiente para ganhar

Sim, é verdade que o Sporting deu 45 minutos de avanço em que demonstrou a mesma falta de atitude que já tínhamos visto em Guimarães. Sim, é verdade que o Sporting falhou de forma absolutamente incrível várias oportunidades de golo feito. Mas que raio, se para o mal os jogos têm 90 minutos e devemos lamentar quando a nossa equipa se "ausente" numa das partes, não há nada nas regras que diga que não podemos merecer ganhar se fizermos o nosso trabalho de forma competente nos segundos 45 minutos.

A ter que correr atrás do prejuízo, o Sporting fez uma segunda parte ansiosa e sem grande clarividência, mas teve excelentes ocasiões para conseguir uma vitória confortável - que seria o resultado mais justo.

Por muito que se queira elogiar a boa atitude do Paços de Ferreira durante a primeira parte, a verdade é que no total dos 90 minutos o Sporting fez o suficiente para ganhar confortavelmente. Só não amealhou os três pontos porque o árbitro Bruno Esteves - que já no ano passado teve uma atuação desastradíssima em Alvalade contra o Marítimo (adivinhem que foi prejudicado?) -, que devia ser um elemento neutro no terreno de jogo, interferiu decisivamente no resultado final da partida. 

O Sporting não tem mais obrigações que as outras equipas no que toca a vencer todos os jogos de forma convincente. Não peço que os árbitros tenham a mesma boa vontade que têm demonstrado em momentos chave das partidas do líder do campeonato, mas ficaria satisfeito se não nos dificultassem a vida para além do que é razoável.

Foto: Record

Positivo

A atitude demonstrada na segunda parte - Marco Silva fez entrar Mané e Montero por William e Carrillo, e a equipa transfigurou-se. Ambos os jogadores entraram muito bem, mas também o resto da equipa revelou muito mais genica e agressividade (no bom sentido), capacidade de pressão sobre o adversário e, acima de tudo, urgência nas ações.

A exibição de Paulo Oliveira - o Paços obrigou-o a aplicar-se a fundo durante a primeira parte, tendo feito algumas intervenções de enorme qualidade, algumas das quais impediram males maiores.

O trabalho defensivo de Adrien - na segunda parte fez parte de um meio-campo a dois com João Mário, cabendo a Adrien grande parte do esforço para conter as tentativas de contra-ataque do Paços. Fê-lo de forma extremamente competente, com uma alma enorme.


Negativo 

A arbitragem - uma chuva de cartões a jogadores do Sporting na primeira parte (sem justificação), dualidade de critérios na marcação de faltas, colaboração total com as constantes perdas de tempo de Rafael Defendi desde o início da partida, vários foras-de-jogo assinalados que foram muito duvidosos, dos quais a incorreta anulação do 2º golo de Montero foi a mais grave de todos. Um desastre que nos custou dois pontos.

A apatia revelada na primeira parte - o Sporting deu autenticamente 45 minutos de avanço ao adversário. Há evidentemente mérito do Paços, que se fechou muito bem no seu meio campo, mas os jogadores do Sporting não colocaram a velocidade extra de execução que o jogo exigia.

A finalização - não foi por falta de oportunidades de golo que o Sporting não ganhou. Produzimos o suficiente para marcar 4 ou 5 golos. Slimani (mais do que uma vez) e Capel tiveram nos pés as mais flagrantes. Bastava uma delas...

Os cruzamentos de Cédric - aquele que era o ponto forte de Cédric tem estado esta época muito abaixo do exigível. Não me esqueço do cruzamento que fez para Adrien no 3º golo em Gelsenkirchen, mas a eficácia de Cédric neste departamento tem estado muito abaixo daquilo a que nos habituou. Hoje teve um momento particularmente mau quando, sem qualquer pressão e com quatro companheiros em boa posição em diferentes zonas da área, tirou um cruzamento absurdamente largo que fez com que a jogada se perdesse.


Ficamos a oito pontos do líder, o que é uma tremenda injustiça perante o rendimento que as equipas têm revelado, e que contam com o alto patrocínio dos homens do apito. 

Não podemos de maneira alguma pensar em atirar a toalha ao chão, pois os nossos adversários diretos não são máquinas trituradoras de adversários: o Benfica poucas vezes subiu acima da mediocridade, e cada jogo do Porto é uma pequena lotaria em função das opções de gestão de plantel que Lopetegui teima em realizar. 

Saibamos nós mentalizar-nos que TODOS os jogos têm 90 minutos e que não há direito a descanso enquanto a quando a vitória está assegurada, e conseguiremos certamente aproximarmo-nos dos rivais nas próximas jornadas. O calendário que nos resta na primeira volta é particularmente favorável em relação ao Benfica. Não podemos é facilitar como fizemos nas últimas jornadas. Nunca. Mais.

24 comentários :

  1. Bom dia a todos!
    Vim só aqui desejar a todos uma excelente semana!
    A minha vai ser extraordinária, espero que a vossa também!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo seu tempo. Não se esqueça também de enviar um postal de agradecimento a Bruno Paixão e Bruno Esteves, que bem merecem o vosso reconhecimento.

      Eliminar
    2. Já tratei disso. Pedi a um amigo para entregar uma "lembrança" ao árbitro. Esse meu amigo conhece o "terreno" já não é a primeira vez que vai à Madeira fazer estas entregas.
      Vou pintar um mastro e volto já!

      Eliminar
    3. Tu não deves pintar mastros deves é chupá-los !...ladrão.

      Eliminar
    4. E nem imaginas tu o que eu chupei por ser vice-presidente do Sporting! Foi sempre a mamar! Sempre a meter ao bolso! Foi à fartazana!!

      Quanto aumentou mesmo o passivo durante a vigência do meu mandato?

      Eliminar
  2. Caro MdC,o Sporting não ganhou por culpa própria. Não podemos dar 45m a equipas que, vendo-se a ganhar ou empatar ao intervalo, na 2ª parte usam e abusam do anti-jogo, deixando os jogadores ansiosos, os adeptos nervosos, e então fica o quadro bonito para se jogar mais com o coração do que com a cabeça.
    A equipa tem que perceber que contra adversários destes, o nível qualitativo baixa drasticamente (por contraponto com adversários como Chelsea, schalke, porto ou benfica que vêm jogar o jogo pelo jogo) pelo que há que vestir o fato macaco em conformidade.
    Que o jogo do Paços marque essa lição para o resto do campeonato.
    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é verdade Francisco, mas não há nenhuma equipa capaz de vencer de forma convincente todos os jogos - e isso não quer dizer que não se tenha o suficiente para ganhar. Ontem o Sporting marcou dois golos, o 2º dos quais num lance completamente limpo (eu não tive quaisquer dúvidas no estádio) que foi incompreensivelmente anulado.

      Podemos achar que a equipa tem a obrigação de jogar com mais força de vontade desde o princípio, claro, mas ontem entraram na 2ª parte com vontade de corrigir o que de mal foi feito. Construimos várias oportunidades, falhámos demasiadas delas por culpa própria, mas fizemos o suficiente para ganhar. E não foi o mérito do GR adversário ou da organização do Paços que nos impediu de ganhar.

      Um abraço.

      Eliminar
    2. E o Benfica ganhou por mérito próprio?
      Aos outros basta ser medíocres para ganhar. Nós temos que ser perfeitos. Foda-se, somos os nossos piores inimigos...

      Eliminar
    3. Precisamente, Férenc. Compare-se o que o Benfica tem jogado com os resultados que têm conseguido, e com o papel que a arbitragem tem tido nesses desfechos, e vê-se que esse argumento não cola.

      Eliminar
    4. Nem mais, Mestre. Eles perdem (bem) em Braga e nos jogos a seguir têm os amigalhaços Mota e Paixão a arbitrarem-lhes os jogos com os resultados que vimos. Nós perdemos (bem) em Guimarães e dos 3 golos sofridos, 2 são manhosos e no jogo a seguir acontece isto. Todos são puxados pelos árbitros. Uns para cima, outros para baixo...

      Eliminar
  3. Acho que fizemos uma exibição bastante pobre, com uma postura defensiva muito desorganizada. Sinceramente, o jogo de ontem fez-me lembrar o tempo do Sá Pinto. Acho que o William sobe demais na construção ofensiva (e nem sequer participa nela com grande qualidade) e é sempre apanhado demasiado adiantado na saída do contra-ataque adversário. Um passe bem metido da defesa da equipa adversária, consegue sempre meter a bola nas costas do William, com o portador da bola sempre de frente para a nossa linha defensiva. Acho que aqui está a grande diferença para a nossa maior qualidade defensiva o ano passado. Não acho que a diferença esteja na qualidade dos executantes (Sarr não é assim tão pior que Rojo) mas sim na quantidade de vezes que essa linha defensiva fica exposta e a ter de intervir activamente.
    Portanto, 1ª parte horrível. Nenhuma dinâmica atacante, apenas um jogo de paciência cujo único resultado prático é dar segurança ao adversário para irem tentado o contra-ataque, cada vez com mais eficácia. O golo do Paços acaba por ser natural. Acho que, para ter esta organizção defensiva, temos de entrar a matar com 15/20 minutos de pressão total, sufoco mesmo. Nessa etapa inicial a equipa adversária ainda vai estar com receio de tentar sair a jogar certinho. Se marcarmos nessa pressão inicial, já fica meio caminho andado para ganharmos o jogo.
    A segunda parte é mais uma vez "à Sá Pinto". A carne toda no assador, muita garra, muita vontade, muito risco. Se o William estava sempre mal posicionado, sem ele em campo o buraco à frente da defesa então era gigantesco. O Paços consegue fazer (até à expulsão) umas 4 roturas perigosas, sempre com jogador com bola controlada de frente para a nossa defesa, a conseguir fazer um passe para as costas dos centrais.
    Felizmente foi um jogador do Paços expulso e eles desistiram de tentar a vitória. Até ao momento da expulsão, o jogo estava totalmente aberto para qualquer lado, era a lotaria de quem conseguria fazer primeiro um remate bem enquadrado.
    Depois da expulsão, tivemos várias oportunidades, mais que suficientes para ganhar o jogo. Aqui entrou em campo a equipa de arbitragem. Árbitros que, noutros campos, conseguem ver foras-de-jogo milimétricos apesar de estarem num ângulo de 45º para a jogada, em Alvalade conseguem sempre decidir contra o Sporting no caso mínimo de dúvida.

    Concluindo: jogámos mal, mas jogámos o suficiente para ganhar e, mais uma vez, roubaram-nos 2 pontos, mais uma vez numa jornada em que ofereceram 2 pontos ao campeão 14/15.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tiago, concordo genericamente com tudo isso. O que se passou na 2ª parte é inevitável porque o Sporting precisou de arriscar mais. Qualquer equipa na nossa situação passaria pelas mesmas dificuldades, porque há mais espaço no nosso meio-campo para o adversário aproveitar em contra-ataque.

      Um abraço.

      Eliminar
  4. Tudo normal no futebol nacional,os ladrões do costume vão à frente mais uma vez empurrados por 3 corruptos.O Sporting depois de Guimarães é mais uma vez prejudicado com um golo anulado num lance perfeitamente legal.

    Os vigaristas tem portanto dois pesos e duas medidas,para os ladrões que vão em primeiro tudo tudo é permitido,para o Sporting tudo é permitido mas para prejudicar.

    Enfim o futebol nacional é uma anedota Os vigaristas perderam a vergonha.Os ladrões que vão à frente em 10 jogos foram benefciados em 6.É pouco colinho.Desde já dou os meus parabéns aos ladrões porque assim são imparáveis,imparáveis cá que lá fora são a merda que se vê.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dois pesos e duas medidas. É mesmo isso, King Lion. Fossem as regras iguais para todos e a classificação estaria bem diferente. Um abraço.

      Eliminar
  5. MdC

    Sabe o que fazia na próxima jornada ?,não comparecia.Palavra de honra que se fosse dirigente faria com que a equipa não se apresentasse contra o Setúbal.Era a maior vergonha que se podia fazer a essa ralé,a esses bandalhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é solução, os únicos prejudicados seríamos nós... e eles ainda agradeceriam.

      Eliminar
  6. http://www.record.xl.pt/Futebol/Nacional/1a_liga/Estoril/interior.aspx?content_id=914188
    "Elementos ligados ao FC Porto acusaram Tozé de falta de profissionalismo"
    Para a malta do corruptos fc, profissionalismo seria falhar o penalty.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Incrível. Por acaso acho que o Couceiro não devia ter deixado o Tozé marcar o penálti. Se falhasse nem imagino o que se diria do miúdo.

      Eliminar
    2. Quando estava no estádio estávamos a dizer isso mesmo. O Tozé fez uma segunda parte muito mais fraca, sem qualquer tipo de intensidade. Quando o vimos pegar na bola já praticamente tínhamos assumido que o colinho estava feito...

      Apesar de tudo, duas notas, o porto joga pouco e o Estoril, deste ano, tem pouco a ver com o do ano passado.

      Eliminar
    3. Pedro, mesmo assim o Estoril vendeu cara a derrota com o Benfica (o árbitro foi decisivo) e sacou um ponto ao Porto. Teremos que ter cuidado com eles. Um abraço.

      Eliminar
  7. Creio que o presidente devia escrever mais um ou dois excelentes parágrafos sobre atitude e dignidade. Foi uma estratégia que resultou em pleno.

    ResponderEliminar
  8. Quase tudo de acordo.
    Sou defensor de todos os jogadores feitos no Clube, mas o Cédric não tem qualidade nos cruzamentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francisco, era o ponto forte dele - o cruzamento com os dois pés. Felizmente tem melhorado muito noutros pontos, nomeadamente a solidez defensiva, mas era bom que voltasse a conseguir tirar os cruzamentos ao nível do que fez no ano passado. Um abraço.

      Eliminar