sábado, 29 de novembro de 2014

Encarar o Setúbal como adversário de Champions

É normal que os índices de motivação e concentração no palco da Champions sejam incomparavelmente mais elevados que um jogo típico da liga portuguesa. A visibilidade internacional, o estimulo da competição propriamente dita e o ambiente envolvente devem mexer com qualquer grupo de jogadores que quer provar o seu valor defrontando os melhores. E nesse sentido, o comportamento do Sporting na principal prova mundial de clubes não tem defraudado as nossas expetativas.

Mas seria bom que se conseguisse transferir alguma da motivação adicional da Champions para as competições internas. Tem sido demasiado frequente o Sporting oferecer partes inteiras de avanço aos adversários, e não creio que as dificuldades sentidas se expliquem exclusivamente pelo melhor conhecimento que equipas nacionais têm dos nossos jogadores e sistema de jogo.

Parece indiscutível que tem havido uma certa displicência na abordagem inicial às partidas, que obriga depois a equipa a ter que procurar resolver jogos num espaço de tempo mais curto perante adversários galvanizados com o avançar do relógio, ao mesmo tempo que nos coloca a jeito para que erros graves de arbitragens possam ter influência decisiva no resultado.

A qualidade das ideias de jogo e dos jogadores são mais que suficientes para ultrapassar confortavelmente a maior parte dos adversários de consumo interno, mas não se pode dizer o mesmo do foco da equipa. A recuperação desse foco para os desafios da liga é o principal desafio de Marco Silva para logo. Entrar a todo gás para resolver o mais rapidamente possível. Temos qualidade para o conseguir, mas é preciso fazer pela vida.


8 comentários :

  1. Respostas
    1. Claro que falta, Alessandro. Paulo Oliveira no lugar de Sarr... estar a acabar posts às duas da manhã dá nisto... :) Obrigado e um abraço.

      Eliminar
  2. É fazerem o favor de resolverem rapidamente o jogo para eu jantar descansado.Obrigada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sentir-me tranquilo durante um jogo no campeonato só aconteceu uma vez esta época: no intervalo do Sporting - Marítimo. Depois sabemos o que aconteceu... :) É a nossa sina.

      Um abraço.

      Eliminar
  3. MdC

    A nossa sina é como sempre sofrer !...Não há jogo descansado para os sportinguistas.

    Abraço e boa sorte !...lol

    ResponderEliminar
  4. Boas,

    E porque n entrarmos nestes jogos com 2 avançados de inicio, Montero + Slimani, abdicando de um médio + defensivo (William ou Adrien) e termos o Tanaka no banco... é que regra geral, acabamos a jogar nesta tactica, pq as equipas vêm quase todas com o autocarro... a Alvalade. Acho que deviamos entrar com + poder ofensivo nestes jgos em casa contra equipas teoricamente + fracas.

    SL,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Pawn, não me chocava absolutamente nada. Mas penso que assim a equipa é mais equilibrada (o centro da defesa já dá arrepios suficientes :) ), e que com a atitude certa um 4-3-3 será mais que suficiente. Mas também tenho curiosidade para saber como se comportaria a equipa com Montero em apoio a Slimani. Um abraço.

      Eliminar
  5. É assim que temos de entrar ! :) Mas com apenas 1 médio + defensivo... nos 1ºs 30m... só deu Sporting, e ter o William e o Adrien lá atrás era para q? :p Acho que William e JM teria sido melhor, como acabou por acontecer a partir dos 60m... para aquilo que o Setubal produziu...

    Uma curiosidade... coisas que só acontecem a nós... todos os treinadores se queixam da arbitragem qdo jogam contra o Sporting, depois sao roubados à grande contra os outros e dizem que está tudo bem!! PQP!!

    ResponderEliminar