quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Evolução dos proveitos operacionais dos três grandes

Fazer uma comparação genérica dos proveitos operacionais dos três grandes é um exercício que neste momento não faz grande sentido. O universo a que as contas dizem respeito é completamente diferente, pelo que em determinadas rubricas acabamos por estar a comparar batatas com cenouras.

Por exemplo, o Benfica inclui o estádio no universo da SAD, pelo que existem determinadas verbas (como as receitas dos camarotes) que estão incluídas nas contas. O Porto, apesar de não incluir o estádio nas contas, contabiliza os camarotes nos proveitos da SAD - havendo depois um acerto com a Euroantas (empresa detentora do estádio). O Sporting não inclui as receitas de camarotes nas contas da SAD, pois trata-se de um proveito da Sporting Património e Marketing (empresa detentora do estádio). No caso das quotizações cada clube tem as suas próprias regras: enquanto a SAD do Sporting não recebe um único cêntimo de quotas (ficam 100% no clube), as SADs de Porto e Benfica ficam com 25% do valor das respetivas quotizações.

A partir de 2015/16 as contas dos grandes passarão a ser mais comparáveis, pois a SPM será integrada na Sporting SAD no âmbito da reestruturação financeira, e a Porto SAD passará brevemente a ser detentora de 50% do estádio no âmbito do aumento de capital aprovado recentemente.

Também nas receitas televisivas, com a passagem da Benfica TV para os moldes atuais, estamos a comparar coisas diferentes: enquanto Sporting e Porto declaram lucro puro, o Benfica apresenta um valor ao qual terão que ser deduzidos os custos de funcionamento do seu canal.

Como tal, parece-me que faz mais sentido confrontar os proveitos rubrica a rubrica, naquelas que poderão ser minimamente comparáveis.

As principais fontes de receitas dos clubes são:


Prémios da UEFA 

Fonte que depende exclusivamente do desempenho desportivo. Todas as equipas apresentam valores idênticos, já que pela primeira vez em vários anos os três clubes qualificaram-se para a fase de grupos. No primeiro trimestre há vantagem do Porto por ter recebido cerca de €2,5M adicionais pela participação no playoff de qualificação.

É preciso lembrar que o 1º trimestre termina a 30 de setembro, e que à data apenas tinha decorrido apenas 1 jornada da Liga dos Campeões.


Mais-valias com transações de jogadores

Valor que corresponde ao lucro da venda de um jogador, ou seja, o valor da venda deduzido de comissões, do montante a entregar a outros detentores do passe, e do valor do passe ainda por amortizar. 


É uma fonte de receitas que pode ser bastante volátil e muito dependente da conjuntura do mercado, e ao mesmo tempo está ligado ao desempenho desportivo das equipas - que é importante para a valorização dos jogadores. No 1º trimestre de 2014/15 o Sporting conseguiu pela primeira vez em muitos anos um desempenho semelhante ao dos dois rivais. A continuidade desta aproximação está no entanto longe de estar garantida, ficando sempre muito dependente do desempenho desportivo e de um bom aproveitamento da montra internacional a que já não tínhamos acesso há muito tempo.


Direitos televisivos


Nota: o valor do Benfica em 2013/14 representa o lucro da Benfica TV, e não os proveitos propriamente ditos, para ser comparável com o Sporting e Porto. O valor do 2014/15 Q1 refere-se apenas às receitas, já que os custos de operação do canal não foram divulgados. Trata-se portanto de um valor inflacionado em relação ao lucro propriamente dito.

É expectável que no final do ano o lucro da Benfica TV seja um pouco superior em relação ao de 2013/14, mas estará sempre dependente da prestação desportiva da equipa.


Bilheteira


Inclui também os bilhetes de época. O equilíbrio entre os grandes neste primeiro trimestre é enorme, mas é normal que as receitas acabem por se ir diferenciando à medida que a época avançar, em função do desempenho das equipas nas várias frentes em que competem. 

Ao longo dos últimos dois anos o Sporting conseguiu aproximar-se aos rivais. No ano passado o Sporting ultrapassou o Porto, mesmo não tendo participado em competições europeias e tendo sido eliminado prematuramente na Taça de Portugal. O domínio do Benfica nos últimos anos deve-se sobretudo ao facto de terem conseguido colocar-se em boa posição para vencer o campeonato desde muito cedo (garantido assistências bastante acima da média ao longo de meses) e por terem seguido nas provas europeias até ao fim.


Publicidade


Esta é a fonte de receita onde o Sporting regista o maior atraso em relação aos rivais, que se explica facilmente pelo acumular de anos de fraco desempenho desportivo. Para piorar o cenário, é conhecido o iminente abandono de empresas como a PT e o BES como patrocinadores de referência do futebol nacional. Este ponto será um dos maiores desafios que a direção terá pela frente.

O ponto positivo é que o trabalho da direção se tornará mais fácil se a evolução da militância dos sportinguistas que se tem registado ultimamente continuar a acontecer. Uma massa adepta ativa, fiel e participativa (comparecendo no estádio ou tornando-se sócios) é fundamental para aumentar a atratividade do Sporting para potenciais patrocinadores e aumentar o poder negocial do clube. Ou seja, cada um de nós pode contribuir para que o clube consiga assegurar uma maior fatia do bolo publicitário.

O merchandising não está aqui incluído pelo facto de a distribuição pelas SAD's e clubes ser realizada de forma diferenciada. No entanto, à imagem do que acontece com a publicidade, é um ponto em que o Sporting tem muito a recuperar em relação aos rivais.

4 comentários :

  1. Resumidamente temos muito a recuperar e mesmo assim não temos sido inferiores, falando deste ano, em nada e sublimo o em nada relativamente aos nossos adversários directos.

    Quiçá até somos superiores nalgumas coisas. No porto para a taça ficou demonstrado em campo, na Europa este ano temos melhor desempenho que a lampionagem.

    É isto que ás vezes me custa: ver certos comentários pela blogosfera leonina em que estão sempre a pedir a cabeça daqueles que, como avaliação global, estão a fazer um grande trabalho!!!

    Têm muito para fazer, sim sem dúvida, mas os resultados falam por si.

    O que não quer dizer que se fale de coisas que achemos que não estão tão bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, Pedro. Há aspetos em que há muito espaço para melhoria, mas globalmente o trabalho só pode ser considerado muito positivo. Um abraço.

      Eliminar
  2. Pedro, desça à terra. Basta ver as exibições das equipas da APAF deste fim de semana para perceber onde somos inferiores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa parte ainda não aparece nos R&C's, Daniel... :)

      Eliminar