quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Uma questão de respeito

A época 2014/15 ainda não chegou a meio, mas é indiscutível que até ao momento já nos proporcionou sensações muito diversas: a vingança conseguida em Alvalade contra o Schalke e a eliminação da Taça do Porto no Dragão foram provavelmente os momentos mais inspiradores; e no polo oposto colocaria o empate na Eslovénia, as derrotas em Gelsenkirchen e Guimarães e - o pior deles todos - o empate caseiro com o Moreirense.

Os resultados em casa do Maribor e do Schalke custaram-me muito por terem sido extremamente injustos e decididos ao cair do pano, mas depois de digerir os erros individuais e do árbitro que sentenciaram esses jogos ainda sobraram muitos pontos positivos para olharmos para o futuro com confiança. A derrota em Guimarães foi bastante amarga por causa dos números e da fraca exibição, mas a sorte do jogo esteve toda com o Guimarães (que se vê a ganhar por 2-0 sem pouco ter feito para isso) e mais pareceu um acidente de percurso naquilo que estava a ser na altura uma sequência de jogos bem conseguidos.

Mas ainda agora me custa pensar no empate com o Moreirense. A ausência de aplicação da equipa na primeira parte - que se colocou na ingrata e desconfortável posição de ter que virar o resultado -, a falta de discernimento da segunda parte e a inqualificável reação após o golo do empate (em vez de tentarem aproveitar todos os segundos disponíveis para chegar à vitória) foram um violento murro no estômago, não o posso negar. 

Está a ser difícil de esquecer porque a expetativa era a de reduzir o fosso para pelo menos um dos rivais da frente, nunca para ficar mais longe do 1º lugar. Foi um daqueles momentos em que nos ficamos a questionar se valerá a pena fazer tantos sacrifícios para apoiar os jogadores que envergam as nossas camisolas. Sim, sabemos que são profissionais, têm uma relação bastante mais desapaixonada pelo clube e que nunca sentirão as vitórias e as derrotas como quem está nas bancadas, mas há mínimos que temos que exigir - e o que se passou no domingo foi um desrespeito pelo clube e pelos adeptos.

Hoje jogamos com o Vizela para a Taça. Parece-me desnecessário referir a importância que esta competição poderá ter para nós esta época. Estamos a apenas 5 jogos de a conquistar, e temos que encarar autenticamente cada jogo como uma final - o que passa por nunca menosprezar a oposição, por mais modesta que possa parecer.

Compreendo e aceito que Marco Silva aproveite para fazer mudanças no onze. A diferença teórica entre ambas as equipas é evidente - quaisquer que sejam os jogadores que entrem em campo temos a obrigação de vencer confortavelmente - mas a única atitude aceitável dos jogadores escolhidos será darem tudo o que têm, do primeiro minuto até à vitória estar assegurada. Respeitem o adversário e respeitem-nos a nós. Depois do que (não) fizeram no domingo, devem-nos isso.


12 comentários :

  1. Eu apenas alteraria no teu 11 o Montero pelo Tanaka, para lhe dar mais minutos.

    ResponderEliminar
  2. O Tanaka tem que jogar de inicio. O Slimani vai para a CAN, se o Montero se lesiona é expulso depois joga o Tanaka sem ritmo nenhum?

    ResponderEliminar
  3. Este jogo não é para dar ritmo desde inicio - Este jogo é para ganhar.
    Se estivermos confortáveis no resultado na 2ª parte, então sim devem entrar gajos sem ritmo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, primeiro há que ganhar o jogo. Há vários cenários em que o Tanaka poderá ser utilizado. Esperemos que seja para substituir Montero cedo por já termos o resultado garantido. Um abraço.

      Eliminar
  4. Bom dia a todos

    Mestre, senti a mesma falta de respeito que refere. Fiz 700 quilómetros para ser enxovalhado pelos nossos rapazes e quando eles já estavam em casa, no quentinho do lar, eu ainda me encontrava a caminho do Porto. Não têm o direito de nos desrespeitar da forma que fizeram.

    A resposta hoje tem de ser clara e inequívoca. O jogo é para ganhar, para dar oportunidades e para enviar recados para dentro (refiro-me aos jogadores em sub-rendimento).

    Este seria o meu 11:

    Marcelo (é a 'sua' compeição e deve jogar sempre)
    Cédric (não joga há mais de duas semanas e, se vai ser ele a jogar na Madeira, deve jogar hoje)
    Paulo Oliveira (de todos os centrais, é o único que garante estabilidade)
    Sarr (Rabia não joga desde 2 de Novembro e só tem 3 jogos feitos esta época, pelo que deve apresentar falta de ritmo)
    Jonathan (é o que há para este jogo embora eu tivesse convocado o Mica para jogar)
    Rosell (há muito que devia estar a jogar e espero que continue na Madeira - precisa ele e o William)
    André Martins (merece jogar na sua posição e sei que vai cumprir)
    Montero (sabendo que o 4-4-2 não funciona em todos os jogos, não me parece que se justifique ter assim tanto receio do Vizela)
    Carrillo (não concordo com a chamada de Heldon e assim sendo, ou era o peruano ou Esgaio - mas como o nazareno veio para ser alternativa para a lateral defensiva...)
    Mané (foi dos piores no domingo, mas merece nova oportunidade)
    Tanaka (está na altura de ver o japa em acção).

    Até a nossa equipa B tinha obrigação de vencer o Vizela, por isso espero que estes façam o que lhes compete...e com goleada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Torres, nem imagino o que terá sido essa viagem para cima depois do jogo com o Moreirense. Se no meu caso fui a remoer o resultado mas 30 minutos depois estava em casa, para quem perde 5 ou 6 horas em viagens, mais a gasolina e portagens deve ser muito mais frustrante.

      Esgaio no lugar de Héldon era uma boa hipótese, também. Deixaria Carrillo no banco porque penso que há margem para o poupar - mas em caso de necessidade poderá saltar lá para dentro (o que seria um péssimo sinal).

      Um abraço.

      Eliminar
    2. Mestre, a viagem foi em estado quase depressivo. Desiludido e revoltado com aquela atitude de m**** e falta de respeito pelos 30000 que estavam na bancada.
      Tenho Gamebox e vou a todos os jogos em casa. Fora vou aos que posso. Não exijo vitórias. Exijo que honrem a camisola e o nosso lema. Se o fizerem, tenho a certeza que virei para casa satisfeito com o resultado em 90% das vezes, pois temos qualidade e já a demonstrámos.

      Eliminar
    3. É isso mesmo grandeartistagoleador, ninguém exige goleadas, exige-se profissionalismo e dedicação e no Domingo não houve nada disso.

      SL

      Eliminar
  5. Ora bem logo tenho um convite para ir ver o Sporting a Moreira de Cónegos e embora a viagem seja curta espero não ter de me arrepender !...

    A situação que me aconteceu mais parecida com a do grandeartista foi quando perdemos a final da taça com a Académica.

    Os primeiros 400 km fazem-se bem agora os últimos 400 são para esquecer !...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. King Lion, hoje a viagem de regresso de certeza que não vai custar. Força nisso! Um abraço.

      Eliminar
    2. Mestre

      O Sporting anda a deixar-me ficar mal.Seja contra quem for o Sporting tem de jogar bastante mais futebol.No fim ouvi a falar-se em muito trabalho.Sem dúvida o Marco Silva tem muito trabalho pela frente porque dos chamados segundas linhas nem um serviu para amostra da equipa titular.

      Sei que são competições diferentes,sei que o Vizela estava a fazer o jogo da sua vida,mas também não se compreende como se joga tão pouco futebol.Exige-se mais,mas mesmo mais.

      No fim do jogo vinha a ouvir a conferência de imprensa na TSF e o Paulo Oliveira disse que o Vizela deixou orgulhoso o concelho de Guimarães.O melhor para ele é não ir a Vizela tão cedo !...hahahahaha

      Por fim pelos vistos o Fininho foi jogador de futsal.É claro que o destaque foi que o Fininho já foi jogador do Benfica...depois o segundo relatador disse que ele também já tinha sido jogador de futsal do Sporting e até já tinha sido campeão.

      Enfim vindo desta radio não é de admirar.Por isso esses já foram grandes e agora são uma grande mer!...

      Eliminar