terça-feira, 13 de janeiro de 2015

A morte anunciada da formação do Sporting

Imagem da cantina da Academia de Alcochete

Custa muito a um sportinguista, adepto de um clube que nas últimas décadas habituou o país a produzir uma grande percentagem dos maiores valores do futebol nacional, assistir ao que se tem passado com as equipas das camadas jovens nos últimos anos. Este ano em particular, a eliminação dos juvenis da fase final do campeonato nacional e os resultados insatisfatórios sucessivos da equipa de juniores (com o consequente atraso de 19 pontos em relação ao Benfica) são indiscutivelmente factos que custam muito a aceitar.

É óbvio que é necessário perceber o que está a falhar, pois a escassez de títulos dos últimos anos é sintomática de que há coisas que não estão bem - mesmo considerando que os títulos nas camadas jovens nunca foram uma prioridade para o Sporting.

A reflexão que se segue sobre o estado atual da formação do Sporting não tenta suavizar ou desculpabilizar o quer que seja ou quem quer que seja, nem escapa a algo que é tão óbvio quanto doloroso reconhecer: neste momento o Benfica tem melhores equipas nas camadas jovens e genericamente os seus jogadores têm maior potencial do que os nossos - apesar de isso não significar necessariamente que darão melhores jogadores quando forem lançados às feras no escalão sénior. 


Os resultados

Começando pelos juniores, o valor da equipa não me parece tão baixo quanto a participação na Youth League deixa pressupor. É indiscutível que o Chelsea e o Schalke têm melhores jogadores (no caso dos ingleses existem uns miúdos que serão estrelas daqui a poucos anos), mas o desnível dos resultados foi amplificado por circunstâncias infelizes ocorridas ao longo dos jogos. No primeiro jogo contra o Chelsea e nos dois jogos contra o Schalke ficámos a jogar com 10 desde muito cedo, sendo que no jogo em casa com o Schalke até estávamos a vencer enquanto jogámos com 11. Um pouco mais de sorte (ou sangue frio) provavelmente não seria suficiente para o apuramento, mas os resultados certamente que não seriam tão penalizadores.

Internamente as coisas também não estão nada famosas. Apesar do 2º lugar no campeonato nacional, a prestação da equipa tem sido bastante insatisfatória. No entanto, os 19 pontos de atraso para o Benfica têm que ser colocados em perspetiva: na época passada a equipa do Benfica que foi à final da Youth League ficou a 15 pontos do Sporting nesta mesma fase. E no final, nem uma nem outra equipa conseguiram ganhar o campeonato.

No caso dos juvenis, a eliminação foi um choque. No entanto, o cenário não é de forma alguma a tragédia que muitos querem fazer passar. O Sporting ficou apenas a 3 pontos do Benfica e a 1 do Real Massamá, conseguindo a melhor defesa e o melhor ataque. Foi um grupo extremamente equilibrado em que o Sporting começou da pior maneira ao averbar as duas derrotas que teve em toda a competição nas três primeiras jornadas. Bastava que uma das derrotas tivesse terminado num empate, ou um empate numa vitória e os veredictos que hoje se fazem sobre a qualidade da equipa seriam completamente diferentes.



Responsabilidades

No caso dos juniores não faz grande sentido culpar a atual direção do que está a acontecer. O que vemos é o resultado do que foi feito ao longo dos últimos 6 anos, o que significa que quando esta direção tomou posse as bases (para o bem e para o mal) já estavam maioritariamente implementadas. Como é evidente, a direção tem que responder pela instabilidade (e apostas falhadas) nas equipas técnicas das equipa B e junior ao longo dos últimos meses, sendo necessário aguardar mais tempo para perceber até que ponto as medidas entretanto tomadas foram ou não as mais adequadas.

No caso dos juvenis, a eliminação já ditou o afastamento de Telmo Costa (que vai para Angola com Lima no âmbito da parceria com o 1º Agosto) e o regresso de João Couto, que treinou os juniores e os juvenis do Sporting entre 2000 e 2006 - tendo sido contratado pelo Benfica em 2007 (onde esteve durante três anos).

Segundo Bruno de Carvalho, só recentemente foi retomada uma relação de normalidade com a rede de olheiros, o que será um fator fundamental para identificar e atrair os maiores talentos que existem em todo o país. Será também necessário atacar os melhores jogadores iniciados e juvenis de outros clubes - por exemplo, o Real Massamá ou o Sacavenense certamente que terão miúdos com capacidade para estarem no nosso plantel.

De qualquer forma, não consigo perceber uma coisa: como foi possível o Sporting ter ido buscar o José Correia (aka Zé Turbo) ao Real Massamá há seis meses e não ter assinado um contrato com o jogador, permitindo que este saísse a meio da época para o Inter?


Futuro

Os sinais são indiscutivelmente preocupantes, mas isso não quer dizer que a Academia não continue a cumprir o seu objetivo principal: fornecer jogadores para a sua equipa principal. Ter uma equipa de qualidade inferior ao que é normal não quer dizer que não existam 2 ou 3 jogadores que tenham valor para um dia alinhar ao mais alto nível. Os próximos anos encarregar-se-ão de confirmar (ou desmentir) a qualidade dos jogadores que temos neste momento em Alcochete.

A frase "Não existe sorte, existe preparação e oportunidade" que está escrita na parede da cantina da Academia é particularmente feliz a vários níveis: para a direção e estrutura, que precisam de demonstrar mais pró-atividade e sabedoria na gestão das equipas jovens e no recrutamento dos melhores talentos existentes em Portugal; e para os jogadores que crescem na Academia, que devem continuar a trabalhar sabendo que estão no clube que melhores oportunidades lhes proporcionará para darem o salto para a 1ª linha do futebol nacional.

Uma coisa é certa: o anúncio da morte da formação do Sporting como a melhor do país é definitivamente prematuro. Títulos nas camadas jovens, cubos mágicos, polos de ensino secundário e universitário, centros de estágios com 1001 campos relvados e primeiras páginas de jornais não vão transformar por artes mágicas jovens promessas em jogadores capazes de se baterem olhos nos olhos com os melhores - no final do dia Benfica e Porto ainda terão que se confrontar com a escassez de cultura formadora que possuem, e que é fundamental para dar tempo e paciência para os jovens errarem e aprenderem enquanto custam pontos à equipa principal. Esse é um fator fulcral naquela que é a fase mais difícil de desenvolvimento de um jogador e que, tragicamente para os jovens produtos da formação de Benfica e Porto, é a única coisa na construção de um jogador que o dinheiro nunca poderá pagar.

20 comentários :

  1. Vamos ver,no caso do Benfica (nao falo no Porto porque nao conheco tao bem a realidade do clube) penso que existem 2 factores que vao permitir aos nossos jovens singrar num futuro proximo na equipa senior.Um e a parte financeira que nao vai permitir continuar a comprar jogadores ja com essa ultima fase da formacao cumprida,ou seja JJ tera mais trabalho mas sera a unica hipotese de aqui em diante.A segunda tem a haver com a qualidade inequivoca da fornada que ai vem que tem de ser aproveitada,senao todo o investimento no Seixal sera deitado fora.Mas independentemente dos maus resultados da formacao do Sporting Clube de Portugal,ela mesma tem muitos valores que certamenta vao beneficiar da grande aposta que tradicionalmente o clube faz com os seus jovens jogadores.Para que ter a obecessao de ter a melhor formacao,como se isso fosse um titulo ou mesmo fosse possivel de avaliar apenas por os titulos conquistados?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nonameslb, é verdade que Vieira tem anunciado a necessidade de reduzir o investimento em jogadores estrangeiros, mas também é um facto que já o faz há alguns anos e até ver a estratégia não mudou. Contratou Samaris por €10M, Cristante por €6M, Talisca por €4M, por aí fora. Para o próximo ano já contratou Mukthar e fala-se no Rodriguez. Isto não é incompatível com a aposta em 2 ou 3 jogadores da formação, é certo, mas é um indicador de que há hábitos que são tremendamente difíceis de mudar.

      De qualquer forma concordo que há muito talento à espera de ser aproveitado, como o Benfica nunca terá tido ao longo das últimas duas décadas. Vamos ver como se processará a sua integração no plantel principal - que dependerá muito da forma como Jesus abraçar essa intenção do presidente.

      Em relação à sua última frase, e falando por mim (mas creio que muitos sportinguistas sentem o mesmo), vejo a cultura formadora do clube como uma parte importante da identidade do clube. Temos orgulho no trabalho que se tem feito ao longo das últimas décadas na construção de jogadores, e esse orgulho tem uma realização concreta quando os vemos a envergar a camisola do clube pela equipa principal. Não é um título, não substitui conquistas de campeonatos ou outras competições, mas é algo que faz parte da nossa cultura e identidade e que nos enche de satisfação.

      Um abraço.

      Eliminar
  2. Esta é uma área em que tenho algum conhecimento de causa e, por acaso, estou em desacordo com muitos pontos.

    Para mim, é bastante mais grave o cenário nos juniores e, ao contrário do que referes, atribuo muitas culpas a esta Direcção. É totalmente inaceitável a instabilidade técnica vivida, é totalmente inaceitável que se entregue um escalão importantíssimo na formação a alguém com a experiência nula como o Boa Morte e, acima de tudo isso, é totalmente inaceitável (e surreal, até) estrear-se 15 ou 16 novos jogadores neste escalão...

    Há alguma falta de qualidade, é certo. As contratações foram falhadas, na sua grande maioria por se ligar a jogadores de rendimento (em realidades distintas) e não a jogadores de potencial de Sporting. Temos vários exemplos. Acredito que miúdos como Jorge Silva, Diogo Barbosa, Benevides, Bubacar Djaló, entre outros, possam ter tido destaque nas respectivas equipas. No entanto, não é preciso ser-se um observador de topo para verificar que não têm qualquer tipo de valências técnicas mínimas para os pergaminhos da Academia. Naturalmente, confirmou-se em campo, apesar da maioria lá ter andado jogos a fio, com os resultados conhecidos.

    A geração não tinha grande qualidade, é certo. Algumas contratações tiveram a sua lógica, outras nem por isso. Independentemente do sucesso, consigo compreender que se aposte num central como o Ivanildo, num médio como o Caicedo ou num extremo como o Elói. Vendo o futebol sénior do Sporting, são tipos que, bem trabalhados e com normal evolução, terão características ideais para lá chegar. Ainda assim, foram dispensados muitos miúdos com anos e anos de casa, para que algumas dessas contratações pudessem entrar... e isto é gravíssimo. Miúdos que demonstraram qualidade ao longo de muitos anos, preteridos por tipos sem qualquer qualidade e, pior, muitos acima da idade (e sabido por todos), como o referido Zé Turbo, o Ronaldo Gato ou os senegaleses. Agora, lá temos mais um vindo do Oeiras (este, segundo consta, é bom jogador... o Abou Touré).

    Nos juvenis, o caso é muito diferente. Equipa de grande qualidade, com miúdos com enorme potencial, vendo-se privada do Pedro Ferreira. Equipa orientada por um dos melhores treinadores da Academia nos últimos anos. Começaram mal, com 2 derrotas evitáveis... De resto, um campeonato notável. Com qualidade de jogo, com resultados, com números... mas insuficiente. Não faz sentido misturar as coisas. Não fomos apurados porque, na mesma série, temos um Real com uma excelente equipa (e um ainda melhor treinador), munida de muitos miúdos com passado no Sporting inclusivé (Zidane e Miguel Tavares, os dois melhores, por exemplo), que fez por merecer este cenário. Compreendo que seja empulado este não apuramento, dado o cenário geral... mas há que saber discernir a diferença.

    O grande problema deste Sporting está acima... A bandalheira total que se passa nos juniores e equipa B. Aí sim, o cenário é muito, muito negativo, e é uma pena pois existe muita qualidade individual que se poderá perder, graças a gravíssimos erros de gestão e a uma incompetência técnica gritante, por parte dos treinadores e, segundo consta, de quem os obriga a tomar certas opções técnico-tácticas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foram assim tantos os juniores dispensados para ser necessário tantos novos jogadores? E foram dispensados porquê? Isso deixa-me preocupado com o que poderá acontecer nos próximos 2 anos com o actual plantel dos juvenis...

      Eliminar
    2. VeDrlx, desconheço completamente as competências dos treinadores que temos. Parece-me no entanto evidente que a aposta em Barão foi completamente falhada (e em função da experiência recente tinha tudo para falhar), e Boa Morte também é um risco pela falta de currículo nesta área.

      Não haver gente competente nos lugares de decisão que consiga distinguir o potencial daquilo que rende nas camadas jovens é de tudo isso o que mais me preocupa.

      Quanto à promoção do Pedro Ferreira, parece-me um princípio saudável dar-lhe um estímulo competitivo mais elevado. Se isso significar que se ganha um melhor jogador para o futuro, vale a pena colocar em risco os "objetivos" competitivos do escalão em que estava antes inserido.

      Um abraço.

      Eliminar
  3. Ah, esqueci-me duma parte... o Zé Turbo.

    Casos como o dele há ao pontapé. Miúdos que se destacam num clube, chegam ao Sporting, é-lhes dado um "tempo experimental", corre bem e o clube apresenta uma proposta e, apenas aí, o jogador assina. Tudo normal. Conhecendo o passado do miúdo (apenas uma época em Portugal e com imensos pontos de interrogação na data do BI... ou mesmo certezas), acho que foi uma jogada segura.

    O que se passou depois, é simples. O Sporting não se portou da melhor forma com o rapaz, financeiramente falando. Ainda assim, ele portou-se bem com o clube, nunca amuou e continuou a trabalhar, bem orientado pelos seus representantes... até ao dia em que 'alguém' se chegou ao pé dele, com uma batulada de dinheiro, convencendo-o assim a abandonar quem o representava, a abandonar o clube e a... desaparecer. Muito dinheiro. Mais do que eu ganho em 4 anos de trabalho... Tudo isto, com a promessa de se transferir para o estrangeiro, a troco de um contrato muitíssimo superior ao que o Sporting lhe oferecia. Ele assim o escolheu.

    A história está longe de terminada. Por outro lado, o Sporting está longe de ter zero culpas no cartório mas... é um simples caso de aliciamento, que o miúdo acedeu. E quem se leva assim pelo dinheiro, é para deixar ir, sem problemas. Como ele... há muitos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. VeDrlx, independentemente de todos esses pontos de interrogação, o jogador já tinha idade para assinarem um contrato de três anos que para já o colocaria a salvo desse tipo de aliciamentos... a partir do momento que foi aposta não percebo porque não o seguraram de outra forma.

      Eliminar
  4. Mestre, concordamos no essencial, a morte anunciada da formação do Sporting como uma das melhores do país está por provar. Mas isso não quer dizer que não esteja acontecer perante os nossos olhos há já algum tempo. Leia com atenção o que lhe escrevem as pessoas que realmente conhecem o fenómeno e não se ficam pela tentativa habitual hoje em dia, e que o meu caro tanto gosta, de ilibar a actual gestão dos seus erros seguindo a narrativa de as coisas boas que vão acontecendo são mérito de Bruno de Carvalho e as más dos que o antecederam. Pode ser útil para os próprios, pode-lhe dar jeito a si em popularidade mas não é bom para o Sporting. E os presidentes felizmente passam e clube fica, embora as consequências das más decisões também.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vítor, li com muita atenção e como é evidente fico preocupado. Sinceramente não vejo como avalia este post como uma tentativa de ilibar a atual gestão dos erros que possam estar a ser cometidos. A aposta na formação é uma prova de fundo cujos resultados não se podem avaliar devidamente ao fim de ano e meio.

      Serão certamente centenas as decisões que se têm que tomar. Em que jogadores que já estão em Alcochete em que se deve renovar ou não aposta, decidir quais os jovens a recrutar por esse país fora nos diferentes escalões, que estruturas de apoio são montadas para o desenvolvimento dos jogadores, e a qualidade das equipas técnicas. Muitas dessas decisões serão certamente erradas, outras certas. Ao fim de algum tempo cá estaremos para fazer o balanço, em função dos títulos (ou mesmo qualificações) que sejam ou não alcançados e, sobretudo, em função da qualidade dos jogadores que conseguiram (ou não) ascender à equipa principal.

      Um abraço.

      Eliminar
  5. As notícias da morte da formação do Sporting são claramente exageradas.

    Há problemas, claro! Mas nada que não se resolva. E tudo é ainda mais empolado por causa da propaganda lampiónica, que faz acreditar que têm grandes jogadores e que ganham tudo, mas depois só têm qualidade para os Aroucas e os Belenenses.

    Antes de mais há que definir um problema conjectural. Não dias de hoje não há muitos treinadores cujo objectivo de vida seja trabalhar na formação. Todos querem ser o novo Mourinho e ganhar muito dinheiro mas para trabalhar com miúdos é precisa motivação, vontade, conhecimentos e comportamentos diferentes. E já não são muitos os que o querem fazer.

    Quando questionamos as competências do Boa Morte, deveríamos também perguntar: quais as alternativas?

    A época da equipa B foi muito mal planeada, é verdade. Mas na situação em que estamos metidos, somos obrigados a tentar potencial jogadores baratos vindos de fora. Há dívidas para pagar. E se se diz que os jogadores da Academia são fracos, como é que se vai fazer dinheiro com eles?

    Depois, há a questão monetária. Há um clube que aparenta ter muito dinheiro é que mal um jogador ou treinador se destaca é logo aliviado para ir para lá. E como não temos capacidade para igualar as propostas, perdemos esses elementos.

    Como foi possível desmantelar a rede de olheiros?

    E acima de tudo, quem foi o responsável pela entrada na Academia dos espiões provenientes do outro clube, que fizeram o que quiseram e quando saíram levaram toda a informação existente nas bases de dados?

    A verdade é que a formação do Sporting não morreu, mas vai levar anos a reerguer-se.

    ResponderEliminar
  6. mestre sobre este tema convido-o a ler 2 textos, de alguém que está por dentro da formação e conhece bem quer osjogadores que la estão ou já saíram, quer treinadores e mesmo observadores e ex observadores

    deixo-o aqui um link para um dos textos e o outro está no blogue a norte de alvalade.

    https://www.facebook.com/ACF75/posts/763300030418974:0

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O ACF até pode estar por dentro destas questões mas o seu ressabiamento por ter sido dispensado por esta direcção tolda-lhe o raciocinio e não lhe permite opinar objectivamente.
      Dizer que o Sporting "permitiu" a saída do Moreto e do Idrisa diz tudo pois todos sabemos de que forma esses jogadores rumaram ao fcp.

      Eliminar
    2. como é que se dispensa alguém que não trabalhava lá?

      Eliminar
    3. O que tu gostas é de gajos do lápis azul, ACF, NdA, LR. Não me admira...
      Com essa gente não se pode discutir, se se tenta só publicam os comentários que querem, os outros ou não são publicados (blogs) ou são apagados (face)... Nem sabes a liberdade que tens em escrever por onde te vejo :-)

      Eliminar
    4. Mais sobre ACF sobre uma queixa contra o sporting...

      http://www.erc.pt/documentos/newsletter/Deliberacao6DJ2010.html

      Gosto particularmente deste trecho:

      Tendo apreciado esta queixa o Conselho Regulador deliberou proceder ao arquivamento do presente processo, quer devido à extemporaneidade parcial da queixa, quer devido à convicção de que o Queixoso PROSSEGUIA FINS DISTINTOS dos relatados na Queixa, sendo movido por interesses enquadráveis na sua vida pessoal que não são reconduzíveis ao exercício da actividade de jornalista.


      E do que andei a ler denominam-no teu mentor riga. é verdade?

      Eliminar
    5. Pelos que li não chegou a trabalhar, mas era um anti-godinho que se colou ao BdC nas duas eleições à espera de lhe cair um tacho, mas que como não caiu ressabiou-se. para confirmar é só pesquisar para traz...

      O que a gente descobre por esta internet fora....

      Eliminar
    6. https://www.facebook.com/paulo.pereiracristovao/posts/706041256093302

      Eliminar
    7. Do que ja li por aí, o ACF é muito forte é na arte do assédio sexual

      Eliminar
  7. Diz que a novela esta semana é o "não temos putos", "formação tá na merd*" e a "escola do benfica é que é".

    "Tá engrassade"

    Bom, amanhã, rumo à 7ª vitória consecutiva... de preferencia com miudos da escola de merd* + contracoes de merd* do plesidente...

    SL

    ResponderEliminar