segunda-feira, 2 de março de 2015

A gestão de plantel de Marco Silva

No rescaldo da eliminação da Liga Europa e da derrota com o Porto, têm sido várias as críticas feitas a Marco Silva devido à gestão física do plantel e à falta de rotatividade.

Fiz um quadro com os minutos de utilização dos jogadores nas partidas realizadas em 2015 (exclui, por motivos fáceis de entender, os jogos da Taça da Liga). Marquei a verde os jogadores que compõem o 11 tipo, e a amarelo aqueles que normalmente se sentam no banco. A branco está Maurício, que saiu do clube, e os jogadores da equipa B que foram pontualmente chamados à equipa principal.

Os jogadores estão ordenados por tempo de jogo (os mais utilizados aparecem primeiro), e separei-os com uma linha horizontal em função do nível de utilização: os intensivamente utilizados, os moderadamente utilizados, e os esporadicamente utilizados.


Olhemos para os jogadores mais utilizados: Paulo Oliveira, Rui Patrício, João Mário, William, Tobias e Cédric têm estado, na minha opinião, num bom nível. Aliás, se excluirmos Tobias desse lote, temos aqui aqueles que foram os nossos 5 melhores jogadores no jogo do Dragão.

Continuando a olhar para o quadro, seguem-se Nani e Carrillo, que passam por período de menor inspiração. Ou seja, destes 8 jogadores, claramente os mais utilizados, talvez Nani e Carrillo pudessem ter sido poupados em mais ocasiões.

No entanto, que alternativas temos para os seus lugares? Mané tem tido um comportamento intermitente, premiada por uma utilização minimamente regular (41% do tempo), enquanto que Capel nunca conseguiu esta época fazer melhor do que os jogadores que substitui. Os 5% de tempo de utilização são mais uma consequência pelo seu fraco rendimento do que o contrário.

A utilização de Adrien, que tem estado no centro das críticas, nem tem sido das mais intensivas. Apenas 66% do tempo de jogo em 2015, e 68% do tempo de jogo nas últimas 5 partidas.

Em função destes números, não me parece que a derrota de ontem se explique pela gestão física que Marco Silva do plantel.

Ou seja, conforme escrevi no post de ontem após o jogo, não me parece que o desaparecimento da equipa se tenha devido ao desgaste físico. Se fosse só isso, teríamos dado uma réplica bem superior pelo menos durante 60 ou 70 minutos. Parece-me que o desaire de ontem se explica mais pelo seguinte:

  • Os jogadores mais desequilibradores estão em má forma e foram bem anulados pelo Porto
  • Houve uma quebra sobretudo psicológica quando sofremos o primeiro golo; a incapacidade de reagirmos acabou por fazer passar à equipa o sentimento de que o jogo estava perdido
  • Não havia no banco soluções que pudessem inverter o rumo da situação

E é no banco que bate o ponto em que, na minha opinião, Marco Silva deveria rever a sua posição. Há que abrir o plantel a novas soluções. Rosell tem características que ontem podiam ter sido úteis, mas a sua utilidade é bastante limitada quando a equipa tem que tomar a iniciativa do jogo. André Martins e Capel raramente conseguiram corresponder às expetativas nas oportunidades que tiveram. Montero está novamente num mau momento de forma e Tanaka não tem características para jogar sozinho lá na frente. 

Porque não dar oportunidades a Wallyson, Gauld, ou mesmo Rubio? Os dois primeiros estiveram muito bem na Taça da Liga, o chileno tem estado com o pé quente. Parece-me razoável pensar que, no mínimo, jogadores jovens, motivados e introduzidos na rotação de forma sustentada - rodeados de colegas mais experientes e com bastante maior qualidade que os rodeia na equipa B -, poderão oferecer ao fim de pouco tempo mais à equipa do que os jogadores desmotivados ou completamente fora de forma que temos atualmente como soluções alternativas ao onze titular. 

E quem sabe se não estaríamos a produzir 1 ou 2 possíveis titulares já para a próxima época.

20 comentários :

  1. O Sporting fez um jogo muito mau e a explicação estará só na condição física dos jogadores ?.Não me parece pois embora o tempo de recuperação não tenha sido o ideal acho que houve foi falhas de concentração a mais.

    O Sporting revela problemas de atitude que se tem verificado em vários jogos.Tanto aparece uma equipa bastante motivada,por exemplo jogo com o Wolfsburgo,como aparece uma equipa desinteressada e sem intensidade.

    Espero que esta derrota não deixe marcas para o jogo de Quinta no qual o Sporting vai encontrar uma equipa em subida de forma e muito motivada para para chegar à final da taça de Portugal.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. King Lion, penso que perdemos de forma clara devido a uma combinação de vários fatores. Cansaço físico, claro, mas também desgaste psicológico dos maus resultados recentes. Apanhámos também o Porto no seu melhor momento, fresco, e que se pode preparar a semana inteira para jogar connosco. Um abraço.

      Eliminar
  2. Ou seja, acabas por admitir, um pouco pela porta do cavalo, que é mesmo uma questão de... gestão de plantel. :)
    Já o defendi noutros lados: há mais soluções que na época passada. Dentro das possibilidades, é certo, mas há. Só não o admite quem não quer - porque ver, as pessoas vêem. O grande problema de MS é não só pôr, quase invariavelmente, os mesmos. É que os dispõe (quase) sempre da mesma forma, o que torna o jogo da equipa previsível. E há sempre a questão das substituições: (quase) sempre as mesmas, (quase) sempre a más horas.
    Outra coisa: a postura de MS. Se ainda poderia tolerar certas coisas a princípio, sabendo de antemão que ele não é do género expansivo, o que anda a acontecer ultimamente, sobretudo após o jogo com o Benfica, é um ar de quem toda a gente lhe deve e ninguém lhe pagar que não se admite numa equipa com ambição assumida. Por muito que não se queira, isso acaba por se refletir na equipa. Ele é (supostamente) o Sargento que tem que motivar o Batalhão. Pela amostra, isso parece não estar, de todo, a acontecer.
    Receio que MS não seja mais que um mutante de Paulos: o Bento e o Fonseca. O primeiro pela teimosia, o segundo por, cada vez mais, se estar a perceber que poderá ter dado um passo maior que aquele que as suas pernas (por enquanto) permitem. E sendo (cada vez mais) assim, só resta a BdC emendar esta mão, com o mínimo de prejuízos possível para o clube.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é verdade, Ricardo... :) Não me parece que se explique tanto pela gestão física do plantel, mas pela gestão de todas as soluções disponíveis no plantel.

      Em relação a essa apreciação de Marco Silva, não estou de acordo. Cada treinador tem o seu feitio e isso não significa necessariamente uma menor capacidade de motivar o seu grupo de trabalho.

      Um abraço.

      Eliminar
  3. mestre

    quem dera ao sporting poder fazer como o Wolfsburgo que mudou 6 ou 7 jogadores.

    mas que o sporting não tem profundidade do plantel já se sabe há muito tempo, temos 12, 13 jogadores e não mais do que isso.

    E tipo , não vou bater no treinador, porque depois do jogo de 5f, eu teria ficado muito admirado se o meio campo tivesse a intensidade de jogo ontem que teve nesse jogo.

    Se juntarmos um porto bem mais forte nesta altura do que por exemplo na altura do jogo da taça, que teve um meio campo pressionante pronto a aproveitar-se das debilidades fisicas8 e foram sempre mais fortes na disputa de bola), e que soube muito bem aproveitar o ponto mais fraco da defesa do sporting( defesa esquerdo), ainda mais tendo na sua cobertura um miúdo que quando foi pressionado tremeu.

    Se formos a ver os 3 golos do porto acontecem todos da mesma forma( sem tirar mérito as assistências, temos de admitir que aquela do Jackson no primeiro golo é excelente). má marcação do Jonathan(que fica as 3 vezes nas covas com o tello) e depois em 2 vezes o paulo oliveira e noutra o cedric falham a linha de fora de jogo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Riga. Só acrescentaria que Jonathan não teve o mesmo apoio defensivo que Cédric teve (Carrillo e William ajudaram muito mais que Adrien e Nani), e que o Porto teve muito mais oportunidades para marcar. Um abraço.

      Eliminar
  4. Desta vez não concordo com a tua análise, Mestre. Enquanto houve pulmão e o jogo estava fechado (até aos 25/30 minutos da 1a parte) o Sporting mandou no jogo e o porto não chegou à nossa baliza. aliás, os primeiros remates com perigo foram nossos. Depois...o jogo abriu e começou a haver espaço para correrias, viu-se o nosso défice físico. Ninguém ganhou um sprint de 10 metros a um jogador do porto, nem sequer a primeira bola. Nunca na vida aguentarias 60/70 minutos naquelas condições físicas. O balão rebentou completamente, aquilo parecia um jogo de casados contra miúdos de 20 anos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Miguel, não consigo conceber que jogadores profissionais estejam esgotados ao fim de 30 minutos. Não pode ter sido apenas o desgaste físico... Um abraço.

      Eliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. Eu continuo a dizer que há erros graves na gestão do plantel e não só a nível de escolhas de jogadores no 11. É também questões taticas.
    Porque é que MS continua a insistir a meter Montero sozinho na frente quando já se viu qu enão funciona?
    Porque é que MS continua a insistir no Adrien quando ele atrasa o nosso ataque e faz constantemente passes disparatados?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mike, no caso da aposta em Montero, parece-me compreensível dado que Slimani não podia entrar de início... Quanto ao Adrien, está de facto em má forma - e MS devia ter-se apercebido que não estava em condições de jogar. Um abraço.

      Eliminar
  7. Ninguém pede ao MS que mude os 11 de jogo para jogo. Mas ontem (e noutras ocasiões) era perfeitamente possível ir descansando algumas peças chaves sem comprometer seriamente a qualidade global do onze. Para além da motivação adicional para os menos usados.

    Ontem, ou na quinta-feira passada, A. Martins e/ou Mané e/ou Capel e/ou Miguel Lopes e/ou Rosell podiam ter dado descanso aos habituais titulares. Já nem vou à B ver do Wallyson ou do Gauld pois nem os do banco parecem servir para mais de 10 minutos por jogo.

    Outra é a falta de nuances tácticas e estratégicas no nosso jogo. Jogamos sempre da mesma forma em qualquer campo, contra qualquer adversário, sejam quais forem os jogadores que utilizemos. Passado um tempo torna-se fácil anular e prever.

    E o Montero (coitado do Tanaka...) se não lhe apetece jogar à bola que avise o MS antes deste o escolher para o onze titular. É que além do cansaço e da previsibilidade táctica não ajuda nada começar os jogos com dez jogadores (naquele lance aos dois minutos perdi a vontade de ver o resto do jogo).

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, Sar. MS gosta de ter uma equipa personalizada, mas tem que aprender a reconhecer quando não tem condições de jogar de igual para igual com outras equipas. Um abraço.

      Eliminar
  8. Mestre, não querendo ser pessimista, já vimos este filme antes... a verdade é que o golo marcado pelo carnide aos 93 minutos afetou a equipa, alguém tem que incentivar, espicaçar os jogadores, Infelizmente não vejo este treinador com capacidade para o fazer, a outra alternativa, que seria um puxão de orelhas por parte do presidente também não me parece que vá existir depois de tudo o que aconteceu.

    Enfim... que saudades do blackout.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida, Yazalde. É provavelmente o momento mais negativo da época pelas implicações psicológicas que teve.

      Espero que o presidente puxe as orelhas que tiver que puxar, mas que o faça em privado... :)

      Um abraço.

      Eliminar
  9. Eu acho que ha aqui uma questao importante. Equipas jovens tem tendencia a ter desempenhos oscilantes e se gostamos que se invista na prata da casa temos de ter consciiencia disso depois tambem acho que nos fomos abaixo depois do golo do Porto.

    E achei que qualquer cooisinha que faziamos era logo apitada pelo arbito enquanto do outro lado o criteiro era mais deixar jogar, mas ok nao tivemos ao nosso nivel e fica mal desculpar (que nao e o que estou a fazer) com a arbitragem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Pedro, uma equipa mais experiente não se deixaria abater desta forma... Um abraço.

      Eliminar
  10. A explicação ao contrário do que muitos iluminados apregoam hoje que não há qualidade que o plantel e curto e etc eu discordo.

    Perdemos o jogo de ontem na quinta-feira. Foi muito desgastaste e os tripeiros descansadinhos em casa.

    Os três golos não são jogadas corridas, não são jogadas de equipa, são lançamentos para o tello correr e nada mais.

    Razão tinha o mestre de cerimônias quando sugeriu que se rodasse a equipa na quinta-feira e nos concertássemos no jogo do dragão.

    Claro que também gostava de ter o desbloqueados de jogos da apaf como certos clubes que hoje se riem. Mas também para eles a mama vai acabar.

    Sl

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Green Lantern, infelizmente não ganhámos nada em apostar tudo no jogo com o Wolfsburgo. Com mais gente descansada talvez conseguíssemos dar uma resposta melhor no Dragão. Na altura era isso que tinha em mente quando sugeri as poupanças na Liga Europa, mas confesso que nunca esperava um jogo tão fraco nosso no Dragão. Um abraço.

      Eliminar
  11. Falta um post sobre a gestão do plantel de Bruno Carvalho, que poupou Jefferson para estas partidas.

    ResponderEliminar