segunda-feira, 16 de março de 2015

Não me vou armar em esquisito

Tenebrosos os primeiros 15 minutos, bastante aceitável a exibição até ao intervalo, tremendamente aborrecida na segunda parte. Se o único padrão de medição fosse o da nota artística teria sido um jogo claramente insuficiente, mas há que valorizar que:

a) conquistámos os três pontos; 
b) depois de termos marcado não sofremos grandes calafrios junto à nossa baliza.

É razoável pensar que se tivéssemos carregado mais no acelerador durante a segunda parte provavelmente teríamos marcado um segundo e até um terceiro golo, mas também estaríamos necessariamente a correr mais riscos perante um adversário que só mostrou conseguir ser perigoso a mandar bolas para as costas da nossa defesa - à procura de explorar a falta de rotinas que a incorporação de Ewerton e Rosell no onze inevitavelmente causou.

Como tal - e perdoem-me aqueles que ficaram insatisfeitos com a qualidade do nosso futebol esta tarde - não fico nada aborrecido com aquilo que vi na segunda parte: estávamos a ganhar, quisemos e soubemos controlar a partida forçando um ritmo lento e mantendo a bola longe da nossa baliza, e tivemos sucesso nessa estratégia. Good enough for me.



Positivo

Pragmatismo resultadista - os arrepios causados pelo Marítimo nos primeiros dez minutos foram aviso suficiente para percebermos que correríamos riscos se esticássemos demasiado a equipa em campo à procura do segundo golo. A segunda parte do Sporting foi a antítese daquilo que tem sido a norma esta época: em vez da habitual vertigem ofensiva à procura da baliza adversária, tivemos uma equipa serena e pragmática que soube competentemente roubar ao adversário a sua arma mais perigosa.

A inteligência de Nani - não tendo feito uma exibição de encher o olho, soube ser muito útil para a equipa pela sua eficiência na procura das melhores soluções para a equipa. Não força um passe para se ver livre da bola se considerar que a situação para a equipa não ficará mais perto do golo, preferindo esperar com a bola nos pés, parado ou vagueando de uma forma que nem sempre é evidente para quem está a assistir nas bancadas, até que surja uma linha de passe favorável. Foi assim que acabou por ser mais uma vez decisivo ao fazer o passe para Jefferson, que segundos mais tarde seria derrubado dentro da área. 1-0.

João Mário, fora da área - esteve muito bem nas tarefas defensivas, quer na pressão alta enquanto o Marítimo procurava circular a bola à frente da área, quer na forma como contribuiu para que Danilo Pereira não aparecesse no jogo. Com a bola nos pés foi o melhor da equipa, a par de Nani. Falhou apenas em duas ocasiões em que esteve perto de marcar: na primeira rematou contra um adversário quando tinha espaço para colocar melhor a bola, e na segunda entregou a bola a um defesa do Marítimo ao procurar oferecer o golo a Slimani - quando tinha ângulo mais que suficiente para alvejar a baliza.

Os centrais - ainda não são uma dupla - nem poderiam ser, considerando que é apenas o 2º jogo que fizeram em conjunto - mas quer Paulo Oliveira quer Ewerton tiveram uma prestação muito positiva. Marco Silva tem nas mãos uma decisão difícil para escolher os titulares contra o Guimarães.

A palmada de Rui Patrício - valeu mais uma vez pontos ao efetuar uma defesa de altíssimo nível, ao tirar o golo dos pés de Marega. Se tivesse dado a palmada na bola um décimo de segundo mais cedo ou mais tarde, provavelmente teria derrubado o avançado e seria expulso. Arriscadíssimo, mas foi a segunda do género que fez esta época - impossível não lembrar a que fez contra o Schalke em Alvalade. De resto esteve perfeito, tendo deixado apenas escapar uma bola cruzada perto do fim na pequena área - num lance em que me pareceu haver falta ofensiva.


Negativo

O primeiro quarto de hora - não só não conseguimos construir jogo como também tivemos muitas dificuldades em travar o avanço do Marítimo em campo com a bola controlada. Não sendo fácil substituir um William que está num momento de forma sublime, podíamos e devíamos ter feito bastante melhor para controlar o meio-campo naquele início de partida.

Nota artística - conforme já escrevi, foram 90 minutos que estiveram longe de serem atrativos, mesmo na altura em que controlámos o jogo e nos acercámos com maior frequência da baliza adversária.



Não foi bonito mas resultou. Daqui a umas semanas ninguém se lembrará do bocejo que foi a segunda parte, mas estaremos todos a fazer contas à classificação incluindo os três pontos conquistados hoje.

8 comentários :

  1. Acredito que se o jogo fosse em Alvalade, no lance que dá origem ao golo, o Nani já estivesse a ser assobiado devido à (excelente) temporização que fez com a bola. É um fenómeno estranho mas deve ser o mesmo que faz com que o Capel seja idolatrado e o André Martins ostracizado por alguns sectores das bancadas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luke, o Nani merece mesmo mais tolerância. Às vezes pode complicar mas nota-se que está a tentar criar algo - de preferência envolvendo os colegas. Assobiá-lo é uma parvoíce. Um abraço.

      Eliminar
  2. Desculpa mas não concordo nada....
    Não vi nem pragmatismo nem jogo controlado.
    Vi foi um marítimo ainda pior do que o SCP.
    E se não não houve calafrios foi porque o marítimo desistiu antes de mais nós.

    Foi uma sorte termos ganho, num lance fortuito. Aliás arrisco a dizer que o único remate foi o do adrien, um penalti idiota e caído do céu (burrice do maritimista) .

    Ao contrário doutros jogos em que perdemos iu empatamos este jogo deixou me desiludidos.
    A atitude da treta espalha se pelo balneário e é difícil de tira lá depois .


    Jogou se como não Havendo nada em disputa mas há.
    Há a taça e o segundo lugar matematicamente está ao alcance.
    Com esta atitude Tchau taça... ou pensam que o nacional vem fazer frete a Alvalade ?!
    Esta atitude de solteiros casados contamina tudo...
    E last but not least, onde anda o respeito pelo espetáculo e o respeito pelo adepto que paga bilhete?

    Desculpem, é com este futebol que me vão convencer a ir a Alvalade ?!?!
    Que fico claro que fui a Alvalade no último jogo com o Estoril em que havia rigorosamente nada em jogo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não ganhámos por sorte mas sim porque, mesmo jogando pouco como ontem, somos melhores que o Maritimo.

      Se precisas de tanto esforço para que te convençam a ir a Alvalade o melhor que tens a fazer é realmente não ir. O Sporting não precisa de "adeptos" desse tipo.

      Eliminar
    2. Há adeptos que vão apenas e só porque é o Sporting Clube de Portugal a jogar. Esses é que valem a pena. E esses não precisam que os convençam a ir...

      Eliminar
    3. Lourenço, fizemos o suficiente na 1ª parte para marcar mais um ou dois golos. Na segunda jogámos pouco mas ainda assim fizemo-lo de uma forma segura, e nunca deixámos o Marítimo empolgar-se. Também temos direito a dias menos inspirados, mas se nesses dias conseguirmos os três pontos para mim é suficiente. Um abraço.

      Eliminar
    4. Sim, o SCP deve ser apoiado e uma pessoa deve sentir se SCPguista na vitória e na derrota.
      Quanto a ir a Alvalade, felizmente que depende de mim !! Mas se calhar poupo e vou ao futsal ou ao hóquei, porque não posso ir a tudo.
      Já fui a Alvalade com menos em jogo.
      Já fui a Alvalade depois de derrotas duras.
      E ontem não foi o SCP que jogou....

      Nunca critiquei a equipa porque perdeu.
      Mas já perdemos pontos onde fizemos bem mais para o justificar a vitória do que ontem.

      Da me cá um prazer e uma tusa a justificação: ganhamos porque o marítimo ainda conseguiu ser pior... foda-se.

      Vou ali dizer ao Bruno e sua direcção:
      " Epá, não se esforcem tanto... afinal os nossos rivais ainda têm as contas piores que nós !!"

      Eliminar
  3. Desculpa mas não concordo nada....
    Não vi nem pragmatismo nem jogo controlado.
    Vi foi um marítimo ainda pior do que o SCP.
    E se não não houve calafrios foi porque o marítimo desistiu antes de mais nós.

    Foi uma sorte termos ganho, num lance fortuito. Aliás arrisco a dizer que o único remate foi o do adrien, um penalti idiota e caído do céu (burrice do maritimista) .

    Ao contrário doutros jogos em que perdemos iu empatamos este jogo deixou me desiludidos.
    A atitude da treta espalha se pelo balneário e é difícil de tira lá depois .


    Jogou se como não Havendo nada em disputa mas há.
    Há a taça e o segundo lugar matematicamente está ao alcance.
    Com esta atitude Tchau taça... ou pensam que o nacional vem fazer frete a Alvalade ?!
    Esta atitude de solteiros casados contamina tudo...
    E last but not least, onde anda o respeito pelo espetáculo e o respeito pelo adepto que paga bilhete?

    Desculpem, é com este futebol que me vão convencer a ir a Alvalade ?!?!
    Que fico claro que fui a Alvalade no último jogo com o Estoril em que havia rigorosamente nada em jogo.

    ResponderEliminar