segunda-feira, 23 de março de 2015

Vitória formosa e segura

E ao 14º jogo em Alvalade para o campeonato, finalmente uma vitória tranquila. Não tendo sido uma exibição primorosa nem estando isenta dos habituais percalços que parecem não nos querer largar, o Sporting conseguiu uma exibição segura e eficaz que resolveu a partida em apenas 45 minutos. Na segunda parte deu para gerir o jogo, apesar de alguns momentos displicentes que devolveram ao Guimarães alguma da confiança perdida pelas ocasiões de perigo que geraram, mas nada que alguma vez colocasse em causa a indiscutível vitória do Sporting.

Curiosamente, estas duas últimas vitórias revelaram um leão a jogar mais pelo seguro e frio no aproveitamento das oportunidades que cria. Menos quantidade, mais qualidade e menos risco. Nada contra: valeu-nos 6 pontos em 6 possíveis, e o meu sistema nervoso agradece a gentileza.



Positivo

A assinatura de João Mário na vitória - marcou o primeiro, assistiu Nani para o remate que daria origem ao 1º penálti, e fez o passe para Mané no lance do 2º penálti. Fez uma excelente primeira parte, quer a defender quer a atacar, baixando depois de rendimento na 2ª parte, tal como o resto da equipa. Foi, na minha opinião, o melhor em campo.

O raçudo Miguel Lopes - está inevitavelmente ligado à vitória pela sua participação nos três primeiros golos da equipa: no primeiro ao recuperar a bola e ultrapassar com determinação um adversário para depois entregar a Carrillo; mandou uma bomba à barra que esteve na origem do penálti do 2-0; e fez um cruzamento milimétrico para Slimani picar o ponto. Para além disso, entendeu-se com Carrillo numa dinâmica muito interessante no corredor direito, de onde surgiram a maior parte dos nossos lances de perigo. Não esteve exemplar a defender, mas no global teve uma exibição muito positiva.

A execução de Carrillo no cruzamento para João Mário - fabuloso. E mais uma assistência para a contabilidade do peruano. Para quando a renovação?

A segurança de Ewerton - aposta ganha de Marco Silva, foi o melhor jogador do nosso setor defensivo. Nas situações de um contra um conseguiu sempre resolver sem problemas, e esteve também muito bem nas bolas aéreas. 


Negativo

Mais um golo sofrido ridículo para a coleção - livre para o Guimarães. A bola bate na barreira, e ressalta num arco altíssimo que acaba por cair à entrada da pequena área. Rui Patrício teve mais que tempo para sair dos postes e apanhá-la ou socá-la para outras paragens, mas por algum motivo que não compreendi preferiu ficar entre os postes. Quando a bola termina o seu percurso descendente, Kanu dá-lhe um toque frouxo de cabeça que a encaminha para uma zona onde está um companheiro seu e Jefferson. Falham ambos o pontapé e a bola continua placidamente o seu caminho até repousar nas redes da baliza. Para piorar o absurdo da situação, foi pelo menos a terceira vez na época em que sofremos um golo na marcação de uma falta que nos reduziu a 10: aconteceu o mesmo quando Maurício viu o 2º amarelo contra o Schalke na Alemanha e quando Tobias foi expulso contra o Penafiel.

Tolerância zero - é possível que um sportinguista esteja insatisfeito com a arbitragem apesar dos dois penáltis assinalados (não tenho dúvidas no 2º, preciso de rever o 1º) a favor? Sim, é, pelo menos comigo. Foi um festival de cartões que não encontra qualquer justificação plausível no nível de correção com que a partida se disputou. Se Jorge Sousa tivesse sido o árbitro do Barcelona - Real Madrid e aplicasse o mesmo critério que vimos em Alvalade, o clássico espanhol teria acabado pelo menos com três expulsões para cada lado. Ainda sem ter revisto na televisão os lances em que foram mostrados cartões, o segundo amarelo a Paulo Oliveira pareceu-me de um rigor excessivo, não tive dúvidas no estádio - mesmo à minha frente - que o amarelo a Adrien é exagerado, e não percebi o admoestação a Carlos Mané. Junte-se a isso a falta de coerência no critério seguido em faltas semelhantes cometidas pelos jogadores do Guimarães. Resultado: em Paços de Ferreira lá teremos que apresentar a quinquagésima sétima dupla de centrais diferente em jogos oficiais esta época. Ah, e Jorge Sousa também fez vista grossa aos persistentes bloqueios que André André fazia a Rui Patrício nos cantos a favor do Guimarães.

Podem parar com os olés, faxavor? - a sério, outra vez? Não bastou o que aconteceu com o Benfica e com o Schalke (sim, fizemos os olés quando marcámos o 3-1, e pouco depois os alemães reduziram e deixaram-nos com o coração nas mãos nos 10 minutos finais)? Está longe da figura ridícula que fizeram os cabeçudos que se lembraram de colocar a faixa de "reservado" em Vila do Conde, mas é uma mania que gostaria que terminasse de uma vez por todas. Manda o sinal errado para dentro das 4 linhas. Os jogos só acabam quando o árbitro apita para o final.



Fotografia tirada durante o intervalo do jogo

Foi, em todos os sentidos, um belo fim de tarde em Alvalade. Conseguimos uma vitória expressiva que nos permitiu recuperar alguns pontos para as equipas da frente e deixar a questão do 3º lugar definitivamente arrumada. Bom ambiente para preparar o ataque à última e decisiva fase da época, após a pausa de quinze dias para os compromissos das seleções.

21 comentários :

  1. Continuo a achar que o miguel é DEMASIADO imprudente na entrada aos lançes. A atacar dá 2-0 ao Cedric mas a defender...

    Em relação ao jogo, dois pontos:

    1 - Jogar com Slimani Nani e Carrilo é sinónimo de um golo de certeza, pelo volume ofensivo e presença na àrea.

    2 - Gostei do jogo. Tornou-se fácil porque marcamos cedo como DEVIA ser regra.

    SL Mestre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, afl!. O amarelo que viu era completamente desnecessário. Não faz sentido fazer faltas duras em lances que não são perigosos. Concordo também na comparação com o Cédric, que nos últimos dois anos tornou-se muito mais certo a defender, mas a atacar tem estado mal (nomeadamente ao nível do cruzamento).

      Bom jogo do Slimani e do Nani, também. E o Mané mais uma vez voltou a ter influência direta num golo.

      Um abraço.

      Eliminar
  2. Agora que falas d'El Clássico, a verdade é uma, e apenas uma: seriam, de facto, no mínimo, três expulsões para o Barça, sendo que uma delas (logo a primeira) acaba por ter influência direta no resultado. Aquela entrada do Luis Suarez sobre o Pepe é de sola e sem nenhuma outra intenção que não a de ir a jogador - cá está o que acabei de falar. Idem a do Mascherano ao Ronaldo, já na segunda parte. E Iniesta tem uma entrada pelo ar sobre já não sei quem que rivaliza com o melhor/pior de Bruno Alves quando este decidia usar os braços. Já para não falar que o golo do Gareth Bale é mal anulado - nem mesmo Ronaldo está adiantado. E mesmo que estivesse, o fiscal de linha nunca teria condições para o aquilatar. E como as indicações são para, em caso de dúvida, beneficiar o ataque, isto seria sempre um erro de palmatória.
    Enfim, peço desculpa pelo off-topic. :D

    Quanto aos critérios disciplinares do nosso jogo, ainda a registar aquele amarelo ao Miguel Lopes. Logo nessa altura, comentei com o meu velho: este é mesmo daqueles cartões para tentar condicionar. Não é uma entrada por trás, não parava nenhum contraataque, é cometida ainda a meio do meio-campo do Vitória, uma daquelas faltas cirúrgicas para parar ímpeto atacante. Segundo o, vá, critério de Jorge Sousa, praticamente qualquer falta seria para amarelo. Enfim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ricardo, só vi a 2ª parte do Barcelona - Real, mas com o Jorge Sousa tinha sido um arraso de cartões. :) O amarelo do Miguel Lopes até aceito, porque é dura e desnecessária - não foi para jogar a bola... vou fazer um post à tarde sobre os cartões mostrados. Um abraço.

      Eliminar
  3. Arbitragem fraca de facto, o 1º penalty não há dúvidas vem na linha do que tem sido regra geral para marcar penaltys de mão na área, não se avalia a intenção, avalia a posição do braço no momento do toque, o jogador do Vitória tem o cotovelo todo para trás, logo é penalty e nem adianta dizer se está a olhar para a bola ou assobiar para o ar.

    O segundo penalty tenho muitas dúvidas. 45 mins muito eficazes até porque nem começamos nada bem o jogo, depois uma segunda parte muito má, uma coisa é controlar o jogo, outra é deixar que o jogo fique de tal forma apático que leve a níveis de concentração muito baixos e que o adversário se motive. Já para não falar em respeito aos 36 mil que foram a Alvalade e não há desculpa de haver jogos a meio da semana, podíamos e devíamos ter feito mais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fernando, no estádio não fiquei com dúvidas de que o Plange usa o corpo de forma ilegal para afastar o Mané. É uma questão de ângulo de visão - o meu é do lado oposto das câmeras. Quanto ao 1º, é aquele tipo de penálti que a maior parte dos árbitros em Portugal marca, mas já revi o lance e acho mal. É verdade que o Josué tem o braço um pouco aberto, mas não só não está a alargar a mancha do corpo como também o remate é muito forte e à queima. Um abraço.

      Eliminar
    2. Viva Mestre, só para clarificar, eu pessoalmente também não concordo com estes penaltis à queima roupa, mas esta época tem sido claro que o critério usado é quando a bola bate no braço e este está fora de uma posição natural, daí achar normal que se tenha marcado o penalty ontem. Por exemplo, há umas jornadas atrás há uma mão do Tobias, para mim não era penalty, pois foi à queima e ele não mexe o braço (que tava vertical com o corpo) e também não acho normal que os defesas tenham de estar 100% do tempo com os braços agarrados atrás das costas. Mas face a estes critérios então que seja penalty nas duas situações, o mau é quando os critérios mudam consoante as cores das camisolas.

      Eliminar
  4. Eu não concordo nada com estes penalties em que a bola vai ao braço e se fosse árbitro nunca os marcaria. Isto é algo que se faz cá em Portugal e acho completamente errado pois distorce a lei do jogo que, claramente, fala em intencionalidade.

    Dito isto, o árbitro mostrou ser coerente com todos os outros ao marcar o penalty.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mike, entretanto já revi o lance, e concordo: não devia ser penálti. Um abraço.

      Eliminar
    2. Eu discordo, ate pode ser involuntario, ate pode ser a queima e e um remate que pouco tempo da para qualquer tipo de reaccao do jogador. A verdade e que provavelmente era golo se a mao (cotovelo em futebol e mao) nao estivesse la...

      A jogar futebol de 5, ja me marcaram penalti em que estava de costas para a baliza (sem ver o meu colega), um colega meu (que estava nas minhas costas) alivia a bola contra o meu braco que estava numa posicao perto de neutra. Penalti...mete nojo? claro que mete...

      Eliminar
    3. Há aqui duas questões diferentes: em Portugal, o lance do Josué é penálti a esmagadora maioria das vezes, logo por uma questão de coerência devia ser marcado penálti. No entanto, acho mal que sejam marcados. Remates à queima contra jogadores que não estão a aumentar a mancha do corpo não deviam ser assinalados. Um abraço.

      Eliminar
  5. caro mestre, infelizmente dou por mim a comentar apenas quando não concordo com um ou outro aspecto, o que pode passar uma mensagem errada e que por isso quero esclarecer: revejo-me em quase tudo o que escreves.

    dito isto, esta não foi a primeira vitoria tranquila da época em casa. ganhámos 3-0 ao estoril sem espinhas absolutamente nenhumas. eu recordo-me muito bem porque foi o único jogo que fui ver ao estádio :)

    em relação aos penalties, acho que o primeiro não foi. chateia-me muito que sejam marcados tantas vezes, mas tenho que admitir que é mais coerente da parte dos árbitros marcarem que não o fazer, exactamente por isso.

    forte abraco,

    joao

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, João, é verdade! Não me lembrava do jogo do Estoril, mas tem um motivo válido: foi precisamente o único jogo que não fui ver a Alvalade até agora, estava doente! :)

      Obrigado pela correção e um abraço!

      Eliminar
  6. Grande Mestre, concordo com todos os pontos da análise. Escrevi noutro blogue que, quando estava a ver o jogo, me perguntei como é que esta equipa, com este futebol, estava só em terceiro lugar da Liga. A resposta veio logo, logo a seguir: porque leva a amarelos da caca e porque sofre golos estúpidos.

    Aproveito para fazer uma sugestão. Acho que lutar pelo 2º é um bom objectivo para a equipa nesta fase (e se lá chegarmos a tempo, lutar pelo 1º), mas acho que se devia juntar outro objectivo, que é o de ser a melhor equipa da 2ª volta. Se isso acontecesse, pode ser que outros objectivos fossem alcançados. A sugestão é, e uma vez que estamos a meio da 2ª volta, que o Mestre pudesse pôr aqui as contas da mesma, e comparando com as da 1ª.

    Fazer a melhor 2ª volta pode também ser um tónico para a próxima época. Entretanto, já jogámos os clássicos, já temos poucos jogos de dificuldade muito elevada, já cá temos a nossa principal referência no centro do ataque (que esteve ausente e lesionado justamente no período mais crítico), já temos qualidade bastante no centro da defesa... Enfim, há muita coisa para valorizar e dar confiança.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom resumo, Noureddine. Erros defensivos estúpidos e diferenças nos critérios dos árbitros são de facto os principais motivos que nos levam a estar em 3º.

      Vou ver se encontro esses números da 2ª volta.

      Um abraço.

      Eliminar
  7. Mestre, o golo do guimarães é de facto patético. O Rui Patrício sai cada vez menos da baliza nas bolas pelo ar e acho que isso não é devidamente corrigido pelo Nélson, que sofria do mesmo problema.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Dash. Para além do jogo de pés, a saída dos postes em bolas bombeadas ou cruzadas é o grande problema do Rui Patrício. Um abraço.

      Eliminar
  8. É impressão minha, ou o jogador que marcou o golo do Guimarães está em fora-de-jogo quando o livre é marcado?

    De resto gostei do jogo, principalmente a primeira parte. O cartão amarelo mostrado ao Adrien é simplesmente ridículo, o jogador do Guimarães escorrega e vai, com os pés para a frente, embater nos pés do Adrien que ia a correr de forma natural direito à bola. Quanto muito era falta a favor do Sporting...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ivaylo, já vi outras pessoas a fazerem referência a um possível fora-de-jogo do jogador do Guimarães. Para ser sincero não me apercebi disso nem no estádio nem nas repetições que vi - mas verdade seja dita que estava mais atento ao que (não) fizeram os nossos jogadores para evitar o golo... :) Um abraço.

      Eliminar
  9. É impressão minha, ou o jogador que marcou o golo do Guimarães está em fora-de-jogo quando o livre é marcado?

    De resto gostei do jogo, principalmente a primeira parte. O cartão amarelo mostrado ao Adrien é simplesmente ridículo, o jogador do Guimarães escorrega e vai, com os pés para a frente, embater nos pés do Adrien que ia a correr de forma natural direito à bola. Quanto muito era falta a favor do Sporting...

    ResponderEliminar
  10. Esta goleada ao Guimarães foi muito importante para a moral e a crença da equipa que vai lutar até ao fim pelo título. Oxalá, nós como adeptos, apoiemos fortemente a equipa nos oito jogos que faltam.

    ResponderEliminar