segunda-feira, 9 de março de 2015

Vou ali às urgências de cardiologia e já volto

12 comentários :

  1. Já não dá para disfarçar: algo não vai bem no balneário. Uma equipa que esteja tranquila muito dificilmente - friso, muito dificilmente (isto de dizer "nunca" é sempre perigoso) - deixaria que uma vantagem de 2-0 antes dos dez minutos de jogo se transforme no que se transformou.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não creio, Ricardo. As circunstâncias em que o jogo virou são altamente improváveis: Expulsão + golo de livre. Foi um resto de jogo sofrido mas mesmo com 10 durante tanto tempo fomos sempre melhores. Um abraço.

      Eliminar
  2. Hoje, aos 8 minutos, pensei que íamos ter o 2º jogo completamente descansado (o 1º em casa) da época para o campeonato, mas não. Não vi muito do Estoril nos últimos 2 anos, será que também sofriam um golo sempre que os adversários precisavam de marcar e pressionavam um bocado mais? Este ano, a sensação que dá é que, sempre que os adversários precisam de marcar, conseguem ou ficam muito perto disso. Nota-se que, quando o Sporting está a ganhar por 1, os jogadores estão sempre preparados para sair para o contra-ataque (no lance do golo do Benfica, estavam 5 jogadores nossos contra 7 deles dentro da nossa área) para aproveitar o espaço deixado nas costas, mas isso não serve de muito se, em vez de um contra-ataque nosso, há um golo deles. Não sei se isto tem a ver com a filosofia do Marco Silva ou com os nossos jogadores, mas espero que se resolva. Gosto muito de futebol de ataque, mas tenho a noção que, em cada jogo, há 2 equipas que podem atacar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, Pedro. A equipa precisa de saber gerir melhor o jogo em determinados momentos, reduzindo o ritmo e os riscos que corre. Para mim o pior foram os últimos minutos: estávamos em vantagem numérica, podíamos fazer a bola circular até o jogo acabar, mas procurámos sempre o remate e acabámos por dar ao Penafiel a hipótese de empatar. Um abraço.

      Eliminar
  3. Há que assinalar que a tranquilidade existia até haver 3 erros seguidos que culminaram com o quarto erro que deu o 2-1.Depois sim passou-se a estar sobre brasas. Mas vejamos :1º erro .Adrien displicentemente perde a bola para um adversário,,ficando toda a gente parada a ver os comboios menos Slimani que a recupera sobre a linha do meio campo,e pressionado atrasa para Tobias que se deslocava para a lateral.Aqui nasce o 2ºerro a bola é atrasada para o centro onde aparece o avançado do Penafiel que embala isolada para a nossa baliza,dand-se então o 3º erro quando Tobias em esforço de recuperação ceifa o adversário.Culminando-se com o 4º erro na mesma jogada na formação desconcentrada da barreira que originou no golo sofrido.Mas só a nós é que nos acontece isto? Veio então o pânico habitual e deu no que deu...Mas concordo que algo vai muito mal naquele balneário pela incapacidade dos jogadores terem mantido o sangue frio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem razão, Francisco. Eu só tinha visto 3 erros mas ainda há o facto de o livre ter sido marcado de forma rasteira. Foi uma conjugação de fatores muito infeliz...

      Precisamos urgentemente de ser uma equipa mais inteligente. E isso tem que partir de Marco Silva.

      Um abraço.

      Eliminar
  4. Oh Mestre, se hoje vai às urgências, então deve ser cliente assíduo... :)

    ResponderEliminar
  5. Não vi a 2ª parte, só vi a 1ª e, muito resumidamente, os jogadores decidiram ligar o complicador. Entramos a matar, com tudo p'ra ganhar de goleada e depois, quando nada o fazia prever, expulsão e 2-1. Há culpas distribuídas, o Slimani não esteve bem, mas eu acho que o Tobias não tem necessidade de ser expulso. Ninguém adivinha que, no livre, vai haver golo, mas mesmo que o gajo marcasse, um jogo de 11 para 11 era muito mais fácil de ser resolvido, ainda por cima nas condições em que tínhamos entrado e com demasiada superioridade face ao adversário. São tiros nos pés que se devem evitar. Não acho que seja um problema de balneário, acho que é mesmo fruto da imaturidade do plantel, da falta duma voz de comando e de alguma falta de confiança também. Apesar de tudo, salvam-se os 3 pontos, o 3º lugar está mais seguro e agora há tempo para descansar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jorge, neste lance em concreto pareceu-me uma mistura de displicência e imaturidade. Displicência do Adrien, infelicidade do Slimani e imaturidade do Tobias. Concordo inteiramente com a falta que faz uma voz de comando - dentro de campo e fora dele, quando as coisas ficam tremidas. Um abraço.

      Eliminar
  6. Marítimo e Penafiel quando poderiam ser jogos sossegados acaba-se a soro,a equipa não consegue segurar um jogo porque comete muito erros.

    São uns trapalhões do caraças e só não empataram o jogo porque o Patrício tapou bem o ângulo ao jogador do Penafiel,equipa que estava com menos dois jogadores em campo.

    Enfim são muito verdes,muito verdinhos.Os adeptos deixam de ter confiança na equipa porque estão sempre à espera do pior.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. King Lion, é mesmo: sempre à espera do pior. Uma escorregadela, um passe disparatado, um ressalto estúpido. Tudo nos tem acontecido... Um abraço.

      Eliminar