segunda-feira, 6 de abril de 2015

Marco Silva: um treinador para o futuro ou um treinador sem futuro?

As críticas de Paços

Sinceramente não percebo o nível das críticas que muitos sportinguistas dirigiram a Marco Silva após o frustrante empate de ontem. Não digo que o treinador tenha estado absolutamente exemplar nas decisões que tomou antes e durante a partida, mas olhando mais a frio para tudo o que aconteceu na Mata Real continuo a manter a minha opinião inicial: Marco Silva fez bem o seu trabalho, os jogadores souberam interpretar de forma muito competente a estratégia do treinador, e acabou por ser um conjunto de erros individuais a ditar a perda dos dois pontos. Bastava que um desses erros individuais não tivesse acontecido (entre as múltiplas situações de golo iminente não concretizadas e a falha de João Mário) e teríamos conseguido uma vitória que ninguém ousaria contestar.

A estratégia foi bem delineada e o onze escolhido por Marco Silva esteve genericamente bem - à exceção dos tais erros individuais. Tobias e Ewerton entenderam-se bem, André Martins cumpriu bem o seu papel - melhor defensivamente, mais discreto na aproximação da área, mas não foi por ele que o resultado não foi o pretendido - e Miguel Lopes, não tendo realizado a exibição fulgurante de há duas semanas, fez um jogo positivo. Portanto, não é por aqui que se pode atacar Marco Silva em relação a este jogo em concreto.

Sobram a reação do treinador às incidências do jogo e as substituições realizadas. Aceito que se diga que Marco Silva podia ter mexido mais cedo na equipa. Mas dou-lhe o benefício da dúvida na sua decisão mais polémica: a retirada de Slimani num momento em que o Paços tinha acabado de empatar.

Como é evidente, também não compreendi a decisão de Marco Silva. Aliás, só um treinador completamente alheado da realidade ou mal intencionado faria aquela troca naquele momento. Daí ter que dar o benefício da dúvida a Marco Silva, porque não acho que seja incompetente nem queira prejudicar intencionalmente o clube que representa. Que leituras podemos fazer da sua decisão? A mais óbvia é estar a resguardar Slimani para o fundamental jogo de quinta-feira contra o Nacional. Slimani, que há não muito tempo teve uma lesão muscular na coxa esquerda (a mesma região que já o tinha afastado em setembro) que o afastou durante semanas, jogou nas duas partidas que a Argélia fez numa desgastante mini-digressão pelo Médio Oriente, e é normal que o treinador o tenha querido poupar para um desafio bem mais importante.


Incorporação de jogadores da equipa B

A insistência em jogadores desinspirados e apáticos como Capel e Montero - e ignorando a forma de jogadores da equipa B como Wallyson, Gauld ou Rubio - é o único ponto em que efetivamente não concordo com a postura de Marco Silva. Compreendo que queira ser fiel ao grupo de trabalho que está com ele desde o princípio - os jogadores preteridos ficariam certamente abalados psicologicamente por verem outros da B a ultrapassarem-nos na hierarquia, e isso poderia causar instabilidade no balneário -, mas faz parte do trabalho do treinador incorporar os melhores jogadores disponíveis em detrimento dos que não conseguem render sistematicamente.

Parece evidente que existe vontade da direção em que se aposte nos jogadores da equipa B - Bruno de Carvalho foi bastante claro no final do ano passado ao referir que os reforços de inverno seriam os Wallysons, os Gaulds, os Geraldes e os Gelsons. No entanto, Marco Silva tem resistido ao máximo em fazê-lo. Apenas apostou em Gauld (muito esporadicamente, em jogos com várias baixas por lesão ou castigo no meio-campo) e em Tobias (forçado pela saída de Maurício sem substituto imediato). E está aqui precisamente a única questão verdadeiramente legítima para se pôr em causa a continuidade de Marco Silva no Sporting: o compromisso com a estratégia do clube. 

Mas mesmo aqui não podemos acusar Marco Silva de ser o único culpado. A direção também tem responsabilidades, pois se queria que houvesse maior intercâmbio entre a equipa principal e a equipa B deveria ter assegurado que os plantéis fossem menos numerosos.


Desfile de defeitos

Tenho lido ao longo dos últimos tempos um desfile de defeitos colocados a Marco Silva por parte de sportinguistas insatisfeitos com o seu trabalho, que vão desde a postura passiva com que assiste ao jogo a partir do banco até às carências graves que demonstra do ponto de vista tático.

Não partilho a visão destes sportinguistas, nem alinho com a opinião da generalidade dos jornalistas que insistem em ver em Marco Silva um modelo de virtudes a quem os adeptos deveriam beijar o chão que pisa. Todos sabemos que este endeusamento do treinador por parte da imprensa surgiu apenas com o conflito que existiu com Bruno de Carvalho no final do ano passado.

O que eu vejo em Marco Silva é um treinador que sabe pôr a equipa a jogar muito bom futebol, mas que está também em processo de aprendizagem - não nos podemos esquecer que tem uma carreira bastante curta e que vive a sua primeira experiência num clube com as ambições e responsabilidades do Sporting.

E estando em processo de aprendizagem, é evidente que cometeu erros: na primeira metade da época o mais grave foi não ter conseguido incutir nos jogadores a importância de todos jogos contra as equipas teoricamente mais fracas. Foram demasiadas as partidas em que demos 45 minutos de avanço ao adversário, e que acabaram por nos custar pontos que nos condenaram à atual posição na tabela. A gestão física do plantel em fases da época mais preenchidas também deveria ter sido melhor feita - e aqui a questão pega com a não abertura do plantel a outros jogadores da equipa B.


Um treinador para o futuro ou um treinador sem futuro?

Na minha opinião é definitivamente um treinador para o futuro. Havendo sintonia com a direção (com responsabilidades dos dois lados, pois a direção também deve procurar ir ao encontro das ideias que o treinador tem para a equipa), espero que Marco Silva continue. Independentemente de ganharmos ou não a Taça de Portugal.

Em primeiro lugar, porque penso que é um dos melhores treinadores que há em Portugal. Lembrem-se dos jogos com o Porto (Alvalade para o campeonato e Taça), com o Benfica, com o Schalke e mesmo com o Wolfsburgo. No confronto direto com os adversários mais complicados (vou excluir o Chelsea, que é de outra dimensão), apenas no Dragão fomos inferiores - e sobretudo devido a questões físicas, já que os primeiros 25/30 minutos foram bons.

Depois, porque para além de conhecer melhor o clube, terá aprendido muito com este ano e saberá tirar as devidas ilações do que falhou para aperfeiçoar a abordagem a 2015/16. 

E, finalmente, porque não podemos desvalorizar a importância da estabilidade. Temos um treinador com contrato para mais 3 anos, que demonstra uma competência bastante acima da média e ainda está em crescimento. Existe sempre um risco inerente à troca de treinador. Saibamos nós tirar proveito do que temos atualmente.


34 comentários :

  1. Mestre, Marco Silva é para continuar,, temos uma equipa jovem com grande futuro e estamos a construir um futuro de grandes sucessos. Não tenho dúvidas que estamos no caminho certo com Marco Silva e bruno de carvalho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É precisamente essa a minha opinião, Carlos. Esperemos que ambos se entendam nos aspetos fundamentais a bem do clube. Um abraço.

      Eliminar
  2. Marco SIlva é um bom treinador mas está longe de ser aquilo que dizem ser, principalmente CS e tudo mais, acho que ainda tem demasiado a crescer, so lhe aponto a decisão de tirar Slimani e depois ainda por Capel, secalhar com Montero ou Tanaka seria diferente, assim que slimani saiu a defesa do Paços ficou confortável, jogámos para o cruzamento e assim é dificil para Montero que nem é especialista nesse tipo de lances nem está numa fase propriamente positiva, é este o maior erro que aponto a Marco Silva, mas a atitude dos jogadores na 2º parte foi medonha e fico furioso qd depois nao se pode criticar os meninos pq coitadinhos nao sabem segurar um jogo e vão perdê-lo daquela forma, ficaram todos a olhar para o lance a ver o que acontecia mas antes disso ja ameaçava que algo podesse acontecerr, tinhamos o jogo controlado mas nao assim tanto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. jcnaguiar, percebo a questão de Tanaka vs. Capel. Também não gostei de ver a equipa a bombear bolas para a área apenas com o Montero lá perdido... mas duvido que com o Tanaka a história acabasse por ser muito diferente... Um abraço.

      Eliminar
    2. Seria diferente por 2 razoes:

      1: Montero jogaria apoiado caso quisessem fazer jogo interior (seria mais uma opção)
      2: Haveria sempre pelo - 2 finalizadores dos centros, mais que n fosse para segundas bolas.

      O facto de jogarmos de igual forma seja com Slimani ou com Montero é um erro tremendo, nunca mas nunca previligiamos o jogo interior.

      Eliminar
    3. Mas o Mané também fez parcialmente esse papel...

      Eliminar
  3. Marco Silva é um treinador de grande futuro, espero que Bruno de Carvalho perceba o diamante que tem em mãos. Não foi por acaso que ele foi contratado por 4 épocas, espero que Bruno de Carvalho perceba em profundidade a capacidade e o trabalho que o Marco Silva está a fazer no Sporting.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lion King, acredito que Bruno de Carvalho compreende a importância da estabilidade e que nunca tomará uma decisão tão importante como uma dispensa de treinador sem considerar as alternativas existentes. Um abraço.

      Eliminar
    2. Mestre, o importante para mim é que Bruno de Carvalho demonstre capacidade em perceber o trabalho como técnico de Marco Silva. Parece-me que Bruno de Carvalho, por vezes, é demasiado impulsivo e isso pode não ser um bom sinal em relação à identificação com o trabalho de Marco Silva, que é um técnico com grande potencial. Tivesse Bruno de Carvalho alguma da muita sensatez do Marco Silva e o Sporting seria um clube muito mais forte no futuro por força da estabilidade proporcionada pelo trabalho em continuidade.

      Abraço leonino

      Eliminar
  4. Sem entrar em especificidades como "devia jogar o A em vez do B" ou "tem uma leitura de jogo miserável" ou ainda "tem o killer instinct de um escuteiro anémico", para mim há dois pontos fundamentais que me levam a pensar que é um treinador "sem futuro" no Sporting Clube de Portugal : não lhe noto evolução, nem nele nem na equipa, o que é mau para quem está em aprendizagem, e não acho que esteja comprometido e identificado com o clube e o projecto.

    Estou disposto a dar o benefício da dúvida, mas estes dois aspectos precocupam-me e não estou optimista quanto a eles.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nuno, a evolução não me preocupa tanto - acho que tem demonstrado melhorias na abordagem aos jogos -, mas esse segundo aspeto preocupa-me, não o posso negar. Um abraço.

      Eliminar
    2. Na abordagem? Talvez. Mas na leitura dos jogos não, nas substituições, não. Na capacidade de controlar jogos, não.

      Este fim de semana, quase 15 minutos antes do golo do Paços, o jogo começava a apresentar-se partido como por vezes certos jogos se mostram apenas em tempo de descontos quando uma equipa está desesperada à procura de um golo. Pelo menos é a minha opinião.

      E quanto à displicência dos jogadores, é óbvio que os primeiros responsáveis são os próprios, mas os aspectos mentais também se trabalham e o que acho é que o MS não tem mão nos jogadores. Eles acham-no um "parceirão", um "gajo fixe", não vêm nele o "boss", como os ingleses gostam de chamar aos treinadores.

      E isto não tem nada a ver com berrar e gesticular muito. tem a ver com a capacidade de imprimir a tal mentalidade "assassina", de foco total e permanente nos jogadores.

      Eliminar
  5. É de futuro, se as questões entre ele e o presidente estiverem (mesmo) resolvidas.

    Parece-me é que terá de voltar o Marco Silva da parte inicial da época. O que punha o Sporting a atacar e a controlar os jogos como uma equipa grande. Isso implicará uma melhoria cabal no processo defensivo da equipa (defender melhor com menos gente).
    É óbvio que tudo isto dependerá dos meios que tiver, mas se forem equiparáveis aos deste ano a diferença pontual não poderá ser tão acentuada.
    Não lhe exijo o título, seria uma loucura com o all-in que o Porto fez (e me parece que vai continuar) e especialmente se Jesus continuar na Luz. Acho apenas que não poderemos estar tão cedo arredados da luta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo que ficámos demasiado cedo arredados da luta, Nalitzis. E o colo ao Benfica não explica tudo. Um abraço.

      Eliminar
  6. Bom dia Mestre.
    Gostava de saber onde estavam estes críticos todos do MS em dezembro passado, quando parecia que o BC era o anti-cristo (ou anti-Sporting)?
    Abstraindo dessa curiosidade, acho que o MS deve ficar, apesar de tudo.

    E o tudo, neste caso, é bem referido no post:
    - beneficia de excelente imprensa
    - é exageramente endeusado por alguns adeptos
    - é bom treinador e coloca a equipa a jogar bem ofensivamente
    - parece ser um gajo íntegro

    Apesar de (e agora os pontos fracos):
    - parecer ser teimoso que nem um burro
    - ter andado a aprender o que é treinar o Sporting este ano todo (e ainda não se graduou!)
    - não ser versátil em termos tácticos (não se pode jogar sempre da mesma maneira, aberto e a pressionar... Como aliás o JJ aprendeu da maneira mais difícil) e é preciso saber congelar o jogo (tantos pontos assim desperdiçados!)... nalguns casos, tem mesmo que decidir: se é para atacar, é para esmagar mesmo... já não há pachorra para os desesperantes empates com equipas "autocarro" (o título foi-se nestes jogos!).

    Enfim, os outros clubes também não são campeões a mudar de treinador todos os anos, como o LFV também já descobriu.
    Por isso, acima de tudo, acho que o MS deve ficar... mas com o alinhamento bem definido com o BC... outra crise entre os dois é impensável!
    Ah! E primeiro convém que ganhe a taça! Já agora, dá jeito.

    Saudações Leoninas.
    Lanterna Verde

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lanterna, por acaso acho que o Sporting teve muito a perder ao nao saber matar o jogo em varios dos jogos, muitas das vezes marcamos e encostamos a tentar "gerir" o mesmo.

      Eliminar
    2. jcnaguiar, não sei se o mal é não saber matar ou não saber congelar? Ou ambos, conforme a situação?!
      Não tenho dúvidas é que não sabemos é que esse é mesmo o mal!
      Pode ser juventude e falta de experiência... espero que sim... porque às vezes até me parece falta de atitude e excesso de cagança!
      E isso é que me assusta, numa equipa que não ganha nada há tanto tempo!

      Eliminar
    3. Não os referi a todos no post, mas concordo com esses prós e contras, Lanterna Verde. E o tal alinhamento bem definido com BdC é de facto fundamental. Um abraço.

      Eliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  8. Mestre, excelente post. Estou completamente de acordo com a tua visão.

    Tem cometido alguns erros e tem sido demasiado conservador no que se refere aos jogadores que convoca. Falamos disso regularmente aqui no blog.

    Mas (também) está em aprendizagem e acredito que na próxima época será (ainda) melhor treinador. A estrutura do futebol, num 2o ano de trabalho conjunto, funcionará melhor porque lhes reconheço inteligencia e competência para corrigir o que correu menos bem. Na minha opinião, claramente que deve continuar.

    ResponderEliminar
  9. Sábado, resume se a isto:
    Não goleámos por culpa dos jogadores!
    Não ganhámos por culpa do treinador

    MS pode ser muito bom.
    Mas o que interessa é se é bom para o projecto.

    Para mim não.
    Neste momento com tudo mais ou menos decidido devia estar a integrar já jogadores da B.
    Chegariam à pré época como uma certeza. Facilitaria o trabalho de contratar da estrutura.
    É completamente diferente saber AGORA se o wally, gauld ou geraldes ou mica pelo menos aguentam a pressão nos poucos jogos que faltam.

    E o projecto está acima do MS ou do valor de qualquer treinador.
    É o projecto que vai salvar e sustentar um SCP vencedor.

    Mais, o projecto está acima do BdC

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou de acordo em relação às observações sobre o projeto, Lourenço. E era bom dar minutos já a Wallyson, Gauld e Rubio para ajudar a perceber quais as necessidades para a próxima época. Um abraço.

      Eliminar
  10. Por mim, claro que continua. Tornou o Sporting uma equipa sempre preocupada em jogar bem e em marcar o máximo de golos possível (o que não quer dizer que marque muitos golos). E, se na primeira metade me pareceu muito parecido com o Peseiro, pondo toda a equipa a pressionar muito à frente e a defesa praticamente no meio campo, mas sem controlar o adversário, o que tornava as costas da defesa um bar aberto, depois disso parece-me que resolveu parte do problema e já não se sente que, sempre que o adversário tem a bola depois do meio-campo, vai dar em golo. Mas tem que aprender (e de certeza que vai perceber isso, ou alguém lhe vai dizer) que, numa equipa como o Sporting, os jogadores têm que ter na cabeça que é muito importante ganhar jogos e não se pode arriscar um resultado por um movimento técnico que pode ajudar a criar uma oportunidade de golo, mas também pode dar um golo ao adversário. O que o João Mário fez no Sábado claro que não é da responsabilidade directa do Marco Silva. Mas o que se passa na cabeça do João Mário, a sua mentalidade competitiva, é treinada durante a época. Com o Sporting a ganhar por um golo a 15 minutos do fim, com a equipa a subir para o contra-ataque e com um adversário a cortar linhas de passe, uma bola picada é um gesto que pode dar um contra-ataque muito perigoso para o Sporting, mas também para o adversário. E a mentalidade que leva a tomar estas decisões treina-se. A mesma coisa no jogo contra o Benfica: a 30 segundos do fim, não pode haver 7 jogadores do Benfica e 5 do Sporting na área do Sporting. O lirismo ideológico é bonito, mas custa muitos pontos. O ideal é que o Leonardo Jardim passasse por cá a buscar umas coisas que deixou no cacifo e que passasse no gabinete do Marco para discutirem umas coisas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Juntar o pragmatismo de Leonardo Jardim às ideias de jogo de Marco Silva poderiam dar um treinador bastante interessante, Pedro! :) Um abraço.

      Eliminar
  11. Na minha opinião, um ano/ uma época é muito pouco para se poder avaliar o real valor dos métodos e estratégia de um treinador. Para além dos resultados e do tipo de futebol praticado, pouco mais se pode observar . Por isso espero que a aliança BdC MS se mantenha por mais um ano pelo menos, se não for mesmo os 2 anos que faltam de contrato . Sei que para muito Sportinguista, face às expectativas ( naturalmente sempre altas, ou não fossemos o Sporting Clube de Portugal eheh) esta época sabe a pouco, mas temos de ter consciência que é um primeiro ano de Marco Silva ao mais alto nível, e por isso exige se alguma tolerância. Basta olhar para anos recentes para ver onde as mudanças constantes nos levaram !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda faltam 3 anos, QT, mas creio que não altera nada ao raciocínio. É um caminho longo para percorrer, e não deveríamos desistir aos primeiros tropeções. Um abraço.

      Eliminar
  12. Já o disse noutro blog onde comento com um nick diferente e agora digo-o aqui. Dizem que o Marco Silva não está "identificado com o clube e com o projecto". Palavras bonitas, mas que a mim não me dizem nada. Eu gostava que me dissessem: "por A, B e C, que ele disse, fez ou não fez, mostra que não serve para este projecto". Eu preciso de provas para acreditar nas coisas. Não me bastam as palavras deste ou daquele. Também alguns diziam que o Bruno tinha levado empresas à falência, mas só acredito quando me mostrarem as provas!

    E quando se diz que a equipa não mostra evolução... Não devemos andar a ver os mesmos jogos. O comportamento defensivo da equipa melhorou muito desde o início da época.

    O Marco não mete jogadores da B? Sim, é algo a apontar-lhe. Mas sabemos o motivo? É que eu consigo encontrar várias explicações que podem ir desde a teimosia do Marco até instruções da SAD. Mas eu, como não sei, só posso especular. Há alguém que saiba?

    Claro que o Marco não é o melhor treinador do Mundo e tem tido falhas. Mas gostava que me dessem sugestões de treinadores melhores do que ele pelo preço que podemos pagar. E digo-vos que já li sugestões do tipo Lito Vidigal, Manuel Machado ou o próprio João de Deus, que aqui há cerca de 3 meses era classificado como uma valente merda, que ninguém sabia como lá tinha ido parar!

    A única pessoa que saberá se o Marco Silva tem ou não futuro no Sporting é o Presidente. Ele que decida em consciência, mas se mudar de rumo, que explique porque é que o faz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Haverá sempre o Carlos Azenha, Cafageste... :) Um abraço.

      Eliminar
  13. Mais uma vez, estou de acordo com o Mestre. Nunca é demais relembrar de onde vem este Sporting. E quando acontecem contrariedades como a do jogo de Paços, em que a equipa até esteve por cima, teve mais que oportunidades para matar, mas não o fez e acabou por empatar, há muita gente que se esquece das questões financeiras do clube, das características, idade e real valia do plantel e dos jogadores que o compõem, e volta sempre esta ânsia traiçoeira de querer tudo já mesmo sem contar com os ovos que os outros têm, quer no plano desportivo, quer, já agora, no plano extra-desportivo. Quem vai à frente no campeonato perdeu em Paços de Ferreira, mesmo com uma das maiores vergonhas de arbitragens de que me lembro. Quem vai à frente no campeonato tem mais derrotas que o Sporting. Eu também não gosto de ver o Sporting empatar desta forma (e ainda assim, não é pior do que empatar sem jogar nada, que não foi o caso), mas não me esqueço de duas coisas:
    - o que se passa com o Sporting é um processo exigente que exige paciência, em que há muita gente a aprender para subir patamares rapidamente, num quadro de grandes constrangimentos de vária ordem
    - No fim é que se fazem contas e balanços

    Há questões de ordem técnica, táctica, e sobretudo de mentalidade e experiência para resolver. Mas, para já, não me parece que voltarmos à dança dos treinadores traga mais benefícios que prejuízos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece que queremos voltar ao tempo do cemitério de treinadores das últimas décadas, Noureddine04... serviram-nos de muito a maior parte dessas trocas... Um abraço.

      Eliminar
  14. Mestre, concordo 100%. Á uns meses atrás, eu li aqui e noutros lados que o MS era
    um treinador do caraças. Sabia ler bem o jogo MS forever. etc., etc. etc. Hoje já não presta. Eu pergunto? viram o mesmo jogo que eu, foi um dos melhores jogos que o Sporting fez fora. Quantas oportunidades o Paços teve, quantas defesas fez o Rui? Podíamos ter goleado uma equipa que ganhou ao líder do campeonato, Claro que não o isento de ter cometido um erro que acho evidente, que é meter o Capel e tirar o Slimani. O Marco Silva, faz parte da solução e nunca do problema, por isso todos a Alvalade quarta-feira apoiar a nossa equipa a estar no Jamor. Um abraço.

    ResponderEliminar
  15. Espero que nao continue, independentemente da taça!
    A nao aposta nos jovens, uma equipa que nao evoluiu nada ao longo da época, as desculpas sao sempre as mesmas, a culpa é sempre dos jogadores, erros individuais, os erros dele, sao normais, a saida do Slim é simplesmente dizer que nao se vai bater pelo 2o lugar.
    Nao é treinador para o Sporting, e essa da estabilidade, o P.Bento ja nos mostrou que a continuidade na mediocridade nao leva a nada!

    ResponderEliminar