domingo, 10 de maio de 2015

Insuficiente e preocupante

Acredito que não seja fácil motivar uma equipa a dar o seu melhor numa partida em que não há nada de concretamente relevante em disputa, mas a exibição contra o Estoril foi claramente sofrível, demasiado fraca para um conjunto de jogadores que ainda tem um objetivo importantíssimo para conquistar. Vimos hoje uma primeira parte em que os jogadores deram toda a sensação que prefeririam estar a tomar banhos de sol em vez de serem obrigados a correr atrás de uma bola, e uma segunda parte em que após um bom regresso dos balneários foi o próprio treinador a parecer querer fazer questão de regressar à pasmaceira com um par de substituições que quebraram aquilo de bom que se começava a ver.



Positivo

Mais um golo dos centrais - Ewerton faturou pela 2ª vez. Com os 3 golos de Paulo Oliveira, 1 de Sarr e 2 de Tobias, já vão em 8 os golos resolvidos à cabeçada pelos matulões da defesa nas competições oficiais desta época. Um bom vício que começa a nascer e que contrasta com os anos (e anos e anos e anos) em que nos habituámos a uma contribuição ofensiva quase nula dos centrais.

O regresso de Jonathan - não fez uma exibição extraordinária, mas voltou muitos furos acima daquilo que estava a produzir nas últimas oportunidades que teve (e nem estou a contar com o desastre do Dragão). Raçudo nas disputas de bola, demonstrou iniciativa em subir pelo flanco e arrancou uma boa percentagem de cruzamentos bem direcionados. E claro, ainda esteve no lance do golo. Para mim é para manter no onze. Jefferson que trabalhe para recuperar o lugar.

A exibição de João Mário - foi o melhor jogador do Sporting na 1ª parte, sendo na minha opinião o jogador que conseguiu oferecer maior dinamismo à equipa. Também entrou bem na 2ª parte, e não consegui compreender o motivo pelo qual foi substituído.


Negativo

As substituições - não percebi nem o timing nem a escolha de Marco Silva na primeira substitução que efetuou. Quando decidiu colocar Tanaka em campo, o Sporting tinha acabado de marcar, estava claramente por cima do jogo, arriscava chegar ao 2º, e decidiu tirar um dos melhores: João Mário. A segunda percebe-se melhor mas não correu bem: Mané não estava propriamente a fazer um bom jogo - apenas destaque para o trabalho e cruzamento para o cabeceamento de Tanaka - mas a entrada de Capel não ofereceu absolutamente nada à equipa que não fosse um jogador estacionado junto à linha. No basket é hábito os treinadores pedirem descontos de tempo para quebrar o momentum do adversário. As substituições de Marco Silva tiveram precisamente esse efeito. O problema é que o rendimento que quebrou foi o da própria equipa.

Mais uma primeira parte desperdiçada - o futebol do Sporting está a acumular os piores vícios da época. No início dávamos 45 minutos de avanço mas depois conseguíamos jogar à bola na 2ª parte de forma consistente - que no entanto muitas vezes não foi suficiente para evitar demasiados empates. Na 2ª metade da época houve mais empenho na abordagem aos jogos desde o primeiro minuto, mas com um futebol menos vistoso - mas com menos pontos desperdiçados. Agora andamos a oferecer a 1ª parte aos adversários e a jogar um futebol pouco vistoso. E não surpreendentemente, empatámos. Haja pachorra.



Parece-me que a ideia de Marco Silva em fazer alinhar o onze de hoje era começar a aquecer os motores para a final da Taça. Não correu bem, e começo a ficar preocupado com a qualidade exibicional da equipa.

13 comentários :

  1. Não vi o jogo. Cheguei agora a casa, liguei o pc e fiquei a saber que o Capel voltou a jogar... como de costume pelos vistos.
    Entretanto também já li algures por aí uma expressão bastante feliz - existe um muro entre a equipa A e a B...

    Hoje a diferença basicamente foi que o adversário marcou primeiro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Hoje a diferença basicamente foi que o adversário marcou primeiro."

      Porra FCS, quando o Estoril marcou, lembrei-me do teu último comentário/questão no meu blog.
      100% correcto.


      Mestre,

      todos estamos a ver o fim disto. Ainda não queremos é acreditar que vai ser mesmo assim. Isto é tudo menos futebol. E o treinador não é o único (nem principal) responsável.

      O golo do Estoril é ridículo. E é ver a jogada toda e não só a partir do momento em que a bola já está no nosso meio-campo.

      abraço

      Eliminar
    2. o golo do Estoril começa com o carrillo a evitar um pontapé de baliza, depois não me lembro quem é batido a entrada da área do Estoril, o gajo aproveita a auto estrada que ali estava porque o lateral estava junta a outra área, o paulo oliveira vai compensar e não consegue evitar o cruzamento, o ewerton falha o corte e o Jonathan chega atrasado para evitar o remate

      basicamente foi um equipa precisar de ferias, quanto a primeira subsituiçao, percebi a ideia, e já estava o tanaka na linha lateral para entrar quando acontece o golo, o problema é que os gajos andaram aos papeis até entrar o terceiro central e ai fecharam a porta.

      e depois não existiu imaginação, nem especialmente remates de longe.

      e para mim o capel não conseguiu ser melhor que o mané( que por si não jogou grande coisa) e o andre martins acho que entrou muito tarde.

      Eliminar
    3. Para mim o principal responsável do golo do Estoril é o William. Devia ter recuado mais rapidamente ao ver que dificilmente o Cédric conseguiria parar o contra-ataque. Acompanhando o jogador do Estoril, teria certamente ganho tempo para o resto da equipa se reorganizar.

      Eliminar
    4. Cantinho, em relação a quem é o principal responsável, depende das conversas que foram tidas entre treinador e direção no momento em que se acertou a contratação e na forma como o plantel foi construído. O que é facto é que estes mesmos jogadores já mostraram ser capazes de conseguir muito melhor, jogando um futebol diferente daquele que fazemos hoje.

      Enfim, o melhor é aguardarmos pelo final da época para começarmos a atribuir responsabilidades. Mas nunca pensei que acabássemos a jogar tão mal depois do bom futebol que mostrámos na primeira metade da época...

      Um abraço.

      Eliminar
  2. Vejam igualmente a movimentação de William no golo do Estoril....foi ali a correr sem grandes pressas para depois ficar a assistir ao remate de Seba.
    O que mais me estava a preocupar até agora, não era o Sporting não estar a jogar grande coisa.
    Na minha opinião, estava a jogar o suficiente para ganhar bem os jogos e ainda ir rodando a equipa.

    O de hoje foi outra coisa...parecia um jogo de pré-temporada.
    Tal era intensidade de jogo e vontade de ganhar o jogo. E atenção, este Estoril é do pior que temos na Primeira Liga. Claro que há um Setubal, Penafiel e Gil Vicente, mas na minha opinião não é muito superior a essas equipas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. J., concordo: também acho que a lentidão do William a recuar quando o Cédric sai ao jogador do Estoril foi decisiva.

      Temos estado a jogar mal, mas viu-se a equipa a entrar com vontade de resolver as coisas na maior parte dos jogos. Contra o Nacional e hoje não foi isso que se viu... e assim fica mais difícil. Um abraço.

      Eliminar
  3. Mestre a mão do treinador viu-se ao intervalo. A substituição do Joao Mário parece estranha mas a verdade é que o Tanaka por pouco não marcou quando entrou.

    Percebo que seja difícil motivar os jogadores que começaram a época na pool positivo.

    Começo a pensar que alguém está a obrigar o capel a jogar uns minutos para ver se lhe pegam...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carlos, sim, a equipa voltou do intervalo com outra atitude. Mas será realmente do treinador. O que terá dito à equipa ao intervalo que não poderia ter dito antes do jogo começar?

      Não contesto a entrada do Tanaka. Ao intervalo, como as coisas estavam, fazia todo o sentido. Para mim o problema foi a altura em que entrou, em que o Sporting estava a dominar.

      Um abraço.

      Eliminar
  4. a questão é que o marco foi tentando refrescar a equipa e ao mesmo tempo o estoril foi tirando homens do ataque e metendo homens na defesa...

    deu a sensação que o marco estragou a equipa porém o jogo já tinha mudado. Foi ali naqueles 20 minutos da 2ª parte em que devíamos ter atirado tudo à baliza deles... Depois faltou o espaço e amontoavam-se o homens na entrada da área.

    Entrou capel pra cruzar mas...

    Carrillo só sacou 3 ou 4 bons lances, quando esteve sempre em vantagem sobre o seu adversário directo.

    ResponderEliminar
  5. Penso que também temos que falar da vergonha que foi a equipa do Estoril. Defender o jogo, quando não tem nada para perder e estar constantemente a perder tempo não é de equipa de primeira divisão. Agora, claro o Sporting jogou pouco numa relva bastante seca.

    ResponderEliminar
  6. O problema é nao se ver que este modelo de jogo não serve. Na final da taça os jogadores vão estar mais concentrados e com mais intensidade, mas não esperem futebol de qualidade porque com este modelo é simplesmente impossivel. E os jogadores estão completamente automatizados nisto.
    Muito desiludido com o trabalho de Marco Silva na primeira epoca. E pensar que dizia ele na apresentaçao como treinador que o Sporting estava a comprar tambem um modelo de jogo. Bem isto nao tem nada a ver com o modelo que tinha no Estoril. Que se passou?

    ResponderEliminar