quarta-feira, 20 de maio de 2015

O ADN do Porto


Não, não vou falar dos quinhentinhos, das escutas, do café com leite, das viagens ao Brasil ou dos conselhos matrimoniais ao domicílio. Vou falar de um outro fator que, desde que me lembro de seguir o futebol, o Porto sempre conseguiu utilizar como uma importante mais-valia, e que tanto o Sporting como o Benfica foram perdendo a partir de meados dos anos 80: a forma como sempre conseguiram manter um núcleo duro de jogadores habituados a ganhar e totalmente identificados a cultura competitiva do clube.

Sei que não sou a melhor pessoa para falar do assunto, mas de qualquer forma aqui fica a opinião de quem acompanhou esse fenómeno de fora durante algumas décadas.

Eram quase todos figuras detestáveis. Usavam de todos os meios à sua disposição que os aproximasse dos seus objetivos, alguns dos quais reprováveis. Paulinho Santos, por exemplo, era um arruaceiro que de vez em quando se lembrava de pontapear a bola em vez de partes sensíveis do corpo dos adversários. Mas é preciso reconhecer que essa postura implacável e comprometida com os interesses do clube era algo que ia bastante além do simples profissionalismo: eram efetivamente uma parte do clube, sentiam o emblema que representavam e compreendiam-no tão bem ou melhor como o mais ferrenho dos adeptos. Falo de jogadores como o referido Paulinho Santos, João Pinto, Jorge Costa, André, Aloísio, Jaime Magalhães, Domingos, Gomes, entre outros, que controlavam o balneário, que mantinham os colegas 100% focados nos objetivos do clube, que sabiam o que estava em causa nos grandes momentos e que transmitiam essa cultura competitiva aos jovens das gerações seguintes, que uns anos depois passavam a ser os novos líderes.

Eram claramente outros tempos, em que ainda existiam jogadores que cresciam com a ambição máxima de representar um dos grandes portugueses, e não os encaravam como um mero trampolim para voos mais altos.

Hoje parece que não resta ninguém no plantel do Porto que encarne esse espírito, esse ADN. Sim, Helton está há muitos anos no clube, já tem um currículo preenchidíssimo, mas dá ideia de ser demasiado camarada para desempenhar bem esse papel. Para além disso, a flash interview que protagonizou no final do jogo do Restelo revelou um suposto líder demasiado alheado em relação ao fracasso recém consumado, e muito mais centrado em si próprio:


E ainda há Quaresma mas, sem estar a colocar em causa a sua qualidade como jogador, não tem claramente perfil para isso.

O principal problema do tal ADN é que necessita de algum tipo transmissão direta para se poder perpetuar no tempo. E a direção do Porto, ao mudar por completo o paradigma das contratações e da gestão de plantel, deixou quebrar definitivamente esse elo. Não digo que o Porto não consiga um dia recuperar algo parecido com esse ADN - o que à partida será muito complicado em função de como a indústria do futebol transformou a relação dos jogadores com os clubes que representam -, mas isso só poderá acontecer como resultado de um trabalho continuado que demorará anos até produzir resultados palpáveis.

25 comentários :

  1. MdC, não sejas ingénuo, o ADN que eles perderam chama-se APAF. Perderam claramente também algumas claras influencias no futebol português, e isto aparentemente para outro clube.
    Jogadores com raça e que devam tudo pelo clube, tanto o Sporting como o carnide, tiveram bastantes, a maneira como os bois de preto os tratavam é que era diferente.

    Tens um perfeito exemplo deste ano, a nossa equipa é das mais indisciplinadas senão a mais indisciplinada? Encontras alguma lógica nisso? Pois é quando controlármos a APAF e afins também ficamos com o tal ADN.

    E já agora, "dragoes diário"?! que palhaços, ainda agora começou o declinio e a choradeira é diária, imagina quando aquilo cair mesmo a sério.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enquanto os adversários do FCP pensarem que o ADN perdido é a APAF, continuarão a não perceber o sucesso que o clube tem/teve. E continuarão a não conseguir replicá-lo.
      Por outro lado, enquanto os responsáveis do FCP não perceberem que o ADN se está a perder (e vermos-nos ao espelho é difícil, por vezes), será cada vez mais difícil repetir esse sucesso.

      Cumprimentos.

      Eliminar
    2. Yazalde, não tenho dúvidas que o Porto ganhou muito graças ao poder na Federação e na arbitragem em particular, mas isso não quer dizer que não existam outras coisas que foram muito bem feitas. Por exemplo, quem me dera a mim que tivéssemos um balneário tão bem blindado como o do Porto. Um abraço.

      Eliminar
  2. 20 de Maio 2014, Migas:
    "Para o ano estaremos imparáveis, invencíveis, ganharemos magnanimamente e no fim seremos coroados."
    http://oartistadodia.blogspot.pt/2014/05/comecou-201415.html#comment-form

    ResponderEliminar
  3. MdC acho que para analisares o que o Porto é (espero que passe a foi) tens de fazer um contexto maior.

    O Porto viveu durante muitos anos o que muita gente acha que o Sporting está a viver agora. Uma perseguição dos dois maiores clubes portugueses, um sentimento que assim que passassem o Douro iam perder pontos pois Lisboa controlava as arbitragens.

    Pinto da Costa soube aproveitar esse sentimento de injustiça e canalizar-lo para um valor mais alto, o Porto enquanto nação uma guerra norte vs sul.

    O ADN do porto eram jogadores locais que sentiam a camisola e davam tudo (davam em tudo o que se mexia também) criavam um balneário fechado que sabia acolher jogadores estrangeiros que emprestavam aquilo que os da casa não tinha. É um clube criado pelo vicio de ganhar, são as vitorias o verdadeiro combustivel do clube e quando elas não existem a máquina falha. Lembro-me quando o Sporting foi campeão com o Boavista pelo meio o Porto abanou, mas soube reerguer-se, espero que não o consiga à custa do Sporting.

    Mr Blue com todo o respeito, pessoas que achem que o sucesso do Porto se baseia na APAF são ingénuos mas os portistas também o são se não reconhecerem que perderam para o benfica todo (ou quase todo) o trabalho de bastidores do futebol português. Observadores de árbitros, associações de arbitragem do norte, clubes satélites, liga e federação o porto perdeu um peso imenso nos últimos anos.

    Ter vendido a alma aos fundos também não ajudou, o Porto agora é uma gigantesca porta para os maiores negócios do futebol mundial o que significa que muitas vezes, se não todas, os interesses próprios são postos em segundo lugar. O vazio que Pinto da Costa vai deixar muito dificilmente vai ser preenchido, o Porto está numa encruzilhada, volta a ser o clube "regional" (sem desprimor mas o Porto dos anos 80 90 e 2000 era um clube regional que ganhou tudo, era a região do Porto) ou continua a ser uma empresa de futebol com base no Porto, sem identidade para além das vitorias e vendas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mr Blue com todo o respeito, pessoas que achem que o sucesso do Porto se baseia na APAF são ingénuos mas os portistas também o são se não reconhecerem que perderam para o benfica todo (ou quase todo) o trabalho de bastidores do futebol português. Observadores de árbitros, associações de arbitragem do norte, clubes satélites, liga e federação o porto perdeu um peso imenso nos últimos anos.

      Consegues-te contradizer num simples paragrafo, por um lado dizes que a APAF não teve qualquer influencia nos vossos títulos e quem pensa assim é ingénuo para de seguida reconheceres que perdeste o domínio dos bastidores(onde se inclue a APAF) para o carnide. Fuck logic




      Eliminar
    2. Onde falei em bastidores? Mais atento, na próxima.
      O problema do FCP não são os bastidores.

      Eliminar
    3. fdx, deve ser o efeito das pás e picaretas. Lê como deve de ser e verás que estou a comentar um post do user PTM.

      Eliminar
    4. PTM, o ser um clube regional para mim não tem qualquer problema. É uma característica, apenas.
      O perder influências nada me diz porque nunca achei que fosse por aí que as coisas se faziam (como continuo agora a pensar). Quem é forte, mostra-o dentro do relvado, onde conta.
      O FCP pós Apito Dourado (processo curioso) continuou a ganhar, cá e lá fora. O FCP burguês do pós-PC (sim, estamos num pós-PC mesmo que não pareça) é que tem que endireitar caminho.
      Vai fazê-lo? Tenho dúvidas.

      Cumprimentos.

      Eliminar
    5. desculpa Yazalde,má interpretação tua, mas admito que falta uma palavra para me entenderes melhor, unicamente na APAF. fuck reading. e vê a merda da foto, vê lá se não é o miguel garcia em aalkmar

      Mr Blue é sua opinião, o porto sem o manto protector fica com frio nos pés

      Eliminar
    6. PTM, concordo que é bastante relevante a própria mudança que se tem registado ao nível da direção do Porto, e a própria forma como o plantel tem sido formado é um reflexo direto disso. Hesitei entre falar nisso neste post, mas acabei por não o fazer para não misturar coisas. Mas tenciono escrever sobre isso no futuro. Um abraço.

      Eliminar
  4. Começar o comentário com uma citação que inclui nome de outro user que comentou, induz, o mais atento, ao erro.
    Esclarecido.

    ResponderEliminar
  5. Lá então fortes dentro do relvado voçês eram, isso não há duvida:

    https://www.youtube.com/watch?v=CQTADB04SM0

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando se dá uma opinião, num blog que até se respeita (pese embora de cor diferente) e nos é arremessada a demagogia normal, confesso que a vontade de o fazer se perde.
      Cumprimentos.

      Eliminar
    2. Palavras bonitas, pena elas não apagarem o clube corrupto que voçês sempre foram e que agora choram diariamente por terem perdido esse poder para outro clube.

      As minhas opiniões são tão válidas como as tuas, penso que tás à vontade para escreveres o que pensas no blog do MdC, não fiques é à espera que te venham bater palmas.

      Eliminar
    3. Corrupção ?! De que tipo ?!
      Do tipo Cardinali ?!
      Ou do tipo PPC ?!

      Poderia dizer que tens telhados de vidro, mas não...
      Nem telhado tens...
      És uma lixeira a céu aberto !

      Eliminar
    4. Costa pára lá de beber o teu café com leite e diz me uma coisa, sabes o que foi/é o caso cardinal (cardinali é o circo)? sabes o que foi feito? sabes que o PPC meteu dinheiro na conta do fiscal do benfas e depois foi fazer queixa à apaf? sabes que o Sporting suspendeu as funções do PPC assim que saiu a noticia?

      agora vai lá po brasil na cosmos, não compares os casos que só te envergonhas

      Eliminar
    5. É isso tudo costa, já agora fecha ai a porta da tua pocilga, que o cheiro cá fora já tá por demais...

      ó PTM então mas tu queres comparar o que? eu é que me vou envergonhar por comparar o caso "cardinali"(lol) a toda história de corrupção do teu clube? lol, mete mas é mais tabaco nisso.


      Sinceramente não sei o que se passa na cabeça de alguns sportinguistas, todos se queixam que o futebol portugues está podre, mas muitos se esquecem de quem o colocou assim... enfim

      Eliminar
    6. foda se ó yazalde sabes ler? começo a duvidar

      Eliminar
  6. De acordo faltam referencias. A ultima digna desse nome foi o Lucho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um líder. Um jogador de quem sempre gostei, mesmo estando do outro lado da barricada.

      Eliminar
  7. Não há diferença entre o ADN do Paulinho Santos e o apoio da APAF, um sem o outro não existem.
    Se não fosse a fruta o Paulinho Santos e seus amigos não chegavam ao intervalo sem serem expulsos. Passariam mais tempo no balneário do que no campo.
    Sem a conivência dos árbitros o Bruno Alvos tinha mais cartões amarelos do que o Ronaldo golos.
    A falta de referências com esta, digamos raça, é a evidência que os árbitros mudaram de dono.
    Ou será coincidência que o nosso Enzo anda lá pelas espanhas a coleccionar cartolinas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Unknown, o ADN a que me refiro não era a cacetada que davam dentro de campo... :)

      Eliminar
    2. foda-se unknown, agora é que disseste tudo em 6 linhas

      Eliminar
    3. Mestre, mas vem tudo junto, inseparável.
      Quanto respeito iria comandar no grupo o André, se à conta da sua forma de se entregar aos lances a equipa jogasse sempre com 10? Ou um Bruto Alvos que lhe assinalassem penalties para os outros marcar?
      O ADN portista É a APAF e vice-versa.

      Eliminar