quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Boas dores de cabeça para Jesus

Na primeira vitória desta época na Liga Europa, o Sporting teve uma exibição que alternou entre momentos empolgantes em que criou oportunidades de golo suficientes para conseguir uma goleada das antigas, e períodos de total apatia a lembrar um daqueles jogos de fim de temporada em que já não há nada em disputa. É claro que a goleada por 5-1 não pode ser dissociada do facto de ter sido o próprio Skenderbeu a carregar no botão de autodestruição, entregando os três pontos de bandeja com uma expulsão ridícula e cometendo dois penáltis perfeitamente desnecessários. Apesar das facilidades concedidas, nunca houve qualquer dúvida entre a diferença de nível entre o Sporting e o Skenderbeu. As segundas linhas gritaram "presente", e deram seguramente a Jorge Jesus bons motivos para questionar as ideias que tem na cabeça para o seu onze preferencial.



Positivo

O omnipresente Montero - um jogo em cheio do colombiano: sofreu os dois penáltis que estiveram na origem dos dois primeiros golos do Sporting, converteu o segundo, lançou Jonathan para o cruzamento para o 3-0, marcou o livre para a cabeça de Tobias no 4-0, esteve particularmente dinâmico na construção de jogo após a entrada de Slimani e ficou muito, muito perto de marcar pelo menos mais dois golos (um tirado em cima da linha por um defesa do Skenderbeu e outro numa bomba de fora da área). Foi o melhor jogador em campo.

Matheus with a bang - terceiro jogo pela equipa principal. No primeiro, contra o Besiktas, fez a assistência para o golo de Bryan Ruiz. Contra o Vilafranquense marcou os dois primeiros golos da equipa. Hoje voltou a bisar. Três jogos, quatro golos e uma assistência. Quem acompanha Matheus desde as camadas jovens não ficará de forma alguma surpreendido com a sua inevitável afirmação no plantel principal, mas estes números são efetivamente uma entrada com estrondo que supera as expectativas mais otimistas. Para além disso, parece estar com a cabeça muito bem arrumada, o que é meio caminho andado para conseguir concretizar o inacreditável potencial que tem.

Mané a puxar pela equipa - é preciso não esquecer que a exibição não foi equilibrada ao longo dos 90 minutos, tendo havido mesmo alguns momentos em que a apatia parecia generalizada. Nesse período, Carlos Mané foi quem mostrou mais iniciativa para agitar a partida, tendo conseguido uma exibição bastante consistente - mesmo não tendo marcado golos ou feito assistências.


Negativo

Os minutos que se seguiram à expulsão - o Sporting entrou bem no jogo, mesmo sem carregar muito conseguiu criar várias oportunidades de golo. Quando o jogador albanês foi expulso, seria de esperar que a equipa forçasse o andamento para resolver rapidamente a partida, mas foi precisamente o contrário que aconteceu: os jogadores levantaram quase todos o pé do acelerador e a qualidade de jogo caiu de forma impensável. O 1-0 acabou finalmente com o torpor instalado e a equipa foi gradualmente melhorando o nível exibicional.

O golo sofrido - 90 minutos, 5-0, canto a favor do Skenderbeu. Na área estavam 9 jogadores do Sporting, contra 4 do Skenderbeu. Bola batida para o segundo poste e o jogador albanês cabeceia completamente à vontade, perante a péssima abordagem de Ewerton. Uma falha de concentração sem consequências, mas que irrita por mais uma vez a equipa ter oferecido de forma completamente displicente um golo ao adversário.



Continuamos em terceiro lugar no grupo, mas está tudo em aberto. Há que vencer na Albânia para podermos atacar as duas últimas e decisivas jornadas de forma a assegurar o apuramento para a fase seguinte.

18 comentários :

  1. Estou farto de escrever isto noutros lugares, penso que o crescimento dos jogadores faz-se jogando em alta competição junto de jogadores que sejam iguais ou melhores que tu, basta ver o rendimento do Matheus na A e na B (Estou a falar de números não estou a falar de outras coisas). Espero que o JJ perceba a poucos e poucos que Matheus está neste momento uns furos acima do Gelson, não que isso não possa mudar (eu sou grande fã de Gelson por isso estou à vontade para escrever).

    Não tenho dúvidas que se ele tivesse seguido o caminho que lhe tinham traçado estaria também a ter desde já minutos dados por LJ, logo aqui é fazer o mesmo e aproveitar a boa forma.

    É que o miúdo tem feito coisas que parecem fáceis, mas não são, o 2º golo ao Vilafrequense o Montero teve uma oportunidade igual e não a meteu lá dentro, hoje o 2º golo se fosse marcado por jogadores formados noutros lados teria sido apelidado de fantástico, como foi pelo Matheus o Record até chega a escrever que de bateu de repelão na bola..enfim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fernando, escreveram mesmo que bateu de repelão na bola? Francamente...

      Neste momento, parece-me que o problema do Gelson é sobretudo de ansiedade de querer resolver as coisas rapidamente. Assim que acalmar e começar a escolher melhor os momentos para tentar desequilíbrios, vai ser ainda mais útil para a equipa.

      Quanto ao Matheus, já era evidente nos B's que era jogador para resolver jogos... agora, estando rodeado de jogadores com outra qualidade, terá seguramente muito mais ocasiões para o fazer. Para já estou a gostar da forma progressiva como JJ o está a integrar na equipa, e parece-me uma questão de tempo até ser titular em jogos a doer.

      Eliminar
    2. No resumo do jogo do record pode-se ler "Cruzamento da direita e o brasileiro chuta enrolado e de pé esquerdo, sem hipóteses para Shehi.", foi esta a descrição do 2º golo do Matheus.

      Eliminar
  2. Desculpa o duplo post, mas hoje ficou provado outro grande mito que MS nos brindou o ano passado, que uma equipa não pode rodar em competições diferentes, é certo que o adversário é fraco, mas já na Turquia jogamos com uma equipa alternativa e não correu mal, hoje então diria que jogaram 10 não titulares e embora de facto tenhamos tido a vida facilitada, a equipa a espaços praticou bom futebol.

    Nem sempre vai correr bem é certo, mas não faz sentido nenhum usar o mesmo 11 sistematicamente, até porque precisas de ter um lote mais abrangente de jogadores com minutos nas pernas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nao compares o nível de dificuldade da LE com a CL eu nao sou fã de MS mas temos de ser sérios na análise.

      Eliminar
    2. A questão da diferença de dificuldade entre LE e LC é um facto. Se estivéssemos na champions o Jesus nunca se atreveria a rodar tanto a equipa. Concordo que MS fez o que tinha a fazer no ano passado na LC, mas cometeu um erro fatal ao meter a carne toda no assador contra o Wolfsburgo. Devia ter compreendido as limitações do plantel e que o apuramento era uma miragem, e apostado somente no campeonato. Não o fez, e acabámos por ser eliminados e perder o comboio para o 2º lugar.

      Eliminar
    3. Ace-XXI não é uma questão de ser sério ou não, o Mestre percebeu perfeitamente onde quis chegar, não falei na CL, ai estamos no inicio de época é normal e não disse o contrário, refiro-me mais concretamente à semana do Wofsburgo e Dragão, o 11 foi praticamente o mesmo quando o apuramento era uma miragem e podia e devia ter na altura feito uma gestão diferente. Mas se fores ver outros jogos na Taça de PT a rotação foi pouca, mas pronto, não interessa estar muito a falar do passado.

      Eliminar
  3. Concordo com tudo mestre!
    Quero apenas citar Ricardo Esgaio! Gostei particularmente da sua propensao ofensiva! Mesmo antes da expulsao! Sobe com criterio e fez bons cruzamentos! Quanto a mim muito superior a Joao Pereira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esperemos que tenha servido para o Esgaio ganhar confiança, Fernando.

      Eliminar
  4. "É claro - óbvio, evidente - que a goleada por 5-1 não pode ser dissociada do facto de ter sido o próprio Skender quê?! a carregar no botão de autodestruição, entregando os três pontos de bandeja com uma expulsão ridícula e cometendo dois penaltis perfeitamente desnecessários."

    Ontem, aqui, antes do jogo, fui dos 1ºs a desejar que ganhassem para ficar com a moral em alta para o Dérby da 2ª circular. E, hoje, continuo a desejar o mesmo. Mas, também não exagerem na dose. Não imitem já os pardais que mal ganham a um qualquer clube da 3ª divisão da Albânia entram logo em êxtase!! E, ainda pro cima, nem sabia que tinha havido uma expulsão.

    Assim que, vamos lá ter calma e não sejam gaivotas. Como aqui já alguém - bem - disse, os sportinguistas, em geral não são fanfarrões, faroleiros!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sosseguem lá a pássara e não entrem em delírio.. take it easy !!

      Eliminar
  5. Sporting continua a mostrar dificuldades com Jesus, como acontecia já com o Bengfica de Jesus!
    Mark Margo
    www.markmargo.net (site de celebridades e playmates com sessões fotográficas)

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. Fui só eu que passei a primeira meia hora horrorizado com o jogo do Sporting?

    Acho estranho as loas à exibição do Sporting (quanto ao resultado, são mais que merecidas). Eu, sportinguista de gema e ferrenho, vi uma meia hora muito complicada, com transições rápidas do Skanderbeu e muita força física e acerto defensivo dos meninos. Cheguei a temer varios golos em contra ataque. O numero de vezes que aparecerem com dois toques na grande área foi assustador, sempre em igualdade numérica ou vantagem. Vá lá que eram cepos.

    Fiquei muito surpreendido, mesmo!

    Não fosse o anormal do avançado se expulsar e termos desbloqueado do jogo com dois penaltys (o primeiro bastante mal cheiroso) e acho que íamos ter um jogo bem difícil.

    Tudo fica bem quando qcaba bem mas cheira-me que na Albania teremos de nos esforçar a sério se quisermos ganhar.

    Quanto ao relvado. É uma vergonha! Uma vergonha que me enche de constrangimento. Como é que uma equipa como o Sporting joga num batatal daqueles?

    Isso e o golo deles. Enfim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tremeste? Sério? Eu vi essas transições de que falas, mas vi zero de dificuldades lá atrás...

      Eliminar
  8. Gostava de ver a seguinte equipa para o derbi:
    Guarda redes : RP
    Defesas: je, jp, naldo e p Oliveira.
    Médios Sir William, Ad, jmario e mpereira
    Avançados Slimani e Montero

    ResponderEliminar
  9. Jogo que serviu particularmente para dar competição e minutos a elementos que por vários motivos o mister necessitava constatar as suas aptidões físicas e psicológicas, onde alguns destes se destacaram, a equipa tacticamente teve nuances onde se percebe a robustez e consistência dos métodos que JJ pretende implantar, embora como aqui referido a questão do bloco nas transições não funcionar o que é uma meia verdade analisando que a equipa joga em pressão alta obrigando o adversário a uns desgaste dobrado a encontrar espaços físicos e mentais, William atrás de Paulista impunham estofo físico ao meio campo leonino na sua contenção e verticalidade o que estancava e esfriava os contra ataques pela base e aqui é onde está o cerne da questão este ano, porquê?

    Porque caso a equipa que demonstra uma evidente apetência atacante não assimile os métodos que estão a ser implantados independente se joga WC&Adrien ou WC&Paulista este são os únicos que tem que manter a estabilidade defensiva e o jogo de Domingo em carnide pode demonstrar com facilidade o aqui descrito.

    Individualmente gostei do empenho e atitude de:

    Esgaio - certinho e assertivo.

    Jonathan - por vezes fico com a impressão de que este pé esquerdo deveria ser trabalhado para outras zonas mais avançadas do campo, faz lembrar os antigos extremos, tipo Mário Jorge, tem um excelente toque de bola e coloca com critério.

    William - imperial a usar a sua presença física perante o opositor e a dar outra serenidade à linha média.

    B. Paulista - impressionante a sua estampa física, querer, esforço sempre em alta rotação e futebol vertical, bem trabalhado é menino para não estar muito tempo em Portugal, vejam os jogos do Casemiro em Madrid (como é possível jogar aquele nível???).

    Aquilani - classe, impulso e visão com saber e experiência de quem sabe o terreno que pisa.

    Matheus P. - a manter o nível psíquico e as hormonas no sítio temos caso sério de mais um talento "made SCP" e algo interessante é a forma como compreende o jogo nas linhas interiores avançadas onde o espaço é curto e de difícil execução, fino recorte técnico.

    Montero - grande jogo a mostrar ser uma alternativa plausível a qualquer momento, isto naquele seu característico low profile, agora imaginem se fosse um player com um pouco mais de explosão e pimenta nas divididas, era um caso sério aliando a subtileza com que mexe na redonda.

    Mais alguns argumentos poderiam ser observados mas o jogo não foi propriamente de elevado risco, onde para haver demérito é preciso trabalhar para alcançar o mérito!

    ResponderEliminar