segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Pequena penalidade

Penso que é importante que se faça uma contabilidade dos erros de arbitragem ao longo de uma época. A partir do momento em que os clubes (desde os dirigentes aos adeptos) têm o hábito de se queixarem quando se sentem prejudicados pelas decisões dos juízes, convém que exista um apanhado das situações que foram beneficiando e prejudicando as várias equipas ao longo da época, para se poder avaliar devidamente até que ponto é que os queixosos têm razão.

Há que aceitar que quem faz essa avaliação tenha uma visão diferente da nossa. Existem vários lances que são extremamente complicados de avaliar, mesmo recorrendo aos vários ângulos de repetição disponíveis.

Também temos que aceitar os vários métodos que cada jornalista ou jornal encontra para fazer esta contabilização. O Record tem a Liga da Verdade, Rui Santos tem a Liga Real, e em ambas é feita uma contabilização simples: se um clube foi prejudicado ou beneficiado num lance que, no final, acaba por ser diretamente determinante no resultado, então essas Liga da Verdade / Liga Real contabilizam o prejuízo / benefício em pontos.

Na minha opinião é uma forma redutora de se fazer a análise: por absurdo, se um clube chegar a uma vantagem de 3-0 com três penáltis inexistentes e depois marcar um quarto golo, estas ligas considerariam que o clube vencedor não tinha sido beneficiado em pontos porque marcou um golo limpo. Percebo no entanto que o façam assim, pois é impossível prever com exatidão o que aconteceria se os erros de arbitragem não tivessem ocorrido.

O que eu não consigo perceber é a ideia peregrina que considera que um penálti por assinalar não tem influência no desfecho final da partida. Vou mostrar-vos três exemplos da Liga Real de Rui Santos, todas relacionadas com o Sporting.

Na 2ª jornada, Rui Santos considera ter existido um penálti por assinalar sobre Slimani (numa altura em que o resultado era 1-0). Apesar de o resultado ter ficado em 1-1 e de o penálti sobre Slimani significar com grande nível de probabilidade um segundo golo que - na lógica seguida pelo próprio Rui Santos - implicaria a vitória do Sporting, Rui Santos considerou o empate como o resultado válido para a sua Liga Real.


Na última jornada temos um exemplo semelhante. O Arouca foi prejudicado ao não ser-lhe assinalada uma grande penalidade perto do fim. No entanto, Rui Santos, considera que na sua Liga Real o Sporting tem direito aos 3 pontos.


Mais estranha é a apreciação feita ao Sporting - Estoril. Neste jogo tivemos um penálti claro não assinalado e um penálti assinalado incorretamente, ambos na área do Estoril. No entanto, Rui Santos considera para a sua Liga Real que o Sporting teria apenas 1 ponto.


Ou seja, ignora-se o efeito do penálti não assinalado, relevando-se a pequena hipótese de não ser golo caso o árbitro o tivesse marcado. Mas, ao mesmo tempo, no penálti incorretamente assinalado já não se considera que haveria uma igual hipótese de não ser golo. Parece-me extremamente discutível esta regra. A partir do momento em que a gravidade do tipo do erro do árbitro é ignorada  então, para ser consistente, Rui Santos deveria fazer o mesmo tratamento aos golos que resultaram de livres e cantos mal assinalados. Ou até em lançamentos mal executados que deram origem a lances chave. Rui Santos não o fez, por exemplo, no Tondela - Sporting, no penálti que foi assinalado na sequência do lançamento lateral de João Pereira.

Tanto quanto me parece, Rui Santos sempre seguiu esta regra, pelo que a este nível a sua coerência não pode ser atacada. Mas não faz qualquer sentido considerar que um penálti por assinalar não tem influência num resultado. Talvez devêssemos começar a usar o termo "pequena penalidade" para os penáltis. Nesta análise têm a mesma importância que um livre indireto assinalado junto à linha de meio-campo.

18 comentários :

  1. A apreciação do jogo com o estoril é ridícula porque ele valoriza mais um fora de jogo nao assinalado do que uma GP por marcar... obvio que o lance do teo nao é uma falha grave mas o penalty é.

    Nos outros jogos pode nao fazer sentido mas pelo menos é coerente.

    ResponderEliminar
  2. Ainda ontem estava no café e ao meu lado oiço uma conversa que me chamou a atenção. Na mesa ao lado estavam 3 pessoas, 1 senhora e 2 homens que me apercebi de seguida que eram árbitra e fiscais de linha, respectivamente. Tinham um portatil e ela explicava-lhes o tipo de palavreado que queria que eles usassem nas variadas situações de jogo (simulação, falta, fora-de-jogo, etc). Mas o que é que isto tem a ver com o texto? Pois é, eles continuaram a conversa discutindo um lance que passavam no portatil, e sendo eles árbitros, deviam estar de acordo segundo as regras pelas quais todos eles se regem. Mas não, havia um que olhava para o lance de forma diferente.
    O lance era um passe longo na diagonal e o avançado ia dominar a bola ficando isolado para o keeper. Por trás, aparecia um defesa que o derruba. Vermelho ou não?
    Ora que o senhor "só" defendia que como era um passe longo com uma recepção dificil, não se poderia saber se ele ia dominar bem a bola e por isso devia ser amarelo.
    Os outros explicavam que os lances não se analisam assim. Explicaram também que ele teria de analisar a situação como se o defesa ali não estivesse, e não interessava se ele poderia recepcionar bem a bola ou não, pois isso não iria chegar a acontecer porque o jogador já tinha sido abalrroado pelo defesa.
    Resumindo, lá se foram embora e a discussão continuava a mesma sem haver consenso.
    Ora, se eles próprios não estão de acordo, como é que isso nos poderá tranquilizar?

    ResponderEliminar
  3. O problema é sempre o mesmo.. quem faz as análises, são homens, pessoas, que também têm as suas paixões, inclinações.. já para não falar dos seus handicaps e deficiências visuais, intelectuais, técnicas!!

    O Rui Santos é um lagarto rabudo que não serve de exemplo para nada nem ninguém.

    E é óbvio que nós, espectadores, após vermos os lances na Tv e tirando as nossas palas e lentes
    clubisticas conseguimos ver melhor os lances.




    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por ex., eu fui o 1º em Portugal inteiro a chamar a atenção para a possibilidade, a hipótese de o Naldo ter tentado provocar, pisar o pé ao tr. Litos que depois reage a quente e entra em campo.

      Não o afirmei, mas apenas coloquei, aventei a hipótese de isso poder ter acontecido, pois as imagens não eram conclusivas. E, tendo em atenção o facto do tr. Litos não ser tolinho e ter decidido entrar sem mais nem menos, dentro do campo.

      Falei também que antes, na jogada anterior, haver uma falta grosseira feita por um jogador do SCP e a seguir, o árbitro, ter deixado que o jogo fosse reatado com falta a favor do SCP.. e ter dado o golo que valeu 3 pontos!!

      Ou seja, emiti a minha opinião, tal como todos os analistas e jornalistas o fazem. Ora, ISSO não quer dizer que eles sejam donos, senhores da razão!!!

      E a beleza do futebol também está nisso, na tal divergência de opiniões e interpretações. Por isso não venham lá com as tretas dos video-árbitros e o diabo a quatro, pois vai ser sempre, sempre uma interpretação pessoal!!

      Eliminar
    2. IN ON IN ON IN ON IN ON IN ON IN ON IN ON IN ON IN ON IN ON

      Eliminar
    3. E o vídeo-árbitro é um papão, mas um papão para quem gosta e é levado ao "colinho". O vídeo-árbitro não é o remédio para todos os erros, mas de certo iria atenuar muitos dos erros que todos observam, por esses campos de futebol. A "beleza do futebol" não pode estar na trafulhice, nos jogos de bastidores e nas interpretações mafiosas, sem critério e sem atender aos factos, por mais objetivos que sejam. A ser assim, o râguebi, ou o ténis eram totalmente desinteressantes, o que não é o caso.
      Quem não quer o vídeo-árbitro, é que está contra a verdade desportiva. É quem gosta de mover-se no lamaçal da trafulhice, da corrupção e da sem vergonha e não daqueles que possam gostar de beleza do futebol e da seriedade da competição.

      Eliminar
    4. Sem dúvida que a tecnologia pode aliar-se ao futebol.. mas não queiram por favor comparar Ténis ou Rugby com futebol. Não tem comparação.

      Que interessa ter video-árbitro se depois, mesmo assim, vendo as imagens mil vezes, cada um vê e interpreta conforme a sua cor e lentes clubisticas.

      Se até 3 ex-árbitros, vendo as imagens N de vezes dizem que o Naldo não fez penalty em Arouca, quando todos nós vimos que sim, que fez mesmo penalty!!

      Eliminar
    5. 3 ex-arbitros dizem que não, tu dizes que sim, quem tem razão?

      Eliminar
    6. 3 ex-árbitros.. e os restantes milhares e milhares de ex-árbitros, comentadores, adeptos, pessoas, gente como tu, ou como eu, não temos olhos?!

      Somos cegos?!

      Eliminar
    7. És igual aqueles políticos que interpretam a vontade dos votantes, quanto à natureza e sentido das respetivas coligações, do Partido em que votaram. Sendo eu ex-árbitro, sabes exatamente o sentido da minha apreciação? És um "artista" raro, mas não passas de um "pequenino" demagogo, tal como os políticos que referi anteriormente, mas não deixas de ter "graça".

      Eliminar
  4. MdC,
    este exemplo que descreves poderias partilha-lo directamente no site do rui Santos. Pode ser que ele responda ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei se teria grande utilidade, M. Pereira... ele tem o método dele, deve achar que é o que faz mais sentido...

      Eliminar
  5. FACTOS: depois desta lenga lenga toda , 2 pontos amealhados imerecidamente com Tondela e Estoril e 3 com o Arouca. Ele conhece-os. E depois ainda vem o outro a dizer que no café estava a ouvir a conversa dos supostos árbitros e ainda por cima com muita atenção. Isso é muito feio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tondela: Um golo com a mão em fora de joga
      estoril: uma penalidade por assinalar antes do golo (mão do mano)
      arouca: http://foradejogo08.blogspot.pt/2015/11/arouca-sporting-e-unanime-naldo-nao-faz.html

      vai dormir rapaz

      Eliminar
    2. É evidente! para uma "visão" avermelhada, é mesmo isso.

      Eliminar
    3. Tondela: um golo de lançamento lateral quase dentro da grande área
      Estoril: uma grande penalidade precedida de fora de jogo flagrante
      Arouca: o maior penalti da história escamoteado, desde que se considere que Naldo não é um animal rastejante.

      Acorda, rapaz!!!!


      Eliminar
  6. Mestre de Cerimónias, depois desta analise pertinente sobre o trabalho de outros convido-o a rever a sua analise ao Benfica 0-3 Sporting, pois no meu modesto entender está pouco consistente atendendo aos critérios por si previamente definidos.
    Considerou única e exclusivamente um lance ocorrido ao minuto 8' fazendo tábua raza de todos os outros lances por si elencados.
    Quando diz e passo a citar "Para além disso, valorizo mais os erros críticos de arbitragem que acontecem primeiro......." significa para mim não desvalorizar por completo todos os outros ocorridos à posteriori.

    ResponderEliminar