terça-feira, 20 de dezembro de 2016

20 notas pouco soltas sobre o plantel do Sporting

O que não podia ser evitado

1. As vendas de Slimani e João Mário, concretizadas poucos dias (ou horas) antes do fecho da janela de transferências, com a época já em pleno andamento, condicionaram a formação do plantel. Não só pelo facto de o clube ter deixado de contar com dois jogadores fulcrais, mas também por ter provocado uma corrida ao mercado nos últimos dias de agosto - face às necessidades do plantel e ao dinheiro que finalmente tinha na mão.

2. Depois de uma pré-época atípica - em que Jesus praticamente não pôde contar com os quatro campeões europeus e Slimani -, entraram vários jogadores com a época já em andamento. Pior, numa fase em que já havia compromissos europeus a meio da semana, alternadas com pausas para as seleções. 

3. Nem o timing das vendas - controlado por quem tem o dinheiro - nem o das compras - a que se sujeitam os clubes que necessitam de vender para comprar - podiam ser controlados pelo Sporting. A direção fez aquilo que tinha a fazer: negociar as vendas nas condições mais favoráveis para o clube. Não podia recusar-se a vender: era um imperativo financeiro, mas também havia que considerar as expetativas dos jogadores e o estabelecimento do Sporting como um clube capaz de vender caro. Isso foi alcançado de forma equilibrada - convém lembrarmo-nos que Adrien também podia ter sido vendido -, registando o Sporting as duas maiores vendas da sua história, e com o bónus de nem sequer haver comissões a pagar.


O que podia ter sido evitado

4. A pré-época do Sporting foi desastrosa. Rapidamente se percebeu que havia imenso trabalho a fazer com os novos jogadores. Também rapidamente se instalou a (justa) desconfiança na capacidade que alguns jogadores teriam para estar ao nível das exigências de um candidato ao título.

5. A pré-época, face à ausência dos campeões europeus e, durante algum tempo, de Slimani, acabou por dar muito tempo de jogo a jogadores que estavam na porta de saída - Ewerton, Aquilani, Barcos, Carlos Mané - e a jogadores novos - contratados ou da formação - ou pouco utilizados na época anterior: Jug, Stojkovic, Jefferson, Esgaio, Petrovic, Meli, Iuri Medeiros, Ryan Gauld, Podence, Matheus Pereira, João Palhinha, Spalvis e Alan Ruiz.

6. A exigência dos adversários - quase todos de Champions e com a preparação mais adiantada -, misturada com circunstâncias anormais de jogo (como expulsões prematuras ou frangos dos guarda-redes), fizeram com que muitas das partidas se tornassem em experiências penosas. Poucos - desde os habituais titulares até aos reforços - mostraram boas indicações.

7. No final da pré-época, Jorge Jesus teve que decidir quais os jogadores que iriam ficar no plantel. A preferência foi clara: os jogadores provenientes da equipa B foram preteridos em favor dos reforços. Percebe-se a ideia: Jorge Jesus preferiu apostar na experiência, considerando o nível dos desafios que se avizinhavam. Podence, Iuri, Gauld, Palhinha (e ainda Francisco Geraldes e Domingos Duarte) foram colocados em clubes de primeira divisão para ganhar rodagem. Matheus ficou, mas sem contar para o treinador.

8. É fácil, neste momento, criticar Jesus por ter optado pela experiência em detrimento da juventude. No entanto, nada nos garante que Podence, Iuri, Gauld, Palhinha, Domingos ou Geraldes fizessem a diferença em relação aos que ficaram no plantel. Estes seis jogadores impuseram-se, com maior ou menor dificuldade, nas equipas a que foram cedidos, e estão a ganhar ritmo e experiência que acelerarão o seu desenvolvimento - certamente mais do que se ficassem no Sporting para serem utilizados esporadicamente. Uma ressalva: a situação de Iuri é diferente da dos colegas, pois já fez a rodagem suficiente na primeira divisão em épocas anteriores, e o seu jogo não ganha nada com o empréstimo ao Boavista. Mas também não foi pelo seu jogo que Jesus o dispensou - terão sido questões de falta de aplicação nos treinos.

9. É assim tão estranho que Jorge Jesus tenha preferido apostar na experiência? Olhando para os últimos anos, contam-se pelos dedos de uma mão os jogadores da formação que se impuseram no plantel principal sem terem rodado noutros clubes. Gelson Martins é a exceção a uma regra que conta com os exemplos de Cédric, Rúben Semedo, William Carvalho, Adrien Silva e João Mário. Carlos Mané, Tobias Figueiredo e Matheus Pereira também foram promovidos sem terem rodado noutros clubes, mas nunca se chegaram a impor. A evolução normal de um jogador passa por ganhar experiência num patamar intermédio entre a equipa B e o plantel principal do Sporting.

10. Apesar de estatisticamente compreensível, a decisão de Jorge Jesus não encaixa na cultura que existe no Sporting - a aposta contínua em jovens da formação. O normal é que, todos os anos, um, dois ou três jogadores da formação sejam integrados no plantel principal. Na época passada Jesus lançou Gelson e Rúben (e Matheus, a um nível menos regular). Bastava uma aposta regular em Matheus para manter essa tradição com uma chama minimamente acesa. No entanto, nem isso Jesus fez.

11. Ao invés, abriu espaço no plantel para um conjunto de jogadores que, ao fim de meia época, ainda estão por justificar o porquê dessa aposta, como Petrovic, Meli, Elias, Alan Ruiz, Markovic, André e Castaignos. Alguns desses jogadores prometiam, outros nem por isso. O que é facto é que nenhum destes rendeu aquilo de que o clube precisava: alguns por falta de categoria, outros por problemas de adaptação, outros, se calhar, por falta de vontade ou estaleca psicológica.

12. Olhando para o panorama global do ataque ao mercado, são poucas as contratações que, neste momento, se podem considerar acertadas. Dost é, de longe, a melhor contratação. Campbell, mais irregular, também é uma mais-valia. Outros, mesmo jogando pouco, mostram capacidade para estar ao nível das exigências se forem chamados a competir - como Beto e Douglas.

13. Considerando tudo isto, parece-me que os maiores pecados da estrutura do Sporting estão no trabalho que foi feito na formação do plantel. Gastou-se demasiado dinheiro para tão poucos reforços efetivos. Não nos podemos esquecer que, segundo o R&C do primeiro trimestre, este deverá ser o plantel mais caro da história do Sporting. Neste momento, parece óbvio que Jorge Jesus apenas confia num conjunto de 14 ou 15 jogadores - o que é muito curto para uma época tão preenchida. 

14. A prospeção de jogadores é um dos grandes problemas do Sporting. Desde que Bruno de Carvalho tomou posse, a percentagem de acerto nas contratações é muito reduzida. Na época de Leonardo Jardim houve um acerto razoável, mas o nível de exigência era inferior. Na época de Marco Silva, as contratações foram um desastre. Nestas duas épocas, há uma atenuante importante: não havia dinheiro para comprar jogadores acima de preços de saldo. Nas épocas de Jorge Jesus, o paradigma mudou. O acerto subiu bastante na época passada, mas na atual voltou a cair significativamente.

15. Parece-me que Bruno de Carvalho cometeu um erro: colocou demasiado poder nas mãos de Jorge Jesus. Vieira cometeu o mesmo erro em julho de 2010 e arrependeu-se. Jesus tem várias qualidades, mas a identificação de jogadores não é uma delas. O caso de Alan Ruiz é paradigmático: o Sporting gastou cerca de 8 milhões (2 desses milhões foram em prémio de assinatura para o jogador) para satisfazer um pedido do treinador. O problema é que as características do atleta nem sequer se encaixam no esquema tático de Jesus. Com este dinheiro, teria sido possível contratar dois jogadores habituados ao futebol europeu e com margem de progressão igual ou superior.

16. Os resultados das opções tomadas em julho/agosto estão à vista de todos: há poucos jogadores que entrem nas contas do treinador, e muitos dos atletas mais utilizados estão agora a ressentir-se fisicamente da sobrecarga de jogos a que foram sujeitos.

17. Paralelamente à questão de confiar num núcleo de jogadores tão reduzido, Jesus também tem responsabilidades na forma como não está a conseguir tirar o melhor proveito de alguns dos seus atletas. Por exemplo, continua a colocar Campbell fora de posição, Ruiz a fazer de Teo, e a teimar em exigir de Gelson e Dost aquilo que exigia de João Mário e Slimani. São jogadores muito diferentes. Jesus pode tentar adaptar os jogadores ao seu esquema de jogo, mas também deve adaptar o seu esquema de jogo às características dos jogadores que tem. É inadmissível que Dost não tenha mais do que 2 ou 3 oportunidades de golo em cada jogo. Por vezes, nem 2 tem... e assim fica difícil marcar.


O que fazer no que resta de dezembro e em janeiro?

18. Tem, obrigatoriamente, de haver um esforço para reestruturar o plantel. Aqueles que não têm nível para representar o Sporting, devem sair já. Desses, é vender quem tiver algum mercado, e tentar chegar a um acordo de rescisão com aqueles que não tiverem clubes interessados.

19. Fazer regressar alguns dos jovens da casa que podem fazer posições para as quais não há quaisquer alternativas aos titulares. Não fazê-los regressar só por regressar - se é para jogarem pouco ou nada, mais vale continuarem a ganhar experiência onde estão. Seria importante por vários motivos: recuperar alguma empatia dos sportinguistas com a equipa, e começar a preparar a próxima época ao mesmo tempo que se luta pelos objetivos que ainda nos restam.

20. Jorge Jesus é o melhor treinador que o Sporting pode ter. Escrevo isto convictamente - e mesmo considerando as críticas que fiz nos pontos anteriores. Mas o facto de ser um técnico excecional, não significa que seja igualmente excecional em todas as vertentes do seu trabalho. Bruno de Carvalho precisa de gente, no departamento de futebol, que complemente Jesus nas suas lacunas. Há, por isso, que retirar a Jorge Jesus o poder em excesso que lhe foi atribuído. Jesus não tem competências de olheiro e não tem competências de diretor desportivo. Bruno de Carvalho precisa de um diretor desportivo forte e com poder, e precisa também de rever a estratégia ao nível da prospeção. Não sei se já existem pessoas com as qualidades necessárias na estrutura atual. Se sim, é dar-lhes a oportunidade. Se não, há que os recrutar. Mais do que as eleições, a prioridade de Bruno de Carvalho deve ser a de se rodear de pessoas competentes - e não apenas de yes-men. Conseguindo isso, a vitória nas eleições - se é que não está já garantida - surgirá como inevitável consequência.

44 comentários :

  1. Ponto 13
    À imagem de época passada, em que apenas precisávamos de comprar jogadores para lugares específicos, mais uma vez assistiu-se a aquisições sem nexo como as de Castaignos/André, Meli ou Petrovic, para posições onde já existiam diversas soluções da epoca passada ou novos valores em quem apostar.
    Ao mesmo tempo, a posição de defesa lateral, esquerdo é direito, continuou a ter os mesmos nomes e a mesma mediocridade de soluções.

    Janeiro precisa das correcções indicadas pelo Mestre.
    Dispensar quem não tem qualidade, apostar na nossa formação e comprar dois laterais que sejam aposta de futuro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não concordo em relação ao facto de existirem soluções vindas da época passada. Precisávamos de alternativas para o Adrien, William e para a posição de ponta-de-lança, pelo que compreendo que se contratassem jogadores para essas posições. O problema é que, de uma forma geral, não se contratou bem... se tivéssemos contratado bem, não estaríamos a discutir isto.

      Eliminar
    2. Mestre,

      Menos palavra, mais palavra estamos de acordo no essencial.
      Para zonas muitos similares no terreno e como alternativas a William e Adrien, foram adquiridos nas duas últimas épocas:
      - Meli, Petrovic, Elias, Aquilani, Rosell e Bruno Paulista.

      Destes apenas Aquilani jogou um pouco mais e Elias jogou por força da lesão de Adrien esta época.
      - No início da época tínhamos ainda Gauld e Palhinha como razoáveis soluções para este plantel sem precisar de gastar dinheiro.

      Depois de vermos o que produziram alguns destes reforços, até mesmo André Martins e Wallyson seriam mais importantes que a maioria dos "reforços"...

      Espero no entanto que o Sporting volte a acertar nas contratações da janela de transferências como o fez na época passada com Coates e Bruno César + regresso de Semedo.

      SL

      Eliminar
  2. Se calhar vou-te surpreender com isto mas eu gosto do André e comecei a gostar do que vi do Petrovic quando jogou na taça. Acho intelectualmente desonesto quem critica o André por não marcar golos, quando o jogador quase nem tem minutos para jogar, comparado com outros em que JJ aposta insistentemente e continuam sempre a mostrar que não estão para aí virados (Bryan Ruiz).

    Jogadores sem qualidade para o SCP?
    Castaignos, Bryan Ruiz, Schelotto, Jefferson, Elias, Zeegelar e Markovic.

    A contratação do Emanuel Mas para lateral esquerdo deve ser considerada prioritária, em Janeiro. Depois, sem ser Gelson não há um único criativo com qualidade no plantel. Nunca pensei dizer isto, mas sinto a falta de Montero (mesmo sabendo da sua falta de garra a pressionar as defesas como fazia o Slimani).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mike, eu também gostei do que vi do Petrovic quando jogou contra o Arouca... mas o que é facto é que não conta para o treinador. E aos 27 anos, se não serve agora, dificilmente alguma vez servirá. Quanto ao André, já revelou bons pormenores e admito que não ajuda ser utilizado de forma tão irregular... mas não estou seguro que seja aquilo de que o Sporting precisa.

      Eliminar
    2. Não considero o Bryan Ruiz sem qualidade para o Sporting. Acho apenas que está a atravessar um mau momento de forma é que por isso precisa de banco. No entanto tem qualidade!

      Concordo na tua opinião relativamente ao André. Do que vi acho que merece mais tempo.

      Eliminar
    3. O Bryan Ruiz é genial... mas é um jogador avançado que passou ao lado duma carreira de super-craque porque tem um pé direito que é um autêntico desastre... muito pior que um Messi que também só joga quase sempre com o esquerdo... o que dele um erro se hogar a 2o avançado.

      Depois apsar de se ter adaptado muito, e ter feito uma época magnifica o ano passado, é um jogador que já vai pos 32 anos... a capacidade de intensidade constante vai começar a cair em flecha, e se para dentro da área não dá... futebol actual jogador de area com um pé cego não dá mesmo... pas alas vai dando menos

      O André o Spalvis se o varandas não o vetar como uma liabilidade para lesões constantes no futuro, o Castaignos e ou o Gelson Dala . .. o Sporting tem de jogar com 2 homens de area SEMPRE em qualquer porcaria de campo em Portugal ... Ruiz não dá.ponto... basta ter 2 laterais de superior qualidade, para os alas poderem ser mais interiores e manter a mesma capacidade de meio campo.

      Então o que falta são realmente laterais de nível superior mundial para a qualidade subir varios degraus acima.

      Eliminar
  3. Acho a análise que fazes correcta em alguns pontos, mas com a situação financeira do Sporting, esta Direcção não se pode dar ao luxo de andar a brincar ao FM todos os Invernos porque errou no casting de Verão. Chegar a acordo com jogadores para rescindir contratos foi o que andou a fazer o Godinho durante meses, e isso implica pagar indemnizações chorudas a meio da época pois, vendo do lado dos jogadores ninguém gostaria de ficar no desemprega a meio da temporada.
    O clube tem que assumir riscos, até aí entendo, mas tem que assumir igualmente responsabilidades dos acertos e, acima de tudo, dos erros que fez. Neste momento, quantas pessoas poderão dizer que houve erro nas contratações de jogadores como Melli, Petrovic, Castaignos ou outros tantos? Se poucos ou nenhum minuto de competição tiveram. Jorge Jesus tem que assumir que é com estes que tem que inverter a situação e começar a dar oportunidades a outros de terem minutos e tentarem mostrar serviço. Não acredito que haja algum jogador dentro do plantel que não deseje jogar, que não queira convencer o treinador e como tal, tem que parar de se limitar a um número limitado de jogadores como se o plantel não existisse para além dos 14 ou 15 jogadores que referiste.
    Acho que a solução de trazer uma fornada de jogadores de volta não irá funcionar. Nunca seriam titulares até ao final da época no Sporting e para isso mais vale terminar a época nos clubes em que estão. Trazer para fazer número e agradar a certos sectores de Alvalade não vai funcionar. Têm que mostrar na próxima pré-época que o que fizeram esta temporada é para continuar e evoluir.
    Já a contratação de alguns elementos acho vital. As laterais deste plantel são miseráveis. Jefferson deve arranjar clube e Esgaio já não se justifica a sua presença no Plantel após tantos anos sem sucesso. Um dos laterais-direitos tem que ter guia de marcha no final da época: ou Schelloto ou João Pereira. Marvin, a meu ver, pode ficar mas tem que ter concorrência à sério: Jonathan regressa ou contrata-se alguém que entre de caras na equipa.
    Não vejo com maus olhos o regresso de Téo mas não acho essencial. Essencial será restruturar o esquema táctico de JJ. Acho que a equipa joga hoje muito mais próxima de um 4-3-3 ou de um 4-5-1 do que de um 4-4-2 deliberado que tanto ele aprecia. Joga-se muito pelas alas e sem sucesso algum. Não se afunila o jogo, não se criam oportunidades suficientes, não se empurra o adversário para trás como fazíamos o ano passado e trememos cada vez que a outra equipa decide atacar pelas faixas. Há cansaço acumulado, há falta de discernimento e calma e muita falta de pontaria (resultado de tudo junto).
    Agora é ganhar no Restelo, custe o que custar e meter baixa até Janeiro. Descansar e fazer "reset". Todos: jogadores, treinador e até mesmo dirigentes.
    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito boa análise!
      aproveito para acrescentar que o jogo de Madrid [do nosso (des)contentamento], teve algum sucesso, porque se usou e "abusou" do jogo interior, na minha humilde opinião, isso, e fazê-lo entre as linhas do adversário, é 90% do DNA de equipa grande

      Eliminar
  4. Boa analise Mestre...como de costume :)
    Realmente é preciso corrigir muita coisa em Janeiro e tenho a certeza que o acordo com a Traffic servirá para isso mesmo. Estou até a acontar que esses senhoras possam colocar no Sporting jogadores que realmente possam fazer a diferença.
    Fazer regressar os nossos miudos só mesmo com a garantia que queremos apostar neles caso contrário mais vale andarem a jogar 90 minutos todas as semanas.
    Por mim apostava mais em Matheus que pode ser outro elemento desequilibrador (incrível como o plantel só tem 1!) e preferia ver regressar Podence para o lugar de André para jogar nas costas do ponta de lança. Em todo o caso acho que JJ tem o desejo de ver regressar Teo.
    Vender Elias por uma nota preta e ainda trazer Montero seria o meu sonho de Natal :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. M Pereira, desejo que o Matheus tenha mais oportunidades para jogar... mas JJ parece não contar com ele.

      Eliminar
  5. Mestre concordo com 90% do texto. Antes de mais devo dizer que é a melhor avaliação sobre o momento actual que li. Outras coisas: 1) BC terá o meu voto pela recuperação financeira e aumento competitivo que trouxe ao clube; 2) Sou fã do trabalho tactico que JJ dá às suas equipas.

    Posto o que não concordo (ou críticas que faço):

    "É fácil, neste momento, criticar Jesus por ter optado pela experiência em detrimento da juventude. No entanto, nada nos garante que Podence, Iuri, Gauld, Palhinha, Domingos ou Geraldes fizessem a diferença em relação aos que ficaram no plantel."

    Agora?? Houve muita gente a lamentar a debandada de alguns jovens da formação depois da pré-época! Para mim é vergonhoso dizer que Francisco Geraldes, Wallyson ou Palhinha não têm lugar no plantel e depois ir buscar Petrovic e Melis. Elias falhou rotundamente.

    Matheus viu o seu processo de crescimento interrompido. Será que com mais minutos não teriamos um Gelson do lado esquerdo? O que se pensa fazer em relação a este diamante bruto?

    Podence com a miséria que temos visto neste ciclo de jogos tinha dado muito jeito no apoio a Bas Dost. Vê-se o que tem feito semanalmente na nossa liga. Além disso tem uma mentalidade vencedora muito vincada.

    Esta merda não é o Benfica, isto não é um entreposto de jogadores, em que todos os anos vêm 12 e saem 10. Há miúdos com enorme potencial para aproveitar! No final da época devem vir cá buscar-nos Gelson, Adrien e William (é reparar no padrão!). Quem está a ser preparado nas suas sombras?

    Essa questão de terem de ser emprestados para crescerem é uma falácia também dita muitas vezes. Depende! O João Mário por exemplo subiu à A com um ano de atraso porque Jardim preferiu ir buscar o Gerson Magrão (tem o enorme mérito de ter apostado no William!). O Gelson ficou no plantel na época passada e jogou em bastantes jogos.

    Há muito para corrigir na politica de contratações. BC tem de reflectir seriamente nesta questão. Ter imagens dos Aurélios e depois comprar às dezenas não faz o mínimo de sentido. Os reforços têm de ser cirurgicos, com qualidade inequivoca e colmatar posições que não tenhamos em casa!!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. PM, por vezes pode ser contraproducente promover um jogador cedo de mais à equipa principal. Por exemplo, o Tobias cometeu demasiados erros e pode ter ficado marcado por eles. Mas é verdade que há decisões que não se compreendem, como essa do Magrão (e com o João Mário a ficar na B durante 6 meses) e que falta coragem aos treinadores para pegarem em certos jovens.

      Eliminar
  6. Temos o plantel mais valioso da 1 liga,demos banho de bola aos tripeiros e lampiões.Se querem mudar alguma coisa no futebol português não é com craques,mas com observadores de árbitros que lá vamos de forma a condicionarmos as arbitragens dos arbitros.Seja nos jogos do SCP,ou nos jogos dos rivais.Isso sim,foi o que faltou no planeamento deste ano.
    Às vezes fico com a sensação que as pessoas esquecem se que estamos em Portugal..
    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sendo assim o que foi fazer a juveleo ao centro de treinos? Não seria preferível pedir explicações à apaf ou à FPF?

      Eliminar
    2. Óbvio!

      Isto de andarmos a criticar escolhas de jogadores ( algumas acertadas ), depois do que se tem visto a nível de APFS??
      Não acho justo!

      Dia miúdos só Podence.

      Falar de Meli ... quando só jogou 5 minutos e bem.

      O preço de Elias e André ... não foram caros para o estatuto deles.

      Markovic ... talvez o caso mais estranho, mas todos gostaram de o ver chegar para o Sporting.
      Ainda por cima devia ter alguma cláusula que o obrigava a jogar na LC... veio a demonstrar ser o maior de todos os erros!

      Castanhos ... nem eu tinha ouvido falar dele... muitos aqui já deliravam com o homem.
      Não é bom nem mau... falta lhe estatuto.

      Alan Ruiz... talvez o caso de menos sucesso. Que eu acredito ser... não por falta de empenho do rapaz... mas porque não tem as características exigidas e exigentes que o JJ está a por no jogo dele. Acredito que até esteja a evoluir muito nas mais do mestre. Deve ser o tipo de atleta que demora mais de um ano a estar no ponto, para jogar na europa.
      Tem muitas manias de vedeta... porque o era no país dele.

      Acho que temos todos de reformular os objectivos e esquecer o que os adversários dizem de nós.

      Agora... seria aconselhável recolha e jfovo só no "jogo a jogo", até ao final do campeonato e taças.

      Eliminar
  7. Mestre,

    Discordo que fosse possível ir buscar, pelo mesmo preço, dois jogadores Europeus com mais potencial que o Alan ruiz. Até os jovens jogadores sérvios com potencial já custam mais de 10 milhões. Com 8 milhões contratam-se dois jogadores do nível do Ryan Gold, ou seja, para jogarem dali a 3 anos (se evoluírem bem).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais Mestre!
      Por acaso tenho a mesma opinião do que o Francisco, não que conseguiríamos ir buscar dois jogadores europeus pelo preço que demos pelo Alan.. Mas secalhar um jogador com outras qualidades pelo mesmo preço!
      Acho realmente, como já tinha dito anteriormente, que não temos banco. Não temos soluções para o meio campo e Adrien e William infelizmente não são máquinas que conseguem estar em todas as frentes a 100%, é humanamente impossível e simplesmente não há soluções. Meli jogou 15 minutos no total (e e e..), Elias não é opção segura, Petrovic gostie do pouco que vi mas JJ simplesmente não lhe dá minutos. Assim fica difícil..
      E esta situação ainda mais se notou quando Adrien se lesionou (e os consegquentes pontos que perdemos por essa altura).
      Acho que para uma equipa que foi a mais cara, está-se a revelar um fracasso, com excepção de três ou quatro. (Dost, Campbell, André e pessoalmente gosto do Marvin, embora ache que falte ali qualquer coisa).
      Temos que aproveitar o mercado de Inverno para despachar aqueles que não têm lugar no plantel, seja via venda, via rescisão, o que for mais favorável para o Sporting e ir buscar jogadores que já jogam na primeira liga, como fizémos, se não estou em erro, com o semedo.

      Eliminar
    2. Concordo com a Jotinha, não têm banco.
      Acrescento, não têm treinador nem presidente.

      Eliminar
  8. Mestre, tudo isso é certíssimo. Pessoalmente sou um crítico do Jesus e da liberdade que exige/ lhe foi dada, mas agora é fácil criticá-lo. Se anulassem o golo ao Guimarães ou marcassem os pênaltis da Luz e contra o Nacional e Braga, não estávamos a fazer estas análises que, apesar de mais difíceis, são mais objectivas quando se está a ganhar. Pior, fazê-las neste momento têm o risco acrescido de branquear os erros dos outros. E, apesar dos erros próprios, objectivamente, só estamos a 8 pontos do primeiro lugar porque, por factores externos, os nossos erros ficam sublinhados a amarelo fluorescente e os dos outros são escondidos debaixo do tapete. Lá está, parece que para ganhar temos que ser tremendamente superiores. E, no ano passado, nem isso foi suficiente...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei do optimismo do guarda redes "SÓ estamos a 8 pontos".
      Também SÓ ficaram a 1 ponto de ir à liga europa.
      Também SÓ estão há 15 anos em seca extrema.
      SÓ é mesmo muito relativo, depende de que emite o SÓ.

      Eliminar
    2. Férenc, a questão do plantel não invalida a questão da arbitragem. Falarei disso em breve.

      Eliminar
  9. Mestre. E agora retirar algum poder a jj ?

    ResponderEliminar
  10. O Problema do Sporting é a fraca politica de contratações desta direcção, que já vem desde antes do JJ, que pouco ou nada contribuíram para a equipa:
    Naby sarr, Ramy Rabia, Vitor Silva, Shikabala, Ryan Gauld, Tanaka, Dramé, Sacko, Jug, Zeegelar, Aquillani, Paulista, Rosell, Barcos, Petrovic, Elias, Castaignos, Meli,
    Alan Ruiz, André, Douglas.
    Esta falta de qualidade de contratações, tem sido colmatada pela excelente qualidade da formação que apareceu... mas agora com a saída do João Mario e a lesão do Adrien e a baixa de forma do WC foi evidente o problema...
    O Sporting tem de passar a investir melhor. O dinheiro gasto no Paulista e Gauld dava para comprar um médio de referencia...

    ResponderEliminar
  11. Precisamos de um directo desportivo e de uma equipa de scouting 100% profissionais. Nem precisam de ser pessoas com ligação ao clube, desde que sejam competentes. Para mim o desejável era o Sporting ter um gestão desportiva como a dos clubes alemães, RB Leipzig e Hoffenheim, por exemplo. No médio/longo prazo só uma estratégia bem delineada e pensada nos vai garantir as vitórias que tanto queremos. Esta estratégia de all in é compreensível pela conjuntura, mas não vai garantir resultados nem estabelidade financeira no longo prazo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Certo, Manuel. Há que estabelecer um ponto de equilíbrio entre o investimento e a formação. Para isso é vital melhorar a prospeção, para comprar melhor e em menor quantidade.

      Eliminar
  12. Concordo especialmente com os pontos 14 e 20, e lembro que havia um entusiasmo em torno dos reforços no início de setembro.

    Já agora, se quiser ler, fiz aqui uma sucinta análise ao valor real do ordenado do JJ:

    http://ocalcanhardoxandao.blogspot.pt/2016/12/o-mito-de-jj-ser-caro.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem de calcanhar, nem com o cotovelo.
      Se existem treinadores com vencimento muito inferior e com performances muito superiores, 8 milhões (sim, é o vencimento) é muuuuuuuuuito caro principalmente para quem está em falência técnica.

      Eliminar
    2. não conheço nenhum treinador disponível com o performance dele, tendo em conta os recursos que tem à sua disposição.

      nem o vencimento são 8 milhões, e mesmo que fossem, seria (relativamente) barato para os rendimentos que vêm do seu trabalho, que são imensamente superiores.
      e o sporting já não está em falência técnica, lamento.

      já agora, devo elogiar-te uma coisa, tu és muito obediente, admiro isso.
      engoles TUDO o que te esguicham pela garganta adentro.

      aconselho-te a não aprenderes a pensar nem a ler, as letras atrapalhar-te-iam, e só te ia trazer desilusões.

      Eliminar
    3. Assino por baixo! JJ faz o que nenhum outro treinador faz. Na valorização de atletas, em Portugal apenas é superado pelo Jorge Mendilhões.

      Eliminar
  13. Boa analise.
    Não me parece que iremos assistir a revoluções no plantel em Janeiro. Nem ao regresso dos jogadores da casa emprestados. Talvez um ou outro, dependendo de quem saia. A Traffic, deverá querer fazer um brilharete já nesta sua 1ª acção com o Sporting, aposto na saída de Jefferson e entrada de um LE.

    Em relação ás contratações, parecem apenas contar para JJ, Dost, JC e Markovic. É que quase que diria que foram apenas estes 3, que foram 1ªas escolhas de Jesus. Campbell e Markovic, um antigo desejo, e outro que conhece muito bem.
    Será que todos os outros (Elias, Petrovic, Douglas, A.Ruiz, André, Castaignos) são 1ªas escolhas, ou até mesmo escolhas de JJ?
    Sim, JJ disse que o presidente lhe tinha dado tudo o que lhe havia pedido, e agora está a pagar também pelo que disse.

    Se Elias sair em Janeiro para a China (como se fala), não tenho duvidas que foi negócio, para favorecer alguém, e até para reaver a percentagem do passe que ainda tinhamos dele. Não critico, foi bem jogado, só que por aqui se vê que Elias nunca foi reforço do plantel.

    20. Sim, também concordo que Jesus é o melhor treinador que poderíamos ter. Comparar o que esta equipa joga com Jesus, com o que jogava com M.Silva, é anedótico. Se há alguém com capacidade para dar a volta à situação, é ele.
    Director Desportivo? Mais uma personalidade forte entre eles? Não creio que seja por ai, até porque (assim se espera) a Traffic vai ajudar nessa área mais debilitada em que estamos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fullrise, cá para mim o Markovic também já deixou de contar... é apenas uma sensação que tenho. :)

      Tanto quanto sei: Elias, Petrovic, Douglas, A. Ruiz e André são escolhas de JJ. Castaignos não foi escolha de JJ.

      Eliminar
    2. JJ é um homem de ideias muuuuuito fixas, e de todos os reforços apenas não "exigiu" Beto (nunca o gramou, aliás...), Castaignos e Spalvis (talvez tenho sido "ideia" de Manuel Fernandes, a nossa lenda dos golos que foi contratada pelo próprio JJ para chefiar o departamento de "scouting"...), TODOS OS OUTROS foram EXIGÊNCIAS dele, incluindo Markovic, Campbell, Melli, André, Elias, e Douglas, jogadores por quem se andava a babar há duas, três, ou quatro épocas, Petrovic veio porque aquele médio brasileiro do Tottenham (Sandro) tinha o joelho avariado, e Alan Ruiz foi a grande HISTERIA DE VERÃO do nosso mister, que EXIGIU ao presidente que não o deixasse fugir para os rivais (na sequência da "fuga" de Cervi, Danilo, e Carrillo), uma vez que tanto SLB como FCP igualaram e ultrapassaram as propostas do Sporting (o próprio jogador o confirmou publicamente na altura), que teve de subir até aos 8 milhões de euros, e satisfazer integralmente todas as exigências e "prémios" reclamados pelo jogador e pela sua "turminha"(grupo de sanguessugas que o acompanha para todo o lado - pai, irmão, primos, e companhia -, como muito bem os descreveu o LF Scolari).

      Eliminar
  14. Ponto 8 - Disse-o aqui na pré-época, mas eu sou um benfiquista infiltrado com inveja...
    Não MdC, ninguém garante que fariam melhor, mas esses mesmos miúdos faziam, no mínimo, igual e são muito mais baratos.

    ResponderEliminar
  15. análise globalmente certeira sobre os problemas desta temporada.

    Discordo, contudo, da premissa que um jovem jogador tem necessariamente primeiro de "rodar" noutros clubes menores para depois se poder afirmar na equipa principal...

    Aconteceu com o Ronaldo? Com o Quaresma? Com o Moutinho? Com o Rui?

    Okay. numa equipa pequena jogam mais, ganham mais ritmo... Mas a treinar com um treinador credenciado e lado a lado com jogadores internacionais, não aprenderiam mais?

    E não poderiam treinar todos com a equipa A e jogar alguns pela equipa B? Não deveria ser para isso que serviria a equipa B?

    ResponderEliminar
  16. ... e outra coisa!

    Ainda que sejam (em boa medida) produtos de marketing e não tão bons e maravilhosos como nos querem fazer crer... não puseram os galinácios a jogar na equipa A o sanchez, o nelson semedo, o lindelof, o Guedes ou o Ederson? por onde rodaram estes?

    ResponderEliminar
  17. Resumindo, a culpa principal é do jj mas com o beneplácito precisamente de alguém que vos suga mensalmente essas mesmas 20 notas soltas mas de 500 euros (fora os bónus).

    ResponderEliminar
  18. Alguém me consegue dizer se houve, de facto, uma alteração no esquema táctico que o JJ usava no ano passado para este? É que ao sair o João Mário, o Slimani e o Téo parece, de facto, que a equipa perdeu velocidade, intensidade e, acima de tudo, jogo interior.
    O Gelson é o jogador mais talentoso do plantel, mas não pode levar a equipa ao colo, nem deve. No ano passado, Gelson entrava como um joker no desenrolar das partidas. Quando era titular, o impacto era menor. Hoje é muito mais jogador e não se equaciona já um jogo do Sporting sem o Gelson a titular.
    A adaptação do João Mário à ala direita, no ano passado, foi um golpe de génio mas fruto, também, das vicissitudes das circunstâncias (afastamento do Carrillo).
    Este ano perdeu-se claramente apoio ao ponta-de-lança, perdeu-se a capacidade de desenvolver jogo pelo centro do terreno e o adiatamento dos laterais é inexistente neste esquema táctico e com estes jogadores (Schelloto pelas suas características físicas e posicionamento ao longo da carreira e Jefferson pelo que já demonstrou no passado eram dois elementos desequilibradores).
    Logo, Gelson e Ruiz (agora Campbell) sentem-se desapoiados no ataque. Zeegelar não soube e não ajuda no ataque e Campbell não sente confiança para vir para o centro desequilibrar em tabelas com Ruiz ou Dost. Adrien parece que anda, cada vez mais, afastado do raio de acção da bola. Ora está demasiado atrás nas jogadas, ora está demasiado longe da baliza. Adrien, a par de Bruno César é, a meu ver, o jogador com melhor capacidade de meia distância e simplesmente tem sido uma nulidade nesse capítulo.
    Já Bryan Ruiz a minha análise é um pouco mais simples. Jesus deu-lhe, o ano passado, o ónus de trabalhar em trios e quartetos juntos em campo, com a bola no pé e com a máxima leitura possível das oportunidades de lançamento para Slimani e João Mário (os mais rápidos do ataque leonino do ano passado). Teo era um peão dentro do xadrez: arrastava adversários e baixava o suficiente no terreno para Ruiz e João Mário colocarem bolas nas costas dos defesas. Slimani com velocidade tentava tratar do resto. Poucos foram os jogos onde vi o Sporting usar e abusar das alas. Não os tinha, naturalmente, em campo e só com a entrada de Gelson em campo, se justificava jogar dessa forma.
    Ruiz precisa de ter um parceiro ou dois a seu lado, pois quando está de frente para os defesas, é quando faz mais estragos, pois tem uma leitura positiva do jogo. Para isso, as tabelas com Adrien e Campbell têm que resultar nessa dinâmica, não se pode permitir fazer a roda com a bola nos pés para se virar em direcção à baliza pois o tempo perdido para realizar essa manobra é uma eternidade. Já os defesas se reposicionaram.
    São pequenos apontamentos que não justificam tudo mas que, a meu ver, colocam uma boa parte da responsabilidade no trabalho do treinador (ou na deficiência desse trabalho) e na escolha do elenco. Não tenho dúvidas que Matheus deveria já ter o estatuto que Gelson teve o ano passado, o desequilibrador que poderia mexer com o jogo. Mas tenho dúvidas que isso venha a acontecer no decorrer desta época.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto são as duas coisas. O trabalho do treinador e a escolha do elenco. Apostar no mesmo sistema de jogo, mesma circulação, mesmo jogo sem bola, com elencos diferentes, não dá o mesmo resultado.
      Não foi só nas saídas de Teo, J.Mario e Slimani que ficamos a perder. Para além de Dost, Gelson e Ruiz/Campbell não chegarem para montar o puzzle do ano passado, temos os laterais onde so JP vai jogando, Ruiz ainda não apareceu, Adrien e William com claros sinas de falta de explosão.

      A contituição do plantel não acautelou substitutos à altura, nem para os que sairam, nem para os que ainda cá estão.

      Eliminar
    2. Muito bem observado: por incrível que pareça as características da maioria dos jogadores (incluindo Bryan e acabando no caso gritante de Dost) não estão a ser respeitadas pelo sistema de JJ, e o pior de tudo é que o treinador desmoraliza aquele que está em melhor forma, e o único que sabe marcar livres directos (Bruno César é apenas o tapa-todos-os-buracos e o primeiro-a-ser-substituído-porque-eu-acho-que-sim-e-eu-é-que-sei) e nem sequer temos "armas secretas" no banco para mexer com o jogo.

      Olhem para o banco antes dos jogos!

      Se o Joel estiver no onze não há ninguém, mas absolutamente ninguém, que dê garantias de poder ameaçar a defesa contrária. Extremos então, nem vê-los!

      O Matheus está de malas feitas sabe-se lá para onde, o Marrekovic só serve para enterrar jogos na Liga dos Campeões, o Castanholas não dá uma para a caixa, e o André Balada só é o "Novo Liedson" nos sonhos perturbados do nosso confuso mister...

      Eliminar
  19. E os jogadores, ninguém merece ser criticado?
    Que época é esta do Adrien, que após 30 minutos de jogo, já parece esgotado, sem qualquer tipo de clarividência no jogo?
    O que faz Semedo com os braços e as pernas, nas vezes em que tem que parar um simples contra-ataque adversário?
    Onde está o melhor guarda-redes Europeu, que safa golos, e consequentemente dá pontos À equipa?
    O que se passou a Jefferson, que dos melhores laterais da Liga PT, passou a um dos grandes flops da atual Liga Nos?
    Qual o sentido de investir num jogador como Bas Dost se não tem nada a ver com o Slimani nem encaixa no sistema tático do Jesus?
    Onde está o avançado que marca golos e produz jogo ofensivo parecido com o Teo?
    Quais as razões para não se dar oportunidade ao Podence- que em vez de dar um passo, já podia estar a dar 3 ou 4- quando é o único médio/avançado que o Sporting tem que conhece bem, da equipa B, os automatismos da posição 9,5?


    Só eu é que vejo isto, Artista? Não me parece.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O quase melhor guarda redes do mundo, deu um frango, e nem uma palavra a dizer: "poderia ter feito muito mais" no lance do Wilson Eduardo!

      Eliminar
  20. Caro MdC,

    Concordo com quase todos as 20 notas soltas. Questiono-me porque é que agora é que solta as notas. Não vou comentar os pontos, acho que estão todos bem fundamentados e concordo na vasta maioria. Quero porém acrescentar uma nota de rodapé: não é agora que estão tudo mal e nunca esteve tudo bem. Vou só focar dois pontos: BdC e JJ.
    Não votei no BdC mas admito que trouxe uma outra mentalidade ao SCP e mexeu algumas águas turvas... mas... quem viu a entrevista do BdC ao CM não pode concordar nem com o conteúdo nem com a forma. Desculpem mas "paineleiro" não é forma de se dirigir a nenhum meio de comunicação... nem ao CM.
    O JJ é um conhecedor profundo do jogo. Talvez o mais conhecedor. Mais, ele sabe exactamente como comunicar o que sabe e transformá-lo em treino. Mas é o maior comissionista logo atrás do Mendilhões. Porque é que desfaz sempre as equipas?

    MdC, insisto, não está tudo perdido. Há muito campeonato e temos de dar à perna. Mais, o SCP não é o futebol sénior... há muito mais SCP! Agora... enfrentemos os problemas e tenhamos a coragem de discordar com um presidente que tem um discurso trauliteiro, perdendo alguma da razão que possa ter.

    Abraço,
    Pedro

    ResponderEliminar
  21. Relativamente ao ponto 20.

    Qualquer pessoa com conhecimentos minimos de gestão percebe o conceito de valor acrescentado. Passar de um treinador que ganha 500 para um que ganha 5000 não pressupõe uma multiplicação por 10 mas pressupõe melhorias que, desculpem lá, eu não vislumbro e que passariam por não perder jogos com equipaa que descem de divisão ou empatar em casa com equipas da segunda metade da tabela.

    Falam em valorização de jogadores mas digam-me que jogadores é que JJ valorizou no Sporting? João Mário? Desculpem mas sem Europeu Nunca seria vendido por aquele valor. Slimani? Continuou a evoluir. Gelson? É só apeoveitar o talento. Mas, e William? Vale mais depois de Jesus que antes de Jesus? Mane? Agora e coxo? Fui dos que aguentou no Jamor e, no prolongamento o o viu correr o campo todo para cortar um contra ataque. Jesus não sabe o que são jogadores com alma. É bom quando o plantel dele é muito melhor. Valor acrescentado? ZERO

    ResponderEliminar