quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

A entrevista de Bruno de Carvalho ao Record

A entrevista de Bruno de Carvalho ao Record foi dividida em duas partes. A primeira foi conduzida mais na ótica do candidato e das eleições que se aproximam, enquanto a segunda se centrou nas questões da atualidade que dizem respeito à equipa de futebol. Achei mais interessante a segunda metade do que a primeira. 

No que às eleições diz respeito, Bruno de Carvalho esteve bem. Soube rebater as acusações de Pedro Madeira Rodrigues e aproveitou para enviar algumas farpas de volta. Não houve muito mais sumo para espremer, já que não houve novidades sobre os planos de Bruno de Carvalho para o segundo mandato.

Na segunda parte da entrevista, os temas foram mais variados e interessantes: o caso do túnel, a questão dos 22 títulos, a estratégia das cláusulas de rescisão, o problema das VMOCs, e a equipa de futebol. Na minha opinião, Bruno de Carvalho esteve muito bem nas explicações que deu.

Considerando a entrevista bastante positiva na generalidade, quero fazer alguns comentários mais detalhados relativamente a alguns pontos mais complexos.



A questão da militância - segundo Bruno de Carvalho, foi este o motivo que o levou a ponderar a sua recandidatura (ou, se preferirem, a alimentar o tabu sobre a sua recandidatura). Ao contrário dos habituais chavões benfiquistas que não tardaram a aparecer após a publicação da entrevista, o presidente não se referiu à militância dos sportinguistas no apoio à equipa e à direção que lidera. Referiu-se, isso sim, à diferença de tratamento e ao nível de intervenção dos sportinguistas que ocupam lugares de decisão nas várias áreas da sociedade, face ao que é a realidade dos seus rivais. 

Isso é uma evidência indesmentível, começando pelo próprio poder político. É longo o historial de favorecimentos a Benfica e Porto: há, por exemplo, a construção do centro de estágio do Olival, cujos custos foram suportados na totalidade pela Câmara Municipal de Gaia; ou os facilitismos concedidos ao Benfica nos processos de construção do estádio e do centro de estágios do Seixal. Outros exemplos se arranjariam com facilidade. Com o Sporting, no entanto, o passado mais recente tem sido o oposto, com o poder político a funcionar como entrave em determinados projetos - nomeadamente a postura da Câmara Municipal de Lisboa. 

Mas não é apenas ao poder político a que Bruno de Carvalho se refere. Acredito que, na sua mente, esteja também a falta de ajuda dos sportinguistas com peso no mundo empresarial - que se poderia traduzir em mais patrocínios ou, simplesmente, em vendas de camarotes. 

Lobby político e participação do mundo empresarial na vida do clube: dois aspetos em que se nota, claramente, um atraso em relação aos rivais. Bruno de Carvalho tem razão? A meu ver, sim: deveria haver mais pro-atividade dos sportinguistas na colaboração com o clube, dentro daquilo que é razoável no âmbito das suas áreas de ação. E não devia ser necessário o clube pedir essa ajuda. Isto não invalida que o clube não possa criar melhores condições para que essa colaboração aumente - ajudava, por exemplo, que o Sporting trabalhasse (muito) melhor o setor corporate -, mas, de facto, os sportinguistas com assento em lugares de decisão podem fazer mais pelo clube.

A relação com a arbitragem - Bruno de Carvalho voltou a ser bastante compreensivo com o setor da arbitragem. Aprova as mudanças que estão a ser levadas a cabo pelo Conselho de Arbitragem, e disse que não lhe desagradaria que Jorge Sousa fosse novamente nomeado para o dérbi. Eu, infelizmente, não sou tão otimista em relação a esta temática. O quadro de árbitros é miserável. É verdade que é com este quadro de árbitros que teremos de viver nos próximos anos, e é verdade que o novo Conselho de Arbitragem nada pode fazer a curto prazo para melhorar a sua qualidade, mas o passado já demonstrou que de pouco nos tem servido uma postura de compreensão (verdade seja dita que a postura de confrontação também nunca nos levou a lado nenhum). Quanto à boa-vontade dos dirigentes que compõem o Conselho de Arbitragem, vou esperar para ver: na minha opinião, impõe-se uma revisão da nota que foi atribuída a Jorge Sousa no dérbi - uma autêntica afronta ao Sporting. Se o CA a deixar ficar como está, ficamos a saber ao que vêm.

O novo investidor - Bruno de Carvalho diz que já há um novo investidor e que o dinheiro já entrou. Se assim é, por que motivo não se anuncia à CMVM? Quando entrou o investidor e o dinheiro? Está espelhado nas contas do primeiro trimestre, ou aconteceu depois disso? Até posso admitir que não se divulgue já o nome a pedido do investidor, mas este foi o ponto da entrevista que mais me desagradou.

A guerra com o Benfica - Bruno de Carvalho fez bem em apontar para a hipocrisia de Luís Filipe Vieira. As palavras (aparentemente) pacificadoras do presidente do Benfica não encontram qualquer correspondência nas ações da estrutura que tem a trabalhar para si. O episódio da garrafa de água no camarote é de uma baixeza inqualificável, mesmo considerando o atual corte de relações entre ambos os clubes. No entanto, não concordo com Bruno de Carvalho em relação à estratégia de comunicação que tem seguido: não vejo o que se ganha com o facto de o presidente e o diretor de comunicação do Sporting estarem frequentemente a dar palco a paineleiros adversários - mesmo que o motivo seja apenas o de dar um contexto à mensagem, usando as suas próprias palavras. É verdade que a máquina de propaganda do Benfica é muito complicada de combater, mas o Sporting tem sido menos eficaz do que poderia ser, caso fosse mais cirúrgico nos momentos em que aponta as baterias para o rival. E custa-me muito a crer que as intervenções de Bruno de Carvalho sejam milimetricamente pensadas. Algumas, acredito que sim. Todas? Não me parece...

Jesus e o plantel - Bruno de Carvalho fez o que tinha a fazer, ao demonstrar total confiança ao trabalho de Jorge Jesus e à qualidade do plantel. Não podia ser de outra forma, com a época em andamento. Acredito que Bruno de Carvalho pense que Jorge Jesus é o treinador ideal, mas, como é evidente, não pode estar satisfeito com a qualidade demonstrada pelo plantel após o avultado investimento que foi feito. A altura não é para mandar recados para dentro, nomeadamente quando a janela de transferências está aberta - ou seja, há oportunidade para agir -, pelo que, definitivamente, não era altura para que o adepto que existe dentro do presidente tomasse conta do discurso. A altura é para contribuir em tudo o que for possível para recuperar a confiança perdida - já todos vimos que esta equipa pode jogar muito mais do que o que tem rendido nos últimos dois meses. Bruno de Carvalho manteve uma linha de raciocínio coerente e otimista naquele que era o tema mais delicado da entrevista, pelo que esteve muito bem.

13 comentários :

  1. Depois do que se viu ontem e a ser verdade que de facto o árbitro expulsou o Danilo não por palavras mas por uma marcha atrás mal calculada só me resta dizer que é melhor o futebol nacional fechar as portas.

    Um erro qualquer árbitro tem, só que o pior é o espírito que os árbitros demonstram contra as equipas adversárias dos corruptos vermelhos.A diferença de critérios comprova que há corrupção e da forte no futebol nacional.

    Aliás quem é o único clube a defender o actual estado da arbitragem?,que são os únicos adeptos a defenderem a arbitragem?,são os corruptos lampiões que só ladram quando as coisas lhes correm mal.

    Quanto ao Sporting e à entrevista que o Bruno deu ao Record tenho a dizer o seguinte,falar menos e menos facebook´s porque depois a mensagem fica vulgarizada e muita atenção à política de contratações que me faz lembrar um passado muito recente em que se vendiam os melhores jogadores e depois nem dinheiro nem jogadores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Aliás quem é o único clube a defender o actual estado da arbitragem?,que são os únicos adeptos a defenderem a arbitragem?,são os corruptos lampiões que só ladram quando as coisas lhes correm mal."

      3 de Janeiro de 2017, Bruno de Carvalho:"Conselho de Arbitragem está a fazer um bom trabalho"
      http://www.record.xl.pt/capas/detalhe/terca-feira-3-de-janeiro-de-2017.html

      É só rir!

      Eliminar
    2. Por razões óbvias e numa tentativa de pacificação e de melhoramento da arbitragem o Bruno apoiou a solução Fontelas só que as melhorias não se verificam porque há em todo o edifício do futebol um conjunto de árbitros,auxiliares,delegados e observadores ao serviço do cadastrado que vão impedir tudo que de bom se pretende fazer.

      Eliminar
    3. Para o King Lion o único adversário do Porto é o Benfica. Muito bom!! heheh

      Cumprimentos

      Eliminar
    4. O que é que o cú tem a ver com as calças ?.

      Eliminar
    5. Isso pergunto eu. Foi o King Lion que conseguiu encontrar uma relação entre o lance do Danilo e um benefício ao Benfica. heheh

      Cumprimentos

      Eliminar
    6. A nível de corrupção acho que ninguém tem dúvidas!!!!

      Eliminar
  2. Falando do caso corporate é, falo com conhecimento de causa, existem empresas em que os "decision makers" são vermelhos. Essas empresas têm lugares Corporate out Camarotes ( depende da empresa) no Estádio da Luz. Depois como existe um delegação mais a notte, têm também no Estádio do Dragão. Quando questionei o pq de não existirem os mesmo no Estádio Alvalade XXI, disseram me que não se justicava, mas a realidade é que quem decidiu não só é simpatizante vermelho, como sócio com lugar cativo. E os clientes que são SPORTING não têm o mesmo direito? Pois ... Muitos nem sabem que as empresas das quais são clientes têm estes lugares reservados. A lógica ditaria que se efectuasse uma rotatividade anual pelos clubes mais representativos a nível Nacional, mas a côr e a Militância de quem decide invalida esta opção. Fez e faz muito bem BdC pedir e exigir mais Militância a TODOS os Sportinguistas. Só assim seremos ainda mais fortes.
    Força Leões! Força Grande Sporting!

    ResponderEliminar
  3. Caros,

    É importante falarmos deste tópico da militância. Não nos esqueçamos que BdC não é um político e, com a sua impetuosidade afastou muita gente que agora tenta chamar. Entre os trastes, arrastou também muitos não trastes e isso vem com um preço... E depois, o pensamento estratégico de BdC não é também uma das suas qualidades mais uma vez. É muito tactico e pouco estratégico e é aqui que eu vejo a grande falha.

    Abraço,
    Pedro

    ResponderEliminar
  4. Sinceramente, é das entrevistas que menos interesse tive em ler.
    Acho basicamente que mesmo em época de eleições, o tempo não é de grandes palavras e precisa-se basicamente de mais e melhores resultados.
    Em época de investimento record no futebol e nas modalidades, apenas o Futsal correspondeu com as expectativas até agora.

    ResponderEliminar
  5. O click do candidato presidente é o seu anti-benfiquismo primário ou por outras palavras a sua relação de amor-ódio com o Benfica. O click do outro candidato foi o Marítimo-Benfica. Qual o denominador comum nas duas candidaturas? O MAIOR.
    "A relação com a arbitragem" - é boa, sempre que ganham. Bem tentaram uns favorzinhos colocando o amigo de infância na Liga e os filhos dos presidentes da APAF e CA a jogar no clube, mas jogam pouco e não dá para mais. Os árbitros não podem ajudar mais.
    "Jesus e o plantel" não fosse o vencimento principescamente milionário do iletrado e o BdC já o tinha mandado apanhar bolotas.
    "Tirar dinheiro do clube é facílimo" - Alan Ruiz e o irmão emplastro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó atrasadinho diz-me uma coisa...tu achas que se o Bruno de Carvalho não estivesse a falar verdade acerca das comissões ao(s) empresário(s) e do prémio de assinatura ao jogador eles não utilizavam a comunicação social para desmentirem ?.
      Não caias mais no ridículo,deves estar traumatizado com o Roberto !...ehehehehehehehe

      Eliminar
    2. Rudolfo, a única coisa que de facto vocês são gigantes é nas comissões pagas a agentes, clubes fantasma, dinheiros pagos via vochers, real colo, negociatas de MILHÕES e o clube a ver bola e sobretudo gigantes, enormes, galácticos na estupidez humana.

      Eliminar